25 de maio de 2019

Supremo Tribunal Federal vota para tornar a “homofobia” crime como o racismo


Supremo Tribunal Federal vota para tornar a “homofobia” crime como o racismo

Julio Severo
A maioria no Supremo Tribunal Federal votou para tornar a “homofobia” e a “transfobia” crimes como o racismo.
Supremo Tribunal Federal votando para tornar a “homofobia” crime
Seis dos 11 juízes do Supremo Tribunal Federal votaram a favor da criminalização. Os outros cinco juízes votarão em uma sessão judicial em 5 de junho, mas o resultado não será modificado. A criminalização só entrará em vigor depois que todos os juízes tiverem votado. Então, depois de 5 de junho, a “homofobia” será oficialmente crime no Brasil.
O racismo foi criminalizado no Brasil em 1989, com penas de prisão de até cinco anos. Os juízes do STF decidiram que a “homofobia” tem de ser enquadrada na lei do racismo.
“O racismo é um crime contra carne e sangue, seja um membro da comunidade LGBT, um judeu ou um afrodescendente,” disse o ministro Luiz Fux na quinta-feira.
Incrivelmente, os juízes do STF disseram que a decisão é necessária porque os homossexuais são legalmente desprotegidos.
O “casamento” homossexual foi legalizado no Brasil em 2013. Mesmo com tal privilégio, os homossexualistas e sua máquina de propaganda na grande mídia continuam pregando que os homossexuais são vítimas de violência no Brasil e precisam de proteção especial e mais e mais privilégios.
Ao noticiar sobre o STF criminalizando a “homofobia,” a Associated Press (AP), que é o maior serviço noticioso do mundo, disse que o Brasil “ainda é um país perigoso para os membros da comunidade LGBT e tem um grande movimento evangélico que frequentemente critica os direitos dos gays.”
Assim, a AP sugeriu que existe uma ligação entre “perigo para os homossexuais” e “crítica evangélica da agenda homossexual.”
A criminalização da “homofobia” acabará tratando como “crime” qualquer opinião crítica de atos e propaganda homossexuais, porque se é crime racial criticar os outros por causa de sua cor de pele, por que não seria crime “homofóbico” criticar os comportamentos homossexuais?
A reportagem da AP acrescentou:
“De acordo com o grupo de direitos humanos Grupo Gay da Bahia, 420 indivíduos LGBT foram mortos em todo o Brasil em 2018, enquanto pelo menos 141 foram mortos neste ano.”
Para a AP, menos de 500 mortes por ano são motivo suficiente para criminalizar a “homofobia.”
Agora, pelo fato de que a AP fez sua reportagem sem fazer uma leitura e pesquisa adequada do caso, vamos mostrar os fatos sobre a violência no Brasil. Mais de 60.000 brasileiros são assassinados por ano no Brasil. Os homossexuais são menos de 1% dessa contagem enorme de violência. Como então eles deveriam obter mais privilégios se a população em geral no Brasil sofre uma taxa explosiva de assassinatos?
A principal causa de assassinatos de homossexuais no Brasil é a paixão irracional de um amante da vítima. A maioria dos homossexuais assassinados é de travestis, conforme Oswaldo Braga, presidente do Movimento Gay de Minas, que declarou: “São homossexuais que estão mais envolvidos com a criminalidade, como prostituição e tráfico de drogas, ficando mais expostos à violência.” (Tribuna de Minas, 09/03/2007, p. 3.)
Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia, citado pela AP, não se queixa de narcotraficantes assassinando homossexuais. Em 2008, conforme noticiado pelo site pró-vida internacional LifeSiteNews, ele postou na Internet os endereços residenciais de líderes pró-família cristãos no Brasil. Ele também incluiu meu nome. Por que ele não postou os endereços residenciais de traficantes de drogas? Se ele tivesse feito isso, ele estaria morto agora.
Se eu tivesse postado na internet o endereço dele, ele me acusaria de ameaçá-lo e eu estaria preso. Por que ele não está preso?
Em 2007, a Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) havia apresentado queixa no MPF contra mim por “homofobia.”
A queixa foi feita porque regularmente denuncio a conduta homossexual como imoral, e me oponho às metas do movimento homossexual. Tive de deixar o Brasil em 2009 quando o Ministério Público Federal estava avançando essa queixa.
Mott se regozijou então com a notícia. “Estamos todos orgulhosos da ABGLT pela denúncia contra este nosso arquiinimigo Julio Severo,” ele foi citado como declarando numa lista homossexual de emails do Yahoo. “Tomara que ele seja condenado à prisão perpétua em Sodoma e Gomorra.”
Então, a principal fonte de violência contra homossexuais para a reportagem da AP é um grupo homossexual fundado por um homossexualista que não tem como alvo os traficantes de drogas que realmente matam homossexuais. Ele tem como alvo cristãos como eu. Cristãos que nunca mataram ou até mesmo nunca machucaram homossexuais. Cristãos cujo único “crime” é acreditar e pregar a Palavra de Deus, onde Deus diz que o pecado homossexual é uma abominação.
Como é que dá para eu duvidar que o STF não está criminalizando bons cristãos?
Com informações da Associated Press.
Leitura recomendada:

3 comentários :

Leony disse...

Difícil...tá ficando cada vez mais estreito.

Anônimo disse...

Fica óbvio que a tal 'criminalização da homofobia' tem muito pouco ou NADA a ver com crimes de homofobia, mas sim e tão somente para que esquerdistas possam apontar seus dedos grotescos para seus inimigos (cristãos, conservadores, etc) e dizer:

"VOCÊ É HOMOFÓBICO! E ISSO É CRIME!"

Pronto! Assim fica fácil calar os outros.

Cicero disse...

Mais uma vez, todo ódio, preconceito, discriminação e intolerância contra os cristãos. A cristofobia é um FATO!