12 de abril de 2018

A máquina de guerra e destruição de Hillary Clinton


A máquina de guerra e destruição de Hillary Clinton

Julio Severo
Não há dúvida de que Hillary Clinton foi, na eleição presidencial dos EUA em 2016, a candidata de Wall Street, que é a espinhal dorsal do sistema financeiro americano. Ela foi também a candidata predileta das maiores empresas capitalistas do EUA, inclusive Microsoft, Apple, Google, HP, etc. Ainda mais perigoso, porém, é que ela foi a candidata do complexo industrial militar dos EUA. A ideia de que ela era ruim para as empresas, mas boa para a segurança nacional dos EUA, não tem base. A experiência de política externa dela tem sido apoiar guerras e mais guerras, conforme as orientações das elites de segurança nacional dos EUA.
As relações íntimas de Hillary e Bill Clinton com Wall Street ajudaram a provocar duas grandes crises financeiras (1999-2000 e 2005-8). Na década de 1990, eles removeram as restrições governamentais para os empresários que financiaram suas campanhas políticas, provocando assim manipulação financeira, fraude financeira e eventualmente crise financeira. No processo, eles ganharam eleições e ficaram milionários.
Contudo, as conexões de Hillary com o complexo industrial militar dos EUA são mais assustadoras. Muitos acreditam que só os republicanos americanos são neocons e que os democratas só buscam deter a sede de guerra dos republicanos. Isso não é verdade. Tanto o Partido Republicano quanto o Partido Democrata têm membros neocons belicistas. Mas eles também têm uma minoria de membros realistas cautelosos que não querem os EUA envolvidos em guerras intermináveis. Hillary é uma neocon inflexível cujo histórico de favorecer aventuras militares americanas explica muitas das crises militares hoje que ameaçam a segurança dos EUA.
Assim como a presidência de Bill Clinton preparou o terreno para crises financeiras que beneficiaram seus empresários apoiadores, assim também preparou o terreno para guerras intermináveis. Em 31 de outubro de 1998 o presidente Clinton sancionou a Lei de Libertação do Iraque que tornava política oficial dos EUA apoiar “mudança de regime” (um termo bonito com um significado nefasto: derrubar um governo) no Iraque.
Desde Clinton, já era meta do governo dos EUA remover Saddam Hussein e implantar um governo “democrático,” como se fosse possível democratizar um país islâmico. A Arábia Saudita, que é o maior aliado islâmico dos EUA, nunca foi democrática. Mesmo assim, os EUA nunca se preocuparam em invadi-la para democratizá-la.
O caso da Arábia Saudita é grave: enquanto no Iraque a Bíblia era permitida, havia igrejas cristãs e Saddam protegia os cristãos, na Arábia Saudita a Bíblia é proibida, não há nenhuma igreja cristã e os sauditas matam cristãos.
Parece que a única razão para a invasão do Iraque foi que esse país não era aliado dos EUA, mas da Rússia.
Muitos acham que a atitude do Presidente George W. Bush invadir o Iraque foi uma iniciativa e decisão só dele. Não. Muito tempo antes de Bush invadir o Iraque em 2003, com a desculpa de que o Iraque estava por trás do atentado terrorista de 2001 contra Nova Iorque, Bush já estava sob as ordens da lei de Bill Clinton de derrubar Saddam.
Hoje, se sabe claramente que quem estava por trás desse atentado era a Arábia Saudita. Mesmo assim, os EUA nunca quiseram invadi-la, nem por vingança nem para democratizá-la. Os ditadores sauditas sempre gozaram amizade íntima de presidentes republicanos e democratas dos EUA. Hoje, o maior amigo e aliado da ditadura islâmica saudita é Donald Trump.
Em 2003, Hillary era senadora e uma apoiadora implacável da Guerra do Iraque, que custou trilhões de dólares, milhares de vidas e essencialmente criou o ISIS.
Antes da invasão americana, o Iraque tinha uma comunidade cristã de mais de 2 milhões de pessoas. Hoje, é menos de 400 mil e continua diminuindo.
Depois da Lei de Libertação do Iraque, ocorreu em 1999 a Guerra do Kosovo, na qual Bill Clinton usou a OTAN para bombardear Belgrado, capital da Sérvia, um país cristão ortodoxo aliado da Rússia, criando assim o Kosovo, um enclave muçulmano que hoje serve de importante posto de contrabando islâmico de armas e seres humanos na Europa. Hillary confessou para a jornalista Lucinda Frank que foi ela quem tinha exortado seu marido Bill a fazer bombardeios nos cristãos sérvios.
O histórico de Hillary como secretária de Estado está entre os mais militaristas e desastrosos da história americana moderna. Ela é uma defensora implacável do poderoso complexo industrial militar dos EUA, ajudando a criar desastres militares em vários países, inclusive Líbia e Síria.
Hillary é muito criticada pelas mortes de diplomatas americanos em Benghazi, mas as ações incansáveis dela para derrubar Muammar Kaddafi mediante bombardeios da OTAN foram de longe o maior desastre. Hillary usou a OTAN para derrubar o governo da Líbia, em violação das leis internacionais, apenas para atender aos desejos da Arábia Saudita. Depois dos bombardeios da OTAN, a Líbia entrou em guerra civil e grupos terroristas islâmicos, inclusive a al-Qaida, se espalharam na Líbia e daí para o Norte da África, chegando à Síria. A derrubada de Kaddafi também deixou a Líbia livre para a passagens de milhões de muçulmanos africanos invadirem a Europa. O desastre líbio provocou guerra no Mali, forneceu armas para o grupo islâmico Boko Haram, que tem estuprado e matado milhares de cristãos na Nigéria, e fortaleceu o ISIS na Síria e no Iraque.
Depois, Hillary mirou na Síria. Com o apoio da CIA, que fornecia armas e treinamento para rebeldes islâmicos, Hillary queria derrubar o presidente sírio Bashir al-Assad e disse que isso seria uma ação rápida, econômica e bem-sucedida. Em agosto de 2011, Hillary levou os EUA ao desastre com sua declaração de que Assad “tem de sair,” com o apoio de operações secretas da CIA.
Sete anos depois, nenhum país neste mundo está tão devastado por guerra infindável quanto a Síria, com centenas de milhares de mortos, inclusive cristãos. Mais de 10 milhões de sírios foram desalojados, e os refugiados estão se afogando no Mar Mediterrâneo ou minando a estabilidade política da Europa. Os que não fogem se tornam vítimas do ISIS ou dos grupos rebeldes islâmicos sustentados pelos EUA. No caos criado pelas operações da CIA e da Arábia Saudita para derrubar Assad, o ISIS preencheu o vácuo, usando o território sírio como base para atentados terroristas islâmicos no mundo inteiro.
A lista de manipulações e provocações de guerras de Hillary não tem fim. Ela sempre apoiou a expansão da OTAN, inclusive na Ucrânia e Geórgia, desafiando todo bom senso. Ela violou acordos pós-Guerra Fria assinados na Europa em 1991, levando a reações defensivas violentas da Rússia na Geórgia e Ucrânia. Como senadora em 2008, Hilary foi uma das patrocinadoras da Lei 2008-SR439, que pede a inclusão da Ucrânia e Geórgia na OTAN. Como secretária de Estado, ela então presidiu o recomeço da Guerra Fria com a Rússia.
Ela quis se tornar presidente dos EUA para dar continuidade ao seu projeto de guerras e mais guerras. O maior financiador individual da campanha presidencial dela foi o bilionário esquerdista americano George Soros, o “pai” da revolução ucraniana.
Os republicanos neocons não são contra as guerras que Bill e Hillary Clinton provocaram. Eles dizem que se fosse eles, eles fariam exatamente as mesmas guerras, mas sem os desastres que apareceram. Será?
Os fundadores dos EUA sempre se opuseram a envolvimentos militares dos EUA no exterior.
Mas hoje, tanto do lado republicano quanto democrata, há sedentos e provocadores de guerras. Por isso, na eleição americana passada, republicanos proeminentes disseram que preferiam votar em Hillary, por ver nela uma neocon legítima. Para eles, era inconcebível um candidato republicano anti-guerras.
O atual presidente americano Donald Trump surpreendeu, pois acabou não cumprindo suas promessas contrárias ao belicismo de Hillary.
Durante a eleição, Trump mostrou uma linha política anti-neocon, contrária a intervenções militares americanas desnecessárias em outros países. Ele também se opôs à expansão da OTAN.
Hoje, em matéria de política externa, ele imita a política neocon e quer o fortalecimento da OTAN. Ele está fazendo exatamente o que Hillary faria.
Hillary e os neocons queriam uma aliança do terrorismo islâmico contra a Rússia. Por isso, na sua campanha eleitoral Trump disse que quem fundou o ISIS foi Obama e a cofundadora, segundo as próprias palavras de Trump, foi a “vigarista Hillary Clinton.” O ISIS, que foi fundado por Obama e Hillary com ajuda da Arábia Saudita, é a maior máquina de genocídio de cristãos hoje.
O discurso de campanha de Trump claramente queria uma aliança com a Rússia, que é o maior país cristão ortodoxo do mundo, contra o terrorismo islâmico mundial, que é patrocinado pela Arábia Saudita.
Contudo, Trump não conseguiu se conduzir à altura de seu discurso. Ele acabou assinando com a Arábia Saudita o maior acordo militar da história dos EUA, vendendo aos sauditas de uma vez só 110 bilhões em armas.
No final, Trump acabou se tornando um grande aliado da Arábia Saudita, superando Obama e Hillary, que eram comprados pelos sauditas.
A mudança de Trump para Hillary 2 foi possível porque cada vez que Trump tentou se aproximar da Rússia para uma aliança contra o terrorismo islâmico, vazamentos criminosos debilitaram seu governo, até que todos os assessores pró-Rússia de Trump foram derrubados e Trump teve de escolher assessores anti-Rússia para agradar aos neocons.
A única diferença marcante hoje entre Hillary e Trump é que Trump tem uma política interna relativamente pró-família. Mas em política externa, ele segue o padrão dos presidentes anteriores. Assim foi com Bush, que também teve uma política interna relativamente pró-família. Mas em política externa, ele seguiu o padrão dos presidentes anteriores…
Durante sua campanha, Trump claramente condenou Hillary por suas intervenções na Síria, inclusive apoiando os rebeldes islâmicos. Hoje, como presidente, Trump dá o mesmo apoio aos rebeldes islâmicos de Hillary e Obama.
Ninguém fez mais para provocar a Guerra Fria com a Rússia do que Hillary, com sua aliança íntima com os sauditas terroristas. Trump, que parecia ter mais condições de destruir a aliança dos EUA com os sauditas e formar uma aliança inédita com a Rússia contra o terrorismo islâmico, acabou se tornando, em política externa, uma mera Hillary 2 ou Bush 2.
A máquina de guerra e destruição de Hillary é a mesma máquina conduzida no passado por Bush e outros. E hoje, infelizmente, conduzida por Trump.
Não importa, pois, se um republicano direitista ou um democrata esquerdista se torne presidente dos EUA. Não importa se é Hillary, Bush ou Trump. No final, quem ganha, em política externa, são os neocons e o complexo industrial militar dos EUA. Quem ganha também é a Arábia Saudita, criadora do ISIS e a maior patrocinadora do terrorismo islâmico mundial.
Quem perde, como sempre, são as vítimas cristãs, que sofrem no rastro das intervenções militares americanas e intervenções islâmicas sauditas. Esse é o preço da política externa neocon dos EUA.
Estou feliz que Hillary não se tornou presidente dos EUA. Mas não estou contente que Trump esteja imitando a política externa dela a serviço do militarismo neocon.
Com informações do Huffington Post e WND (WorldNetDaily).
Versão em inglês deste artigo: Hillary Clinton’s machine of war and destruction
Leitura recomendada sobre Hillary Clinton:
Leitura recomendada sobre neocons:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.