15 de janeiro de 2019

Os tentáculos da doutrinação ideológica de Olavo de Carvalho sobre 57 milhões de crianças e jovens nas escolas do Brasil


Os tentáculos da doutrinação ideológica de Olavo de Carvalho sobre 57 milhões de crianças e jovens nas escolas do Brasil

Julio Severo
Considerado uma espécie de Rasputin na família Bolsonaro, Olavo de Carvalho conseguiu que seus adeptos fossem nomeados para os cargos mais importantes do governo do Presidente Jair Bolsonaro. Enquanto o Pr. Silas Malafaia havia recomendado Guilherme Schelb para o Ministério da Educação (MEC), sua recomendação virou pó diante da influência de Carvalho, que indicou seu adepto Ricardo Vélez. Além desse olavete, dois outros olavetes, Carlos Nadalim e Murilo Resende, foram escolhidos respectivamente para a Secretaria Especial da Alfabetização e a direção da Avaliação da Educação Básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).
O fanatismo se apossou de tal forma do MEC que até apoiadores de Bolsonaro que não idolatram Carvalho foram, de acordo com o UOL, removidos de cargos de liderança do MEC. É a limpeza ideológica em prol do pensamento único do olavismo.
A doutrinação ideológica de Carvalho deve influenciar o MEC nos próximos quatro anos, desde a alfabetização até o ensino superior, cujo impacto fatalmente atingirá os cerca de 48,6 milhões de estudantes matriculados nas escolas da educação básica e sobre os pouco mais de 8,3 milhões de alunos do ensino superior (segundo o último Censo Escolar, de 2017).
A doutrinação ideológica dele abarca desde luta contra o marxismo até uma estranha luta contra o que ele chama de “mito,” “lenda” e “mentira” da Inquisição. A Inquisição e o Holocausto torturavam e matavam preferencialmente judeus, mas revisionistas amenizam seus crimes. Carvalho é o maior revisionista brasileiro da Inquisição, indo de encontro a um fato atestado pela vasta maioria dos historiadores judeus.
Se Carvalho visitasse Israel e proclamasse que a Inquisição é mentira, os judeus o veriam como um louco não diferente dos loucos que minimizam os crimes do Holocausto.
A Inquisição, que também matava evangélicos, chegou a torturar e matar muitos judeus no Brasil. Há até um Museu da Inquisição em Belo Horizonte que documenta os horrores da Inquisição.
Movidos por esforços de historiadores judeus e evangélicos, os Estados Unidos, onde Carvalho vive autoexilado como imigrante desde 2005, se tornou o país que mais investiu em campanhas de informação para combater a propaganda desinformatória de militantes da Inquisição.
Com um desinformante da Inquisição dominando o MEC, o que é que vai prevalecer agora? O ponto-de-vista americano, que é predominantemente anti-Inquisição? O ponto-de-vista das vítimas judias e evangélicas da Inquisição? Ou a doutrinação e analfabetismo moral e histórico dos revisionistas desinformantes, que é exatamente o grupo em que estão Carvalho e seus adeptos?
Você pode ler mais sobre a Inquisição no meu artigo: “Aborto, Inquisição e revisionismo na Enciclopédia Britânica.”
Ignorando a gravidade do assunto da Inquisição, Bolsonaro e seus filhos acreditam que a influência ideológica de Carvalho é necessária para destruir a influência ideológica de Paulo Freire (1921-1997) na educação brasileira. Mas poucos sabem que o famoso método Paulo Freire foi construído com o mesmo ingrediente básico que o método Olavo de Carvalho vem sendo construído: oportunismo às custas do evangélicos.
De acordo com a BBC de Londres: “A influência de Olavo na montagem do governo supera a da bancada evangélica, cujo eleitorado foi crucial na vitória de Bolsonaro, mas recebeu um único ministério (Mulher, Família e Direitos Humanos).” Imparcialmente, a BBC acabou reconhecendo que os evangélicos deram a vitória a Bolsonaro, que em retribuição e “gratidão” deu tudo para o astrólogo Olavo e seus adeptos. Isso se chama oportunismo.
Não diferente do oportunismo de Paulo Freire. De acordo com o Dr. David Gueiros Vieira, o Método Paulo Freire nada mais é do que uma cópia pirata pervertida do Método Laubach.
Em matéria no site do Escola Sem Partido intitulada “Método Paulo Freire ou Método Laubach?” Vieira explicou que o Método Laubach foi criado pelo missionário evangélico americano Frank Charles Laubach (1884–1970) para ajudar populações analfabetas do Terceiro Mundo a lerem a Bíblia.
Em 1915, Frank Laubach fora enviado por uma missão evangélica à ilha de Mindanao, nas Filipinas, que estava então sob o domínio americano — desde que os EUA derrotaram a Espanha numa guerra. A dominação católica espanhola deixara à população filipina uma herança de analfabetismo total e ódio aos americanos. Laubach usou seu método para ensinar os filipinos a ler a Bíblia.
Depois de 1915, o Método Laubach foi utilizado com grande sucesso em toda a Ásia e em várias partes da América Latina, durante quase todo o século XX.
Vieira disse:
No Brasil, este foi introduzido pelo próprio Laubach, em 1943, a pedido do governo brasileiro. Naquele ano, esse educador veio ao Brasil a fim de explicar sua metodologia, como já fizera em vários outros países latino-americanos.
Lembro-me bem dessa visita, pois, ainda que fosse muito jovem, cursando o terceiro ano ginasial, todos nós estudantes sabíamos que o analfabetismo no Brasil ainda beirava a casa dos 76% — o que muito nos envergonhava — e que este era o maior empecilho ao desenvolvimento do país.
A visita de Laubach a Pernambuco causou grande repercussão nos meios estudantis. Ele ministrou inúmeras palestras nas escolas e faculdades.
Houve também farta distribuição de cartilhas do Método Laubach, em espanhol, pois a versão portuguesa ainda não estava pronta. Nessa época, a revista Seleções do Readers Digest publicou um artigo sobre Laubach e seu método — muito lido e comentado por todos os brasileiros de então, que, em virtude da guerra, tinham aquela revista como único contato literário com o mundo exterior.
Na mesma época, subitamente, começaram a aparecer em Pernambuco cartilhas semelhantes às de Laubach, porém com teor filosófico totalmente diferente. As de Laubach, de cunho evangélico, davam ênfase à cidadania, à paz social, à ética pessoal, ao Cristianismo e à existência de Deus. As novas cartilhas, utilizando idêntica metodologia, davam ênfase à luta de classes, à propaganda da teoria marxista, ao ateísmo e a conscientização das massas à sua “condição de oprimidas”. O autor dessas outras cartilhas era Paulo Freire, que emprestou seu nome à essa “nova metodologia” — da utilização de retratos e palavras na alfabetização de adultos — como se a mesma fosse da sua autoria.
A verdade então é que a luta de um missionário evangélico americano para alfabetizar a população brasileira para o Evangelho foi pirateada e corrompida por Paulo Freire em prol da propaganda do marxismo. Isso se chama oportunismo.
Se foi péssimo o oportunismo de Paulo Freire às custas de um evangélico americano, o que poderia resultar do oportunismo de Olavo de Carvalho às custas da vitória que os evangélicos deram a Bolsonaro? Que tipo de educação a doutrinação ideológica dele poderia trazer para crianças?
Um bom jeito de avaliar a capacidade educativa dele é ver os frutos dessa educação na vida dos próprios filhos dele. Dois filhos dele são muçulmanos. Outra filha fora forçada, quando era menor de idade, a casar com um muçulmano numa mesquita. O próprio Carvalho recebeu prêmio da ditadura islâmica da Arábia Saudita por uma biografia de Maomé que ele escreveu.
O histórico de Carvalho é saturado de esoterismo, astrologia e islamismo esotérico. Mesmo hoje, ele continua com fortíssimas ligações esotéricas. Nenhum filósofo de renome dos EUA elogia e recomenda Carvalho, mas Wolfgang Smith, esotérico americano adepto do bruxo islâmico René Guénon, tem elogiado e recomendado Carvalho e vice-versa. Esotérico sempre elogia esotérico. Se tudo isso é confuso para o público, o que dizer de seus próprios filhos? Como eles poderiam ficar menos confusos?
Um dos filhos de Carvalho, num post de 12 de outubro de 2018, fez algo certo pelos motivos errados. Luiz Gonzaga de Carvalho Filho, autodenominado professor que dá aulas de astrologia e esoterismo, disse:
“Agora se você quer poder ter liberdade real para criar instituições culturais islâmicas independentes ou para fazer homeschooling islâmico para seus filhos e ter uma verdadeira independência cultural e religiosa em relação ao governo, vote em Bolsonaro.”
Eu votei em Bolsonaro, como milhões de evangélicos. Mas não votei nele para que seu governo fosse tomado de adeptos de um esotérico cujos filhos confusos vivem e pregam o islamismo e o esoterismo.
Os filhos muçulmanos de Carvalho e sua revisionismo louco da Inquisição não impediram que o Presidente Bolsonaro desse a ele um amplo poder de influência ideológica no MÈC nos próximos quatro anos. Dos Estados Unidos — de onde Carvalho não saiu nem para comparecer à posse de Bolsonaro —, o astrólogo indicou três nomes para o MEC, inclusive o ministro Ricardo Vélez. No discurso de posse, Vélez disse que sua gestão se inspirará em Carvalho, como se fosse novidade um olavete não fazer propaganda de Carvalho. Você pode ler mais sobre ele aqui: “Novo ministro da Educação: hostil ao socialismo e Trump, amistoso com Bolsonaro e Hillary.”
Não sem razão, Olavo de Carvalho diz que a esquerda exerce o controle do ensino brasileiro. Mas agora ele quer, com a cumplicidade de Bolsonaro e seus filhos, substituir esse controle ideológico por seu próprio controle ideológico, que foi tão desastroso na vida de seus próprios filhos, que se tornaram muçulmanos e astrólogos. É o Brasil trocando um buraco de doutrinação ideológica por outro buraco de doutrinação ideológica.
Coincidência ou não, Trump enfrentou o mesmo desafio que Bolsonaro está enfrentando. Havia um oportunista que queria encher o governo americano com oportunistas. Mas Trump acabou enxotando-o da Casa Branca. O nome do oportunista é Steve Bannon, adepto do bruxo islâmico René Guénon, o mesmo bruxo seguido e recomendado por Carvalho.
Coincidência ou não, Eduardo Bolsonaro vem se encontrando tanto com Bannon quanto com Carvalho. Se a família Bolsonaro imitasse Trump, evitaria os oportunistas, em vez de promovê-los, principalmente às custas dos evangélicos que elegeram Bolsonaro. Se até Trump conseguiu enxotar o adepto americano de Guénon, por que é que Bolsonaro prefere idolatrar o adepto brasileiro de Guénon?
Por vontade de socialistas, o oportunista Paulo Freire se tornou ídolo na educação brasileira. Agora, por vontade da família Bolsonaro, o astrólogo oportunista, que é o maior adepto e propagandista brasileiro de Guénon, se tornou ídolo na educação brasileira.
Havia um ídolo no governo de Nabucodonosor, e todos os ministros se prostravam a ele, mas Sadraque, Mesaque e Abednego não se prostraram, porque eles amavam mais a Deus do que os ídolos dos homens. Sadraque, Mesaque e Abednego jamais se prostrariam a nenhum ídolo do governo Lula ou do governo Bolsonaro.
Se a doutrinação ideológica de Carvalho trouxe confusão para seus próprios filhos, que se tornaram muçulmanos e astrólogos, poderia gerar miraculosamente conservadorismo através do MEC? O próprio Carvalho, que fala mais que a boca, disse:
“Já decidi: quem quer veja na política conservadora a finalidade e essência dos meus escritos é uma besta quadrada, um filho da puta e um bosta em toda a linha.”
Não fique surpreso, pois, se o MEC sob controle de olavetes que estão sob controle de Carvalho promover um suposto “conservadorismo” que no final gerará confusão para milhões de crianças. Esse “conservadorismo” não está centrado em Jesus Cristo e no Evangelho, mas num homem extremamente confuso e contraditório que tem uma boca que fede mais que latrina.
Numa coisa Laubach estava absolutamente certo: As pessoas precisam aprender a ler e escrever para conhecerem melhor a Bíblia e seu Autor. Só assim elas conseguirão se ver livres de doutrinações, analfabetismos e idolatrias ideológicas — de qualquer fonte e abismo de onde venham.
Com informações do jornal El País.
Leitura recomendada sobre governo Bolsonaro:
Leitura recomendada sobre o astrólogo Olavo de Carvalho:
Leitura recomendada sobre olavetes:

3 comentários :

Flávio disse...

Bolsonaro ira usar um monstro (olavismo) para combater outro

Renato M. Veras disse...

Olavismo se instalou sutilmente no governo, muitos evangélicos não perceberam.

rogerio disse...

Saímos do comunismo para a ideologia de um bruxo.