15 de julho de 2018

Globalistas dos EUA colocaram Fidel Castro no poder e o mantiveram ali


Globalistas dos EUA colocaram Fidel Castro no poder e o mantiveram ali

Frank de Varona e Alex Newman
Comentário de Julio Severo: Se você busca entender como foi que um ditador insignificante como Fidel Castro conseguiu dominar uma pequena ilha do Caribe, este artigo enciclopédico fornece todas as respostas. É o melhor artigo que já li e merece ser lido e estudado em salas de aula de todas as escolas do Brasil.
MIAMI, Flórida, EUA — Quando os jovens da Brigada de Assalto 2506 desembarcaram na Baía dos Porcos, em Cuba, muitos perceberam que algo não estava certo. Sua bravura era surpreendente. Mas em seus sonhos mais loucos, eles não conseguiram ter imaginado a profundidade da traição que havia sido arquitetada em Washington, D.C., por traficantes de influência de globalistas bem posicionados. A traição teve repercussões mundiais que ainda são sentidas hoje.
Primeiro, a elite americana — agentes do Estado Profundo da entidade globalista Conselho Relações Exteriores (CRE), em cargos fundamentais no Departamento de Estado dos EUA e no jornal New York Times — instalou uma ditadura comunista assassina em massa em Cuba. Então essa mesma elite apunhalou nas costas os corajosos combatentes da liberdade enviados para libertar Cuba. Foi uma vitória incrível para a tirania e um golpe brutal para a liberdade. E continua a ser um episódio vergonhoso na história americana que tem sido em grande parte negligenciado — até agora.
O plano para invadir Cuba, como originalmente formulado, era brilhante. E tinha uma chance muito real de derrubar com sucesso o regime bárbaro instalado em Cuba por autoridades americanas globalistas e açougueiros comunistas da União Soviética. Mas pressão suficiente foi exercida pelos membros do CRE e seus aliados em posições estratégicas de que era possível sabotar toda a missão, entregando ao comunismo um impulso moral sem precedentes e desmoralizando as forças anticomunistas no mundo inteiro.

Preparando a invasão

Em março de 1960, depois de fazer todo o possível para levar Fidel Castro ao poder, como este artigo mostrará, o presidente americano Dwight Eisenhower ordenou que a CIA (Agência Central de Inteligência) começasse a planejar mudança de regime em Cuba. A CIA começou a recrutar cubanos anticomunistas nos EUA para essa finalidade. Esses homens foram treinados em vários lugares, mas principalmente nas colinas da Guatemala.
Um dos escritores deste artigo, Frank de Varona, que fugiu de Cuba depois que os comunistas roubaram a fazenda de gado de sua família, se juntou ao que mais tarde seria chamado de Brigada de Assalto 2506 em 1 de abril de 1961. Ele e cerca de 100 outros recrutas da CIA se uniram à Brigada. antes do ataque. O objetivo: Libertar sua terra natal. Ao chegar à Guatemala, ele se encontrou com seu irmão mais velho, Jorge de Varona, e muitos de seus primos e colegas de classe de Cuba.
A maior parte dos soldados, marinheiros e pilotos da Brigada de Assalto 2506 foi treinada por mais de nove meses no Panamá, Guatemala, Nicarágua, Porto Rico e até nos Estados Unidos. Os treinadores eram em sua maioria membros das Forças Armadas dos EUA e de agentes da CIA. Os instrutores militares americanos ficaram espantados com a paixão e o fervor demonstrados pelos “brigadistas,” como vieram a ser chamados, e pela rapidez com que aprenderam táticas militares.
Os homens que se juntaram à iniciativa para libertar Cuba representavam uma verdadeira amostra da sociedade cubana: todas as raças e classes, todo tipo de experiência profissional e todas as diferentes regiões da nação estavam entre os corajosos patriotas. A idade média deles era de 23 anos. Um menino tinha apenas 15 anos; ele teve de mentir sobre sua idade para se juntar. Alguns tinham sido ricos antes que a escravidão comunista caísse em sua terra natal; outros eram pessoas humildes da classe trabalhadora. A maioria eram membros da considerável classe média de Cuba. Mas todos estavam unidos pela causa da liberdade.

Invadindo na Baía dos Porcos

A invasão de Cuba começou há 57 anos, em 17 de abril de 1961. Ocorreu na costa sul da ilha, na Baía dos Porcos, perto dos pântanos de Zapata. Os bravos jovens que participaram dessa iniciativa ficaram com a impressão de que o objetivo era destruir o regime de Castro que escravizou sua ilha. Mas em Washington, DC e Nova Iorque, globalistas e subversivos em altos escalões tinham outros planos.
Antes do início da invasão, a Força Aérea da Brigada, formada por aviões B-26, C-46 e C-54, deixou suprimentos para apoiar os guerrilheiros anticomunistas que já combatiam o regime a partir das montanhas Escambray, em Cuba. A Marinha da Brigada realizou numerosas operações de infiltração, enviando equipes clandestinas para entregar armas e suprimentos às milícias secretas da resistência que lutavam contra as forças armadas de Fidel Castro que tinham armas soviéticas e americanas.
Várias semanas antes da invasão, equipes de infiltração da Brigada 2506 foram enviadas a diferentes cidades de Cuba para trabalhar com os rebeldes anticomunistas clandestinos. Alguns desses bravos soldados foram mortos e feridos nessas operações. A maior parte do restante acabou sendo capturada e sentenciada a longas penas de prisão. Alguns conseguiram escapar, entrando em embaixadas latino-americanas para obter asilo político.
A invasão real da Baía dos Porcos começou no início da manhã de segunda-feira, 17 de abril de 1961. A infantaria da Brigada de Assalto 2506, contando com 1.474 soldados, inclusive paraquedistas, chegou à costa, e muitos pilotos participaram. Eles enfrentaram dezenas de milhares de soldados inimigos em combate durante três dias de furiosa batalha em Praia Larga, Praia Girón, San Blas e outras zonas de combate.
Os jatos inimigos T-33, B-26 e Sea Fury afundaram dois dos navios da classe Liberty da Segunda Guerra Mundial da Brigada 2506, os quais haviam sido projetados para transportar carga para a Europa na Segunda Guerra Mundial. De Varona, um dos escritores deste artigo, estava a bordo do Houston enquanto afundava. Ele nadou até a costa, mas mais de duas dúzias de seus colegas soldados foram mortos por aviões inimigos, afogamentos ou tubarões naquela fatídica manhã. Tanto o navio Houston quanto o navio Rio Escondido, que transportavam suprimentos militares, alimentos, gás e petróleo para os aviões, munições e equipamentos de comunicação, caíram naquele dia. Os outros navios foram expulsos sob fogo pesado.
No quarto dia, os sobreviventes desarmados, desesperados e cansados do afundado Houston do 5º Batalhão lutaram contra soldados da milícia comunista que chegaram em dois barcos. Dois oficiais da CIA e alguns pilotos da Guarda Nacional do Alabama também participaram da batalha. Grayston Lynch, um agente da CIA que foi o primeiro a desembarcar na Baía dos Porcos, escreveu em seu livro “Decision for Disaster: Betrayal at the Bay of Pigs” (Decisão para o Desastre: Traição na Baía dos Porcos), publicado em 2000, como os soldados da Brigada “lutaram como tigres.”
Vários C-46 lançaram 177 paraquedistas do Primeiro Batalhão em diferentes locais da área da Baía dos Porcos. Com a exceção dos sobreviventes do afundamento do Houston, o resto dos batalhões desembarcou em Praia Larga e Praia Girón. Durante três dias, os soldados da Brigada abandonados nas praias lutaram bravamente contra o esmagador número de soldados inimigos, estimado em dezenas de milhares, e auxiliados por tanques e aviões soviéticos.
Os combatentes da liberdade estavam em desvantagem em torno de 20 para 1, mas eles lidaram com perdas devastadoras para as forças de Fidel Castro. Estimativas sugerem que a Brigada infligiu cerca de 6.000 baixas ao inimigo, apesar das desvantagens. Mas depois do terceiro dia de combates pesados, a Brigada ficou sem munição, e não mais haveria. Os soldados recuaram para os pântanos, onde alguns “brigadistas” continuaram a lutar por mais alguns dias até serem mortos ou capturados.
No momento em que a Brigada ficou sem munição, eles perderam 104 soldados e pilotos. Mais de 100 ficaram feridos. E os 1.200 soldados restantes, sem munição e praticamente delirando com a falta de sono, foram capturados pelas forças de Fidel Castro.

Julgamentos, Cadeia, Terror em Havana

Após um ano de prisão no Castillo del Príncipe, em Havana, nas condições mais desumanas imagináveis, os soldados da Brigada foram sentenciados, em abril de 1962, a 30 anos de trabalhos forçados. A outra alternativa oferecida pelo regime comunista: o dinheiro do resgate, que variava de US$ 25.000 a US$ 500.000 por cada prisioneiro. Seu vergonhoso “julgamento” violou a Convenção de Genebra, já que os prisioneiros de guerra não podem ser submetidos a um julgamento.
Enquanto estavam na prisão, os brigadistas foram incansavelmente espancados e torturados. Para sobreviverem, eles bebiam água com ratos mortos. Eles sofriam de hepatite, disenteria e todos os tipos de doenças de pele, devido à falta da higiene mais básica. Um brigadista não tratado morreu de hepatite. Outros perderam a cabeça e nunca se recuperaram. Os prisioneiros de guerra eram negados tratamento médico e odontológico, em violação da Convenção de Genebra.
Depois do “julgamento” ilegal, 211 prisioneiros de guerra da Brigada, cada um com um valor de resgate de US$ 100.000, e os três líderes da Brigada, no valor de US$ 500.000 cada, foram isolados por sete meses na pior prisão em Cuba, localizada na infame Ilha de Pines. De Varona, assim como seu irmão Jorge, sofreu imensamente ao lado dos homens que foram enviados para a infame prisão do Presidio Modelo na Ilha dos Pinheiros. A saúde deles nunca se recuperou totalmente.
Os mais de 200 prisioneiros de valor elevado foram acomodados em uma pequena sala, com capacidade para 40 pessoas. A eles era negado sabão, papel higiênico, pasta de dente e remédio por sete meses completos. Todos eles usavam um único banheiro e dois chuveiros. As minúsculas rações nojentas de “comida” disponíveis para os prisioneiros eram muitas vezes envenenadas para tornar as vítimas ainda mais doentes. Foi o mais próximo possível do inferno na Terra.
Os prisioneiros estavam alojados como sardinhas em uma lata, dormindo no chão puro. Eles eram frequentemente espancados por guardas prisionais comunistas. As condições intoleráveis e os abusos perpetrados contra os 214 membros da Brigada, bem como os outros 5 mil presos políticos na Ilha dos Pinheiros, levaram a uma greve de fome que durou três dias. A greve foi finalmente cancelada quando os guardas da prisão cortaram a água, e vários prisioneiros, quase mortos, desmaiaram.
Depois de 20 meses de condições desumanas na prisão, os Estados Unidos, sob a direção do presidente John F. Kennedy, resgataram os prisioneiros pagando US$ 53 milhões em remédios, alimentos e dinheiro para o regime. O presidente Kennedy e a primeira-dama Jacqueline Kennedy os receberam em 29 de dezembro de 1962 no Orange Bowl, em Miami. O presidente prometeu devolver a bandeira da Brigada 2506 que lhe foi apresentada para uma Havana livre. Mas isso nunca aconteceu. E acontece que os lacaios de Kennedy nos níveis mais elevados do governo foram responsáveis por trair os brigadistas em primeiro lugar.

