22 de dezembro de 2018

Padre católico, de 73 anos, que tinha 2.000 imagens e vídeos de pornografia infantil, discutiu estuprar e assassinar meninos em salas de bate-papo e, uma vez admitiu fazer xixi no vinho da missa é condenado a 25 anos de prisão


Padre católico, de 73 anos, que tinha 2.000 imagens e vídeos de pornografia infantil, discutiu estuprar e assassinar meninos em salas de bate-papo e, uma vez admitiu fazer xixi no vinho da missa é condenado a 25 anos de prisão

Jornalista do DailyMail
Um padre católico que tinha mais de 2.000 fotos e vídeos de pornografia infantil em seu computador e telefone foi condenado a 25 anos de prisão.
Thomas Faucher
Thomas Faucher, um padre bem conhecido da Diocese católica romana de Boise, não será elegível para a liberdade condicional e deve registrar-se como um criminoso sexual.
Faucher, de 73 anos, se declarou culpado de cinco crimes depois que investigadores descobriram milhares de imagens e conversas perturbadoras sobre estupro e assassinato de meninos.
Ele se declarou culpado de duas acusações de distribuição de material sexualmente explorador, duas acusações de posse de materiais de exploração sexual e uma acusação de posse de drogas.
Faucher se autodenominou “um filhote doente” enquanto pedia desculpas ao tribunal antes de sua sentença na quinta-feira, de acordo com o jornal Idaho Statesman.
“Lamento profundamente que eu fui e tenha sido ligado a isso de qualquer forma,” disse ele ao juiz Jason Scott, do 4º Distrito.
“Eu era um filhote muito doente. Fiz estragos em escala grande. Sinto muito remorso e raiva.”
Faucher tentou convencer o juiz de que ele não deveria receber pena de prisão para que ele pudesse ajudar os outros e “dar palestras sobre os males da pornografia infantil,” dizendo que havia “muitas pessoas” que “se beneficiariam” se ele não estivesse atrás das grades.
“Não há pessoas que se beneficiarão se eu estiver na cadeia ou na prisão,” acrescentou ele.
Mas Scott não se convenceu, chamando o padre de “risco legítimo para a comunidade.”
“Este é um crime que tem potencial para consequências imediatas e duradouras,” acrescentou o juiz.
O detetive John Brumbaugh, da Força-Tarefa contra Crimes contra Crianças na Internet, subiu na tribuna na quinta-feira para descrever a extensão do conteúdo perturbador que encontrou nos dispositivos de Faucher.
Brumbaugh disse que recebeu uma pista sobre duas imagens enviadas do endereço de e-mail wtfauch@aol.com.
Ele então começou a investigar Faruch, descobrindo milhares de imagens “violentas, perturbadoras e torturantes” que envolviam “pessoas de aparência jovem.”
Faucher falou extensivamente para uma pessoa chamada “Bruno,” dizendo-lhes que ele queria fazer sexo com meninos — inclusive alguns em sua própria família — e se sentia atraído por meninos de seis anos de idade.
O padre também disse a Bruno que ele tinha “desejos satânicos” e que “o pensamento de matar alguém realmente começa a me excitar.”
Ele admitiu fantasias sobre abusar sexualmente de coroinhas e bebês e disse que gostava de assistir a um vídeo de um menino sendo espancado até a morte.
Investigadores encontraram imagens de Faucher fazendo xixi em uma cruz e um livro de direito canônico. Em uma conversa, Faucher afirmou que ele urinou no vinho usado na missa.
O padre tinha um Dropbox, compartilhado com outro usuário, intitulado “Inocência Contaminada.” Ele admitiu nos bate-papos que sentia uma “indiferença maravilhosa” ao solicitar mais pornografia infantil.
“Foi bom mentir sem uma boa razão, exceto para fazer isso,” disse Faucher a Bruno em uma conversa.
“Na maior parte do tempo, eu apenas faço uma nova realidade e acredito nela enquanto eu achar bom.”
Os detalhes das imagens e conversas eram tão explícitos que muitos optaram por deixar o Tribunal do Condado de Ada na quinta-feira. Alguns estavam em lágrimas.
Brumbaugh disse que as imagens causaram danos a si mesmo e a outros que estavam trabalhando na investigação.
“O volume era algo que eu nunca encontrei antes,” disse ele ao tribunal.
Faucher foi preso em fevereiro. Ele disse a Brumbaugh que ninguém mais tinha acesso à sua conta de e-mail.
Inicialmente, ele foi acusado de 21 crimes de exploração sexual de uma criança, bem como de uma acusação de posse de LSD e posse de maconha e ecstasy.
Brumbaugh disse que não há evidências em que Faucher expressasse que não desejava receber pornografia infantil.
Enquanto se declarava culpado, Faucher alegou que não se lembrava de compartilhar pornografia infantil porque sofria de demência e depressão induzida pelo álcool.
Depois da prisão de Faucher, dois homens alegaram que o padre havia abusado sexualmente deles.
Embora o estatuto de limitações para a maioria dos crimes sexuais infantis em Idaho tenha sido removido em 2006, a lei não é retroativa — o que significa que as acusações de abuso provavelmente nunca serão apresentadas.
A promotora adjunta da Comarca de Ada, Cassandra Slaven, pediu uma sentença de 30 anos de prisão, notando que Faucher foi diagnosticado como pedófilo e que uma avaliação revelou que havia um alto risco de que ele reincidisse.
“Isso abala a comunidade. Isso abala os membros da Igreja Católica,” disse ela. “Ele se retrata como vítima e não se sente de modo algum responsável por suas ações.”
O advogado de defesa Mark Manweiler pediu que Faucher recebesse liberdade condicional e tratamento, argumentando que as evidências não provavam que o padre olhou para todas as imagens em seu computador e alegou que Faucher “nunca abusou sexualmente de nenhuma criança.”
Funcionários da Diocese de Boise estavam no tribunal para a sentença, e o porta-voz Gene Fadness disse que eles buscarão a exoneração de Faucher.
“Tem sido agonizante todos os dias para os paroquianos da Igreja Santa Maria e para os da comunidade, mesmo para quem não é da Igreja Santa Maria,” disse ele.
“[Faucher] não era apenas um padre, mas um sacerdote proeminente, bem conhecido. Isso tem sido muito difícil para todos os envolvidos.”
“Quase imediatamente depois de [quinta-feira], vamos apresentar nosso caso a Roma.”
A diocese também divulgou uma declaração reiterando as palavras de Fadness'.
“Os volumes de informações chocantes descobertos pela investigação da polícia revelam a natureza hedionda da pornografia infantil e o impacto trágico sobre suas vítimas,” diz a declaração.
“Embora não possamos começar a entender o que levou Faucher ao ponto de poder entrar nesse mundo maligno e sombrio, estamos agradecidos pelos esforços da polícia em fazer o que pode para proteger nossos filhos desses crimes.”
Faucher foi expulso da casa que alugou da diocese depois de sua prisão. Eles a tinham exorcizado antes de vendê-la.
Leitura recomendada:

2 comentários :

Anônimo disse...

Descobri seu blog sem querer e já estou lendo todos os posts. Parabéns

Alexandre Costa disse...

A pergunta que não quer calar é: Quantos dessa sinagoga de satanás ainda estão por aí como lobo em pele de cordeiro,incubados,deixando um rastro de vítimas que só aumenta toda vez que um demônio desses é transferido de paróquia para que seus crimes continuem encobertos.