30 de setembro de 2017

Museu com exposição onde crianças tocam homem nu é financiado pelo Itaú via Lei Rouanet


Museu com exposição onde crianças tocam homem nu é financiado pelo Itaú via Lei Rouanet

Marcelo Faria
O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) – local da exposição onde crianças podem tocar um homem nu – foi financiado com o dinheiro dos pagadores de impostos por meio da Lei Rouanet. O principal “incentivador” do museu no ano de 2017 – a empresa que capta os impostos estatais dos seus clientes para destinar aos projetos aprovados pelo governo – é o Banco Itaú. Além de financiador, uma de suas herdeiras do banco, Maria de Lourdes Egydio Villela – a “Milu Villela” – é presidente do MAM.
De acordo com os dados do Salic, o MAM captou em 2017 um total de R$ 6.477.359,00. Deste montante, R$ 4.000.000,00 (61,75% do total) foram destinados pelo Itaú, sendo R$ 3.500.000,00 por meio de diversas empresas (Cia Itaú Securitizadora, Itaú Administradora de Consórcios, Itaú Vida e Previdência) e R$ 500.000,00 por sócios e acionistas do banco: Alfredo Egydio Arruda Villela Filho (principal acionista do Itaú, R$ 50 mil), Helio Seibel (sócio-diretor da Duratex, controlada pelo Itaú, R$ 50 mil), Israel Vainboim (ex-executivo do Unibanco, o qual se fundiu com o Itaú em 2008, R$ 50 mil), Jean Marc Robert Nogueira Baptista Etlin (vice-presidente do Itaú BBA, R$ 50 mil), Maria de Lourdes Egydio Villela (presidente do MAM, R$ 50 mil), Paulo Egydio Setúbal (sócio e herdadeiro do Itaú, R$ 50 mil), Salo Davi Seibel (presidente do conselho da Duratex, controlada pelo Itaú, R$ 50 mil), Sérgio Ribeiro da Costa Werlang (diretor-geral do Itaú, R$ 50 mil), além da Cia E. Johnson de Participações, a qual reúne os quatro sócios do Itaú (R$ 50 mil), e da Companhia Ligna de Investimentos, a qual reúne os irmãos Seibel (R$ 50 mil).
A Lei Rouanet permite que empresas destinem o dinheiro dos pagadores de impostos – aqueles que efetivamente pagaram pelos produtos e serviços – para projetos escolhidos a dedo pelo governo. De acordo com dados do Ministério da Cultura, mais de 14 bilhões de reais dos pagadores de impostos foram destinados aos projetos escolhidos pelo governo desde que a lei foi criada.
Os apoios à extinção da Lei Rouanet continuam abertos e podem ser feitos por meio deste link.
Fonte: ILISP
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Postar um comentário