18 de novembro de 2017

Líder do ministério One for Israel critica discurso de pastores que não enxergam os pecados da nação israelense


Líder do ministério One for Israel critica discurso de pastores que não enxergam os pecados da nação israelense

Jarbas Aragão
Eitan Bar, um judeu messiânico nascido e criado em Tel Aviv, está se opondo publicamente a uma questão que parece estar dividindo cada vez mais opiniões. Formado em Estudos Bíblicos pela Faculdade da Bíblia de Israel, em Jerusalém, e com mestrado em teologia pela Liberty University, uma faculdade cristã conservadora dos EUA, atualmente faz seu Doutorado pela Dallas Theological Seminary.
Diretor de mídia e evangelismo da missão “One for Israel”, ele decidiu se posicionar após a repercussão das declarações de alguns líderes evangélicos norte-americanos sobre os judeus serem o povo escolhido e não precisarem ser evangelizados. Eitan ficou bastante incomodado ao ver pastores ensinando que a aliança de Deus com Abraão pode ser comparável à nova aliança em Cristo Jesus.
Recentemente, Tommy Waller, um missionário norte-americano que vive em Israel há 13 anos, divulgou um vídeo onde implora para que os cristãos parem de tentar evangelizar os judeus e se dediquem a “facilitar a sua restauração profética”.
Mas o principal alvo das críticas de Eitan é o pastor John Hagee, do ministério Cristãos Unidos por Israel (CUFI, na sigla original). Ele ensina que os judeus não precisam de um relacionamento pessoal com Jesus pois poderiam ser salvos apenas cumprindo os estatutos da Antiga Aliança.
Eitan se diz “chocado” pois pregadores como Hagee não conseguem entender o propósito da aliança abraâmica. Segundo ele, tratava-se de um pacto com uma nação, mas que nada tem nada a ver com a salvação pessoal. Lembrando que grande parte da lei ensinada por Moisés versa sobre os sacrifícios feito pelos sacerdotes no templo, seria impossível para um judeu seguir isso hoje em dia.
“Isso [sacrifícios] foi apenas para nos levar a Cristo. Não podemos separar a Aliança de Moisés das leis de Moisés. As leis são apenas uma consequência da aliança; elas não se sustentam sozinhas… O pacto foi ratificado pelo derramamento de sangue (Êx 24, 8) e foi mantido pelo sangue dos sacrifícios sobre o altar (Êx 30:10). Sem o sistema sacrificial, somos incapazes de manter a aliança de Moisés. Além disso, a Bíblia diz que ninguém pode manter a Lei, nem ser justificado pelas obras da lei (Gl 2:16), portanto, ninguém poderia ser salvo através dela. É somente o sangue de Yeshua, o Messias (Jesus) que pode nos salvar e lavar o nosso pecado”, escreveu ele no site do ministério.
Citando vários ensinamentos de Hagee em seu livro, “Em defesa de Israel” que considera “perigoso”, Eitan diz que “A mensagem de Yeshua não foi sobre a questão geopolítica, mas era espiritual. A paz no Oriente Médio não virá de Benjamin Netanyahu, nem do CUFI de Hagee, mas só pode acontecer ao pé da cruz, quando judeus e árabes reconhecerem a Cristo e crerem no príncipe da paz”.
O líder messiânico apontou que o Estado moderno de Israel tem muitos problemas político, com uma em cada 3 crianças israelenses na linha de pobreza do país, um dos maiores índices no mundo desenvolvido.
Ele também lembra que o país vive sérias questões morais, incluindo denúncias de corrupção de líderes políticos, legalização da prostituição e a presença do país na lista do Conselho Internacional de Controle de Narcóticos como um dos grandes usuários de drogas. Israel também é um dos líderes mundiais quando se trata de abortos – em média 55 bebês são mortos diariamente – algo subsidiado pelo governo.
“Assim como em qualquer outro lugar do mundo, nosso país é composto de seres humanos pecadores, que infelizmente ainda não reconheceram sua necessidade de terem um Salvador. Como resultado, as decisões imorais do nosso país são evidentes”, conclui Eitan, deixando claro que ama Israel e por isso não pode fechar os olhos para o que precisa ser corrigido.
Por isso, o líder do One for Israel faz um apelo: “O que o meu povo [judeus] realmente precisa é de Yeshua! Então, queridos cristãos, como um judeu seguidor de Jesus, meu desafio para você não é amarem os judeus incondicionalmente, mas viverem de acordo com o mandamento bíblico de provocar ciúmes em Israel (Romanos 11:11)… Caro pastor Hagee, Israel não precisa dos milhões de dólares que seu ministério envia para apoiar causas seculares. O que Israel precisa é da mensagem do evangelho. O que o meu povo precisa é ouvir sobre Yeshua, o seu salvador judeu!”
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

4 comentários :

luciano betim disse...

