2 de fevereiro de 2019

Líderes católicos no Texas divulgam os nomes de 286 padres acusados de abusar sexualmente de crianças nos últimos 80 anos


Líderes católicos no Texas divulgam os nomes de 286 padres acusados de abusar sexualmente de crianças nos últimos 80 anos

Megan Sheets do DailyMail
Comentário de Julio Severo: Como o WND (WorldNetDaily), um dos maiores sites conservadores do mundo, divulgou reportagem sobre padres pedófilos no Texas, traduzi uma reportagem do DailyMail sobre esse mesmo assunto, aqui:
Líderes católicos no Texas identificaram 286 padres e outros líderes católicos acusados de abusar sexualmente de crianças nos últimos 80 anos.
Quatorze dioceses revelaram os nomes dos padres credivelmente acusados de abuso sexual na quinta-feira. A única diocese que não forneceu nomes foi em Fort Worth, que o fez há mais de uma década e, em outubro, forneceu uma contagem atualizada.
A divulgação segue um chocante relatório da Pensilvânia em agosto detalhando sete décadas de abuso sexual infantil cometido por mais de 300 padres predadores.
Além disso, o procurador-geral de Illinois informou no mês passado que pelo menos 500 clérigos católicos naquele estado haviam abusado sexualmente de crianças.
No Texas, a Diocese de Dallas e algumas outras dioceses contaram com policiais aposentados e investigadores federais para revisar os arquivos da Igreja Católica e outros materiais para fundamentar as alegações de abuso.
Não está claro se qualquer um dos nomes divulgados na quinta-feira pode resultar em acusações criminais.
A maioria dos identificados já morreu. Algumas investigações datavam de 1950, enquanto outras análises, como no caso da Diocese de Laredo, só foram para o ano 2000 porque foi quando a diocese foi estabelecida.
Dos 286 homens nomeados no Texas, 172 já morreram.
“Nosso escritório está pronto para ajudar a polícia local e qualquer procuradoria distrital que peça a nossa ajuda para desmantelar essa forma de perversidade e remover a ameaça daqueles que ameaçam as crianças do Texas,” disse Marc Rylander, porta-voz da Procuradoria Geral do Texas. “Até o momento, não recebemos nenhum pedido desse tipo, mas estamos prontos para prestar assistência aos promotores locais, de acordo com a lei estadual e a jurisdição penal original.”
O cabeça da Arquidiocese de Galveston-Houston, Cardeal Daniel N. DiNardo, também é presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA e deve participar de uma cúpula em fevereiro convocada pelo Papa Francisco para sensibilizar os líderes da Igreja Católica em todo o mundo para o sofrimento das vítimas, instrui-los sobre como investigar casos e desenvolver protocolos gerais para a hierarquia católica usar.
DiNardo disse em um comunicado na quinta-feira: “Os bispos do Texas decidiram divulgar os nomes desses padres neste momento porque é correto e justo e oferecer cura e esperança àqueles que sofreram. Em nome de todos os que falharam nesse sentido, ofereço minhas sinceras desculpas. Nossa igreja está sendo dilacerada por essa ferida e precisamos agir para curá-la.”
Em um comunicado divulgado com o relatório da arquidiocese de San Antonio, que tinha a maior lista de nomes entre as dioceses do Texas, com 56 anos de idade até 1940, o arcebispo Gustavo Garcia-Siller disse que as alegações de abuso sexual e a manipulação errada de alguns pelos bispos “estão despedaçando a Igreja Católica.”
Embora a divulgação do relatório “traga tensão e dor,” o arcebispo disse que estava “cheio de serenidade e paz” com as revelações.
Os defensores das vítimas e aqueles que acompanham o abuso de clérigos há décadas disseram que a Igreja Católica tem um histórico ruim de policiar a si mesma e que as investigações policiais nos registros de alegações da Igreja Católica são a única maneira de garantir transparência real.
Eles argumentam que não há uma definição uniforme de padres credivelmente acusados e que as dioceses usam padrões diferentes ao decidir quais nomes devem ser divulgados.
Por exemplo, a arquidiocese de San Antonio examinou décadas de alegações feitas contra sacerdotes clericais e religiosos que datam de décadas atrás.
A Diocese de Laredo não divulgou nenhum nome depois que seu bispo disse que a equipe havia examinado seus registros nos 19 anos desde que foi criada, pouco antes de novos padrões mais rígidos para tratamento de alegações serem instituídos em toda a igreja, e não encontrou alegações credíveis.
Há apenas um punhado de estados onde cada diocese divulgou nomes e a maioria deles tem apenas um ou dois distritos católicos.
Arkansas, por exemplo, é coberto pela Diocese de Little Rock, que em setembro forneceu uma lista preliminar de 12 ex-padres, diáconos e outros.
Oklahoma tem dois distritos: A Arquidiocese de Oklahoma City está agendada para identificar publicamente os padres acusados em 28 de fevereiro e a Diocese de Tulsa anteriormente nomeou dois ex-padres acusados de comportamento predatório.
Aproximadamente 60 por cento deles já morreram. Cerca de 30 outras dioceses estão investigando ou prometeram divulgar nomes de padres credivelmente acusados nos próximos meses.
Leitura recomendada:

Um comentário :

Unknown disse...

Esse é o "x" da questão, enquanto tratarem da pedofilia , só estarão enxugando gelo. A raiz do problema é o homossexualismo , nisso pouquíssimos tem coragem de expor.