31 de agosto de 2019

Cientistas da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts nos EUA: não existe gene gay


Cientistas da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts nos EUA: não existe gene gay

Bryan Fischer
Os adeptos da teoria de que gays já “nasceram desse jeito” estão em busca do gene gay há mais de 30 anos.
Bom, eles podem cancelar a busca. Cientistas da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts nos EUA concluíram agora que esse gene não existe.
A pesquisa foi publicada na revista americana Science (Ciência), que não dá para se acusar de ser um braço de propaganda de uma suposta vasta conspiração heterossexual direitista. O estudo utilizou informações de dois bancos de dados contendo os genomas — ou seja, toda a composição genética — de 477.500 pessoas que se inscreveram no projeto Biobank do Reino Unido ou na empresa de genética 23andMe.
Os pesquisadores identificaram cinco variantes genéticas específicas que foram consideradas “associadas” ao comportamento de mesmo sexo (nota: não “a causa”). No total, essas variantes representam menos de 1% do comportamento homossexual. (Ênfase minha por toda parte.)
Ben Neale, professor associado da Unidade de Genética Analítica e Translacional do Hospital Geral de Massachusetts, disse: “Não existe um único gene gay, e um teste genético para mostrar se você vai ter um relacionamento homossexual não vai funcionar. É realmente impossível prever o comportamento sexual de um indivíduo a partir de seu genoma.”
Acho que isso será um alívio para muitos no movimento LGBTQ, que secretamente não queriam que um gene gay fosse encontrado. Isso ocorre porque, com os avanços nos testes genéticos pré-natais, eles temiam que muitos homossexuais fossem abortados antes de nascerem. Você pode perguntar tudo isso aos bebês com síndrome de Down.
Por outro lado, eles buscam incansavelmente o gene gay, porque serviria de desculpa para seu comportamento sexual não normativo. Diriam que não é culpa deles, porque nasceram assim. “Você não pode nos culpar pelo nosso comportamento, está em nossos genes.” Como o escorpião disse à tartaruga quando o picou no meio do rio: “Não posso evitar; é a minha natureza, é o que sou.”
Olha, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts e a Universidade de Harvard simplesmente despedaçaram a desculpa de quem diz que “nasceu assim.” David Curtis, professor honorário do Instituto de Genética UCL da Universidade College de Londres, disse categoricamente: “Esse estudo mostra claramente que não existe um ‘gene gay.’ Não existe variante genética na população que tenha algum efeito substancial na orientação sexual.”
Até Zeke Stroke, da organização pró-sodomia GLAAD, foi forçada a admitir: “Não há um grau conclusivo em que a natureza ou a criação influenciam o comportamento de uma pessoa gay ou lésbica.”
Fui convidado no programa de TV de Alan Colmes há alguns anos e ele queria saber se eu já havia experimentado impulsos homossexuais. Ora, nunca experimentei um desejo homossexual em minha vida, mas eu disse a Alan que os tipos particulares de desejos que experimentei são irrelevantes, porque todos nós experimentamos tentações de participar de atividades sexuais que sabemos que estão erradas, seja pornografia, prostituição, imoralidade ou adultério.
Talvez, no final, essa seja a melhor coisa que já aconteceu para a comunidade homossexual. Isso lhes dá motivos para aceitar a responsabilidade pessoal por suas escolhas sexuais e parar de usar o código genético como culpado. Talvez eles percebam que, se de fato o comportamento sexual é uma escolha, podem começar a fazer escolhas diferentes, melhores e que respeitem a vida.
O ponto principal é que o impulso de se envolver com a homossexualidade é um impulso que pode e deve ser resistido, como qualquer outra tentação sexual. E com a ajuda de Jesus Cristo e seu poder soberano, dá para se fazer isso.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da Associação Americana da Família: Harvard and MIT Scientists: There Is No Gay Gene
Leitura recomendada:

30 de agosto de 2019

Presidente do Templo Satânico nos EUA diz que mais de 50% dos membros satânicos são LGBTQ


Presidente do Templo Satânico nos EUA diz que mais de 50% dos membros satânicos são LGBTQ

Julio Severo
“No mínimo, mais de 50% de nossos membros são LGBTQ,” disse a presidente do Templo Satânico nos EUA em uma entrevista recente.
Lucien Greaves, que dirige o Templo Satânico dos EUA, disse à revista Attitude no Reino Unido: “Desde o início, quando uma de nossas primeiras ações foi realizar Missas Rosas, muitos indivíduos LGBTQ procuravam uma comunidade religiosa que não os visse como definidos por sua orientação sexual.”
O Templo Satânico vem ganhando fama nos EUA ao fazer campanha contra as leis pró-vida em nome da “liberdade religiosa” dos satanistas e ao fazer campanha em favor de leis homossexualistas.
“Nossas filiais estão sempre envolvidas com as paradas do orgulho gay nos Estados Unidos, estão sempre fazendo algo em prol do ativismo LGBTQ,” disse Greaves.
A Bíblia Satânica, de autoria de Anton Szandor LaVey, diz em sua página 36:
“O satanismo tolera qualquer tipo de atividade sexual que satisfaça adequadamente seus desejos individuais, seja heterossexual, homossexual, bissexual…”
Outras atividades recentes do Templo Satânico nos EUA incluem erguer uma estátua de Satanás ao lado de um presépio em Illinois e levar uma estátua gigante de Baphomet — uma criatura meio homem e meio bode representando o diabo — diante da assembleia legislativa do estado de Arkansas, EUA.
Com informações de LifeSiteNews.
Leitura recomendada:

28 de agosto de 2019

Mike Hill, deputado estadual da Flórida, EUA, é linchado pela mídia esquerdista por compartilhar meu artigo


Mike Hill, deputado estadual da Flórida, EUA, é linchado pela mídia esquerdista por compartilhar meu artigo

