19 de agosto de 2019

Quem se lembra do Movimento Evangélico Progressista? Quem se lembra de seu fundador, Bispo Robinson Cavalcanti?


Quem se lembra do Movimento Evangélico Progressista? Quem se lembra de seu fundador, Bispo Robinson Cavalcanti?

Julio Severo
Muito antes de conhecer o Movimento Evangélico Progressista (MEP), eu já conhecia sua natureza, muito bem exposta por seu fundador, o Bispo Robinson Cavalcanti.
Como colunista da revista Ultimato, Cavalcanti invariavelmente criticava o capitalismo, os EUA e o conservadorismo evangélico americano. Seus elogios? Iam para os socialistas.
Ele era também inimigo ferrenho da Teologia da Prosperidade. Se a Teologia da Missão Integral (TMI) fazia Cavalcanti e a revista Ultimato se lembrarem de Cuba e seu “paraíso” socialista, a Teologia da Prosperidade (TP) os fazia se lembrar dos EUA e seu “inferno” capitalista.
Eu não conseguia ler a Ultimato sem me revoltar com os artigos de Cavalcanti, Caio Fábio e outros socialistas. A Ultimato sempre foi a revista socialista mais famosa do calvinismo brasileiro. Eu a lia, numa época em que não existia internet, porque eu gostava de me informar.
Eu pegava emprestado edições da Ultimato de presbiterianos da congregação local da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB). Todos nessa congregação eram exortados pelo pastor a fazer a assinatura dessa revista. E o pastor era, junto com outros pastores, exortado pelo Presbitério, que queria todos os pastores presbiterianos vacinados contra a Teologia da Prosperidade. Pelo visto, essa vacina tem sido um sucesso na IPB.
Na Ultimato, li que George W. Bush e suas posturas conservadoras eram más e Lula era um homem bom. Eram frequentes os ataques da Ultimato a Bush. Quando Bush se reelegeu, a Ultimato publicou duas matérias de capa condenando-o. Em resposta, escrevi este artigo de 2005, Na Mira do Preconceito.
Embora hoje o Presidente Donald Trump e conservadores condenem Bush, na época Bush era o melhor de conservadorismo que havia. Bush tem sido condenado por causa da Guerra do Iraque, pelo fato de que ele cedeu aos neocons. Mas Trump não tem também cedido? Apoio presidentes conservadores americanos e ao mesmo tempo denuncio a opressão neocon sobre eles. Hoje pode-se julgar os erros de Bush do mesmo jeito que futuramente Trump será julgado pelos seus erros, principalmente promoção da agenda gay. De qualquer forma, tanto Bush quanto Trump são melhores do que Dilma e Lula.
Li na Ultimato que desarmamento era ruim e dei minha resposta pública em 2006, no artigo “Ricardo Gondim manda chumbo grosso.” Gondim era mais um dos vários colunistas socialistas da Ultimato.
Se, como muitos calvinistas, eu tivesse me deixado influenciar pela Ultimato, hoje eu louvaria Cuba e condenaria os EUA; louvaria a TMI e condenaria a TP. Eu ficaria não muito diferente de Cavalcanti.
Embora eu tivesse conhecido Robinson Cavalcanti só por meio da Ultimato e sua propaganda socialista, a cria principal dele, o MEP, eu conheci pessoalmente em minhas andanças pelo Congresso Nacional. Eu visitava gabinetes de deputados e conversava com assessores, buscando informações sobre os rastros do MEP.
Eu não entendia como o MEP conseguia sustentar financeiramente um representante para fazer lobby entre deputados e senadores, enquanto eu, para fazer meu humilde trabalho pró-vida conservador, precisava muitas vezes da generosidade de líderes católicos pró-vida que entendiam muito bem a importância do meu trabalho e investiam em mim.
Cheguei a ver pessoalmente Caio Fábio no Congresso Nacional num evento em 12 de agosto de 2004. Vi-o bem abraçado com Geter Borges, o secretário-geral do MEP. O evento, chamado de simpósio “Igreja e os Desafios Atuais,” foi realizado conjuntamente pelo MEP e a bancada evangélica do PT. Caio foi o principal palestrante e o que ouvi ali foi pura heresia socialista. Você pode conferir meu artigo e gravação de trechos da palestra dele neste artigo: “O herético neo-panteísta e seus fãs apologéticos.”
O evento também teve como palestrante um importante pastor presbiteriano.
O contraste entre mim e Cavalcanti era cósmico. Ele, rico e viajado internacionalmente, um crítico ferrenho dos EUA e seu conservadorismo evangélico. Eu, pobre e sem viagens internacionais, um defensor ferrenho dos EUA e seu conservadorismo.
Ele, um crítico ferrenho da Teologia da Prosperidade e seu capitalismo americano. Como então eu poderia criticar a TP e seu capitalismo americano?
Onde o calvinismo falha vergonhosamente, a TP ajuda. Donald Trump, que foi criado no calvinismo, viveu a vinda inteira envolvido em sexo promíscuo e frequentando a Igreja Presbiteriana. Quem o está tentando ajudar agora é uma televangelista da Teologia da Prosperidade chamada Paula White. Claro que ela não vai conduzir Trump para o socialismo. Como então vou apoiar o calvinismo na vida de Trump e condenar a intervenção da Teologia da Prosperidade na vida dele?
Por incrível que pareça, o maior embate contra mim por causa de Cavalcanti não veio da Ultimato, que era o ninho dele. Foi em 2012 com pseudo-conservadores. Quando Cavalcanti foi assassinado pelo filho drogado (que havia sido deportado dos EUA onde ele era sustentado pelo pai), o pastor calvinista Renato Vargens, um dos palestrantes da VINACC, juntou-se aos socialistas para dizer que a morte de Cavalcanti era uma grande perda.
Em meu caso, republiquei um artigo da imprensa sem desrespeitar o bispo vermelho assassinado, mas lembrando, e ajudando quem não sabia a ver, que muito distante de uma figura benévola, Cavalcanti era um dos evangélicos socialistas mais radicais do Brasil. Tão radical que ele abandonou Lula e o PT, não por ter enfim enxergado os erros do petismo, mas porque para ele Lula e o PT haviam traído o socialismo.
Renato Vargens não gostou que eu tivesse lembrado ao público que Cavalcanti era um socialista radical e escreveu indiretas a mim, apoiado por calvinistas esquerdistas. Reagi no meu artigo “Críticos do mundo gospel atacam tudo, menos a heresia progressista.” Em resposta, vários líderes da VINACC, inclusive Euder Faber e Augustus Nicodemus, optaram por me atacar publicamente e apoiar Vargens em sua insanidade de dizer que a morte de Cavalcanti fora perda. Você pode conferir os nomes e ataques de cada um deles neste artigo: “Robinson Cavalcanti, o pecado veio cobrar a sua conta.”
Foi um dos episódios mais desastrados e vergonhosos da história da VINACC.
Na vida e na morte, Cavalcanti recebia de calvinistas um apoio animador ou silêncio facilitador. Não é surpresa, pois, que seu livro socialista “Cristianismo e Política, Teoria Bíblica e Prática Histórica,” publicado pela Editora Ultimato em 2002, foi dedicado a Calvino e a seu filho Eduardo. Uma dedicação discrepante, pois Calvino nada tinha a ver com socialismo. E por que dedicar o livro a seu filho que vivia nas drogas nos EUA, nação condenada por Cavalcanti por seu conservadorismo evangélico?
Claro que ele dedicou a Calvino como uma homenagem a Nicodemus e outros calvinistas que, com palavras ou omissão, facilitaram seu ativismo socialista.
Falando sobre o tema “Conservadorismo e misticismo” em seu livro “Cristianismo e Politica,” Cavalcanti disse:
“A onda conservadora que marcara o Primeiro Mundo na década anterior tanto no campo político e ideológico quanto no ético e teológico finalmente chegou ao Brasil. O… ideal cristão e a teologia da missão integral da Igreja cederam lugar… à teologia da prosperidade, à batalha espiritual e às maldições hereditárias. A alienação e a fuga mística substituíram o compromisso histórico. O best-seller do período foi o romance Esse Mundo Tenebroso, de Peretti. O neofundamentalismo voltava ao ataque” (p. 242).
Para Cavalcanti, o livro “Esse Mundo Tenebroso,” apresentando um cristão que crê em revelações sobrenaturais lutando contra a indústria do aborto, era um problema. A TMI perdendo para a Teologia da Prosperidade era outro problema. E para ele esses problemas estavam fortalecendo o conservadorismo.
Claro que qualquer calvinista que leu essas palavras simplesmente adorou.
O que acho fascinante é que os calvinistas, que são hipersensíveis quando um pentecostal usa o nome de Calvino, nunca condenaram Cavalcanti por usar o nome de Calvino para defender o socialismo. Calvino, que era capitalista, ficaria horrorizado e condenaria à morte qualquer Cavalcanti que se levantasse na sua época para defender o socialismo.
Existe misticismo no conservadorismo? Existe, mas nada tem a ver com cristãos cheios do Espírito Santo que acreditam em revelações. Mesmo assim, esses cristãos são condenados tanto por calvinistas da TMI quanto por seus cúmplices silenciosos: os calvinistas cessacionistas. O misticismo no conservadorismo existe e encontra-se no “conservadorismo” esotérico promovido pelo astrólogo Olavo de Carvalho, inexistente na época de Cavalcanti. Por coincidência, tornei-me o maior denunciador da TMI de Cavalcanti e do esoterismo ou misticismo “conservador” de Carvalho.
Apesar disso, a VINACC não condenou os grandes facilitadores de Cavalcanti em seu próprio ninho, inclusive Nicodemus e Vargens. Pelo contrário, a VINACC condenou o mensageiro que fez a denúncia, assim como mais recentemente a VINACC optou por me atacar e bajular o astrólogo Olavo, embora tenha sido xingada e desdenhada por ele. Confira tudo neste artigo: “Loucuras de um olavete da VINACC.”
A VINACC, que supostamente nasceu com o papel apologético de denunciar o esoterismo e misticismo, acabou contraditoriamente bajulando aquilo que deveria criticar. A missão da VINACC hoje resume-se à mesma missão de Cavalcanti: atacar o capitalismo americano da Teologia da Prosperidade e exaltar calvinistas cessacionistas que facilitam esses ataques.
Mas esperar o quê deles? Desde sua juventude Nicodemus andava com Cavalcanti no Nordeste. Embora a VINACC buscasse aproximação com o conservadorismo, os stands da Ultimato estavam sempre presentes em seus eventos. Quando estive na VINACC dez anos atrás, cobrei publicamente a razão desses stands socialistas em seus eventos.
Se eu tivesse de Cavalcanti o profundo conhecimento que Nicodemus tem, eu já o teria denunciado há muito mais tempo. Por que Nicodemus nunca fez isso é algo que merece reflexão. Pode ser que ele nunca tenha tido tempo de atacar o socialismo de Cavalcanti porque ele tinha a mesma ocupação de Cavalcanti: atacar o óbvio capitalismo americano da TP.
Seja como for, o episódio do alinhamento de Nicodemus usando a VINACC contra mim para apoiar o louvor fúnebre de Vargens a um socialista radical criou um ódio imenso neles contra mim. Com o tempo o ódio só aumentou, pois no ano seguinte, 2013, denunciei palestra de Jean Wyllys no Mackenzie. Embora Nicodemus tivesse negado envolvimento e tivesse atribuído a palestra exclusivamente ao convite de estudantes do Mackenzie, ficou provado depois que o convite partira mesmo de sua chancelaria. Não muito tempo depois, Nicodemos deixou seu cargo de chanceler, no qual ele estava havia 10 anos.
Ele não demonstrou hombridade teológica, moral e cristã nem no episódio de alinhamento ao Vargens para me atacar nem no convite mal-explicado a Wyllys. Foi uma incoerência patente.
Cavalcanti também tinha sérios problemas com a coerência. Ele atacava o conservadorismo evangélico americano como se apoiar esse conservadorismo fosse um pecado capital. O evangélico brasileiro que apoiasse esse conservadorismo era um grande pecador. Eu, com alegria, estava incluído nessa lista negra de pecadores imperdoáveis.
Enquanto Cavalcanti e seus seguidores no MEP faziam lobby intenso no Congresso Nacional e iludiam líderes evangélico a apoiar Lula e o PT, eu fazia meu trabalho solitário de João Batista a favor do conservarismo evangélico americano e contra o socialismo de Cavalcanti e Ultimato.
Contudo, não era hipocrisia imensa o homem que escrevia regularmente contra os EUA sustentar um filho drogado nos EUA? Essa incoerência é típica de socialistas que condenam o capitalismo, mas preferem viver no maior país capitalista do mundo — os EUA.
É preciso ser rico para poder sustentar um filho vagabundo e drogado nos EUA. O socialista Cavalcanti tinha condições para isso. Só não tinha coerência. Se fosse coerente, ele enviaria o filho para Cuba.
Mas tudo o que promove o pecado acaba caindo. E o socialismo é pecado.
No Congresso Nacional, o MEP tinha um pedestal, que acabou caindo e hoje ninguém se lembra desse nome.
O pedestal de Robinson Cavalcanti, cuja morte foi de fato uma grande perda para a Ultimato e evangélicos socialistas, também acabou caindo. Hoje ele, que até defendia a poligamia e outras aberrações sexuais, já está praticamente esquecido. Nessa altura, é possível que Euder Faber e VINACC tenham abandonado seu conservadorismo sem postura e tenham chegado à conclusão de que foi um erro defender cegamente Renato Vargens em seu louvor fúnebre ao bispo vermelho assassinado e um erro maior atacar um conservador evangélico que passou anos desmascarando o MEP?
Depois de ver a VINACC bajular o astrólogo Olavo e me atacar de novo, tenho minhas dúvidas. Mas a bajulação foi tão grosseira e ridícula que a única coisa que a VINACC ganhou do astrólogo foi ser surrada por seus xingamentos.
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :