20 de maio de 2018

Mesquitas belgas financiadas pelos sauditas ensinam ódio aos judeus e aos gays


Mesquitas belgas financiadas pelos sauditas ensinam ódio aos judeus e aos gays

Pamela Geller
Este não é apenas um problema com as mesquitas financiadas pela Arábia Saudita na Bélgica. Quantas mesquitas em todo o mundo promovem a jihad, o ódio aos judeus e o ódio a quem não é muçulmano? Nos EUA, 80% das mesquitas, de acordo com um estudo abrangente. E ainda nenhuma ação foi tomada.
Add caption
Imames [líderes de mesquitas] nos EUA estão vomitando ódio com impunidade, com a sanção da mídia dominada pela esquerda, das instituições acadêmicas e de outras instituições influentes. A oposição a essas convocações à guerra santa é recebida com gritos de “islamofobia” e “racismo” (o islamismo não é uma raça).
“Os textos usados em mesquitas, inclusive a Grande Mesquita de Bruxelas, pedem que gays sejam apedrejados até a morte ou sejam jogados de cima de prédios e descrevem os judeus como ‘malignos.’” A Grande Mesquita por trás dos atentados islâmicos que mataram 130 pessoas em Paris em 2015, e 32 na capital belga, em 2016, goza um privilégio raro: ela usa, sem pagar nenhum aluguel, há 99 anos um prédio, do governo belga. Incrível.
“Mesquitas belgas financiadas pelos sauditas ensinam o ódio aos judeus e aos gays: relatório,” Agence France-Presse, 11 de maio de 2018:
Manuais de ensino em mesquitas financiadas pelo Golfo Arábe na Bélgica promovem estereótipos antissemitas de judeus e pedem a perseguição de homossexuais, de acordo com um relatório de inteligência belga vazado.
Os textos usados nas mesquitas, inclusive a Grande Mesquita de Bruxelas, pedem que gays sejam apedrejados até a morte ou sejam jogados de cima de prédios e descrevem os judeus como ‘malignos,’ disse o relatório do centro de monitoramento do terrorismo nacional da OCAM.
Os textos, que são usados para treinar pregadores e professores de teologia, foram “inspirados principalmente pela lei islâmica clássica da Idade Média,” disse a OCAM em uma cópia do relatório obtido pela AFP na sexta-feira.
Eles têm "conteúdo problemático em termos de radicalismo, xenofobia e antissemitismo", disse o relatório da OCAM.
Legisladores belgas dizem que discutirão o relatório na próxima semana.
O relatório destacou manuais de treinamento religioso em língua árabe na Grande Mesquita, que fica perto da sede da UE em Bruxelas.
O governo belga disse em março que encerraria o contrato de aluguel de meio século da Grande Mesquita da Arábia Saudita, devido à preocupação de que essa mesquita promove o radicalismo. Era administrada pela Liga Mundial Muçulmana…
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do Geller Report: Saudi-financed Belgian mosques teach hatred of Jews, gays
Leitura recomendada:

4 comentários :

Alexandre Costa disse...

Agora vai uma igreja cristã de qualquer denominação apenas citar que o homossexualismo é pecado, para ver o alvoroço que irá causar nas mídias tradicionais e sociais e ainda correrá o risco de ser multada ou fechada.

Marcelo Victor disse...

A afirmação de que haverá PAZ e SEGURANÇA no fim dos tempos terá que passar necessariamente pela destruição das nações árabes.
Pobre gente; estão todos caminhando para o suicídio!!!

Boroc disse...

Sinagoga de Pelotas sofre atentado mas a mídia como sempre máscara por chamar de "ato de vandalismo":

https://youtu.be/OjVGGK7sxXw

Boroc disse...

Ate a Pamela geller noticiou.

https://gellerreport.com/2018/05/brazil-islamic-jew-hatred.html/