4 de novembro de 2017

Cresce nos EUA número de evangélicos esquerdistas que abandonam o rótulo de evangélico


Cresce nos EUA número de evangélicos esquerdistas que abandonam o rótulo de evangélico

Evangélicos esquerdistas criticam a associação da fé evangélica com o conservadorismo

Julio Severo
Um crescente número de evangélicos americanos está abandonando o rótulo de evangélico para se distanciar do conservadorismo evangélico.
Tony Campolo, pastor progressista e fundador do movimento “Red Letter Christians” (Cristãos da Letra Vermelha), também tomou essa decisão. Em entrevista recente ao site Premier Christianity, o conselheiro espiritual do ex-presidente esquerdista Bill Clinton afirmou que muitas conotações negativas foram atribuídas ao termo, principalmente entre não cristãos.
— Sentimo-nos desconfortáveis em nos chamarmos como evangélicos, porque o público em geral supõe coisas sobre nós que não são verdadeiras — afirmou Campolo. — Não somos favoráveis à pena de morte, não somos a favor da guerra, não odiamos gays e não somos antifeministas.
Originalmente, o termo “evangélico” foi usado pela primeira vez por Lutero e os luteranos para se referir às igrejas que abandonaram o catolicismo para seguir o Evangelho. O termo abrange não só denominações antigas e centenárias, como a luterana, a metodista e outras, mas também novas denominações.
A preocupação dos evangélicos esquerdistas americanos é que pelo fato de que a vitória de Donald Trump aconteceu principalmente graças aos evangélicos a população em geral identifique todo evangélico como conservador e apoiador de Trump — embora nem sempre Trump respeite os evangélicos conservadores que o elegeram. Na data de 500 anos da Reforma protestante, Trump deu de ombros e preferiu celebrar o Dia da Bruxas.
Para Christopher Stroop, um ex-evangélico que agora critica as igrejas evangélicas, a eleição de Trump e as políticas implementadas após sua posse estão contribuindo para os evangélicos esquerdistas abandonarem o rótulo “evangélico.”
Por pressão dos evangélicos conservadores, Trump tem assumido posturas sobre o aborto e agenda gay que, em muitos pontos, contrariam as posições dos esquerdistas em geral e dos esquerdistas evangélicos em particular.
Com informações de O Globo.
Leitura recomendada:

5 comentários :

  1. Deu vontade de vomitar, cristão e esquerdista são autoexcludentes, um não tem nada a ver com o outro.
    É mister que isso aconteça para que o joio e o trigo seja manifestado diante da própria igreja, engana-se quem quiser com esses filhos do Cão. É simples: meteu-se com socialismo/comunismo é falso cristão, não presta, não vale um centavo.

    ResponderExcluir
  2. Como já foi respondido em uma outra postagem, essas pessoas são cristãos nominais, ou seja, sem nenhum compromisso com o evangelho,essas pessoas estão mais preocupadas em agradar o mundo.

    ResponderExcluir
  3. Pelo menos eles assumiram e abandonaram a pele de cordeiro (I Cor 11:19).

    ResponderExcluir
  4. Verdade, irmãos Alexandre e Jorge.
    O Diabo parece que está fazendo questão de revelar quem são seus servos dentro da igreja desses últimos dias.

    ResponderExcluir
  5. Que triste! Evangélicos com vergonha de Cristo. Mas sabemos que tudo isso é em prol de uma ideologia satânica, a maioria deles só são cristãos nominais mesmo. Fim dos tempos irmãos.

    ResponderExcluir

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.