Julio Severo
Jornais da Flórida criticaram o deputado estadual Mike Hill por compartilhar um dos meus artigos.
Presidente Donald Trump e Mike Hill
No Pensacola News Journal, Andy Marlette citou um tuíte de Hill:
Mike Hill @MikeHillfl
Last Days Watchman: What Will America Gain by Making Sodomy Great? http://lastdayswatchman.blogspot.com/2017/06/what-will-america-gain-by-making-sodomy.html
12:21 PM – 28 de junho de 2017
Last Days Watchman é meu blog em inglês. A versão em português do meu artigo atacado, intitulado “O que os EUA ganharão engrandecendo a sodomia?,” encontra-se neste link: http://juliosevero.blogspot.com/2017/06/o-que-os-eua-ganharao-engrandecendo.html
Então Marlette comentou:
Um dos tuítes de Hill mostra a legenda “O que os EUA ganharão engrandecendo a sodomia?” O link está ligado a uma bizarra postagem no blog que afirma: “Só sociedades doentes aceitavam a anormalidade homossexual, e não duravam muito.” Políticas autoritárias russas contra cidadãos gays são superiores à inclusão e à liberdade americanas: “Você não é livre para tratar o ‘casamento’ gay como anormal e criminalmente doente nos EUA. Mas você é livre para tratar o casamento natural como anormal… Em contraste, na Rússia se você protestar contra a anormalidade do ‘casamento’ gay, principalmente no Kremlin, você não é moralmente linchado; você é louvado. Você é livre para tratar o ‘casamento’ gay como anormal e criminalmente doente na Rússia.”
Marlette cometeu um pecado que todos os homossexualistas cometem: ele condenou a Rússia, a maior nação ortodoxa cristã do mundo, por sua lei que protege as crianças da propaganda homossexual. Essencialmente, a lei russa mata a propaganda homossexual, mas não propagandistas homossexuais, enquanto a Arábia Saudita, que mata a propaganda homossexual e seus propagandistas, é poupada de ataques e bullying (totalmente reservados à Rússia) da Grande Mídia Esquerdista e seus cúmplices homossexualistas.
Marlette acrescentou que “Há dezenas e dezenas de posts igualmente bizarros que datam de anos atrás,” como se meu blog em inglês, Last Days Watchman, fosse uma fonte de conteúdo maligno e obscuro. Muito obviamente, a queixa dele decorre do fato de que ele é movido por seu viés de esquerda.
Em um artigo no site conservador American Thinker, intitulado “Deputado da Flórida Mike Hill versus a Elite Gay,” o autor Eric Giunta argumentou que Hill foi atacado porque ele é conservador.
Outro grande jornal esquerdista da Flórida, o Orlando Sentinel, também atacou Hill, em sua reportagem “A homofobia de Mike Hill nos mostra a razão por que o Mês do Orgulho LGBT é importante,” por compartilhar meu artigo, dizendo:
Em 2017, Hill tuitou um link para um post em um blog chamado Last Days Watchman, que celebrava a ideia de que “Você é livre para tratar o ‘casamento’ gay como anormal e criminalmente doente na Rússia.”
Last Days Watchman: What Will America Gain by Making Sodomy Great? https://t.co/FtQoYKSJ3q
— Mike Hill (@MikeHillfl) 28 de junho de 2017
O Orlando Sentinel também atacou Hill por compartilhar um tuíte de Franklin Graham, conselheiro de Trump e filho do evangelista internacionalmente famoso Billy Graham.
Não só os principais jornais da Flórida odeiam o meu blog, mas também HotSpots, a revista homossexual mais importante da Flórida, anunciou com satisfação maligna em 2017: “Criatura Asquerosa da Semana: Escritor e Blogueiro Brasileiro Julio Severo.”
Revistas e sites gays, entre os quais Between The Lines News e Pride USA, em outras partes dos EUA também tiveram seu “Criatura Asquerosa da Semana: Julio Severo.”
Quanto ao deputado estadual da Flórida Hill, ele também foi atacado por The Advocate, a maior revista gay do mundo. No início deste ano, The Advocate também mencionou a mim, como relatei em meu artigo “Maior revista gay dos EUA furiosa com protesto evangélico contra iniciativa do governo dos EUA de descriminalizar a homossexualidade em todo o mundo.”
Hill também foi alvo do Observatório da Direita (Right Wing Watch), que é uma organização esquerdista dos EUA que vem me visando há muitos anos.
Assim, na ética esquerdista, os políticos são livres para elogiar e aprovar leis homossexualistas, mas eles não são livres para compartilhar versículos bíblicos contra a homossexualidade e para compartilhar artigos cristãos, de mim ou de Graham, contra esse pecado, porque isso é “homofobia.”
Proteger o pecado homossexual nos EUA hoje é mais importante do que a Bíblia, que foi o livro mais importante na época de George Washington, e mais importante do que a liberdade de expressão de cristãos como eu e Graham. Ninguém tem permissão de compartilhar meus artigos conservadores sem ser atacado pela mídia esquerdista.
A esta altura, está muito claro: políticos e juízes nos EUA não podem compartilhar meus artigos sem ficarem na lista negra da mídia de esquerda.
Grande parte da violência verbal da mídia contra os cristãos conservadores acontece porque a maioria dos políticos eleitos pelos conservadores não se opõe ativamente à violência verbal da ditadura homossexual. Muitas vezes eles estão facilitando essa ditadura. Assim, quando um político conservador solitário como Hill faz o que a maioria dos políticos “conservadores” não faz, ele é moralmente linchado. Ele não pode citar a Bíblia e seus mandamentos contra a homossexualidade; ele não pode compartilhar artigos de mim ou Franklin Graham.
É essa a nação americana que George Washington, que era um protestante ativo, imaginou? Obviamente não. Ele expulsou um soldado de seu exército por homossexualidade. Nos EUA de hoje, ele seria expulso pela multidão de adoradores e facilitadores da homossexualidade na mídia e no governo.
Leitura recomendada sobre a Esquerda dos EUA contra Julio Severo:
Outra leitura recomendada:

27 de agosto de 2019

Respondendo a um ativista gay e suas tolices sobre Arábia Saudita, escravidão, direitos das mulheres e a deidade da homossexualidade


Respondendo a um ativista gay e suas tolices sobre Arábia Saudita, escravidão, direitos das mulheres e a deidade da homossexualidade

