31 de maio de 2019

Disney ameaça boicotar estado americano da Georgia por causa de lei restringindo aborto


Disney ameaça boicotar estado americano da Georgia por causa de lei restringindo aborto

Julio Severo
Em 29 de maio de 2019, Robert Iger, presidente da Disney, disse que a Disney não vai mais filmar no estado americano da Georgia se sua lei proibindo o aborto entrar em vigor, informou LifeNews.
Robert Iger, presidente da Disney
A lei protege bebês em gestação proibindo abortos quando os batimentos cardíacos são detectáveis, cerca de seis semanas. Enquanto o raciocínio pró-vida argumenta que a lei não é rigorosa o suficiente porque não protege bebês em gestação durante os primeiros seis meses, grupos pró-aborto argumentam que a lei é muito rígida.
“Duvido que continuaremos a filmar na Georgia,” disse Iger.
“Acho que muitas pessoas que trabalham para nós não vão querer trabalhar lá e teremos de atender aos seus desejos nesse sentido,” disse Iger. “Não vejo como é prático continuar filmando lá.”
A Georgia é um local popular de filmagem para TV e filmes por causa de seus benefícios fiscais generosos. A Disney recentemente filmou “Avengers: Endgame” (Vingadores: Ultimato) e “Black Panther” (Pantera Negra) lá.
A Netflix disse que também poderá boicotar a Georgia por proteger bebês em gestação de abortos. Dezenas de celebridades esquerdistas, inclusive Mark Hamill, ator de Star Wars, disseram que também boicotarão a Georgia.
Grandes empresas, inclusive a Amazon e a Coca-Cola, também se opuseram à lei pró-vida.
Ainda que os esquerdistas estejam furiosos com a lei, ela é limitada em sua proteção a bebês em gestação. Por exemplo, ela permite o aborto de bebês concebidos como vítimas de estupro e incesto.
A lei imperfeita da Georgia representa uma encruzilhada para a Disney. Conhecida mundialmente por amar crianças, a obrigação da Disney era não apenas apoiar a Georgia e pedir uma lei mais protetora para os bebês em gestação, mas também boicotar estados radicalmente pró-aborto como a Califórnia e Nova Iorque.
Como a Disney pode fazer propaganda de que ama crianças quando apoia o aborto? É falsa propaganda.
Estados americanos tentando restringir o aborto mostram que amam crianças. Grupos que se opõem a essa restrição mostram que odeiam crianças.
Quem quer que goste de aborto propositado detesta crianças.
O que a Disney está mostrando é que é uma empresa que gosta de ganhar dinheiro às custas das crianças.
Como a Disney, a Netflix, a Amazon e a Coca-Cola estão contra leis para proteger as crianças do aborto, as pessoas que amam crianças deveriam boicotar essas empresas.
Com informações de LifeNews.
Leitura recomendada sobre aborto:

Um comentário :

Flávio disse...

Difícil para nossos cristãos modernos ficarem sem essas empresas citadas