12 de agosto de 2019

Líderes ocidentais, inclusive Boris Johnson e Mike Pompeo, “abençoam” feriado islâmico sagrado


Líderes ocidentais, inclusive Boris Johnson e Mike Pompeo, “abençoam” feriado islâmico sagrado

Falsos conservadores estão sempre afagando homossexualistas e muçulmanos, dois grupos determinados a destruir as bases cristãs da civilização ocidental

Julio Severo
Com ondas de terrorismo islâmico afetando os países ocidentais, a obrigação dos líderes ocidentais era denunciar o islamismo, não “abençoá-lo.” Mas não é o que está acontecendo.
Primeiro Ministro da Inglaterra, Boris Johnson
Com ondas de gangues de estupradores muçulmanos na Inglaterra que chamam meninas britânicas de “lixo branco,” a obrigação dos líderes ocidentais era denunciar o islamismo, não “abençoá-lo.” Mas não é o que está acontecendo.
Com o islamismo liderando o assassinato de quase 100 mil cristãos por ano no mundo inteiro, a obrigação dos líderes ocidentais era denunciar o islamismo, não “abençoá-lo.” Mas não é o que está acontecendo.
Vários líderes ocidentais “abençoaram” em 11 de agosto de 2019 o feriado islâmico de Eid al-Adha usando muitas vezes o termo árabe islâmico “Eid Mubarak,” que significa “Festa Abençoada.”
O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse em sua conta de Twitter:
“Eu gostaria de enviar a todos os muçulmanos no mundo inteiro votos calorosos pelo Eid al-Adha. Que este Eid lhes traga toda alegria e felicidade enquanto vocês celebram com amigos e familiares. Eid Mubarak (Festa Abençoada)!”
Em resposta, tuitei para ele:
“Não consigo acreditar nisso! Você, o evangélico ‘conservador’ Secretário de Estado dos EUA, dando, em linguagem islâmica, saudações islâmicas aos muçulmanos em todo o mundo! Você sabia que o islamismo lidera a perseguição contra cristãos em todo o mundo?”
O Twitter do Primeiro Ministro da Inglaterra, Boris Johnson, disse:
“’Desejando a todos os que estão celebrando o festival de Eid al-Adha muita paz e prosperidade.’ — PM @BorisJohnson #EidMubarak #EidAlAdha”
Minha resposta a ele, semelhante à resposta a Pompeo, está aqui.
O Twitter de Dominic Raab, o Secretário de Estado para Relações Exteriores do Reino Unido, disse:
“Feliz Eid para os muçulmanos no Reino Unido e em todo o mundo. A Grã-Bretanha é um lugar onde pessoas de todas as religiões e crenças podem viver lado a lado. É vital que continuemos a espalhar a mensagem de tolerância e compreensão mútuas.”
Minha resposta a ele, semelhante à resposta a Pompeo, está aqui.
A característica comum entre eles é o conservadorismo. Todos eles alegam lutar pelo conservadorismo. Mas não é uma atitude conservadora e corajosa abençoar uma ideologia religiosa que é responsável pelos maiores crimes contra os cristãos quando EUA e Reino Unido têm bases cristãs.
O islamismo tem sido tudo, menos benção. Os inúmeros atentados terroristas islâmicos contra os EUA são evidência de que o islamismo não é bênção. Os inúmeros estupros de meninas brancas cometidos por gangues islâmicas no Reino Unidos são evidência de que o islamismo não é bênção.
Então, por que Mike Pompeo e Boris Johnson insistem em “abençoá-lo”?
No Reino Unido conservadores que denunciam estupros islâmicos contra meninas britânicas são moralmente linchados pela imprensa esquerdista e presos. Esse é o caso de Tommy Robinson.
Mas “conservadores” como Theresa May e Boris Johnson, que ignoram os crimes e estupros muçulmanos no Reino Unido, não são presos e tratam conservadores reais como criminosos.
O Presidente Donald Trump não abençoou o feriado islâmico. Mas sua filha Ivanka abençoou, dizendo:
“Eid Mubarak (Festa Abençoada) para os muçulmanos de todo o mundo que estão celebrando o Eid al-Adha! Desejando-lhes saúde, felicidade e alegria!”
Dei a ela basicamente a mesma resposta que dei a Mike Pompeo e Boris Johnson.
Muitas vezes, por estratégia política, Trump usa a boca de terceiros para emitir suas opiniões. Por exemplo, em 2017, o primeiro ano de seu governo, ele não emitiu nenhuma declaração apoiando o Mês do Orgulho Gay. Mas sua filha Ivanka emitiu.
Em 2018, Trump também não emitiu nenhuma declaração apoiando o Mês do Orgulho Gay. Mas seu Secretário de Estado Pompeo emitiu.
Enquanto muitos interpretaram que as opiniões de Ivanka e Pompeo não eram as opiniões de Trump, avisei que as opiniões deles eram um prelúdio para a opinião de Trump que viria. E realmente veio. Em 2019 o próprio Trump celebrou o Mês do Orgulho Gay e lançou uma campanha internacional para legalizar a homossexualidade no mundo inteiro.
Embora Trump não tenha abençoado neste ano o islamismo, provavelmente para não ofender seus eleitores cristãos conservadores, que são necessários para elegê-lo na próxima eleição, em 2018 Trump realizou na Casa Branca um jantar islâmico do Ramadã. Ele imitou o esquerdista Barack Hussein Obama, que fazia tais jantares islâmicos na Casa Branca.
Todos esses casos mostram conservadores, ou pessoas que se dizem conservadoras, afagando o islamismo e o homossexualismo. Pelo menos nisso a esquerda não é hipócrita. Ela realmente apoia o islamismo e o homossexualismo. Mas indivíduos que se elegem com votos de cristãos conservadores para depois afagarem o islamismo e o homossexualismo, duas grandes fontes de abusos sexuais contra crianças, são falsos conservadores.
Afagar o islamismo que mata milhares de cristãos por ano não é conduta de cristão conservador.
Afagar o islamismo no Reino Unido enquanto milhares de meninas brancas são estupradas e tratadas como lixo por gangues islâmicas não é conduta de cristão conservador.
Afagar o homossexualismo enquanto milhares de meninos na Igreja Católica são estuprados por padres homossexuais não é conduta de cristão conservador.
Como é que o Ocidente espera prevalecer sobre o islamismo se não consegue parar de afagá-lo?
Leitura recomendada:

Um comentário :

Mj disse...

Muito bom Júlio, mas eles não lhe mandaram neuma resposta?