Julio Severo
Em junho de 2019, meu blog em inglês Last Days Watchman foi alvo do The Slowly Boiled Frog, um blog homossexualista dos EUA que geralmente mira grandes organizações conservadoras. É administrado por David Cary Hart, que supostamente usa seu blog para expressar suas “observações de questões LGBT, política de armas e ideias progressistas.”
Julio Severo é o autor de “Orações Proféticas: Guia de Oração Diária Baseado no Livro de Provérbios.” Intrigante sem dúvida. Julio Severo também é o autor do artigo “Vídeo musical de Taylor Swift ataca pessoas que protestam contra o comportamento LGBTQ, mas se abstém de condenar nações islâmicas que executam homossexuais.” Dentro dessa obra-prima intelectual está isto:
Se Swift tratasse os sauditas do jeito que ela tratou os cristãos em seu videoclipe, as represálias sauditas seriam rápidas.
Se ela não aceita cristãos que não aceitam a depravação homossexual, ela deveria atacar George Washington, o primeiro presidente dos EUA. Ele nunca executou homossexuais, mas exonerou de modo desonroso do Exército um soldado que cometeu sodomia (atos homossexuais).
Então ele começa suas críticas:
Entenda, Julio. Podemos optar por não visitar a Arábia Saudita. No entanto, nos Estados Unidos (Severo é brasileiro), os cristãos anti-LGBT estão tentando impor suas crenças religiosas a todos os outros, muitas vezes como políticas públicas. Os mesmos cristãos “bondosos” demonizam e marginalizam as pessoas com base em textos antigos de proveniência duvidosa. Suponha que os adeptos do Rev. Moon estivessem em maioria.
Se, como disse David Cary Hart, ativistas gays dos EUA não precisam criticar a Arábia Saudita porque podem optar por não visitar essa ditadura islâmica, então por que eles fazem críticas incessantes à Rússia desde que Putin aprovou uma lei que proíbe a propaganda homossexual para crianças e adolescentes em 2013?
Por que eles criticam tanto a Rússia e sua lei que protege as crianças da homossexualidade se eles podem simplesmente optar por não visitar a Rússia?
Existe um problema sério. Ativistas gays dos EUA estão tentando impor suas crenças homossexuais a todos os outros, especialmente crianças de escolas, muitas vezes como políticas públicas. Esses mesmos ativistas gays “bondosos” usam os grandes meios de comunicação para demonizar e marginalizar os cristãos puramente com base em suas depravações homossexuais.
A Arábia Saudita e a Rússia têm suas próprias maneiras de lidar com esse ativismo homossexual. A Arábia Saudita mata a doutrinação e seus doutrinadores. A Rússia mata apenas a doutrinação, deixando os homossexuais vivendo suas depravações em seus próprios lugares privados. Mesmo assim, os ativistas gays dos EUA escolheram não criticar a Arábia Saudita e direcionaram todas as suas críticas à Rússia. Suas críticas têm motivações políticas?
Quanto aos adeptos do Rev. Moon, apesar de terem um discurso direitista aparentemente agradável, sua filosofia religiosa coloca o Rev. Moon como um messias acima de Jesus Cristo, o único verdadeiro Messias. Essa filosofia é anticristã.
Hart disse:
“Quanto ao nosso primeiro presidente, quando ele assumiu o cargo, éramos traficantes de escravos. As mulheres não tinham nenhum direito. Passariam quase três anos até que a Declaração de Direitos fosse ratificada. Então qual é o argumento?”
A escravidão era comum em todas as sociedades. Aliás, é comum em várias sociedades africanas de hoje, onde negros escravizam negros. A escravidão não foi iniciada pelos cristãos, mas foi terminada por eles. Não foram os secularistas, os ateus e definitivamente não os ativistas gays que acabaram com a escravidão. Foram os cristãos. Foram evangélicos da Inglaterra e dos EUA. E em sociedades com homossexualismo aceito, a escravidão tinha o sofrimento adicional de abusos homossexuais, com homossexuais visando especialmente crianças para a escravidão homossexual. Esse não é um bom argumento?
Quanto às mulheres na época de George Washington, embora não pudessem votar, elas eram totalmente protegidas pelos homens, que as honravam. Se um homem disfarçado de mulher tentasse entrar em um banheiro feminino, havia homens de verdade para punir o ofensor, e as leis protegiam as mulheres e seus protetores masculinos contra os homossexuais ofensores. Hoje, com mais “direitos das mulheres,” homens disfarçados de mulheres podem entrar no banheiro feminino, e os homens são legalmente impedidos de proteger as mulheres, que chegam a ter medo de pedir ajuda porque os homossexuais se tornaram legalmente mais protegidos do que mulheres e crianças.
Por causa dos direitos homossexuais, as mulheres estão perdendo seus direitos de serem protegidas. E as crianças também estão perdendo. E os homens estão perdendo o direito de proteger suas esposas, mães, filhas, irmãs e meninos.
Em seguida, Hart diz:
Julio Severo também tem um blog intitulado: Last Days Watchman, que parece ser uma homenagem a Paula White, vigarista da teologia da prosperidade e fã de Trump. De acordo com Severo: “Trazendo-lhe artigos de um homem que sentiu o chamado de Deus para alertar o povo de Deus nestes últimos dias.”
Pessoas têm gritado “o fim está próximo” por séculos e elas nunca estão erradas. O que elas costumam dizer é ter ouvido de forma única a voz de sua deidade quando ninguém mais ouviu. Elas foram selecionadas, você vê, por sua piedade. Elas são especiais. Elas então afirmam que estão fazendo a vontade de seu deus. Muitas vezes me pergunto se essas pessoas realmente acreditam em sua própria besteira.
O que ele chama de “deidade” no meu caso é Jesus Cristo. Não é muito melhor servir a Jesus do que servir ao pecado? Ou há algo especial na AIDS e DSTs produzidas pela deidade da homossexualidade? Tenho servido Jesus por décadas e ele tem me curado de doenças, me libertado de meus pecados e me abençoado com bênçãos que não mereço. A deidade da homossexualidade conseguiu fazer o mesmo por suas vítimas?
Pelo fato de que Hart lembrou a seus leitores que eu sou brasileiro, curiosamente o sobrenome dele, Hart, é uma palavra em inglês que é traduzida “veado” em português, cujo sinônimo é “bicha.” Ele não pode reclamar que dicionários brasileiros perverteram alguma coisa porque ele e seus cúmplices homossexuais perverteram muito, muito mais. Tradicionalmente, os dicionários brasileiros definem a homossexualidade como sinônimo de “pederastia” (sexo entre homens e meninos). É sinônimo também de “sodomia,” uma antiga palavra para homossexualidade. O Dicionário Webster (1913), o dicionário mais antigo e respeitado dos EUA, diz que “pederastia” é sinônimo de “sodomia.”
Quando você vê muitos escândalos sexuais na Igreja Católica envolvendo padres abusando de meninos, você sabe que eles têm um problema com a pederastia e a homossexualidade. A Igreja Católica só conseguirá resolver seu problema de pederastia depois que resolver seu problema homossexual.
Hart disse sobre The Slowly Boiled Frog:
“A principal missão deste blog é refletir sobre questões relativas à igualdade LGBT. A igualdade é alcançada com igual proteção sob a lei em todos os estados da união. Alcançar a igualdade requer (mas não se limita a) igualdade no casamento nacional e aprovação do ACT de Não Discriminação no Emprego (ENDA).”
Curiosamente, The Slowly Boiled Frog (A Rã Lentamente Fervida) significa, de acordo com Hart, “Ferva uma rã lentamente e ela não percebe seu próprio perigo.” Homens envolvidos na homossexualidade estão sendo lentamente fervidos por Satanás, mas não conseguem perceber seu próprio perigo. Inconscientemente, Hart revelou sua própria realidade trágica. Ele mesmo é a Rã Lentamente Fervida, ou o Homossexual Lentamente Cozido.
Deus criou o homem e a mulher. Eles são iguais em importância e diferentes em papéis e funções. A deidade da homossexualidade não criou nada de bom, mas apenas perverteu o que Deus criou. Existe igualdade entre os sexos verdadeiros, reais e biológicos, mas não há igualdade entre sexo pervertido e sexo biológico. Mesmo assim, sob o pretexto de lutar pela igualdade, o que Hart e outras criaturas pervertidas querem é fazer exatamente o que condenam nos outros: eles estão tentando impor suas crenças homossexuais a todos os outros, especialmente crianças de escolas, muitas vezes como políticas públicas. Eles demonizam e marginalizam os cristãos puramente com base em suas depravações homossexuais.
Então, não me surpreende que meu blog em inglês tenha sido demonizado por Hart (veado).
Leitura recomendada sobre a Esquerda dos EUA contra Julio Severo:
Outra leitura recomendada:

26 de agosto de 2019

Pai que cancelou quando descobriu que uma babá em um anúncio de internet era na verdade um homem é processado por violação de direitos humanos no Canadá


Pai que cancelou quando descobriu que uma babá em um anúncio de internet era na verdade um homem é processado por violação de direitos humanos no Canadá

Julio Severo
Um pai solteiro canadense está sofrendo uma acusação de violação dos direitos humanos por recusar uma babá depois de descobrir que era um homem.
Pai e filho
A queixa remonta a 31 de agosto de 2017, quando Todd, que não quer que seu sobrenome seja publicado para proteger a privacidade de sua família, postou um anúncio de emprego de babá no site Kijiji. Ele estava procurando uma babá para cuidar de seus filhos de cinco e oito anos de idade para a noite.
De acordo com documentos legais, Todd recebeu várias respostas ao seu post e entre elas estava James Cyrynowski, que apresentou a queixa contra Todd dizendo que o pai violou seus direitos humanos por não deixá-lo tomar conta dos filhos dele.
Todd respondeu a Crynowski com uma série de perguntas básicas, perguntando onde ele morava, quantos anos ele tinha e se era homem ou mulher.
“Oi, eu moro em Edmonton. Sou homem e tenho 28 anos,” respondeu Crynowski, mas não recebeu mais respostas de Todd.
De acordo com o Centro de Justiça para Liberdades Constitucionais (CJLC), uma organização jurídica conservadora que representa Todd sem cobrar nada, os planos noturnos de Todd não deram certo e ele cancelou seu plano para chamar uma babá.
O CJLC diz que Cyrynowski não deu seguimento à comunicação de Todd sobre o cancelamento e, em vez disso, registrou uma queixa formal na Comissão de Direitos Humanos de Alberta em 1º de setembro, alegando ter sofrido discriminação por causa de sua idade e sexo.
Todd disse em um e-mail que está sofrendo muito por causa dessa situação angustiante. Ele disse:
“Tenho passado muitas noites sem dormir. Eu não sabia que as pessoas podiam se opor à minha decisão de descobrir todas as informações relevantes que eu pudesse sobre uma babá em potencial, inclusive idade e sexo. Eu achava que estava fazendo o que era melhor para meus filhos pequenos.”
Todd, que trabalha por conta própria, disse que raramente usa babás, mas que agora, traumatizado por causa da queixa brutal de Crynowski, é improvável que ele use anúncios de internet de babás novamente.
“Apenas tentar saber o suficiente sobre uma nova babá em potencial pode me causar problemas e eu preciso garantir que meus filhos estejam seguros,” acrescentou ele.
Essa não é a primeira vez que Cyrynowski registra uma reclamação de direitos humanos contra uma família com crianças pequenas.
Um caso semelhante, datado de 23 de maio de 2014, envolveu uma mãe que havia postado um anúncio de uma babá para cuidar de seu filho de cinco anos. Documentos do tribunal mostram que o anúncio dela indicou numa lista preferência por uma mulher mais velha com experiência para cuidar de seu filho. Quando Cyrynowski respondeu ao anúncio, ele foi informado de que ela estava buscando uma mulher.
Recusando aceitar a decisão dela, Cyrynowski apresentou sua queixa alguns dias depois, em 26 de maio. O processo judicial chegou à Suprema Corte do Canadá, onde foi finalmente julgado em maio deste ano. Por causa de Cyrynowski e seu processo, a mãe sofreu cinco anos de noites sem dormir e preocupações.
O presidente do CJLC, John Carpay, disse que os pais precisam ter a liberdade de contratar quem eles consideram apropriado para cuidar dos filhos.
“Os pais precisam ter total discrição,” disse ele. “Se é para um serviço em casa, você precisa se sentir à vontade com uma pessoa que entra em sua casa.”
Ele acrescentou: “Não se sabe por que a Comissão de Direitos Humanos agora aceitou a reclamação de Crynowski contra Todd, considerando o caso precedente.”
Por que Cyrynowski está tão obcecado em cuidar de crianças pequenas de outras pessoas? Em vez de processar as vítimas dele, o Canadá deveria processá-lo e investigar suas reais motivações para perseguir pais e mães de filhos pequenos. Mas em uma nação com leis loucas, pessoas loucas ganham o poder de perseguir pessoas inocentes.
Com informações da Canoe e Daily Mail.
Leitura recomendada:

25 de agosto de 2019

Primeiro caso de atividade criminosa no espaço: astronauta lésbica é acusada de acessar a conta bancária de sua “esposa” lésbica separada a partir da Estação Espacial Internacional durante divórcio sujo e complicado


Primeiro caso de atividade criminosa no espaço: astronauta lésbica é acusada de acessar a conta bancária de sua “esposa” lésbica separada a partir da Estação Espacial Internacional durante divórcio sujo e complicado

Julio Severo
A NASA está investigando alegações de que uma astronauta lésbica acessou a conta bancária de sua “esposa” lésbica separada a partir do espaço durante um período de seis meses na Estação Espacial Internacional.
Astronauta lésbica Anne McClain
A astronauta e tenente-coronel do Exército dos EUA, Anne McClain, foi acusada de cometer o primeiro crime no espaço exterior depois de obter acesso indevido à conta bancária online de Summer Worden usando computadores da NASA. Ambas as lésbicas estão envolvidas em um divórcio amargo.
Anne teria acessado a conta bancária como parte de uma “campanha altamente calculada e manipulada” para obter a custódia de um menino. Summer teve um filho cerca de um ano antes de conhecer Anne, que agora está desesperada para adotar o menino.
Summer, ex-oficial de inteligência da Força Aérea, apresentou uma queixa contra Anne na Comissão Federal de Comércio, alegando que Anne havia cometido roubo de identidade.
Anne e Summer se casaram em um “casamento” homossexual em 2014, com Summer pedindo divórcio em 2018, depois que Anne a acusou de agressão, uma alegação que Summer nega e disse que fazia parte dos esforços de Anne para obter a custódia de seu filho.
Essa é uma situação desagradável, especialmente para o menino, que vê sua mãe envolvida no lesbianismo e agora sua amante lésbica desesperada para consegui-lo.
Essa é uma situação desagradável também para as forças armadas dos EUA, com duas lésbicas que tiveram e têm cargos militares estratégicos muito altos envolvidas em um comportamento que teria sido totalmente rejeitado por George Washington, o primeiro presidente dos EUA.
Como Washington poderia ter imaginado uma nação com soldados sendo conduzidos por uma tenente-coronel lésbica do Exército dos EUA? Se informado sobre esse futuro para os EUA, ele teria pensado que isso era uma piada muito sádica.
Washington, que também era general, entendia que o serviço militar era para homens, não para mulheres, e definitivamente não para homossexuais.
Os EUA foram fundados na ética cristã de evangélicos. Essa ética era 100 por cento contra a homossexualidade. Como é que os EUA podem agora sobreviver sem tal ética?
É muito triste que até mesmo no governo Trump, que foi eleito especialmente por evangélicos conservadores, homossexuais podem se tornar coronéis e astronautas.
Os EUA estão vivendo o futuro que Sodoma queria para si. Mas mais cedo ou mais tarde esse futuro trará o que trouxe para Sodoma.
Com informações do Daily Mail e da Fox News.
Leitura recomendada: