9 de janeiro de 2019

Sacrifício de crianças — no passado e hoje


Sacrifício de crianças — no passado e hoje

Joseph Farah
“Se o povo da terra fechar os olhos a respeito do homem que entregar um de seus filhos a Moloque e não o matar, Eu mesmo ficarei contra ele e contra sua família. Eu o expulsarei do meio do povo, junto com todos os que seguirem seu exemplo e adorarem o deus Moloque.”
Levítico 20:4-5 King James Atualizada
Tem sido um fascínio horrendamente maligno da humanidade desde os primeiros dias.
Sacrifício de crianças — o ritual apavorante de deuses falsos demoníacos com nomes estranhos como Moloque ou Moleque e Baal e Asterote e Dagom e Quemos.
Os amonitas, os amorreus, os cananeus, os filisteus, os moabitas e muitos outros povos antigos construíam altares, aqueciam seus fornos e atiravam seus filhos, geralmente recém-nascidos, ao fogo, encobrindo os gritos com o bater dos tambores. Por que faziam isso? Eles acreditavam que os deuses aos quais eles sacrificavam lhes trariam prosperidade e boa sorte.
Somente o Único e Verdadeiro Deus de Israel condenava o horror, como é explicado em toda a Bíblia, como em Jeremias 19:5: “E edificaram os altos de Baal, para queimarem seus filhos no fogo em holocaustos a Baal; o que nunca lhes ordenei, nem falei, nem entrou no meu pensamento.” (KJA)
Quando leio essas palavras, me faz recordar como a imaginação da humanidade é sombria, pois as pessoas podem conceber barbaridades monstruosas que um Criador onisciente e justo não poderia.
Em parte, os filhos de Israel foram conduzidos por Deus em seu Êxodo para a terra prometida para julgar a população pagã, expulsando-os ao entrarem. Eles receberam ordens enquanto viajavam, em Levítico 18:21: “Não entregarás teus filhos para serem sacrificados no fogo ao deus Moloque. Ora, isso seria profanar o santo Nome do SENHOR Deus. Eu Sou Yahweh!” (KJA)
Deus se opunha a essa prática tão fortemente que ela implicava a pena de morte não apenas para qualquer um que participasse dela, mas até mesmo para aqueles que escondiam “seus olhos” dessa prática e a toleravam em seu meio.
Contudo, esse era um fenômeno mundial, não apenas uma moda no Oriente Médio. O registro histórico e arqueológico nos conta que o sacrifício de crianças para deuses pagãos ocorria também em toda a América Latina, era praticado pelos druidas da Europa, em Cartago, no norte da África e em grande parte do Extremo Oriente.
Os filhos de Israel caíram nessa prática quando se misturaram com seus vizinhos, em vez de seguirem o conselho de Deus e removê-los completamente da terra. Até mesmo o homem mais sábio do mundo, o rei Salomão, tropeçou nesse ritual por meio de sua ligação com esposas estrangeiras. Mais tarde, outros reis de Israel e Judá seguiram o exemplo. O sacrifício de crianças cometido por Judá levou diretamente ao cativeiro babilônico, bem como à dispersão do Reino do Norte de Israel.
Mas está tudo acabado hoje nesses tempos iluminados, certo? Já não toleramos esse tipo de comportamento atroz, correto?
Pode ser difícil acreditar, mas essa abominação continua hoje em sociedades supostamente “civilizadas” e “progressistas.” Isso acontece em números recordes.
A principal diferença hoje é a maneira como eles sufocam o som dos gritos.
Somente em 2018, 41,9 milhões de crianças em todo o mundo foram sacrificadas antes do nascimento. Chamamos isso de aborto, ou, como Nancy Pelosi [a presidente socialista da Câmara dos Deputados dos EUA] expressa, “o direito de uma mulher escolher.”
Para colocar essa estatística em contexto, foi de longe a principal causa de morte no mundo.
Em comparação, 8,2 milhões de pessoas morreram de câncer em 2018, 5 milhões de fumantes e 1,7 milhões morreram de HIV/AIDS.
Aqui estão algumas outras estatísticas chocantes:
* 23 por cento de todas as gravidezes terminaram em aborto em 2018;
* para cada 33 nascidos vivos, 10 bebês foram sacrificados aos deuses da “conveniência” e “escolha”;
* houve mais mortes por aborto em 2018 do que todas as mortes por câncer, malária, HIV/AIDS, tabagismo, álcool e acidentes de trânsito juntos.
A Marcha anual pela Vida nos Estados Unidos será realizada em Washington, D.C., em 18 de janeiro de 2019, com o tema “Especial desde o Primeiro Dia.”
O objetivo declarado da marcha é acabar com o aborto “unindo, educando e mobilizando pessoas pró-vida na praça pública.”
A marcha anual comemora a decisão Roe versus Wade do Supremo Tribunal dos EUA de 22 de janeiro de 1973, a qual efetivamente invalidou 50 leis estaduais e tornou o aborto legal e disponível a pedido da gestante em todos os Estados Unidos.
Lembre-se, Deus não perdoará os americanos por simplesmente desviarem os olhos desse massacre.
Provérbios 6:16-19 nos diz: “Há seis atitudes que o SENHOR odeia, sete atitudes que ele detesta: olhos arrogantes, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que maquina planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha difamações e aquele que provoca contendas entre irmãos!” (KJA)
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Child sacrifice — then and now
Leitura recomendada:

2 comentários :

CAMINHO DO SENHOR Bispa Magda e Apóstolo João disse...

Caro irmao. Hoje existe literalmente sacrificios a moloque e ballzebud. Veja no youtube os videos do pastor Aldo Nascimento ex bruxo e de pastores ex-maçons. No alto escalão da maconaria eh puro satanismo incluindo a Pedofilia e sacrifício de sangue de crianças.

Alexandre Costa disse...

Eu acho que Deus já deve está castigando os EUA, não só por essa, mas pela demais atrocidades praticadas contra a humanidade, quando permitiu a ascensão de Trump ao poder, mesmo porque das 7 atitudes abomináveis citadas acima, acredito eu que ele já tenha praticado todas.