O que deu errado

A narrativa oficial promovida pela elite americana em torno da catástrofe na Baía dos Porcos geralmente oferece uma série de desculpas para o fracasso. Por exemplo, um refrão comum sustenta que o plano foi falho desde o início. Os meios de comunicação dos EUA muitas vezes afirmam que a invasão fracassou devido ao alegado apoio do público à ditadura — uma ideia ridícula. E finalmente, há a mentira demonstrável de que os combatentes da Brigada, os quais em sua maioria não tinham experiência militar formal além de seu treinamento, se renderam rapidamente às forças comunistas.
A realidade é que a Brigada foi traída por globalistas que estavam dentro do governo Kennedy, os quais parecem ter desejado que eles fracassassem. Havia dois elementos principais do plano que foram sabotados antes da invasão que fizeram toda a diferença. Como um banco doméstico, que precisa de todas as pernas para ficar em pé, o plano original desenvolvido pelo Estado-Maior Conjunto dos EUA e pela CIA exigia que todas as pernas estivessem de pé. Quando duas das pernas foram cortadas alguns dias antes da invasão, obviamente, o resto do banco também foi ao chão.
O primeiro problema foi uma decisão de última hora para mudar o local de desembarque. O local original escolhido pelos militares e pelos planejadores da CIA foi na cidade de Trinidad, no sul de Cuba — um local com muitas vantagens. Por um lado, estava ao lado das montanhas Escambray, onde rebeldes anticomunistas já estavam no terreno lutando contra o regime de Fidel Castro. O local original também tinha docas, que eram cruciais para permitir que navios obsoletos da Brigada descarregassem gasolina, óleo, material de comunicação e outros suprimentos vitais. Outro benefício importante de Trinidad era a presença de um campo de pouso para aviões da Brigada. Tinha uma cabeça de praia defensável e algumas estradas que levavam à cidade de Havana. A população local, com cerca de 26.000 habitantes, estava insatisfeita com o regime e esperava-se que se juntasse e ajudasse a Brigada. Havia também mercearias com comida e hospitais com equipes médicas para os feridos.
Em vez disso, oficiais globalistas no governo dos EUA decidiram mudar o local de desembarque para as aldeias pantanosas e escassamente habitadas de Praia Girón e Praia Larga na Baía dos Porcos — pontos de desembarque sem infraestrutura real, sem docas, sem forças anticomunistas locais para ajudar, e inúmeras outras desvantagens. Para piorar a situação, os recifes traiçoeiros na Baía dos Porcos tornaram o desembarque ainda mais difícil. E, finalmente, não havia boas opções de batida em retirada e nenhuma boa maneira de avançar. Em resumo, foi talvez o pior local imaginável para desembarcar. Aliás, mudar o desembarque de Trinidad para a Baía dos Porcos é amplamente visto como uma das principais razões para a derrota da Brigada. O Presidente Kennedy disse a Allen Dulles que ele não aprovou o desembarque em Trinidad porque ele não queria interferir na vida civil lá.
Possivelmente ainda mais importante para garantir a derrota da invasão foi a ordem indesculpável de cancelar a esmagadora maioria das missões aéreas dos pilotos da Brigada, com a intenção de neutralizar as forças aéreas de Fidel Castro, seus tanques e muito mais. Quando o chefe da Força Aérea da Brigada Reid Doster ouviu falar sobre a decisão do governo dos EUA, ele foi citado dizendo: “O que?! Eles são loucos? Lá vai toda a guerra para o ralo!” Esse sentimento era generalizado entre os homens. Relatórios sobre o tráfego de rádio dizem que as rádios da Marinha dos EUA estavam sendo bombardeadas com ligações dos brigadistas que imploravam para que os aviões viessem. Os globalistas no governo dos EUA recusaram.
O plano original deveria incluir cinco bombardeios usando toda a frota da Força Aérea da Brigada. A frota era composta por 16 bombardeiros B-26, que deveriam ser usados para destruir a Força Aérea de Fidel Castro, seus pesados tanques de Stalin, seus caminhões, artilharia pesada, refinarias de petróleo e outros alvos militares que eram cruciais para a capacidade do regime de defender a ilha. Para que a operação tivesse sucesso, o plano original precisava ser seguido completamente — especialmente considerando que o regime comunista tinha mais de 200.000 soldados e milicianos armados pela União Soviética, bem como uma Força Aérea significativa. Em vez disso, a maioria das missões aéreas da Brigada recebeu ordem de não voar e o número de aviões foi reduzido em 50%, garantindo que Fidel Castro pudesse ajuntar muitos aviões, tanques e muito mais para derrotar os combatentes da liberdade.
Vários participantes da invasão destacaram o significado da traição e o desastre representado pelo cancelamento dos ataques aéreos. O oficial da CIA, Gray Lynch, um dos dois agentes americanos da CIA que desembarcaram com a Brigada, destacou o significado disso. Entre outros pontos fundamentais, Lynch argumenta que a operação poderia ter conseguido derrubar o regime de Fidel Castro e libertar Cuba — se não fosse a decisão de cancelar mais de três quartos das planejadas missões aéreas antes da invasão com o objetivo de destruir as forças aéreas de Fidel Castro.
Até mesmo Donald Trump, que se tornou o primeiro candidato à presidência a ser endossado pelos Veteranos da Baía dos Porcos, há muito parecia reconhecer a traição. “Eu realmente admiro dureza e coragem, e eu vou lhe dizer que as pessoas desta brigada realmente têm isso,” disse Trump aos veteranos da Brigada no Museu da Baía dos Porcos em Miami em 1999. “Os EUA deixaram vocês na mão.” E, de fato, deixaram.
O coronel dos fuzileiros navais Jack Hawkins, um veterano condecorado da Segunda Guerra Mundial e da Coréia que ajudou a treinar a Brigada, também viu a tragédia como uma traição. “Eles lutaram magnificamente e não foram derrotados,” disse ele. “Eles foram abandonados na praia sem os suprimentos e apoio prometidos pelo seu patrocinador, o governo dos Estados Unidos.”

Interventores globalistas por trás da traição

Vários altos funcionários do governo Kennedy foram culpados pelo desastre. E praticamente todos eles tinham uma coisa em comum: filiação ou fortes ligações com o Conselho de Relações Exteriores, que esta revista tem desmascarado em várias ocasiões. Essa organização, que abertamente almeja o governo mundial e tem historicamente dominado os gabinetes de presidentes americanos de ambos os partidos, também teve membros na mídia que desempenharam um papel importante na sabotagem da invasão da Baía dos Porcos.
Entre os principais membros do CRE dentro do governo Kennedy estavam o Secretário de Estado dos EUA, Dean Rusk, o Diretor de Segurança Nacional da Casa Branca McGeorge “Mac” Bundy e o Embaixador dos EUA na ONU, Adlai Stevenson. Juntamente com outros altos funcionários, todos esses membros do CRE pediram ao Presidente Kennedy que cancelasse os ataques aéreos da Brigada depois das missões iniciais. Enquanto o segundo no comando da CIA e do Estado-Maior Conjunto pedia que os ataques aéreos continuassem, Kennedy aceitou o conselho do CRE e ordenou que eles fossem cancelados. A decisão de Kennedy de cancelar os ataques aéreos restantes, conforme solicitado por Rusk, foi feita depois que a Brigada já estava a caminho. A decisão foi posteriormente justificada alegando que permitir que os ataques prosseguissem seria percebido como um “envolvimento” excessivo nos EUA e poderia ter sido ruim para a opinião mundial.
Nessa altura, o diretor da CIA, Allen Dul­les, outro agente do CRE que atuou como líder e desempenhou um papel fundamental na sabotagem da invasão, deveria ter cancelado todo o plano, sabendo que nunca poderia ter sucesso sem o poder aéreo. Em vez disso, ele permitiu que prosseguisse, garantindo seu fracasso — e uma vitória poderosa do comunismo. No dia da invasão, Dulles partiu para Porto Rico. Os membros da brigada veem amplamente a decisão de prosseguir sem os ataques aéreos e condenar a Brigada à morte ou captura como um ato de negligência criminosa, na melhor das hipóteses.
A estirpe globalista dos sabotadores da Brigada é bem consolidada. Considere, por exemplo, o secretário de Estado Rusk, um dos principais interventores. Seus antecedentes, como muitos dos responsáveis pelo fracasso orquestrado da invasão da Baía dos Porcos e até a ascensão de Fidel Castro ao poder, são dominados por vínculos com a elite globalista. Entre outros exemplos, Rusk atuou como um dos diretores da Fundação Rockefeller a partir de 1950, acabando por se tornar presidente da operação globalista que a investigação do Comitê de Reele do Congresso sobre fundações isentas de impostos havia exposto como subversiva menos de uma década antes. Ele também estava profundamente envolvido com o CRE.
Fora do governo, os membros do CRE e simpatizantes da elite estavam fazendo sua parte para garantir uma vitória de Fidel Castro. Antes da invasão, por exemplo, o jornal New York Times, amplamente visto como o megafone do CRE e uma publicação que ajudou a divulgar Fidel Castro e sua revolução para os americanos, escreveu artigos descrevendo como forças anti-Castro estavam sendo treinadas na Guatemala por militares dos EUA e agentes da CIA, alertando Fidel de que a invasão era iminente. “Fidel não precisa de espiões nos Estados Unidos; tudo o que ele precisa fazer é ler o New York Times,” disse um frustrado presidente Kennedy ao secretário de imprensa da Casa Branca, Pierre Salinger.

Levando Fidel ao poder

Muitas das mesmas pessoas e organizações responsáveis por trair a Brigada da Baía dos Porcos também estavam envolvidas na operação para levar Fidel Castro ao poder. E mais uma vez, os membros do CRE eram os principais interventores. Tudo começou durante o governo do presidente Dwight D. Eisenhower. Naquela época, em 1957, antes de se tornar um ditador assassino em massa, Fidel Castro estava na cordilheira de Sierra Maestra, em Cuba, lutando uma guerra de guerrilha contra o governo cubano.
Nesse ponto, o New York Times desempenhou um papel fundamental, com o repórter do Times e membro do CRE, Herbert Matthews, entrevistando o líder guerrilheiro e retratando-o como um heroico combatente da liberdade lutando contra um regime opressor. O jornal chegou a celebrar Fidel Castro como o “George Washington” de Cuba, enquanto demonizava incansavelmente o presidente cubano, Fulgencio Batista. Além de Matthews, o presidente da diretoria da revista Times, Arthur Sulzberger, e o editor Orvil Dryfoos também eram membros do CRE.
É claro que muitas pessoas sabiam que Fidel Castro não era um combatente da liberdade. O embaixador dos EUA em Cuba na época, Arthur Gardner, informou aos superiores no governo dos EUA que “Fidel Castro fala e age como um comunista, e não deveria ser apoiado pelos Estados Unidos.” Em resposta, o embaixador Gardner foi pressionado a renunciar ao cargo em 16 de junho de 1957. Ele foi impedido de informar seu sucessor, com Matthews, que era membro do CRE e propagandista do Times, sendo trazido para essa finalidade. Mas o substituto de Gardner, o embaixador americano Earl Smith, notou a mesma coisa e também advertiu cautelosamente o governo dos EUA.
Mas, apesar dessas advertências, o governo dos EUA agiu para garantir a remoção de Batista — e, portanto, o sucesso de Fidel Castro. Em 13 de junho de 1958, o Secretário de Estado John Foster Dulles, que na verdade ajudou a fundar o CRE décadas antes, ordenou ao embaixador Smith que desse uma mensagem a Batista: “Solicite a seu governo que cesse de atividades de combate homens que foram treinados pelo Programa de Assistência Militar dos EUA (PAM) e cesse de usar armas, navios e aviões fornecidos pelo PAM.”
Cerca de 75% dos aviadores cubanos e praticamente todos os mecânicos, juntamente com a elite do exército e da marinha cubana, haviam sido treinados pelo PAM. A ultrajante ordem de Dulles era contrária até mesmo aos altos oficiais militares dos EUA, como o almirante Arleigh Burke, que advertiu que o governo cubano estava combatendo “elementos aliados do comunismo” e que o Departamento de Estado não deveria dizer a uma nação soberana o que fazer. No final, os protestos caíram em ouvidos surdos. Foi um golpe devastador para um importante aliado dos EUA e um baluarte contra a expansão comunista no Hemisfério Ocidental.
Durante todo esse tempo, Fidel Castro teve liberdade e permissão de obter todas as armas dos Estados Unidos e da União Soviética de que ele precisava para derrubar o governo cubano cada vez mais hostilizado. Aliás, essas ações sozinhas desmoralizaram e enfraqueceram as forças armadas cubanas de tal modo que foram amplamente responsabilizadas por garantir que Fidel e seus “combatentes da liberdade” pudessem tomar o poder em Havana.
Ficou, porém, ainda pior a partir daí. De acordo com o livro “Foreign Relations of the United States, 1958-1960”, Volume VI (1991), em 17 de dezembro de 1958, o embaixador americano Smith recebeu outra ordem do Departamento de Estado. Desta vez, ele foi instruído a dizer a Batista que o governo dos EUA pensava que ele deveria renunciar e fugir para a Espanha. “É meu desagradável dever informar ao Presidente da República de Cuba de que os Estados Unidos não mais apoiarão o atual governo de Cuba,” disse Smith.
Entendendo as implicações da traição, o Presidente Batista percebeu que não havia mais nada que pudesse fazer. Então, em 31 de dezembro de 1958, ele fugiu de Cuba. Em vez de permitir que Fidel Castro tomasse as rédeas do poder, o governo hiper-intervencionista dos EUA poderia ter simplesmente pedido que Batista permitisse que a oposição democrática, liderada por Carlos Marquez Sterling, do Partido Ortodoxo, assumisse o poder numa eleição, garantindo uma transição pacífica. Mas o governo dos EUA, aparentemente determinado a ver Fidel Castro no poder, se recusou a fazer isso. Sem essa traição de um aliado anticomunista dos EUA, a invasão da Baía dos Porcos nunca teria sido contemplada.
Para que não houvesse qualquer dúvida de que o governo dos EUA — na verdade, os agentes do CRE em escalões superiores — levaram Fidel Castro ao poder, o embaixador Smith escreveu um livro completo sobre o que ele observou intitulado “The Fourth Floor: An Account of the Castro Communist Revolution” (O Quarto Andar: Um relato da Revolução Comunista de Fidel Castro). Ele também testemunhou no Senado dos EUA, dizendo que Fidel estava no poder graças às ações das autoridades dos EUA. E ele escreveu uma carta ao New York Times vários anos depois de publicar seu livro, afirmando claramente que os altos escalões do Departamento de Estado eram a causa da ascensão de Fidel Castro.
“Fidel Castro não poderia ter tomado o poder em Cuba sem a ajuda dos Estados Unidos. Agências do governo americano e a imprensa dos Estados Unidos tiveram um papel importante na operação para levar Fidel ao poder,” escreveu Smith, citando seu próprio testemunho no Senado. “Como embaixador dos Estados Unidos em Cuba durante a revolução comunista de Castro de 1957-1959, tive conhecimento em primeira mão dos fatos que provocaram a ascensão de Fidel Castro. O Departamento de Estado interveio constantemente — categoricamente, negativamente e por insinuações — para provocar a queda do presidente Fulgencio Batista, possibilitando a Fidel Castro assumir o governo de Cuba.”
Toda a operação que resultou na escravização de milhões de pessoas foi muito semelhante ao que aconteceu na China anos antes. Lá, o membro do CRE e o Secretário de Estado George Marshall e a mídia controlada pelo CRE pintaram Mao Tse-tung, assassino de massas, como um “líder de reforma agrária,” e o aliado nacionalista dos EUA, Chiang Kai-shek, como um tirano. O mesmíssimo processo também foi usado. Primeiro, propaganda para pintar o governo anticomunista como diabólico e os comunistas como oprimidos combatentes da liberdade: então, um embargo de armas imposto pelo governo dos EUA contra o aliado anticomunista dos EUA, combinado com infinitas armas e maquinações por trás dos bastidores ajudando terroristas comunistas a subir ao poder. Os paralelos entre Cuba e a China são numerosos e extraordinários.

A grande mentira

Supostamente, tudo isso foi um erro monumental — um erro de cálculo de proporções épicas. A narrativa da elite faria os americanos acreditarem que as autoridades do governo dos EUA e os jornalistas responsáveis por levar Fidel Castro ao poder — quase todos membros ou bajuladores do CRE — eram simplesmente ingênuos. Mas isso não pode ser verdade. Aliás, não deveria haver dúvida de que Fidel era comunista. Suas próprias ações provavam isso. E isso dificilmente era um segredo.
Por exemplo, pelo menos três embaixadores dos EUA, inclusive Smith e Gardner antes, haviam enviado avisos claros aos seus superiores no governo dos EUA. Estando em Havana, seria de esperar que eles soubessem. Mas eles não estavam sozinhos. Em meados de 1958, o ex-vice-Scretário de Estado Spruille Braden também alertou sobre Fidel. “O chefe rebelde Fidel Castro é um peão na intriga internacional da União Soviética,” alertou ele. O embaixador dos EUA no México, Robert Hill, enviou advertências semelhantes ao governo dos EUA, sem sucesso.
Em vez de proclamar a verdade e interromper toda a ajuda a Fidel Castro e acabar com todos os esforços para remover Batista, o secretário de Estado Dulles e outros membros do CRE no governo de Eisenhower persistiram em apoiar Fidel. Apesar dos avisos, eles também se recusaram a remover agentes pró-comunistas no governo dos EUA, como a principal autoridade do Departamento de Estado William Wieland e seu supervisor, o secretário assistente de Estado Rubottom, um importante defensor do embargo de armas e do golpe contra o governo anticomunista de Batista.
Eles não podiam alegar ignorância. Considere o que aconteceu na reunião de 1948 da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Bogotá, Colômbia. Em 9 de abril daquele ano, os comunistas entraram em cena para atrapalhar a reunião de maneira sangrenta. Fidel Castro, com 21 anos, participou do show de horror, se apoderando de uma estação de rádio e gritando: “Esta é uma revolução comunista.” Fidel e outros comunistas assassinaram centenas de pessoas inocentes enquanto ateavam fogo e causavam estragos. Ele foi preso e acusado de assassinato. Mas em vez de se arrepender, ele se gabou: “Eu fiz um bom trabalho hoje; matei um padre.” As autoridades colombianas o deportaram.
Além dos muitos embaixadores soando o alarme, fora do governo, analistas astutos também alertavam sobre Fidel. Robert Welch, por exemplo, que fundou a Sociedade John Birch, alertou sobre Fidel em sua revista American Opinion, meses antes de o aspirante a tirano conseguir escravizar Cuba. “Agora, a evidência de todo o passado de Fidel de que ele é um agente comunista que executa ordens e planos comunistas é esmagadora,” escreveu Welch em setembro de 1958. Em seu livro de 1963, The Politician sobre Eisenhower, Welch apontou para a decisão de 14 de março de 1958 de para bloquear embarques de armas para Batista como o começo do fim para uma Cuba livre.
O escritor James Perloff, que tem sido um líder no desmascaramento do CRE, destacou essa traição em seu livro de 2002 “The Shadows of Power: The Council on Foreign Relations and the American Decline” (As Sombras do Poder: O Conselho de Relações Exteriores e o Declínio Americano). “Talvez a maior vergonha do governo Eisenhower foi permitir que Fidel Castro transformasse Cuba no primeiro posto avançado dos soviéticos no hemisfério ocidental,” escreveu ele. “Apesar de evidências razoáveis, alguns dos defensores do presidente Eisenhower há muito argumentavam que Fidel não era comunista quando assumiu o poder.”
Entretanto, depois de chegar ao poder, o ditador cubano fez um discurso em 2 de dezembro de 1961 refutando essa afirmação. “Eu sempre fui um marxista leninista desde os tempos em que eu era estudante na Universidade de Havana,” disse ele. Aliás, a evidência disso era clara e esmagadora para qualquer um que estivesse disposto a olhar para ela.
Como se para confirmar as piores suspeitas das pessoas, depois que o governo americano removeu Gardner e Smith de suas embaixadas em Cuba, Eisenhower nomeou para esse cargo Philip Bonsal, que era favorável a Fidel, uma medida que foi elogiada pelo New York Times. As ações dele, que falam mais que palavras, expuseram sua agenda real. O cidadão americano William Morgan havia lutado com Fidel na revolução. Mas quando ele percebeu que Fidel era um comunista, ele se voltou contra o tirano e começou a conspirar a remoção dele. O embaixador Bonsal informou imediatamente o regime cubano, resultando na morte de Morgan pelo esquadrão de fuzilamento em 11 de março de 1961.

Consequências da Baía dos Porcos

A traição na Baía dos Porcos feita pelo governo Kennedy dominada pelo CRE encorajou a conspiração comunista internacional — e não apenas em Cuba. Em particular, deu liberdade de ação ao ditador soviético Nikita Khrushchev, que prontamente construiu o Muro de Berlim em agosto de 1961 e, em seguida, colocou mísseis balísticos intercontinentais em Cuba em outubro de 1962, apontados para os EUA. Durante a Crise dos Mísseis de Outubro, Kennedy fez um pacto com Khrushchev de nunca invadir Cuba e desmantelou os mísseis balísticos intercontinentais dos EUA na Turquia e na Itália, como o preço para os soviéticos retirarem os mísseis de Cuba. Os presidentes subsequentes dos EUA respeitaram o pacto Kennedy-Khrushchev, apesar dos comunistas raramente obedecerem aos acordos.
A traição aos cubanos combatentes da liberdade para salvar a ditadura de tirânica e opressiva de Fidel também encorajou Fidel e seu reinado de terror. Um resultado direto disso foi o êxodo em massa de imigrantes cubanos para os Estados Unidos e, especialmente, para o sul da Flórida. Mais de 800.000 cubanos-americanos vivem agora na Grande Miami. Embora tenham ajudado a transformar a Grande Miami numa cidade internacional próspera, as inúmeras tragédias — famílias separadas, mortes horripilantes no mar, expulsos da pátria por terror — são uma lembrança medonha do mal desencadeado por globalistas dentro do governo dos EUA contra seus semelhantes. O regime de Fidel iria depois financiar o terrorismo e a revolução em todo o hemisfério ocidental e outros países, até mesmo auxiliando e encorajando grupos terroristas comunistas domésticos nos Estados Unidos como o Weather Underground de Bill Ayers.
Depois que os prisioneiros da Brigada retornaram aos EUA, mais de 200 se juntaram às Forças Armadas dos EUA. Muitos deles conseguiram altos postos, inclusive um major da Guarda Nacional, seis coronéis, 19 tenentes-coronéis, 29 capitães e 64 tenentes. Mais do que alguns lutaram bravamente na invasão da República Dominicana em 1965 e durante a Guerra do Vietnã, onde alguns morreram e mais ficaram feridos em combate. Outros membros da Brigada juntaram-se à CIA e trabalharam em toda a América Latina. Dois membros da Brigada que trabalhavam para a CIA até ajudaram o exército boliviano a capturar e executar o carrasco do regime de Fidel, Ernesto “Che” Guevara.
Outros membros da Brigada tornaram-se empresários de sucesso, líderes eleitos e nomeados, profissionais em diversas áreas e trabalhadores altamente qualificados. Vários foram eleitos para a Câmara dos Deputados e Senado da Assembleia Legislativa da Flórida. Um ainda está servindo como Comissário de Metro-Dade. Um deles serviu como membro do Conselho Escolar do Condado de Miami-Dade. Outro se tornou escritor, vice-superintendente e superintendente interino de escolas nas Escolas Públicas do Condado de Miami-Dade.

O jogo globalista continua

Até hoje, o CRE globalista e seus membros continuam a desempenhar um papel fundamental no apoio ao regime assassino em Cuba e na ajuda a seus aliados em todo o mundo. Em 2013, o site The New American destacou o fato de que a defensora de Fidel, Julia Sweig, que chegou a agradecer aos terroristas condenados em seu livro e esteve perto do falecido tirano Fidel em Havana por décadas, estava dirigindo o programa de Estudos Latino-Americanos do CRE e servindo membro sênior do Instituto Nelson e David Rockefeller de Estudos da América Latina. Alguns analistas proeminentes, inclusive um ex-oficial de inteligência militar dos EUA, cuja carreira foi passada rastreando espiões cubanos, disseram que Sweig era uma “agente de influência” para Fidel. As implicações são enormes.
Como esta revista documenta há décadas, o CRE é essencialmente a sede americana de um movimento globalista internacional que procura erodir a soberania nacional e a liberdade individual em todo o mundo. Basicamente, eles apoiam o que muitos descrevem em público como uma “Nova Ordem Mundial,” que os principais globalistas como o ex-presidente George H.W. Bush descreveu como um mundo em que a visão dos fundadores da ONU possa ser implementada pelo poder militar da ONU. O bilionário George Soros disse que o regime comunista assassino que escraviza a China deveria "possuir" essa Nova Ordem Mundial. Se o CRE e seus aliados na Comissão Trilateral, o grupo Bilderberg e outras organizações no “Estado Profundo Atrás do Estado Profundo” forem bem-sucedidos, o destino de Cuba e da China será o destino de toda a humanidade.
É claro que o governo americano sob o presidente Eisenhower foi responsável por facilitar a ascensão ao poder do regime comunista de Fidel Castro em Cuba. É claro que o governo dos EUA sob o presidente Kennedy foi mais tarde responsável por minar e trair a Brigada 2506. Isso garantiu que eles fracassariam, enquanto consolidavam o poder do regime de Fidel sobre Cuba por gerações. Esse triste capítulo da história dos EUA e Cuba precisa ser explicado aos americanos e cubanos. Não só é certo e justo que as pessoas devam ter a verdade, como também ajudaria a expor a verdadeira agenda dos globalistas subversivos que buscam impor a Nova Ordem Mundial na humanidade.
O candidato Donald Trump foi endossado pela Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos. E Trump agradeceu calorosamente aos membros da Brigada, prometendo reverter as vergonhosas concessões unilaterais de Obama ao regime cubano. Até agora, ele deu alguns passos positivos para acabar com o apoio e reconhecimento dos Estados Unidos à gangue de terroristas e assassinos que ainda escravizam Cuba até hoje. Mas é preciso fazer mais para desfazer o enorme dano desencadeado pelos presidentes anteriores dos EUA — e Obama em particular. Expor a verdadeira história da escravização de Cuba, a traição da Brigada e o papel do CRE seria um longo caminho para despertar o povo americano.
Frank de Varona invadiu Cuba com a Brigada aos 17 anos e passou quase dois anos em uma prisão cubana. Ele agora mora em Miami e recentemente se tornou diretor de imprensa e informação para a Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do The New American: U.S. Globalists Put Castro in Power and Kept Him There
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.