5 de setembro de 2019

Já perdemos a guerra cultural


Já perdemos a guerra cultural

Scott Lively
Dois anos depois que entreguei minha vida a Cristo (em 1986) e fui curado e libertado de 16 anos de escravidão ao álcool e às drogas, Ele me designou para a guerra cultural. Minha área de especialização tem sido a oposição à agenda homossexual global, que me deu um ponto de vantagem na linha de frente da lenta e constante desconstrução da civilização cristã.
Nos primeiros dias, segui a liderança do movimento pró-família na estratégia de enquadrar nossos argumentos em termos seculares, mas com o tempo todas as instituições seculares caíram diante dos ativistas gays e nós, ativistas pró-família, voltamos aos argumentos bíblicos, alguns de nós antes que outros. Quando a batalha pelo casamento começou a sério, por volta da virada do milênio, e a “teologia gay” começou a fazer sérias incursões nas principais denominações cristãs, comecei a questionar se os conservadores conseguiriam vencer a guerra.
Eu havia sido aprovado na Ordem dos Advogados da Califórnia em 1999 e começado a exercer advocacia em 2000, acreditando que nossa vitória seria nos tribunais. Fundei o Centro Legal Pró-Família e testei minha teoria, pegando um grande caso de liberdade de expressão representando duas mulheres cristãs afro-americanas contra seu empregador, a prefeitura de Oakland, por causa da atitude da prefeitura de fechar sua Associação de Empregados Boas Novas, projetada para oferecer um ponto de vista alternativo pró-família no local de trabalho.
O juiz no tribunal federal do distrito era o homossexual Vaughn Walker, que abusou de seu poder para nos bloquear em violação da Constituição, como faria mais tarde no muito mais famoso caso da Proposição 8 (que se tornou Hollingsworth x Perry) no Supremo Tribunal).
Recorri do caso Boas Novas no tribunal do 9º Circuito e defendi-o diante de um painel de três juízes, o qual se reuniu em uma sessão especial na Universidade de Stanford. Eles apoiaram Walker e depois deixaram nosso caso sem publicar, para que seu argumento jurídico falso nunca pudesse ser citado por nenhum outro jurista — já que eles sabiam que nunca sobreviveria a um recurso honesto.
Esse foi o ponto de virada para mim, quando comecei a considerar seriamente que os últimos dias poderiam realmente estar sobre nós, e o Senhor não iria defender nossos esforços para restaurar a civilização americana e judaico-cristã. Em vez disso, Ele permitiria o aumento da apostasia em cumprimento da profecia.
No entanto, eu sabia que Ele não queria que parássemos de lutar em prol da Verdade, porque essa luta ajudaria a separar as ovelhas dos bodes e ajudaria o remanescente fiel da igreja em desintegração a se identificar.
Quando o movimento populista surgiu na segunda década do milênio, pensei que talvez tivesse julgado mal os eventos mundiais e comecei a esperar que uma coalizão de conservadores populistas e cristãos pudesse derrotar a agenda satânica das elites socialistas globais. Essa esperança atingiu o pico quando a Federação Russa proibiu a propaganda “gay” para crianças em 2013, porque eu sabia (ainda que a maioria dos conservadores ainda não saiba) que a revolução sexual em geral e a agenda LGBT é a principal arma secreta da elites para semear o caos social e enfraquecer a resistência das nações ao controle globalista (Estratégia de Balaão, Apocalipse 2:14).
Cheguei a ir a Moscou naquele ano, para o comitê de planejamento do Congresso Mundial das Famílias para tentar convencê-los a apoiar a lei russa que proíbe a propaganda gay como legislação modelo para governos conservadores internacionalmente (uma ideia que os russos adoraram, mas os tímidos representantes americanos “pró-família” abateram imediatamente). Pouco tempo depois, indignado com o desafio de Putin ao ativismo LGBT global ao sancionar essa proibição, o depravado Obama resetou a política americana para com a Rússia e reiniciou a Guerra Fria, orquestrando (com George Soros) o golpe que derrubou o presidente pró-Rússia na Ucrânia e criando a “Crise da Ucrânia,” que ele atribuiu a Putin. O evento do Congresso Mundial de Famílias foi cancelado.
Isso não impediu a revolta populista internacional, que atingiu um segundo pico mais alto em 2016 com o voto do Brexit na Inglaterra e a eleição de Donald Trump. Eu estava no meio de uma turnê de 27 nações estudando esse movimento e me encontrando com várias pessoas envolvidas no avanço dele. Eu estava em Londres para apoiar o Brexit e participei de uma sessão de apresentação de líderes ativistas no dia seguinte. Eu estava na Hungria quando Viktor Orban fez resistência à União Europeia contra a imigração. Voltei da Europa para votar em Trump.
Em 2018, concorri para governador de Massachusetts contra Charlie Baker, um democrata progressista com camuflagem republicana, recebendo apoio como “o governador mais popular da América.” Concorri como um conservador cristão assumido e defensor da agenda populista que havia estudado em primeira mão. Obtive 36,1% dos votos nas primárias do Partido Republicano, gastando US$ 140 mil para obter 100 mil votos em comparação com a equipe de Baker que gastou US$ 7 milhões para obter 175 mil votos.
Em outras palavras, nos últimos 30 anos, lutei o máximo que posso na guerra cultural e busquei diligentemente todos os fios de esperança para restaurar a ordem mundial judaico-cristã.
No entanto, também tive uma consciência sempre presente das nuvens de tempestade se acumulando nos últimos dias e lutei de um lado para o outro entre otimismo (meu estado natural) e desânimo.
À medida que avançamos para a segunda metade do último ano desta década importante, acho que finalmente cheguei à conclusão de que a guerra cultural está perdida e que passamos pelo ponto de não retorno no colapso da civilização judaico-cristã. A era da apostasia está sobre nós e a tribulação espera. Ainda não alcançamos os dias de Noé, mas está chegando perto. Nossa “pausa com Donald Trump” pode continuar em um segundo mandato, mas, mesmo assim, os aspectos mais centrais do eventual governo do Anticristo de acordo com Apocalipse 11:7-8 — homossexualidade e politeísmo — continuam a avançar globalmente sob seu reinado.
Não vou parar de lutar — porque isso continua sendo um testemunho necessário para o mundo e a igreja— mas minha ênfase principal será a preparação espiritual para a volta do Senhor. Já me mudei para Memphis, no coração do Cinturão Bíblico, com um plano para lançar a Faculdade Bíblica do Primeiro Século para promover a unidade nos elementos essenciais e a preocupação de últimos dias da igreja primitiva. Aplicarei minhas habilidades e experiência para ajudar na reunião dos remanescentes em uma rede pós-denominacional de crentes em todo o mundo e para ensinar e explorar as perspectivas espirituais e culturais dos apóstolos, profecia e visão de mundo bíblica holística.
Acho que esses são realmente os últimos dias e finalmente vou começar a levar isso a sério.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): We’ve now lost the culture war
Outros artigos de Scott Lively:

6 comentários :

Hagnaldo disse...

Meu caro Julio, creio que tem contato com o irmao Scott Lively, e fiquei impressionado com a visão que teve agora sobre a iminente vinda do Senhor Jesus, o pós-denominacional, sobre os últimos dias da igreja, etc.
Tudo o que ele percebeu está acontecendo, principalmente que estamos vivendo os últimos dias da igreja, tempos de Laodiceia.
O objetivo deste comentários, é se possível, levar a ele, Scott e a outros, alguns princípios que temos nos tempos finais onde a ruína do testemunho Cristão é evidente.
Nestes últimos dias em que estamos vivendo, Deus nos proveu as segundas epistolas que tratam exatamente dessas coisas, Do Flagrante ABANDONO DA VERDADE.
E a ordem é Voltarmos ao Princípio da igreja, em Atos 2:42. Lá estao as 4 bases para voltarmos de onde caímos. Doutrina dos Apóstolos, nas Orações, No Partir do Pao e na Comunhão.
Não há como reformar a queda do testemunho porque já não é mais a CASA de Deus, A coluna e firmeza da VERDADE, mais se tornou a Grande Casa onde há todos os tipos de mal, doutrinal, moral e Eclesiástico, onde há Vasos de honra e vasos de desonra(1 TM3:15;2TM2:20). A ordem de Deus é se apartar dos tais, e SEGUIR com os que, com um coração puro, invoca o nome do Senhor.
Ha 2 recursos que Deus proveu ainda nos tempos do apóstolo Paulo: A oração e a Palavra da sua Graça(Atos 20:32).
Deixa ainda, esse negocio de Faculdade. A Palavra de Deus é suficiente para ensinar, Redarguir, corrigir e instruir em justiça.(2TM 2:16).
Oro para que Deus continue a sua obra em levar esse caro irmão ao Lugar que ELE quer que estejamos para Adoração e Ministério.

Unknown disse...

É muito triste, e até certo ponto impopular, mas inclusive creio que deveríamos nos preparar para um cenário PÓS TRIBULACIONISTA , pois esse colapso do Ocidente (um EUA pró gay e uma Europa pró islã ) , eventos em Israel relativos ao retorno dos sacrifícios e serviços do templo e avanço muçulmano são provas inequívocas de estamos no tempo do fim.

Rafael disse...

Guerra Cultural foi perdida há tempos: Mídia que adota pautas pós-modernas. Bilionários e empresas mundialmente famosas que financiam e apoiam tais pautas. E do nosso lado? Pessoas comuns sem nenhuma estrutura para enfrentá-los. Infelizmente é jogo perdido. Eu queria mudar para Rússia se pudesse.

Ohelitom Sousa disse...

Paz do senhor Jesus Cristo! Lendo todo o artigo me veio a confirmar; a meses venho a meditar sobre o que devemos fazer o apóstolo paulo escreveu que nada queria entre todas as coisas a nao ser proclamaa Cristo e este crucificado também com Relaçao as armas que temos a oração e proclamaćao do evangelho nas Ruas com pregação ao ar livre. Fora do denominacionismo apenas na palavra e na oração confiando no Espírito Santo que convece do pecado e do juízo. A muito venho meditando que chegou o tempo da separação do trigo. Maranata!

Pastor Raimundo (Igreja do Evangelho Quadrangular) disse...

Respondendo ao Hagnaldo, ao Unknown, ao Rafael, e ao Ohelitom Sousa,

Amados irmãos,

A tendência natural das coisas é que o mal reine de forma absoluta até a volta de Jesus, até porque, como a própria Bíblia diz, "o mundo jaz no maligno" (1 João 5:19). Logo, a nossa obrigação, como cristãos, é resistir ao pecado e continuar a pregar as verdades da Palavra de Deus enquanto ainda podemos (ou enquanto ainda dispomos de uma relativa liberdade para protestarmos contra as obras das trevas e suas leis). Porém, quando elas, através da NOM (Nova Ordem Mundial), assumirem o controle total do pouco de liberdade que ainda resta, será suicídio tentar enfrentá-las de igual para igual. Em outras palavras: quando a NOM for imposta, aquele que tentar se manifestar contra ela será perseguido e morto!

E mais: dizer não ao governo mundial que será imposto num futuro não muito distante é assinar a própria sentença de morte. Sabemos que este mesmo governo perseguirá e matará todos os cristãos que encontrar pela frente. Por que isso? Porque a perseguição aos cristãos (e a conseqüente morte deles) já está prevista na Palavra de Deus, e, portanto, será inevitável. A Palavra de Deus tem que se cumprir. Deus não é homem para que minta, e nem tampouco filho do homem para que Se arrependa (Números 23:19). O que Deus determinou na Sua Palavra nunca voltará atrás. O próprio Deus disse com todas as letras:

"Assim será a palavra que sair da Minha boca: ela não voltará vazia para Mim; antes fará o que Me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei" (Isaías 55:11)

Nas épocas do Império Romano e da Inquisição, milhões de cristãos foram perseguidos e mortos de todas as formas possíveis. E hoje não é diferente: a perseguição aos cristãos ainda continua (e de forma até mais cruel). Para que maior prova disso do que a perseguição aos cristãos que se recusam a obedecer ao "politicamente correto" do governo e dos homossexuais? Isso sem contar as perseguições e mortes de muitos cristãos em países islâmicos e muçulmanos (e em outros onde a Bíblia é proibida)!

Diante disso, não haverá alternativa: ou assumimos de vez um compromisso sério com a obediência total e irrestrita à Palavra de Deus (mesmo colocando a nossa própria vida em risco), ou seremos obrigados a aceitar a submissão ao anticristo para sobreviver.

Portanto, ainda que tenhamos que morrer por amor a Jesus e à verdade da Sua Palavra, temos que deixar bem claro a tudo e a todos que pertencemos somente a Jesus (e que nada nem ninguém jamais vai nos separar Dele). Novamente o apóstolo Paulo se manifesta:

"Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor a Ti, somos entregues à morte todos os dias; Fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou" (Romanos 8:35–37)

Que estas palavras façam com que todos permaneçam fiéis ao Senhor Jesus (e à Sua Palavra) até a morte (ou até a volta Dele).

Everaldo disse...

Respondendo a todos que puseram seus comentários aqui,

Por que vocês estão espantados com essa apostasia que estamos presenciando ultimamente? Tudo que está acontecendo hoje nada mais é do que a confirmação das palavras do apóstolo Paulo:

"Ninguém, de forma nenhuma, vos engane; pois não será assim sem antes vir a apostasia, e sem que se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus, ou se adora; de modo que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus" (2 Tessalonicenses 2:3–4)

É muito fácil o diagnóstico: quando uma nação (ou igreja) deixa de obedecer à Palavra de Deus, esta mesma nação (ou igreja) apostatou da fé (e deu lugar ao diabo)! Não é preciso ter faculdade (nem ser formado em teologia) para entender (ou enxergar) algo tão simples assim!

Um outro texto do apóstolo Paulo que explica melhor o caso em questão (a apostasia dos dias atuais) é precisamente este aqui:

"Pois o ministério da injustiça já opera; há somente um que ainda resiste, até que do meio seja tirado; E então será revelado o iníquo, o qual o Senhor desfará com o assopro de Sua boca, e aniquilará pelo resplendor de Sua vinda; A esse cuja vinda é conforme a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios de mentira; E com todo engano da injustiça para aqueles que perecem, pois não receberam o amor da verdade para que se salvassem. É por isso, pois, que Deus lhes mandará a operação do erro, para que acreditem na mentira; Para que sejam julgados todos aqueles que não creram na verdade, antes sentiram prazer na iniqüidade" (2 Tessalonicenses 2:7–12)

O mal já domina 99,9% do mundo, até porque, como a própria Bíblia diz, "o mundo jaz no maligno" (1 João 5:19). O poder restringente de Jesus (que é exatamente esse "um que ainda resiste") é o que está, por enquanto, impedindo que a humanidade inteira passe a estar sob o controle de Satanás. Isso devido ao clamor de alguns poucos cristãos autênticos que têm suplicado para que o Senhor adie o Seu juízo sobre as nações.

Só que inevitavelmente vai chegar um tempo em que será necessário que o Senhor venha para julgar a humanidade. E quando o Senhor remover suas últimas restrições contra o mal, então o ser humano, já totalmente corrompido pelo pecado, finalmente terá o que sempre desejou: um mundo sem Deus! E aí o mundo inteiro estará totalmente entregue nas mãos de Satanás!

E então veremos quem é o verdadeiro cristão: se é aquele que diz que é cristão só de boca, ou se é aquele que é fiel ao Senhor em toda e qualquer circunstância (principalmente nas piores adversidades e provações). É como bem disse o profeta Malaquias:

"Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre aquele que serve a Deus, e aquele que não O serve" (Malaquias 3:18)

Alguém concorda comigo? Se alguém daqui quiser se manifestar, esteja à vontade.