2 de agosto de 2019

Banda de heavy metal troca beijo homossexual em Moscou em desafio à lei russa que protege crianças contra a propaganda homossexual


Banda de heavy metal troca beijo homossexual em Moscou em desafio à lei russa que protege crianças contra a propaganda homossexual

Julio Severo
Dois homens da banda alemã de heavy metal Rammstei trocaram um beijo homossexual na frente de uma enorme multidão em Moscou. O beijo foi em desafio direto à lei russa que protege crianças e adolescentes contra a propaganda homossexual.
Durante um show em Moscou em 29 de julho de 2019, os guitarristas Paul Landers e Richard Kruspe, do Rammstein, se beijaram no palco na frente de uma multidão de 81 mil pessoas no estádio Luschniki, o maior estádio de futebol da Rússia.
Aprovada em 2013 pelo presidente Vladimir Putin, a lei contra propaganda gay da Rússia proíbe materiais que “[apresentem] ideias distorcidas sobre o valor social igual das relações sexuais tradicionais e não tradicionais.” Condenada então pelo governo Obama e pela grande mídia americana, a lei essencialmente torna ilegal na Rússia exibir ou promover qualquer tipo de propaganda da homossexualidade na presença de crianças e adolescentes.
O gesto de desafio foi covarde, porque enquanto os muçulmanos, que matam homossexuais, estão invadindo a Alemanha, a banda de heavy metal alemã está atacando ofensivamente uma lei russa que não ordena a morte de homossexuais. Apenas protege as crianças contra a óbvia imoralidade da propaganda de predadores homossexuais.
Se Rammstein quiser causar impacto com um gesto de desafio e coragem, deveria fazer um show na Arábia Saudita e trocar um beijo homossexual em Meca em protesto contra as leis sauditas que proíbem toda propaganda homossexual para crianças e adultos e o costume social saudita de matar homossexuais.
A diferença entre a Rússia e a Arábia Saudita é que a banda alemã de heavy metal teria muita sorte se não fosse presa e chicoteada na Arábia Saudita por seu ofensivo beijo homossexual. É por isso que Rammstei escolheu ofender os russos, não os sauditas.
Apesar de a lei russa que protege crianças da propaganda de predadores homossexuais ser odiada pela esquerda em todo o mundo e especialmente pela esquerda americana, Franklin Graham, filho do famoso evangelista Billy Graham e conselheiro espiritual do presidente dos EUA, Donald Trump, elogiou a lei russa. Em uma matéria de capa de março de 2014 na revista Decision, publicada pela Associação Evangelística Billy Graham, Graham disse:
“Não é triste, porém, que a própria moralidade dos Estados Unidos tem caído a tal ponto nessa questão — de proteger as crianças de qualquer agenda ou propaganda homossexual — que o padrão da Rússia é mais elevado do que o padrão americano?”
Achava-se que com a derrota de Hillary Clinton e a vitória de um candidato republicano, os EUA poderiam finalmente obter uma lei proibindo a propaganda homossexual para crianças e conseguir uma parceria com a Rússia contra o ataque de predadores homossexuais, mas tal expectativa não se concretizou. Mesmo sob Trump, os EUA continuam promovendo a agenda homossexual em todo o mundo.
Com informações de Rolling Stone e Deutsche Welle.
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :