25 de outubro de 2018

Acordo de armas com a Arábia Saudita trará um milhão de empregos para os EUA, diz Trump, enquanto ele infla os benefícios das vendas em meio a crescentes pedidos de seus próprios senadores para cancelá-las


Acordo de armas com a Arábia Saudita trará um milhão de empregos para os EUA, diz Trump, enquanto ele infla os benefícios das vendas em meio a crescentes pedidos de seus próprios senadores para cancelá-las

Emily Goodin, jornalista nos EUA para assuntos políticos do DailyMail
O presidente Donald Trump vem inflando o número de empregos que ele alega que a venda de armas americanas para a Arábia Saudita trará para os Estados Unidos.
Seus números inflados surgem enquanto alguns membros de seu próprio partido estão pedindo a suspensão das vendas, como consequência do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
Originalmente oferecendo um número de empregos de cinco dígitos, o presidente, nos últimos cinco meses, vem aumentando esse número — e o número está ficando mais alto quanto mais detalhes saem sobre o destino de Khashoggi.
Em 20 de março, quando o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman estava visitando a Casa Branca, Trump fez um acordo de armas que geraria “mais de 40.000 empregos nos Estados Unidos,” observou Axios.
Agora, com um acordo de US$ 110 bilhões de armas em jogo, Trump e outras autoridades dos EUA estão detestando culpar o reino saudita e o príncipe herdeiro por estarem por trás da morte de Khashoggi.
Na segunda-feira, Trump reiterou novamente sua preocupação com o acordo e as perdas de emprego que ele afirma que ocorrerão.
Mas o senador republicano Rand Paul disse no domingo que as vendas militares não equivalem a empregos.
“Não acredito que as armas devam ser vistas como um programa de geração de empregos,” disse ele no programa de TV “Fox News Sunday.”
E, ele disse, por causa disso as vendas de armas deveriam terminar e sanções deveriam ser postas em prática contra a Arábia Saudita.
No fim, ele pediu que o príncipe herdeiro fosse substituído.
“Tenho certeza de que o príncipe herdeiro estava envolvido e ele orientou isso e é por isso que acho que não podemos continuar a ter relações com ele. Acho que vai ter de ser substituído, francamente. Mas acho que as sanções não vão longe o suficiente. Acho que precisamos dar uma olhada na venda de armas,” disse ele.
Contudo, Trump não concordou com isso.
“Concordo com Rand em muitas coisas. Não quero perder um milhão de empregos, não quero perder US$ 110 bilhões. Mas são realmente US$ 450 bilhões se você incluir outras compras que não sejam militares. Então isso é muito importante,” disse o presidente na segunda-feira.
O milhão de empregos é o mais recente — e mais alto — número que o presidente está divulgando.
No último sábado — antes da Arábia Saudita anunciar que Khashoggi estava morto e ainda estava afirmando que ele havia deixado o consulado vivo — Trump disse aos repórteres que não quer prejudicar empregos e negócios para os americanos ao punir a Arábia Saudita, se fosse responsável, com sanções que afetam a compra de armas.
E ele aumentou seu número de empregos aos milhares para 450.000 empregos.
“São 110 bilhões de dólares. Acredito que é a maior encomenda já feita. São 450.000 empregos. É o melhor equipamento militar do mundo. Mas se eles não comprarem de nós, eles vão comprar da Rússia ou comprarão da China, ou vão comprar de outros países,” disse ele.
Na quarta-feira, Trump aumentou o número novamente, dizendo à Fox Business Stuart Varney que era meio milhão de empregos.
“São 500 mil empregos. Em última análise, será de US$ 110 bilhões. É a maior encomenda na história do nosso país de uma força militar externa. E eu disse: ‘Vamos recusar isso? Por que faríamos isso?’ Então, esperamos que esteja dando certo. Nós vamos descobrir. Nós vamos descer ao fundo disso. Espero que o rei e o príncipe herdeiro não soubessem disso. Esse é o grande fator em meus olhos, e espero que não tenham sabido de nada,” disse ele.
Na sexta-feira, o número subiu novamente — desta vez para 600.000.
“600.000 empregos, talvez mais do que isso, e seria muito doloroso para este país se disséssemos, oh, não vamos vender estas armas para vocês,” disse Trump no Arizona em uma assinatura do memorando de direitos da água.
Mais tarde na sexta-feira, depois que o governo da Arábia Saudita admitiu que Khashoggi estava morto, o número subiu para um total de “um milhão.”
“Acho que se você somar a coisa toda, porque apenas para as indústrias militares americanas foi de 600.000 postos de trabalho. Então, agora, se você está falando — foi de US$ 110 bilhões — você sabe, você está falando de mais de um milhão de empregos. Você sabe, eu prefiro manter o milhão de empregos, e eu prefiro encontrar outra solução,” disse Trump em um evento na Base Aérea de Luke, no Arizona.
Na segunda-feira, Trump ficou com o número de seu milhão de empregos.
“Não quero perder um milhão de empregos, não quero perder US$ 110 milhões,” disse ele para repórteres na Casa Branca.
Uma checagem de fatos feita pelo jornal Washington Post sobre a afirmação de empregos do presidente constatou que: “O presidente está exagerando o número de empregos que seriam criados mesmo que todos os US$ 110 bilhões em vendas fossem realmente feitos — e ele está enganando sobre onde esses empregos seriam criados. Muitos desses empregos acabariam sendo criados na Arábia Saudita.”
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :