2 de março de 2019

Netanyahu invoca Trump e Putin em sua defesa


Netanyahu invoca Trump e Putin em sua defesa

A mensagem era simples: Veja a posição de Israel no mundo, observe suas relações com os dois homens mais poderosos do mundo e não desperdice a oportunidade.

Herb Keinon
O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu é um homem que escolhe cuidadosamente suas palavras.
Em discursos importantes — como o que ele deu de sua residência na noite de quinta-feira em resposta à decisão do procurador-geral Avichai Mandelblit de indiciá-lo, enquanto aguarda uma audiência — ele é preciso em como ele constrói suas observações.
Portanto, à primeira vista, parecia estranho que ele abrisse sua defesa inicial falando — pela enésima vez — sobre o Irã na Síria.
“Ontem à noite, me encontrei em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin,” disse Netanyahu. “Deixei claro para ele que continuaremos a agir com toda a nossa força contra os esforços do Irã para se fortalecer militarmente na Síria. Agradeço ao meu amigo russo, o presidente Putin, que acolheu minhas declarações.”
“E quando voltei para Israel, ouvi as palavras de apoio para mim do presidente dos EUA, Donald Trump,” acrescentou ele. “Ele elogiou, eu cito, a ‘liderança forte, sábia e determinada’ com a qual estou liderando Israel. Agradeço ao meu amigo, o presidente Trump, por suas palavras.”
Netanyahu estava se referindo aos comentários que Trump fez em uma coletiva de imprensa em Hanói quando perguntado sobre os problemas de Netanyahu com a lei: “Eu posso dizer isso,” disse Trump. “Ele tem feito um ótimo trabalho como primeiro-ministro. Ele é duro, ele é esperto, ele é forte.”
E Putin, em uma coletiva de imprensa em Moscou na quinta-feira, disse que espera que “apesar dos eventos políticos internos [em Israel] — a situação pré-eleitoral, não importa como se desenrole — a continuidade será preservada no desenvolvimento das relações russo-israelenses.”
Netanyahu disse que essa “conexão única com os líderes das potências mundiais não é algo que deve ser dado como garantido.” Ele disse que construiu essas relações durante longos anos, e “ajuda-me a garantir nossa segurança e futuro, e preservar nosso estado.”
E com essas primeiras frases, Netanyahu revelou seu principal argumento ao público.
A mensagem era simples: Veja a posição de Israel no mundo, observe suas relações com os dois homens mais poderosos do mundo e não desperdice a oportunidade.
Netanyahu, em um dos poucos discursos em que ele realmente se engasgou — ao falar sobre ataques implacáveis contra sua esposa e filho Yair — deixou claro na noite de quinta-feira que ele não estava recuando, e que pretendia combater as acusações. contra ele.
Para fazer isso, ele precisa que o eleitorado lhe dê literalmente um voto de confiança. E para que isso aconteça, o público precisa acreditar que ele é insubstituível, e que quaisquer alegações que existem contra ele são piores em comparação com o que ele traz para a mesa coletiva israelense.
“Você realmente vai sacrificar um relacionamento com Putin por causa da proposta de outros candidatos oferecendo algumas vantagens?” era o subtexto de suas palavras. “Você realmente quer perder este ótimo relacionamento com Trump porque eu tentei — como todos os políticos fazem — obter alguma cobertura positiva da mídia?”
A estratégia de defesa pública de Netanyahu — em oposição à defesa legal — tornou claras algumas frases no discurso de quinta-feira à noite: convencer o público de que não dá para dispensá-lo.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do jornal israelense Jerusalem Post: Netanyahu calls Trump, Putin to his defense – analysis
Leitura recomendada:

3 comentários :

Marcos Zequias disse...

Enquanto isso o presidente brasileiro adia a transferência da embaixada brasileira pra Jerusalém, realmente o nosso presidente tá vacilando

Daniel Liu disse...

Que a justiça de Deus atue sobre a República de Israel. Amém!

E J Kovaleski disse...

Minha oração é de que os judeus que realmente e genuinamente buscam a Deus se unam cuidar do País e do povo judeu naquela terra que pertence a eles há milênios.
Que nesse processo encontrem o Messias!