30 de junho de 2019

O jeito certo de celebrar a independência dos EUA: concessionária da Ford no Alabama celebra o dia 4 de julho oferecendo gratuitamente uma Bíblia, uma espingarda e uma bandeira americana para todos que comprarem um veículo


O jeito certo de celebrar a independência dos EUA: concessionária da Ford no Alabama celebra o dia 4 de julho oferecendo gratuitamente uma Bíblia, uma espingarda e uma bandeira americana para todos que comprarem um veículo

Julio Severo
Uma concessionária de automóveis da Ford no Alabama está dando a cada cliente adulto uma Bíblia Sagrada, uma espingarda de calibre 12 e uma bandeira americana para celebrar a independência dos Estados Unidos.
“Deus, Armas e Liberdade” é o lema da concessionária Chatom, que defende a oferta para clientes que comprarem um veículo novo ou usado e têm mais de 18 anos, até 31 de julho.
Na sexta-feira, a concessionária compartilhou uma foto dos primeiros compradores a aproveitar a oferta.
“Obrigado Sr. e Sra. Flowers!” eles colocaram uma imagem de dois homens de boné de beisebol orgulhosamente segurando a bandeira americana.
Um terceiro homem segurou a arma e uma mulher entre eles mostrou sua nova Bíblia e eles ficaram na frente de um jipe vermelho.
O belo exemplo da concessionária Chatom deveria ser seguido por muitas outras lojas nos EUA e também no mundo. Lojas em outras nações precisam também oferecer como brinde uma Bíblia, uma arma e suas bandeiras nacionais.
Em primeiro lugar Deus, porque sem ele não somos nada. Armas, porque precisamos delas para defender a nós, nossas famílias e nossas propriedades.
Deus e armas geram ordem. Armas sem Deus geram caos e violência.
Todas as nações e seus cidadãos precisam de Deus e armas.
Com informações do DailyMail.
Leitura recomendada:

29 de junho de 2019

“O esquerdismo já teve sua época”: Putin ataca perspectivas ocidentais sobre direitos gays e multiculturalismo ao afirmar que o Ocidente permite que os imigrantes “matem, saqueiem e estuprem com impunidade porque seus direitos como imigrantes são protegidos”


“O esquerdismo já teve sua época”: Putin ataca perspectivas ocidentais sobre direitos gays e multiculturalismo ao afirmar que o Ocidente permite que os imigrantes “matem, saqueiem e estuprem com impunidade porque seus direitos como imigrantes são protegidos”

Amelia Clarke
Vladimir Putin, na noite passada, gabou-se de que o esquerdismo na Europa e nos EUA “não tem mais propósito de existência.”
O presidente russo criticou as perspectivas ocidentais sobre direitos gays, imigração e multiculturalismo — que ele afirmou serem um ataque aos “valores familiares tradicionais.”
Em uma entrevista ao jornal britânico Financial Times, Putin disse que “a ideia esquerdista” está sendo rejeitada porque o público virou as costas para essas questões.
E ele afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, cometeu um “erro fundamental” em sua decisão de 2017 de permitir que milhões de refugiados entrassem na Alemanha.
Ele disse: “[Os esquerdistas] não podem simplesmente ditar qualquer coisa para qualquer pessoa como eles vêm tentado fazer nas últimas décadas. Essa ideia esquerdista pressupõe que nada precisa ser feito. Que os migrantes podem matar, saquear e estuprar com impunidade porque seus direitos como imigrantes têm de ser protegidos.”
Ele acrescentou: “Todo crime precisa ter seu castigo. A ideia esquerdista tornou-se obsoleta. Entrou em conflito com os interesses da esmagadora maioria da população.”
Putin reservou elogios especiais a Donald Trump por tentar conter o fluxo de imigrantes e drogas para os EUA, e disse que as relações anglo-russas estão começando a melhorar antes de seu encontro face a face com Theresa May na cúpula do G20 deste final de semana em Osaka, Japão.
As relações estão agitadas desde que o Reino Unido apontou o dedo para o Kremlin pela tentativa de assassinato do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia, em Salisbury, em março do ano passado.
Putin disse: “Acho que tanto a Rússia quanto o Reino Unido estão interessados em restaurar totalmente nossas relações, pelo menos eu espero que algumas medidas preliminares sejam tomadas.”
Mas ele se recusou a condenar o envenenamento dos Skripals, dizendo: “A traição é o crime mais grave possível.” Ele acrescentou: “Não estou dizendo que o incidente de Salisbury é a maneira de fazê-lo… mas os traidores precisam ser punidos.”
Putin disse que os governos esquerdistas ignoraram seu povo em busca do multiculturalismo e da tolerância para com homossexuais. Ele disse: “Não estou tentando insultar ninguém porque nós russos temos sido condenados por nossa suposta homofobia. Mas não temos problemas com indivíduos LGBT. Deus me livre, que eles vivam como quiserem. Mas algumas coisas parecem excessivas para nós russos. Eles alegam agora que crianças podem desempenhar cinco ou seis papéis de gênero. Que todos sejam felizes, não temos problema com isso. Mas isso não deve obscurecer a cultura, as tradições e os valores familiares tradicionais de milhões de pessoas que compõem a população principal.”
Putin disse que a ameaça de uma nova corrida armamentista nuclear entre a Rússia e os EUA é uma preocupação, acrescentando: “A Guerra Fria foi uma coisa ruim… mas havia pelo menos algumas regras a que todos os participantes da comunidade internacional mais ou menos obedeciam ou tentavam seguir.”
Leitura recomendada:

28 de junho de 2019

Deputada petista Benedita da Silva, que defende causa gay, representa desafio para Frente Parlamentar Evangélica, que luta contra essa causa


Deputada petista Benedita da Silva, que defende causa gay, representa desafio para Frente Parlamentar Evangélica, que luta contra essa causa

Julio Severo
Conhecida por sua militância dentro do Partido dos Trabalhadores (PT), um dos partidos mais abortistas e homossexualistas do Brasil, a deputada Benedita da Silva vem às vezes liderando, na condição de capelã, cultos da Frente Parlamentar Evangélica (FPE), que é conservadora.
Benedita da Silva
Entretanto, Benedita não está ativamente envolvida só com evangélicos. Ela é também membro da Frente Parlamentar Mista Pelo Respeito à Cidadania LGBTI+, dirigida por Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI+. O objetivo da Frente Parlamentar Mista Pelo Respeito à Cidadania LGBTI+, que tem mais de 100 deputados, é “agir de forma conjunta em prol da diversidade de orientação sexual e identidade de gênero.”
Esse alvo resulta, fatalmente, em propagandas de desorientação sexual voltadas para públicos de crianças e adolescentes, que se tornam vítimas de doutrinação homossexual. O que pois Benedita, que se identifica como presbiteriana da IPB, está fazendo aliada a uma agenda destrutiva para crianças e famílias?
Como presbiteriana, Benedita deveria sentir vergonha de participar de um movimento dirigido por um ativista homossexual que atacou o líder evangélico mais proeminente do Brasil. Em 2011, a ABGLT, sob a presidência de Toni Reis, apresentou uma queixa ao Ministério Público Federal contra o televangelista pentecostal Silas Malafaia por “incitar a violência contra pessoas LGBT.” A interpretação da ABGLT de “incitar violência contra pessoas LGBT” é pregar contra o pecado homossexual e se opor à doutrinação homossexual de crianças em idade escolar.
Em 2007, a ABGLT e Toni apresentaram uma queixa ao Ministério Público Federal contra mim, Julio Severo, por “por manter um site que incita a violência contra a comunidade LGBT.”
É totalmente coerente Benedita, que é pró-homossexualismo, fazer parte de uma bancada homossexualista que persegue os evangélicos. Mas é totalmente incoerente ela, com toda essa bagagem homossexualista, fazer parte também de uma bancada evangélica que defende os evangélicos.
Nada contra ela participar de reuniões da Frente Parlamentar Evangélica, pois toda reunião evangélica precisa ser aberta para pecadores em necessidade de libertação. E ela está em tal situação. Mas a partir do momento em que ela dirige qualquer reunião da FPE, um exemplo é dado.
O exemplo que a FPE está dando é que as igrejas também podem deixar pastores pró-homossexualismo pregarem em seus púlpitos. Isso, é claro, é um péssimo exemplo.
Não existe no Congresso Nacional e em todo o governo brasileiro força maior de resistência à agenda de aborto e homossexualismo do que a FPE, que é a bancada mais sólida na defesa da vida e da família há anos. Mas que sintonia há então entre FPE e Benedita?
A FPE mantém dentro do Congresso Nacional cultos de adoração a Deus e pregação da Palavra de Deus. Os cultos são um sinal de reconhecimento de que sem Deus nada podemos fazer. É um reconhecimento de humildade de que mesmo os políticos, que se julgam poderosos, precisam de dobrar diante da grandeza de Deus, de Sua Palavra e de Seus padrões.
Benedita não tem se dobrado diante de Deus, de Sua Palavra e de Seus padrões, porque ela já vive dobrada diante dos padrões socialistas do PT. Fica pois muitíssimo incoerente a FPE permitir que Benedita dirija seus cultos.
Eu já participei de vários cultos da FPE, só deixando de ir desde que fui para o exterior. Se eu fosse a um culto da FPE hoje, eu precisaria ficar em muito espírito de oração, pois um dirigente de culto que é pró-homossexualismo é evidentemente um apóstata e endemoniado.
Se a IPB não consegue expulsar Benedita, pelo menos a FPE deveria ter mais coerência e expulsá-la de seus púlpitos, porque se as igrejas representadas pelos deputados rejeitam totalmente indivíduos pró-homossexualismo em seus púlpitos, por que aceitá-los nos púlpitos da FPE?
Não é de hoje que conheço as incoerências da “evangélica” Benedita.
Em 1992, numa comissão da Câmara dos Deputados sobre aborto, acompanhei o então presidente da CNBB. Ele foi tratado de forma muito desrespeitosa. Ele estava defendendo a vida e os outros, inclusive a comunista Jandira Feghali, defendiam o aborto aos gritos, palavrões e vulgaridades.
A então deputada Benedita da Silva estava lá, do lado dos abortistas. E eu, um evangélico, estava com o presidente da CNBB e um líder pró-vida católico. Estávamos em total minoria. Depois da reunião, cobrei da Benedita. Eu disse a ela pessoalmente: “Como você tem coragem de se aliar a indivíduos sem o Espírito Santo que apoiam o aborto?”
Ela me respondeu: “Não diga uma coisa dessas. Todos têm o Espírito Santo.”
O presidente da CNBB que eu estava acompanhando era esquerdista, mas pelo menos não estava defendendo o aborto. Benedita já era esquerdista, porém estava moralmente bem abaixo do líder católico.
Antes de ela se tornar membro da Igreja Presbiteriana do Brasil, ela era membro da Assembleia de Deus presidida pelo Bispo Manoel Ferreira. Com meu incentivo, um amigo católico de Brasília na época entregou documentação ao bispo assembleiano sobre as alianças abortistas de Benedita, que rapidamente se mudou para a IPB.
Se ela for pressionada de novo, vai se mudar para a igreja desigrejada de Caio Fábio.
Se ela for pressionada dentro da FPE e escolher sair, os evangélicos não vão perder absolutamente nada, pois faz muito tempo que ela joga para o outro time.
A FPE precisa zelar urgentemente pela santidade de seus púlpitos e só permitir pregadores que estejam vivendo em santidade, pois sem santificação ninguém verá a Deus.
Leitura recomendada:

27 de junho de 2019

Exponha em seu perfil de Facebook o terrível crime de um menino de 9 anos que foi torturado, mutilado e assassinado por duas lésbicas e o Facebook pune você com um bloqueio de 30 dias para proteger o crime e as criminosas de esquerda


Exponha em seu perfil de Facebook o terrível crime de um menino de 9 anos que foi torturado, mutilado e assassinado por duas lésbicas e o Facebook pune você com um bloqueio de 30 dias para proteger o crime e as criminosas de esquerda

Julio Severo
Como o Facebook nunca se cansa de impor seu infame bloqueio de 30 dias em meu perfil de Facebook por minhas posturas conservadoras, nunca me cansarei de expor o Facebook por sua tendenciosidade de esquerda.
O Facebook impôs no meu perfil de Facebook um bloqueio de 30 dias assim que eu publiquei este post em 9 de junho de 2019:
Duas lésbicas cometem um CRIME bárbaro contra um inocente menino de 9 anos, mas a imprensa de fake news abafa tudo. Quando duas lésbicas sem vergonha levam uma bofetada por se beijarem em público na frente de crianças, essa mesma imprensa grita que as duas lésbicas foram vítimas do crime fictício de “homofobia.” Por que abafam um crime gay tão selvagem contra um menino? Leia e divulgue: http://bit.ly/2IjEMJE
O Facebook interpretou meu post como “discurso de ódio.”
Então, se duas lésbicas fazem alguma proeza que os esquerdistas julgam digna de elogios, não há problema em identificá-las como elas são: lésbicas. Mas se elas cometem um crime, você é proibido de identificá-las exatamente como elas são?
Depois que o Facebook inicialmente me avisou sobre sua punição de 30 dias para mim, pedi uma revisão, dizendo:
“É completamente insensível e escandaloso o modo como o Facebook BANE a liberdade de expressão. Não há nada legalmente impróprio em meu texto, que trata de um crime cometido por duas lésbicas que torturaram, mutilaram e mataram a facadas um menino. No entanto, o Facebook protege as criminosas e proíbe o meu texto. Basicamente, a proibição do Facebook está protegendo um ato criminoso. Por favor, reveja novamente o texto e demita os revisores anteriores. E, por favor, revogue a proibição, porque não faz sentido.”
Contudo, o Facebook rejeitou meu pedido e insistiu que eu cometi “discurso de ódio” por expor duas lésbicas que cometeram um crime horrível contra um menino. Então, na ideologia do Facebook, sou livre para elogiar lésbicas se elas adotarem um menino de 9 anos de idade. Mas se duas lésbicas matam o menino, não sou livre para dizer que são lésbicas, porém sou livre para identificá-las como “mulheres,” como se apenas mulheres, e nunca lésbicas, fossem capazes de torturar, mutilar e assassinar crianças.
Nunca ouvi falar de esquerdistas reclamando que eles sofreram um bloqueio de 30 dias do Facebook por criticarem o Cristianismo e Jesus Cristo. Nunca. Mas você nunca pode criticar a homossexualidade e o islamismo, porque o Facebook os considera “sagrados.”
Tenho sofrido vários bloqueios de 30 dias do Facebook exclusivamente por minhas opiniões conservadoras.
* Fui bloqueado por reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, embora o dono do Facebook seja judeu e deveria respeitar meus sentimentos pró-judeus. Mas ele preferiu em vez disso respeitar os sentimentos de islâmicos que não aceitam Jerusalém como capital de Israel.
* Fui atormentado pelo Facebook nas eleições presidenciais do Brasil por causa de minhas posições conservadoras.
E há muitos outros exemplos de bullying e bloqueios de 30 dias do Facebook contra mim.
A única vez que o Facebook recuou em seu assédio e intimidação contra mim foi quando uma organização jurídica conservadora na Califórnia enviou uma carta para o Facebook em 2017. Veja: Facebook reconhece sua própria censura contra Julio Severo. E agora?
Leitura recomendada sobre censura do Facebook:
Leitura recomendada sobre a Esquerda dos EUA contra Julio Severo:
Outra leitura recomendada:

26 de junho de 2019

Governo Trump impondo a agenda LGBT no país da Geórgia, mas o povo resiste


Governo Trump impondo a agenda LGBT no país da Geórgia, mas o povo resiste

Julio Severo
“Durante anos, os esquerdistas sociais tentaram forçar a ideologia LGBT na República da Geórgia, um país profundamente cristão com pessoas profundamente boas, comida incrível e — o mais importante — fortes valores tradicionais. Infelizmente, a própria embaixada dos Estados Unidos tem repetidas vezes imposto a agenda LGBT e atualmente está apoiando a chamada ‘Parada do Orgulho Gay’ que foi fortemente condenada pela Igreja Ortodoxa da Geórgia,” disse Brian Brown, presidente do Congresso Mundial das Famílias e presidente da Organização Internacional para a Família.
Povo da Georgia resistindo contra parada gay apoiada oficialmente pela Embaixada dos EUA
Brown disse que 97% dos georgianos rejeitam a Parada “Orgulho” Gay. Então, por que o governo Trump está impondo uma ideologia imoral num povo que a rejeita? Uma explicação é que Trump lançou uma campanha global para legalizar a homossexualidade em todo o mundo. Então o povo georgiano está apenas sofrendo os efeitos dessa campanha.
Outra explicação é o controle populacional. Por sua natureza estéril, a homossexualidade nunca produz bebês — e sempre produz abundantes doenças. A homossexualidade é perfeita para o controle populacional.
Ainda que muitos direitistas pensem que nos EUA somente governos democratas, que são socialistas, promoveriam o controle populacional, a realidade está longe desse conceito errado. O mais importante documento de controle populacional já produzido pelo governo dos EUA foi escrito durante dois governos republicanos.
Durante os últimos dias do presidente republicano Richard Nixon e os primeiros dias do presidente republicano Gerald Ford, a CIA, o Ministério de Defesa e a USAID prepararam o mais infame documento de controle populacional já escrito por qualquer governo: NSSM 200, que significa Memorando de Estudo de Segurança Nacional 200 (do original em inglês “National Security Study Memorandum 200”), também conhecido como Relatório Kissinger, porque foi escrito sob o Secretário de Estado Henry Kissinger. Seu assunto era “Implicações do Crescimento da População Mundial para a Segurança e Interesses Externos dos EUA.”
No NSSM 200, um governo republicano, ou se você quiser, um governo conservador dos EUA, planejou com sucesso a redução populacional de várias nações, inclusive o Brasil, apenas para impedir que a população dessas nações usasse seus próprios recursos naturais, que deveriam ser disponibilizados para os EUA. Essas políticas de controle populacional, inspiradas no NSSM 200, são ativamente implementadas por essas nações hoje, que não suspeitam que tenham caído em uma armadilha.
Se um governo republicano poderia, no passado, promover o controle populacional de um modo, por que hoje governos republicanos não podem promover o controle populacional de outros modos?
A homossexualidade é uma parte inegável da agenda de controle populacional, e nenhum país do mundo promoveu mais controle populacional do que os EUA fizeram, mesmo sob governos republicanos. Aliás, um governo republicano tem a desonra de ser o autor da campanha de controle populacional mais pérfida.
Então, a única explicação para o governo Trump lançar uma campanha global para legalizar a homossexualidade no mundo inteiro, inclusive apoiando oficialmente a celebração de paradas de orgulho gay em países cujas populações cristãs rejeitam tal imoralidade e perversão, é que o atual governo republicano está seguindo o legado do NSSM 200 dos republicanos Nixon e Ford. Os republicanos, novamente, estão seguindo a velha agenda de controle populacional.
A esta altura, certamente existem alguns mais novos NSSM 200 confidenciais, modernizados e sofisticados nos cofres do governo dos EUA, e é impossível não concluir que a CIA não propôs a homossexualidade como uma forma bem-sucedida de reduzir a população mundial.
Minha experiência pró-vida diz que o governo dos EUA, sob governos republicanos e democratas, não abandonou sua antiga ambição de reduzir a população mundial para atender aos supostos interesses de segurança nacional dos EUA.
Então, nessa perspectiva, não é surpresa ver que o governo Obama desperdiçou oito anos promovendo a homossexualidade em todo o mundo.
Não é surpresa ver as embaixadas dos EUA sob Trump promovendo a homossexualidade desde 2017.
E a culminação é o governo Trump lançando sua infame campanha para legalizar a homossexualidade em todo o mundo.
O país da Geórgia está apenas sofrendo os efeitos dessa campanha.
Leitura recomendada:

25 de junho de 2019

Drag queen faz leitura de livro gay durante culto de louvor em uma Igreja Presbiteriana que está comemorando o mês do orgulho gay


Drag queen faz leitura de livro gay durante culto de louvor em uma Igreja Presbiteriana que está comemorando o mês do orgulho gay

Julio Severo
O zelador do prédio de uma igreja presbiteriana em Cincinnati, Ohio, EUA, vestiu-se de drag queen para fazer a leitura de um livro gay na hora marcada para as crianças durante o culto de domingo, em 16 de junho.
Drag queen faz leitura de livro de ativista gay em pleno culto de louvor na Igreja Presbiteriana
Dan Davidson se vestiu de “Sparke Leigh” com um vestido roxo, maquiagem, salto alto e “uma barba de glitter” e ficou na porta da Igreja Presbiteriana de Mount Auburn cumprimentando os membros e visitantes.
Depois que o coro da igreja cantou a música “Deus Acolhe a Todos,” Davidson subiu ao palco e preparou o livro “Orgulho Gay: A História de Harvey Milk e a Bandeira do Arco-Íris” para o público. A história foi planejada para crianças, algumas das quais sentaram-se aos pés de Davidson durante a leitura.
“Harvey sonhou que todos — até mesmo os gays -— teriam igualdade,” disse Davidson. “Ele sonhou que um dia as pessoas poderiam viver e amar como quisessem.”
O que o drag queen presbiteriano não contou na igreja é que Milk era um predador sexual que se sabia tinha cometido vários estupros legais contra um adolescente que tinha fugido de casa. Qual foi a punição que Milk recebeu? O governo dos EUA, sob Obama, deu-lhe como recompensa um selo postal honorário dos correios americanos.
Celebrar um ativista homossexual pedófilo no culto de louvor de uma igreja presbiteriana é o cúmulo da apostasia.
Davidson se apresentou como drag queen em Seattle, Washington, antes de se mudar para Ohio no mês passado.
Em outro momento durante o culto, um homem se levantou e contou à platéia seu “testemunho” de como ele saiu do armário e assumiu a homossexualidade. O que era moda no podre mundo secular, agora está virando moda em igrejas esquerdistas.
A Igreja Presbiteriana de Mount Auburn, que faz parte da grande denominação presbiteriana PCUSA, está celebrando o mês do orgulho no mês inteiro de junho. As bandeiras do orgulho gay cobrem os salões e as velas do arco-íris estão no palco da igreja.

Igreja Patrocina Show de Drag Queen no Texas

Uma igreja esquerdista no Texas patrocinou show de uma drag queen para as crianças depois que a biblioteca local cancelou o evento por causa de protestos dos pais.
A Catedral Aberta em Leander alugou uma sala na biblioteca pública e realizou o evento agendado para 15 de junho. A igreja pagou as taxas para alugar a sala, que está disponível para todos os membros do público para alugar.
A Catedral Aberta é uma igreja progressista que adota a ideologia LGBTQ. O pastor principal é Ryan Hart.
Estão aumentando nos Estados Unidos os eventos que miram crianças pequenas para doutriná-las no ativismo LGBTQ. Houve o caso recente de uma escola de ensino médio na Carolina do Norte que convidou duas drag queens para falar com os alunos sobre sua identidade pessoal e gênero. As drag queens falaram em um painel e incentivaram as crianças a celebrar os estilos de vida LGBTQ.
Com informações da Rede de Televisão Cristã dos EUA e WND (WorldNetDaily).
Leitura recomendada: