9 de junho de 2019

Revista de Billy Graham denuncia “a mentira do cristianismo progressista”


Revista de Billy Graham denuncia “a mentira do cristianismo progressista”

O manto do “cristianismo progressista” está sendo reivindicado por mais e mais pessoas nos dias de hoje — algumas mega-igrejas, algumas denominações antigas e até mesmo alguns políticos.
É praticamente um evangelho que considera a Bíblia um bom livro, mas insiste em que a Bíblia deve ser reinterpretada para ser compatível com a sociedade contemporânea.
Mas agora a revista Decision, publicação lançada por Billy Graham e ainda dirigida por sua organização, desencadeou um ataque contra esse sistema de crenças.
Sua manchete de primeira página de junho, “A mentira do ‘cristianismo progressista,’” está estampada em cima da imagem de Pete Buttigieg.
Ele é o candidato presidencial do Partido Democrata que há poucas semanas atacou a fé do vice-presidente Mike Pence, cujas crenças se alinham com as visões cristãs tradicionais de casamento e sexualidade.
“Em abril, quando o aspirante a candidato presidencial democrata Pete Buttigieg atirou pedras nos ‘Mike Pences do mundo’ por suas crenças cristãs históricas sobre casamento, sexualidade e pecado, ele chamou a atenção da mídia. Ele também levantou a visibilidade de um movimento religioso que reivindica o termo cristão, mas nega a plena autoridade da Escritura sobre a qual ‘a fé confiada aos santos de uma vez por todas’ (Judas 3, KJA) é baseada,” escreve o autor do artigo, Jerry Pierce.
O “cristianismo progressista” de Buttigieg permite-lhe reivindicar um compromisso com a fé que Jesus Cristo ensinou nos Evangelhos e ainda permanecer casado com seu parceiro do sexo masculino,” escreveu ele.
Mas R. Albert Mohler Jr., presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, em Louisville, Kentucky, diz que é uma “distorção” da Palavra de Deus.
Buttigieg atacou a fé de Pence como “extremismo social” e, aliás, disse aos evangélicos que “defendam a nova sexualidade incorporada no movimento LGBTQ, ou defendam a plena autoridade das Escrituras e sejam anátema na cultura pós-moderna.”
Mohler disse à Decision que é tentador para os cristãos fiéis à Bíblia buscar e conseguir um “meio termo” em tais questões.
Mas isso não é o que a Bíblia permite.
“Eu fiz o argumento de que a opinião de todos sobre esses assuntos será conhecida,” disse Mohler à revista. “Pode ser quando você concorrer para presidente. Pode ser quando você for para a universidade. Pode ser quando um novo vizinho entrar e você acabar conversando. Mas a questão é que não há onde se esconder sobre esses assuntos. Há muitos cristãos que estão tentando se esconder na grama alta, e isso não vai funcionar.”
O artigo diz que Buttigieg e outros de seu sistema de crenças estão tentando levar os cristãos bíblicos “para as margens externas da sociedade.”
Mohler explicou que “o novo liberalismo sob a bandeira ‘progressista’ está invadindo igrejas mais conservadoras em meio a uma cultura que pinta os valores bíblicos como opressivos e fanáticos.”
Ele disse à Decision que os cristãos não querem parecer odiosos, mas questões como a homossexualidade não podem ser definidas “nos termos do mundo.”
A questão trouxe incalculável sofrimento à Igreja Metodista Unida, agora apanhada numa luta entre membros africanos e asiáticos conservadores e progressistas nos Estados Unidos.
O líder leigo Mark Tooley, metodista e presidente do Instituto sobre Religião e Democracia, disse à Decisão que os cristãos progressistas frequentemente afirmam milagres, até mesmo o Credo dos Apóstolos, mas negam a plena autoridade da Palavra de Deus.
"Isso se aplica aos protestantes tradicionais, mas também a muitos membros da esquerda pós-evangélica,” disse ele à Decision.
Mohler disse que está preocupado com o fato de que os cristãos sejam considerados subversivos, assim como foram os primeiros cristãos em Roma, que foram mortos por sua fé.
“Não há meio termo entre afirmar e negar a ressurreição física de Cristo. Não há também meio termo entre definir o casamento como a união de um homem e uma mulher e dizer que pode ser outra coisa,” disse ele.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Billy Graham mag calls out 'lie of progressive Christianity'
Leitura recomendada sobre Pete Buttigieg:
Leitura recomendada sobre evangélicos progressistas:

Um comentário :

ELISEU disse...

O mundo pode mudar a todo instante, se auto–denominar "moderno", "liberal", "atualizado", "mente aberta", enfim, as leis, os princípios, e os costumes do mundo podem mudar a todo momento. MAS A LEI DE DEUS É SOBERANA, ETERNA, E IMUTÁVEL (NUNCA PODERÁ SER MUDADA POR NADA, E NEM POR NINGUÉM)! DEUS NUNCA MUDARÁ A SUA LEI PARA AGRADAR A NINGUÉM (SEJA QUEM FOR)! A RESPEITO DA LEI DE DEUS, JESUS FOI TAXATIVO (FAÇO QUESTÃO DE TRANSCREVER EM CAIXA ALTA AS PALAVRAS DE JESUS):

"NÃO PENSEIS QUE VIM REVOGAR A LEI OU OS PROFETAS; NÃO VIM PARA REVOGAR, MAS PARA CUMPRIR. POIS EM VERDADE EU VOS DIGO QUE, ATÉ QUE PASSEM OS CÉUS E A TERRA, NENHUM I OU TIL JAMAIS PASSARÁ DA LEI, SEM QUE TUDO SE CUMPRA" (MATEUS 5:17–18)

SE DEUS, NA SUA LEI, DISSE QUE HOMOSSEXUALISMO É PECADO, É PECADO (E PONTO FINAL)! SE DEUS FALOU, ESTÁ FALADO (E ACABOU-SE)! O QUE DEUS DETERMINA NA SUA LEI NINGUÉM JAMAIS PODERÁ CONTESTAR!

Quem decide questionar o que Deus diz em Sua lei está se fazendo amigo do mundo (e ficando contra Deus). A respeito disso, o apóstolo Tiago escreveu:

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, todo aquele que se faz amigo do mundo se constitui inimigo de Deus" (Tiago 4:4)

Eu pergunto: que autoridade moral um pecador tem para questionar a lei 100% perfeita de um Deus Santo?