12 de junho de 2018

Trump confrontou Kim Jong Un sobre atrocidades contra cristãos


Trump confrontou Kim Jong Un sobre atrocidades contra cristãos

Jessilyn Justice
O presidente Donald Trump diz que abordou a situação dos cristãos perseguidos quando se reuniu com o líder norte-coreano Kim Jong Un.
“Eu falei sobre isso, absolutamente. Eles vão investigar isso. Não registramos isso por escrito no documento. Será investigado. Cristãos, sim,” disse Trump, de acordo com uma transcrição. “Falamos disso. Franklin Graham passou e passa uma quantidade enorme de tempo na Coréia do Norte. Ele tem isso perto de seu coração. O assunto veio e as coisas vão acontecer.”
Portas Abertas dos EUA, um grupo que monitora a perseguição cristã, classificou a Coréia do Norte como a principal perseguidora dos cristãos no planeta.
O anúncio de Trump de que ele falou sobre a perseguição cristã encorajou David Curry, presidente de Portas Abertas dos EUA:
Embora tenhamos poucos detalhes do que foi dito, a decisão do Presidente Trump de abordar as atrocidades de direitos humanos da Coréia do Norte foi diplomaticamente ousada, e estamos particularmente felizes em ouvir o presidente dizer que ele tocou no assunto da situação dos mais de 300.000 cristãos que enfrentam perseguição e até mesmo morte sob o regime de Kim Jong Un.
Na Coréia do Norte, 50.000 a 120.000 cristãos já foram confinados em campos de prisioneiros, onde as condições permanecem deploráveis.
Pelo 17º ano consecutivo, a Coreia do Norte é o primeiro lugar mais perigoso para ser cristão, de acordo com a Lista de Vigilância Mundial de Portas Abertas dos EUA.
Mantenho a esperança de que os direitos humanos e a desnuclearização na Coréia do Norte não precisem ser esforços mutuamente exclusivos.
Por essa razão, estamos fervorosos e cautelosamente otimistas por nossos companheiros cristãos na Coréia do Norte, para os quais há agora pelo menos um vislumbre de esperança que não existia antes da reunião do Presidente Trump com o ditador.
Os EUA e seus aliados — aliás, o mundo inteiro — não devem se esquivar de nosso mandato moral de repreender Kim Jong Un por sua longa lista de abusos dos direitos humanos — especialmente sua prisão, tortura e execução de cristãos cujo único crime foi ousar expressar quaisquer crenças contrárias às crenças aprovadas pelo regime comunista.
O povo da Coreia do Norte continua a merecer nosso apoio enérgico, de oração e implacável.
A organização de Curry acompanha a hostilidade no país comunista há anos.
“O principal impulsionador da perseguição na Coreia do Norte é o Estado. Por três gerações, tudo no país se concentrou em idolatrar a principal família Kim. Os cristãos são vistos como elementos hostis na sociedade que têm de ser erradicados. Devido à doutrinação constante que permeia todo o país, vizinhos e até mesmo membros da família são altamente vigilantes e delatam às autoridades qualquer atividade religiosa suspeita,” de acordo com o relatório de 2018.
Um relatório de 2016 da Christian Solidarity Worldwide relata atrocidades semelhantes.
O horrível relatório diz:
Os cristãos geralmente praticam sua fé em segredo. Se descobertos, eles estão sujeitos à detenção e, em seguida, provavelmente levados para campos de prisão política (kwanliso); os crimes contra eles nesses campos incluem assassinato extrajudicial, extermínio, escravidão/trabalho forçado, transferência forçada de população, prisão arbitrária, tortura, perseguição, desaparecimento forçado, estupro e violência sexual e outros atos desumanos. Incidentes documentados contra cristãos incluem ser pendurado em uma cruz em cima de uma fogueira, esmagado sob um rolo compressor, arremessados de pontes e pisoteados. Aplica-se uma política de culpa por associação, o que significa que os parentes dos cristãos também são detidos, independentemente de partilharem a crença cristã. Até mesmo os norte-coreanos que escaparam para a China e que são ou se tornam cristãos são frequentemente repatriados e, posteriormente, presos em um campo de prisioneiros políticos.
Tais horrores deixam alguns crentes preocupados com a segurança de seus irmãos e irmãs que vivem sob o governo de Kim.
“Enquanto essas imagens e conversas amigáveis sobre acordos nucleares são um pouco reconfortantes para nós, os cristãos norte-coreanos se sentem tão inseguros hoje quanto eram ontem. Acreditar em Jesus ainda é um crime que pode levar um seguidor de Cristo a um campo de trabalho ou prisão — em muitos casos, equivale a uma sentença de morte,” diz Vernon Brewer, presidente e fundador da World Help. “No entanto, aqui está a coisa mais incrível: a igreja subterrânea da Coréia do Norte continua a crescer! Os crentes continuam a arriscar a vida para colocar as mãos em uma Bíblia. Ao celebrar os líderes dos EUA e Coreia do Norte reunidos, não podemos nos esquecer dos irmãos e irmãs norte-coreanos. Devemos continuar falando sobre o sofrimento deles e orando por eles. Eles ainda estão esperando por sua própria vitória.”
A World Help tem trabalhado para fornecer Bíblias para os cristãos norte-coreanos. Eles levantaram dinheiro para quase 68.000 Bíblias e estão trabalhando para 100.000.
Embora Trump tenha dito que a desnuclearização é a prioridade da Cúpula da Coreia do Norte, ele diz que Kim reagiu “muito bem” quando questionado sobre abusos dos direitos humanos.
“Eu acredito que é uma situação difícil lá,” disse Trump sobre violações dos direitos humanos. “Não há dúvida sobre isso. Nós discutimos isso hoje fortemente. Sabendo que o principal objetivo do que estamos fazendo é desnuclearizar a Coreia do Norte. Discutimos durante muito tempo. Vamos fazer algo sobre isso. É difícil.”
“É difícil em muitos lugares, a propósito. Continuaremos com isso e acho que, em última análise, concordamos com algo. Foi discutido em detalhes fora da questão nuclear. Um dos principais tópicos.”
Trump também diz que interromperá os exercícios militares regulares que mantém com a Coréia do Sul e que Kim concordou em enviar restos mortais de soldados americanos mortos na Guerra da Coréia. Noventa por cento das negociações, porém, estavam focadas na desnuclearização.
 “Só acho que agora vamos iniciar o processo de desnuclearização da Coréia do Norte. Acredito que ele está voltando e começará isso imediatamente,” disse Trump em trechos da entrevista transmitida pela Fox após a cúpula EUA-Coréia do Norte em Singapura. “E ele já indicou isso.”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da revista Charisma: Trump Confronted Kim Jong Un About Atrocities Against Christians
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.