24 de setembro de 2019

Partido Conservador de Boris Johnson expulsou vários conservadores por criticarem o islamismo


Partido Conservador de Boris Johnson expulsou vários conservadores por criticarem o islamismo

Julio Severo
Um especialista em islamismo está alertando que, mesmo sob Boris Johnson, o Reino Unido está se tornando um “miserável estadozinho policial” depois que seu Partido Conservador expulsou várias pessoas que postaram declarações na internet criticando o islamismo.
Boris Johnson e líderes islâmicos
O aviso vem de Robert Spencer no Observatório da Jihad.
“Essas suspensões amplas deixam claro que qualquer crítica ao islamismo ou aos muçulmanos, por mais acurada que seja, é proibida hoje no miserável estadozinho policial de Boris Johnson,” explicou ele.
As ações do Partido Conservador contra seus próprios membros que criticam o islamismo, estupradores islâmicos no Reino Unido e invasões islâmicas “ilustram a confusão — confusão que é deliberadamente semeada por grupos esquerdistas e supremacistas islâmicos — entre críticas legítimas ao islamismo como sistema de crenças e ideologia e ódio a muçulmanos inocentes,” disse ele.
Foi a BBC que confirmou que membros do Partido Conservador foram “suspensos por postar ou apoiar material islamofóbico.”
O comportamento de Boris Johnson e seu Partido Conservador é incompatível com o verdadeiro conservadorismo. Até a Grã-Bretanha reconheceu que em 2018 os cristãos sofreram um aumento de perseguição, com 245 milhões de cristãos enfrentando principalmente violência ou opressão islâmica em todo o mundo. Esse é uma estatística atordoante.
Mesmo assim, a Grã-Bretanha vem rejeitando refugiados cristãos legítimos e vem acolhendo milhares e milhares de “refugiados” islâmicos.
Se existe um grupo oprimido que tem todo o direito de criticar o islamismo são cristãos. Se existe um grupo opressor que não tem o direito de criticar os cristãos e merece muitas críticas são os muçulmanos por seu histórico horrível de perseguição, tortura e matança de cristãos.
Embora os cristãos tenham com toda a justiça o direito de fazer críticas abundantes ao islamismo por sua enorme violência anticristã, os muçulmanos têm se organizado na Grã-Bretanha, uma nação tradicionalmente cristã, para proibir e punir críticas ao islamismo. O Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha há muito tempo defende a punição para quem expressa críticas ao islamismo.
Os conservadores britânicos votaram em Boris Johnson porque ele se apresentava como conservador e porque eles estão cansados de um estado policial comandado por esquerdistas e islâmicos contra cristãos e a liberdade de expressão. Eles estão cansados de serem proibidos de identificar que a onda enorme de estupros contra meninas britânicas é islâmica. Eles estão cansados de serem censurados e punidos por mostrar a natureza ideológica maligna do islamismo.
No entanto, eles estão descobrindo que Boris Johnson e seu Partido Conservador não estão se comportando melhor do que a Esquerda e os supremacistas islâmicos ao expulsarem conservadores que postam e apoiam merecidas críticas ao islamismo.
Será que os conservadores britânicos conseguem ver Boris Johnson e seu Partido Conservador oferecendo alguma esperança de salvar o Reino Unido das invasões islâmicas e suas hordas de estupradores e censores?
Com informações do WND (WorldNetDaily).
Leitura recomendada:

4 comentários :

Flávio disse...

É por isso que essas pessoas vão pra "direitas alternativas" "extrema direita" pois é a única salvação que elas veeem

Thel disse...

Não existe integridade no meio político. Tanto "conservadores" quanto "progressistas", todos são falsos.

rogerio disse...

Concordo totalmente.e essa relação "confusa" do islamismo com o Vaticano.
Vejam a palestra conexão islâmica de Walter veith .

Unknown disse...

Realmente a Europa está agonizando, creio que a melhor alternativa seria ir embora, quem sabe para o leste europeu. Que ironia macabra ....