29 de outubro de 2018

Apoiado por evangélicos revoltados com a esquerda e seus ataques contra a família, Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil


Apoiado por evangélicos revoltados com a esquerda e seus ataques contra a família, Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil

Julio Severo
Em uma reportagem intitulada “Brazil Election: How Jair Bolsonaro Turned Crisis into Opportunity” (Eleição no Brasil: como Jair Bolsonaro transformou a crise em oportunidade), o jornal americano New York Times resumiu muito bem as razões que levaram à impressionante vitória de Jair Bolsonaro contra um candidato socialista que defendia a doutrinação homossexual de crianças.
Jair Bolsonaro e Silas Malafaia
Dando destaque ao televangelista pentecostal Silas Malafaia como o apoio mais importante a Bolsonaro, o New York Time disse:
Se a faca cortasse um pouco mais o abdômen de Jair Bolsonaro, o pregador evangélico que foi visitá-lo no hospital talvez tivesse de preparar um discurso fúnebre sobre as esperanças presidenciais de seu amigo serem frustradas pela mesma praga de violência que levou à sua ascensão impressionante.
Em vez disso, quando ele viu o Sr. Bolsonaro em tratamento intensivo no mês passado, o pregador, Silas Malafaia, que é extremamente popular no Brasil, achou por bem contar uma piada.
“Veja o que Deus fez!” Malafaia se lembra de ter dito ao candidato, que ficou aturdido depois de passar por numerosos procedimentos para costurar seu aparelho intestinal e outros órgãos. “Você foi esfaqueado e agora todos os outros candidatos estão reclamando de toda a cobertura televisiva que você está recebendo.”
Antes do ataque com faca no mês passado, Bolsonaro já havia começado a parecer um fenômeno indomável na política brasileira, fazendo campanhas iradas contra a corrupção e a violência que correspondiam amplamente ao estado de ânimo nacional.
Mas longe de enfraquecer sua ascensão, o esfaqueamento quase fatal cristalizou a convicção de Bolsonaro de que só ele poderia endireitar um país que se recupera de anos de problemas econômicos, escândalos de corrupção e uma onda recorde de derramamento de sangue, disse o pastor.
“Acho que isso deu a ele um senso maior de propósito,” disse Malafaia. “Ele disse: ‘Mais do que nunca, minha vontade de ajudar essas pessoas, para resgatar nossa nação, aumentou.’”
Os anos de problemas econômicos, escândalos de corrupção e uma onda de derramamento de sangue são o legado do Partido dos Trabalhadores, um partido socialista cuja principal preocupação é promover a típica agenda de esquerda: assassinato de bebês em gestação através do aborto legal, doutrinação homossexual de crianças, etc.
O Huffington Post também reconheceu que a base principal de Bolsonaro é evangélica:
Bolsonaro recebeu apoio de todo o espectro político e social do Brasil entre os brasileiros cansados da corrupção e com medo da violência. Mas seu apoio mais forte veio de um crescente movimento evangélico conservador que compartilha suas visões sobre questões sociais.
Em uma reportagem intitulada “Far-right, pro-Israel candidate Jair Bolsonaro wins Brazilian presidency” (Candidato de extrema direita pró-Israel, Jair Bolsonaro, ganha a presidência do Brasi), o jornal israelense The Jerusalem Post confirmou dizendo:
A transmissão ao vivo das palavras de Bolsonaro foi precedida por uma oração dirigida pelo legislador, pastor e cantor gospel Magno Malta, ressaltando os laços de Bolsonaro com as igrejas evangélicas que o apoiaram por ajudar a agenda social conservadora deles. As congregações evangélicas em rápida expansão no Brasil criaram uma força política conservadora, que Bolsonaro aproveitou ao condenar a educação sexual nas escolas e fazendo resistência à agenda homossexual.
Embora Bolsonaro seja católico, há uma semelhança positiva entre ele e Trump: o principal apoio para ambos veio dos evangélicos. Trump, que é evangélico, conseguiu sua vitória presidencial graças aos evangélicos.
Contudo, há também outra semelhança, embora negativa. Um autoproclamado “estrategista,” que acabou sendo expulso da Casa Branca por oportunismo e por achar que ele foi a causa da vitória de Trump, tem um equivalente no caso de Bolsonaro, e ambos são adeptos do ocultista islâmico René Guénon.
Hostilizando (algo que o autoproclamado “estrategista” no caso de Trump nunca tentou fazer) os evangélicos, o autoproclamado “estrategista” no caso de Bolsonaro disse: “As igrejas evangélicas fizeram mais mal ao Brasil do que a esquerda inteira.” Isso significa que ele quer que Bolsonaro lute mais agora contra as igrejas evangélicas do que a luta que ele teve contra a esquerda?
No entanto, assim como os evangélicos, mais do que estrategistas, deram a vitória a Trump, no Brasil também os evangélicos, mais do que estrategistas, deram a vitória a Bolsonaro.
O New York Times concluiu:
Especialistas políticos veteranos brasileiros ficaram maravilhados com a forma como uma estratégia de campanha que parecia tão aleatória estava superando a de todos os outros. Se parecia confuso e improvisado do lado de fora, disse Malafaia, é porque era. “Olha, eu vou dizer alguma coisa e você pode rir,” disse Malafaia, acrescentando que Bolsonaro e sua campanha “não tinham uma estratégia real.”
Os evangélicos e suas orações têm mais poder do que as estratégias.
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :