17 de outubro de 2017

Comunismo deixa “rastro de cadáveres” por onde quer que passe


Comunismo deixa “rastro de cadáveres” por onde quer que passe

Mortandade ocorre “porque aplicaram do jeito certo,” avisa professor

Faculdade grátis, assistência médica grátis e níveis de renda definidos pelo governo são noções cada vez mais populares entre políticos esquerdistas nos Estados Unidos, mas eles estão também provocando preocupações de que alguns dos princípios básicos do comunismo estão vivos e saudáveis nos Estados Unidos.
Este mês marca 100 anos desde a Revolução Bolchevique na Rússia que levou à criação da União Soviética e ao assassinato de dezenas de milhões de pessoas. Depois de um século de horrores econômicos e humanitários, a adoção crescente de princípios socialistas e comunistas nas esferas políticas e econômicas é evidente.
Mas por que essas ideias ainda são populares considerando o histórico do comunismo de fracasso sangrento?
“Educação, educação, educação. Ou talvez eu devesse dizer má educação, má educação, má educação ou ignorância, ignorância, ignorância. De certo modo, condizem,” disse Paul Kengor, que é professor de ciências políticas na Faculdade Grove City e autor do livro “The Politically Incorrect Guide to Communism: The Killingest Idea Ever” (Guia Politicamente Incorreto do Comunismo: A Ideia Mais Assassina que Já Existiu).
“Essa é a consequência de nossas escolas públicas desde o pré-ensino e principalmente nossas universidades que não ensinam às pessoas acerca dos horrores do comunismo,” disse Kengor.
Ele diz que as instituições acadêmicas de todos os níveis estão cometendo erro ao não conscientizar acerca das atrocidades dos 100 anos passados.
“Estão fazendo um trabalho excelente ensinando os males do nazismo e fascismo. Mas no aniversário de 100 anos do bolchevismo e da revolução comunista, que é o que é agora em outubro de 2017, todos deveriam estar em condições de dizer: ‘Oh, sim, mataram cem milhões de pessoas, né?’” disse Kengor.
Kengor diz que os pais precisam parar de enviar seus filhos para escolas caras onde seus filhos são doutrinados por radicais da revolução sexual da década de 1960 que têm simpatia pelo comunismo.
“Se Joãozinho e Aninha, que passaram os primeiros 18 anos de sua vida aprendendo com você as coisas certas e então você os envia para uma faculdade secular, esse asilo esquerdista de loucos, e entregou vinte a trinta a quarenta mil dólares por ano das economias de sua vida e na época de Natal voltaram com suas próprias definições de casamento e sexo e dizendo a você por que você é fascista por não apoiar o governo financiando clínicas de aborto, você ajudou a tornar isso possível. Você não deveria enviar seus filhos a essas faculdades,” disse Kengor. 
Ele diz que enviar conscientemente os próprios filhos às escolas para adotar ideias socialistas e comunistas é fazer exatamente o que radicais como Lênin queriam.
“As faculdades são centros acadêmicos de doutrinação, e se você envia seus filhos a essas faculdades, você vai pagar para destruir a mente deles.
“Vladimir Lênin disse, e cito isso no livro, ‘Dê-me quatro anos com uma criança e a semente que eu plantar nunca será removida,’” disse Kengor.
No livro, Kengor diz que a educação sobre o comunismo nas escolas americanas é tão ruim que uma pesquisa realizada alguns anos atrás mostrou que aproximadamente 25 por cento dos americanos achavam que George W. Bush matou mais pessoas do que Josef Stálin.
Ele aponta que a mortandade que Stálin cometeu foi maior do que a de Adolf Hitler.
“Tenho certeza de que a vasta maioria dos americanos acha que Hitler matou mais pessoas do que Stálin, quando aliás Stálin matou — por alguns relatos, inclusive Alexander Yakovlev — ele disse que Stálin matou entre 60 e 70 milhões de pessoas. Hitler matou cerca de 10 milhões.
“Stálin não é o maior assassino. Mao é,” disse Kengor se referindo ao déspota comunista chinês Mao Tsetung.
“Essa é uma ideologia perigosa e assustadora. As pessoas não sabem disso porque não as estamos conscientizando,” acrescentou Kengor.
Defensores do marxismo e comunismo indicam que líderes maus são responsáveis pelo genocídio, não a ideologia em si. Kengor diz que o registro é claro.
“As pessoas têm aplicado o comunismo da forma correta. O resultado final é isso. Que outra ideologia ou sistema foi tentado por tantas pessoas diferentes em todos os continentes e em todos os grupos étnicos e nacionais diferentes, mas em todo lugar que vai leva a um rastro de cadáveres,” disse Kengor.
Ele diz que o genocídio é um aspecto necessário do comunismo, e a prova está bem ali no “Manifesto Comunista” de Karl Marx e Friedrich Engels.
“Como os próprios Marx e Engles disseram: ‘O despotismo evidentemente será necessário para implementar isso,’” disse Kengor.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Communism leaves 'trail of corpses' wherever it goes
Leitura recomendada:
Ronald Reagan: um exemplo cristão contra o comunismo
Postar um comentário