13 de novembro de 2017

Instituição evangélica doa 11 mil reais para reconstrução de terreiro de candomblé


Instituição evangélica doa 11 mil reais para reconstrução de terreiro de candomblé

Julio Severo
Num ato de apostasia, o Conselho de Igrejas Cristãs do Estado do Rio de Janeiro (CONIC-Rio), sob a presidência da pastora luterana Lusmarina Campos Garcia, doou R$11.000,00 (onze mil reais) para o barracão de candomblé da mãe de santo Conceição d’Lissá, incendiado há três anos.
O contato foi viabilizado pela Comissão de Combate à intolerância Religiosa (CCIR), presidida pelo Babalawô (pai-de-santo) Ivanir dos Santos. Em anos passados, o principal aliado evangélico de Santos era o Rev. Marcos Amaral, que presidia o Presbitério de Jacarepaguá e o Sínodo da Guanabara da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).
De tanto andar com um bruxo, Amaral se comportou como bruxo quando Marco Feliciano foi eleito para presidir a Comissão de Direitos Humanos na Câmara dos Deputados em 2013. Na época, Amaral disse que desejava que Feliciano tivesse um derrame.
Numa sociedade afetada pelo socialismo, onde o bandido vira “vítima” e a verdadeira vítima vira “bandido,” é perfeitamente natural que líderes do candomblé sejam vistos como “vítimas.”
Na estratégia de pintar as religiões afro-brasileiras como vítimas, foi lançado o game “A Gata sob o Ojá,” onde o jogador controla uma gata adepta do candomblé, que tem de enfrentar todo tipo de preconceito dentro de um vagão de metrô. Ao jogador, cabe escolher a resposta adequada para cada ataque de preconceito.
O jogo foi adaptado de um jogo sobre “islamofobia,” onde o islamismo é tratado como “vítima” de preconceito.
O jogo original se chama The Cat in the Hijab, criado pelo designer norte americano Andrew Wang, e trata de conscientizar os jogadores contra a “islamofobia.”
O jogo foi lançado perto do Dia da Consciência Negra, para ajudar a combater o chamado “preconceito” contra as religiões afro-brasileiras.
A adaptação de um jogo sobre islamismo para um jogo sobre candomblé não é por acaso. No mundo real, o islamismo é gerador de grande violência e terrorismo. Só no mundo da fantasia de indivíduos adoecidos por ideologias é que o islamismo é pacífico, não faz mal e é vítima de preconceito e ódio de todos.
De forma semelhante, as religiões afro-brasileiras, que são bruxaria, geram um número grande de desgraças na vida das pessoas: extrema opressão espiritual, pedofilia, adultérios, assassinatos, prostituições, destruição de casamentos, famílias, desempregos, etc. Só no mundo da fantasia de indivíduos adoecidos por ideologias é que as religiões afro-brasileiras são pacíficas, não fazem mal e são vítimas de preconceito e ódio de todos.
Na verdade, os adeptos das duas religiões são oprimidos por demônios.
Nos Evangelhos, Jesus ajuda os oprimidos expulsando seus demônios.
Uma instituição evangélica que doa 11 mil reais para um terreiro de candomblé ou mesquita islâmica, em vez de pregar o Evangelho para seus oprimidos e expulsar seus demônios, contribui para sua própria apostasia e a disseminação de violência e opressão demoníaca.
Com informações do CenBrasil e G1.
Leitura recomendada:

6 comentários :

Thel Araújo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pastor J B Lara disse...

Concordo com a colocação de Julio Severo. Shalom.

Alexandre Costa disse...

Ainda existe alguma instituição séria no Rio?

IGREJA PAZ COM CRISTO disse...

Misericórdia...Jesus tenho compaixão de nos

Leo Nardus disse...

Desde quando Satã tem algo com a igreja?

TEREZINHA RODRIGUES DO NASCIMENTO disse...

ECUMENISMO!!!