Muito boa a observação desse pastor.

Israelenses precisam se converter de seus pecados, caso contrario perecerão, como os demais:

Haverá tribulação e angústia para todo ser humano que pratica o mal: primeiro para o judeu, depois para o grego;
mas glória, honra e paz para todo o que pratica o bem: primeiro para o judeu, depois para o grego.
Pois em Deus não há parcialidade.
Todo aquele que pecar sem a lei, sem a lei também perecerá, e todo aquele que pecar sob a lei, pela lei será julgado.
Romanos 2:9-12

Deus abençoe a todos.

Unknown disse...

Jesus mesmo responde a essa questão: Eu tenho um testemunho maior que o de João; a própria obra que o Pai me deu para concluir, e que estou realizando, testemunha que o Pai me enviou.
E o Pai que me enviou, ele mesmo testemunhou a meu respeito. Vocês nunca ouviram a sua voz, nem viram a sua forma,
nem a sua palavra habita em vocês, pois não crêem naquele que ele enviou.
Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito;
contudo, vocês não querem vir a mim para terem vida.
"Eu não aceito glória dos homens,
mas conheço vocês. Sei que vocês não têm o amor de Deus.
Eu vim em nome de meu Pai, e vocês não me aceitaram; mas, se outro vier em seu próprio nome, vocês o aceitarão.
Como vocês podem crer, se aceitam glória uns dos outros, mas não procuram a glória que vem do Deus único?
"Contudo, não pensem que eu os acusarei perante o Pai. Quem os acusa é Moisés, em quem estão as suas esperanças.
Se vocês cressem em Moisés, creriam em mim, pois ele escreveu a meu respeito.
Visto, porém, que não crêem no que ele escreveu, como crerão no que eu digo? "
João 5:36-47

TEREZINHA RODRIGUES DO NASCIMENTO disse...

NA MINHA OPINIÃO, AS DUAS TESTEMUNHAS DE APOCALIPSE 11 SÃO A IGREJA DE CRISTO E A NAÇÃO DE ISRAEL SEGUNDO A CARNE, MOSTRANDO QUE DEUS É CUMPRIDOR DAS PROMESSAS FEITAS A ABRAÃO, TANTO PARA OS SEUS FILHOS SEGUNDO A FÉ, COMO OS FILHOS SEGUNDO A CARNE, TANTO É QUE JESUS MESMO FALOU ACERCA DOS ISRAELITAS, COMO PESSOAS ESPECIAIS:

1 - “Digo-lhes a verdade: por ocasião da regeneração de todas as coisas, quando o Filho do homem se assentar em seu trono glorioso, vocês que me seguiram também se assentarão em doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel” (Mateus 19:28). OBS: MESMO QUE AS TRIBOS NÃO POSSAM SER DIFERENCIADAS NOS DIAS DE HOJE, JESUS FALA DAS TRIBOS SEPARADAS.

2 - Quase oitocentos anos após Israel ter desaparecido como nação, o apóstolo Paulo descreveu os gentios (não israelitas) que estão “sem Cristo” como “separados da comunidade de Israel, e estranhos aos concertos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo” (EFÉSIOS 2:12). OBS: OS GENTIOS ERAM ESTRANHOS ÀS PROMESSAS QUE DEUS HAVIA FEITO AOS JUDEUS SEGUNDO A CARNE (AINDA QUE A PROMESSA DIZIA RESPEITO AOS QUE CRESSEM, DENTRE OS JUDEUS).

3 - Paulo acrescenta: “Em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas, no Espírito, a saber, que os gentios são coerdeiros, membros do mesmo corpo, e coparticipantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho” (Ephesians 3:5-6, ARA). Assim sendo, a forma com que todos os povos podem participar das promessas que Deus fez a Abraão é através de Jesus. Paulo explica: “E, se sois de Cristo, então, sois descendência de Abraão e herdeiros conforme a promessa” (GALATAS 3:29).
Isso significa que Deus tem de enxertar todos que se tornam Seus servos na família de Abraão.

4 - Quando Abraão obedeceu prontamente à voz de Deus, o Senhor então prometeu abençoá-lo e tornar seu nome grande. Sua descendência também se tornaria grande, prometendo a seus descendentes a terra de Canaã. As promessas de Deus inequivocamente incluíam coisas materiais — terra física e possessões.
O capítulo treze de Gênesis fornece mais detalhes sobre as promessas. Após o relato da disposição de Abraão em dar o campo fértil adjacente ao Rio Jordão ao seu sobrinho Ló (versículos 5-13), Deus, em contrapartida, prometeu toda a terra de Canaã a Abraão para sempre (versículos 14-17), indicando que os aspectos temporal e eterno de Sua promessa estavam intimamente relacionados.

Alexandre Costa disse...

Eitan Bar está corretíssimo, como poderemos evangelizar o mundo e deixar de fora o povo escolhido?