29 de junho de 2019

“O esquerdismo já teve sua época”: Putin ataca perspectivas ocidentais sobre direitos gays e multiculturalismo ao afirmar que o Ocidente permite que os imigrantes “matem, saqueiem e estuprem com impunidade porque seus direitos como imigrantes são protegidos”


“O esquerdismo já teve sua época”: Putin ataca perspectivas ocidentais sobre direitos gays e multiculturalismo ao afirmar que o Ocidente permite que os imigrantes “matem, saqueiem e estuprem com impunidade porque seus direitos como imigrantes são protegidos”

Amelia Clarke
Vladimir Putin, na noite passada, gabou-se de que o esquerdismo na Europa e nos EUA “não tem mais propósito de existência.”
O presidente russo criticou as perspectivas ocidentais sobre direitos gays, imigração e multiculturalismo — que ele afirmou serem um ataque aos “valores familiares tradicionais.”
Em uma entrevista ao jornal britânico Financial Times, Putin disse que “a ideia esquerdista” está sendo rejeitada porque o público virou as costas para essas questões.
E ele afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, cometeu um “erro fundamental” em sua decisão de 2017 de permitir que milhões de refugiados entrassem na Alemanha.
Ele disse: “[Os esquerdistas] não podem simplesmente ditar qualquer coisa para qualquer pessoa como eles vêm tentado fazer nas últimas décadas. Essa ideia esquerdista pressupõe que nada precisa ser feito. Que os migrantes podem matar, saquear e estuprar com impunidade porque seus direitos como imigrantes têm de ser protegidos.”
Ele acrescentou: “Todo crime precisa ter seu castigo. A ideia esquerdista tornou-se obsoleta. Entrou em conflito com os interesses da esmagadora maioria da população.”
Putin reservou elogios especiais a Donald Trump por tentar conter o fluxo de imigrantes e drogas para os EUA, e disse que as relações anglo-russas estão começando a melhorar antes de seu encontro face a face com Theresa May na cúpula do G20 deste final de semana em Osaka, Japão.
As relações estão agitadas desde que o Reino Unido apontou o dedo para o Kremlin pela tentativa de assassinato do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia, em Salisbury, em março do ano passado.
Putin disse: “Acho que tanto a Rússia quanto o Reino Unido estão interessados em restaurar totalmente nossas relações, pelo menos eu espero que algumas medidas preliminares sejam tomadas.”
Mas ele se recusou a condenar o envenenamento dos Skripals, dizendo: “A traição é o crime mais grave possível.” Ele acrescentou: “Não estou dizendo que o incidente de Salisbury é a maneira de fazê-lo… mas os traidores precisam ser punidos.”
Putin disse que os governos esquerdistas ignoraram seu povo em busca do multiculturalismo e da tolerância para com homossexuais. Ele disse: “Não estou tentando insultar ninguém porque nós russos temos sido condenados por nossa suposta homofobia. Mas não temos problemas com indivíduos LGBT. Deus me livre, que eles vivam como quiserem. Mas algumas coisas parecem excessivas para nós russos. Eles alegam agora que crianças podem desempenhar cinco ou seis papéis de gênero. Que todos sejam felizes, não temos problema com isso. Mas isso não deve obscurecer a cultura, as tradições e os valores familiares tradicionais de milhões de pessoas que compõem a população principal.”
Putin disse que a ameaça de uma nova corrida armamentista nuclear entre a Rússia e os EUA é uma preocupação, acrescentando: “A Guerra Fria foi uma coisa ruim… mas havia pelo menos algumas regras a que todos os participantes da comunidade internacional mais ou menos obedeciam ou tentavam seguir.”
Leitura recomendada:

Um comentário :

Rafael disse...

Creio que o termo que ele usou foi liberalismo. Quem dera se eu pudesse morar na Rússia...