3 de maio de 2019

Presidente Trump convoca os americanos para usar o “poder da oração” para acabar com a violência e proteger a liberdade religiosa


Presidente Trump convoca os americanos para usar o “poder da oração” para acabar com a violência e proteger a liberdade religiosa

John Jessup
WASHINGTON, EUA — Cerca de cem pessoas — líderes religiosos, autoridades do governo Trump e seus convidados — celebraram o “poder da oração” na Casa Branca na quarta-feira à noite antes do dia anual estabelecido para que todos os americanos de todas as religiões rezem por agradecimento e orientação.
“Os Estados Unidos serão uma nação que acredita para sempre, e nós certamente acreditamos — mais do que os outros —, no poder da oração,” declarou o presidente Donald J. Trump no Salão de Jantar de Chefes de Estado antes de continuar com um gesto exagerado improvisado: “É a coisa mais poderosa que há.”
Em seus comentários de abertura que precederam o Dia Nacional de Oração, o presidente recebeu representantes de várias religiões, inclusive cristãos, muçulmanos, judeus, sikhs e hindus.
“Nesta noite, nós partimos o pão todos juntos, unidos pelo nosso amor a Deus, e renovamos nossa decisão de proteger a sagrada liberdade religiosa — todos nós,” disse ele.
O presidente também reconheceu os recentes atentados de motivação religiosa nos Estados Unidos e no exterior.
“Todos nós neste salão enviamos nosso amor e orações aos judeus americanos feridos no tiroteio de Chabad of Poway na Califórnia,” disse ele. “E nossos corações se partem pela vida de Laurie Gilbert-Kaye, que foi tão perversamente tirada de nós.”
“Choramos pelos cristãos assassinados no Sri Lanka no domingo de Páscoa e lamentamos pelos muçulmanos assassinados em suas mesquitas na Nova Zelândia,” acrescentou. “Aqui nos EUA, também nos lembramos das três igrejas historicamente negras queimadas recentemente na Louisiana e do terrível tiroteio do ano passado na Sinagoga Árvore da Vida, em Pittsburgh.”
Os funcionários e apoiadores das políticas de liberdade religiosa de Trump que encheram o salão aplaudiram quando ele pediu o fim da violência e do terrorismo contra pessoas de todas as religiões.
Muitos líderes evangélicos bem conhecidos compareceram ao jantar da Casa Branca. Eles foram, talvez, seus apoiadores mais entusiastas, cumprimentando calorosamente o presidente quando ele e a primeira-dama Melania Trump entraram no salão de mãos dadas. Entre eles, Kenneth e Gloria Copeland, James e Shirley Dobson, Jentzen Franklin, Jerry Falwell Jr., Franklin Graham, Mike Huckabee, Robert Jeffress, Alveda King, Johnnie Moore, Ralph Reed e Paula White.
Saudando a aprovação deles à sua atuação, ele fez referência ao que muitos deles reconhecem originalmente ter motivado o apoio deles à sua candidatura.
“Estou feliz em informar que amanhã o Senado confirmará o centésimo juiz federal através do sistema judicial,” anunciou ele. “No meu governo, estamos chegando a um nível em que estaremos quebrando recordes em relação ao judiciário, o que significa muito para as pessoas neste salão que foram tratadas muito mal. Com o tempo vocês vão ver o que acontece.”
O presidente ofereceu seu próprio boletim de atuação, citando a confirmação de 145 juízes federais e dois juízes da Suprema Corte.
O evento de quarta-feira é o início da Jornada Nacional de Oração, que acontece na primeira quinta-feira de maio de cada ano, de acordo com uma lei aprovada pelo Congresso em 1988.
Na semana passada, o Sr. Trump emitiu uma proclamação presidencial em homenagem ao evento, escrevendo: “Neste Dia Nacional de Oração, os americanos mais uma vez se reúnem para dar graças ao Deus Todo-Poderoso pelas bênçãos abundantes que Ele concedeu à nossa grande nação e pedir Seu conselho infalível. Reconhecemos que dependemos do amor de Deus para guiar nossas famílias, comunidades e nosso país para longe do mal e em direção à abundância e à paz.”
“A honrada tradição de oração da nossa nação nos sustentou e fortaleceu nossa confiança de que Deus continuará nos guardando e acompanhando nos melhores momentos e nas horas mais sombrias. Que nós, como americanos, nunca esqueçamos o poder da oração e a grandeza de nosso Criador. Neste Dia Nacional de Oração, que cada um de nós, de acordo com nossas próprias religiões, invoque a Deus em busca de Sua orientação e expresse nossa gratidão pelo amor e graça que Ele concede em nosso país,” diz a proclamação.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da Rede de Televisão Cristã dos EUA: President Trump Calls on Americans to Use the 'Power of Prayer' to End Violence and Protect Religious Liberty
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :