29 de março de 2019

Chuck Norris demole papel das grandes indústrias do cigarro no vício de fumar


Chuck Norris demole papel das grandes indústrias do cigarro no vício de fumar

Chuck Norris
Se você está atualmente servindo nas forças armadas dos EUA ou você é um veterano, é mais provável que você seja um fumante de cigarros do que um civil. A probabilidade é ainda maior se você estiver (ou tiver sido) mobilizado no exterior. É também muito provável que você tenha adquirido esse hábito depois de se alistar. De acordo com um relatório do Departamento de Defesa dos EUA, 38% dos soldados americanos que fumam pegaram esse hábito depois de se alistarem.
Chuck Norris
Essa tendência não é por acaso. Fumar tem raízes profundas em nossa cultura militar. Tudo começou em abril de 1917, quando a Força Expedicionária Americana marchou para se juntar a outras potências aliadas na luta contra a Alemanha na Primeira Guerra Mundial. Levada com eles estava sua ração de cigarros. Os cigarros logo se tornaram uma forma de os soldados lidarem com o estresse das batalhas e escaparem do tédio do tempo de inatividade. Os cigarros até se tornaram uma forma de comércio — tão valiosa quanto a moeda. Jovens soldados e marinheiros, longe de casa, descobriram pela primeira vez os cigarros como uma conexão na formação de uma nova ordem social. Cerca de 20 anos depois, quando os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial, os casos de câncer de pulmão estavam em ascensão devido aos fumantes que adquiriram seu hábito durante a Primeira Guerra Mundial. Os cigarros de marca registrada agora estavam sendo enviados aos soldados e marinheiros sem nenhum custo e adicionados a rações.
Quando a guerra terminou em 1945, outra geração de jovens estava a caminho de casa, trazendo o vício do cigarro com eles. A tendência de fumar continuou a crescer. Em 1949, mais de 50% dos homens e quase 33% das mulheres agora fumavam.
Durante a Guerra da Coréia, em face das crescentes evidências dos efeitos adversos à saúde do tabagismo, os militares continuaram a fornecer cigarros gratuitos, uma prática que continuaria durante o conflito do Vietnã, terminando em 1975. Hoje, os membros das forças armadas dos Estados Unidos continuam a fumar em taxas acima da média, apesar do objetivo da política de seus líderes de tornar as forças armadas livres de fumo a fim de melhorar a aptidão física e prontidão militar e reduzir hospitalizações e doenças relacionadas ao tabagismo.
Para muitos, o tabagismo continua a ser visto como um elo comum para membros de um grupo exclusivo, parte de uma norma social arraigada. Apoiando essa mentalidade estão as empresas de cigarro que investem poderosamente para manter essa cultura do fumo viva hoje.
Uma recente campanha da Truth Initiative, uma organização sem fins lucrativos “dedicada à cessação do tabagismo entre jovens e jovens adultos,” revelou “documentos da indústria do cigarro tornados públicos como evidência em litígios,” segundo o HowStuffWorks.com. Dentro dos documentos, eles descobriram referências internas da indústria do cigarro a membros das forças armadas americanas como “consumidores que estão aí para serem depenados.”
Quais são os resultados da colheita da indústria do cigarro? O tabagismo custa ao Departamento de Defesa mais de US$ 1,6 bilhão por ano, levando em conta hospitalizações relacionadas ao tabaco, assistência médica e dias de trabalho perdidos. Para muitos jovens homens e mulheres, o serviço militar os deixou com um vício irremovível de uma substância que prejudica quase todos os sistemas de órgãos do corpo. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CCPD), mais americanos morrem de fumar do que em todas as guerras que os Estados Unidos travaram.
Lembrei-me do poder dessa forte cultura militar do fumo e do papel da influência dos colegas e da aceitação social — bem como do papel das grandes indústrias em estimulá-lo — ao pensar na atual epidemia de uso de cigarros eletrônicos entre estudantes do ensino fundamental e médio. De acordo com dados da Food and Drug Administration e do CCPD, entre 2011 e 2018, quase 21 de cada 100 estudantes do ensino médio entrevistados relataram o uso de cigarros eletrônicos em um período de 30 dias. A partir de 2017 e 2018, ocorreu o maior aumento de um ano no uso de qualquer tipo nos 44 anos de monitoramento do abuso de substâncias por jovens.
O que estamos aprendendo é que os adolescentes não vêem “fumar” um cigarro eletrônico como prejudicial. A maioria dos adolescentes fuma pelos sabores, sem perceber que eles estão inalando nicotina, uma substância altamente viciante. Muitos adolescentes que pegam um cigarro eletrônico nunca fumaram um cigarro tradicional e agora, de acordo com pesquisas atuais, tornaram-se quatro vezes mais propensos a fazê-lo. Essa tendência atual foi bem-sucedida em colocar nicotina em todas as salas de aula dos Estados Unidos. Conforme fomos recordados recentemente por um relatório do ministro da Saúde dos EUA, em pouco mais de um ano, a taxa de uso dessa substância dobrou.
Embora seja verdade que a nicotina não é a principal causa de doenças relacionadas ao tabaco, é a substância química viciante no tabaco e nos cigarros eletrônicos que liga o usuário ao produto. Na pior das hipóteses, pode criar um vício em que alguns perdem a capacidade de fazer uma escolha livre. Parece claro que o uso de cigarros eletrônicos entre os jovens está associado a uma progressão para um maior consumo de cigarros.
Como eu disse na semana passada, o anúncio recente da Altria, principal fabricante de cigarros dos EUA e empresa controladora da Philip Morris, deve deixar claro o nexo entre os cigarros tradicionais e os cigarros eletrônicos. A empresa anunciou recentemente que está fazendo um investimento de US$ 12,8 bilhões no fabricante de cigarros eletrônicos Juul e planeja ajudar a promover agressivamente a marca de cigarros eletrônicos. Esse investimento dá à indústria do cigarro acesso direto a um novo gasoduto de milhões de jovens usuários de cigarros eletrônicos e um mercado em crescimento para seus produtos de tabaco.
Se as grandes indústrias de cigarros são especialistas em alguma coisa, é em como direcionar cirurgicamente publicidade e embalagens atraentes para os jovens e aproveitar as tendências para colher novos clientes ao longo da vida. Se quisermos ter sucesso no combate à ameaça à saúde pública que essa epidemia de cigarros eletrônicos representa, as mensagens da mídia devem começar a oferecer uma percepção social diferente: de “Fumar e-cigarros é legal” para “Você está sendo enganado.”
Chuck Norris é astro de Hollywood, inclusive o famoso seriado Texas Ranger.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Chuck Norris rips role of Big Tobacco in addiction
Leitura recomendada sobre cigarros:
Outros artigos sobre Chuck Norris:
Artigos de Chuck Norris:

Nenhum comentário :