13 de setembro de 2017

A verdade tenebrosa sobre o envolvimento da Princesa Diana com o ocultismo


A verdade tenebrosa sobre o envolvimento da Princesa Diana com o ocultismo

Charles Gardner/ASSIST News Service
Em meio à propaganda espalhafatosa e nostalgia por causa do aniversário de 20 anos da morte trágica de Diana, a Princesa de Gales, sinto o dever de apontar algo que indivíduos politicamente corretos acham que é proibido mencionar, embora não seja um problema óbvio para todos, pois poucos na grande mídia biblicamente analfabeta estão conscientes de sua seriedade.
Princesa Diana
Bem recordo a preocupação que senti no verão de 1997 quando foi noticiado que Diana e seu amante, Dodi Al Fayed, estavam visitando uma médium espírita em Derbyshire, Inglaterra. Eles chegaram de helicóptero e havia muita cobertura da imprensa, como sempre era o caso quando a tão chamada “Dama de Copas” estava envolvida.
O acidente de carro em Paris em que o casal foi morto só duas semanas depois desse encontro mortal em Derbyshire deveria ter servido de aviso para milhões de outros que se envolvem no mundo tenebroso do ocultismo. Explicarei o que quero dizer com “encontro mortal” no momento oportuno.
Enquanto isso, Mohamed, o pai de Dodi, inventou uma teoria de conspiração bizarra em torno da tragédia — afirmando que foi um assassinato planejado pelo Palácio de Buckingham e pelo MI6 a fim de lidar com a suposta incompatibilidade de um possível parceiro muçulmano com uma mulher da realeza. Outros culparam os fotógrafos independentes perseguidores por causar o acidente enquanto um “chofer” aparentemente bêbado estava dirigindo a 100km/h para escapar deles.
Em retrospectiva, a maior parte da mídia pinta um quadro lustroso de Diana como uma vítima trágica de muito mal-entendido — e de fato ela foi: uma mulher bela rejeitada por seu marido, sua insegurança que a levou a buscar amor nos lugares errados. Sim, muito parecido com muitos casos em nossa época. Daí, a grande emoção e tristeza enquanto milhões, inclusive eu mesmo, podem se identificar com ela. (Aliás, a evidência de minha árvore genealógica chega a indicar uma conexão ancestral com os Spencers, a família de Diana).
Enquanto é certo e apropriado estender compaixão a William e Harry, filhos de Diana, por causa de sua perda triste de uma mãe evidentemente maravilhosa, foi animador obter uma perspectiva de certo modo diferente de Dominic Lawson, colunista do jornal britânico DailyMail, que revelou que a princesa havia desprezado seu conselho de ficar longe dos Fayeds.
Nas próprias palavras de Dominic, Mohamed Fayed não era “nada, a não ser problemas,” citando como exemplo “a natureza quase venenosamente polêmica do egípcio (então dono da famosa loja inglesa de departamentos Harrods) e o fato de que tendo sido condenado oito anos antes num relatório de 752 páginas do Ministério do Comércio como mentiroso e fantasiador serial, ele não era um anfitrião de feriados adequado para ela ou seus filhos.”
Mais grave ainda foi o desprezo dela aos avisos dados na Palavra de Deus, a Bíblia, descritos como “a coisa mais valiosa que este mundo proporciona” na coroação da rainha. Avisos contra consultar médiuns são repetidos em toda a Bíblia na qual a democracia ocidental — e a monarquia inglesa — foi construída, tais como: “Não vos voltareis para os que consultam os mortos nem para os feiticeiros; não os busqueis para não ficardes contaminados por eles. Eu sou o Senhor vosso Deus.” (Levítico 19:31 King James Atualizada) Veja também Levítico 20:27, onde a morte é a consequência, e Deuteronômio 18:11, onde é descrita como “detestável.” E em 1 Crônicas 10:13, vemos que foi em parte a causa da morte do rei Saul.
O Novo Testamento contém uma passagem mais iluminadora sobre o assunto, que envolvia uma vidente que ganhava muito dinheiro para seus donos. Ela seguiu os discípulos, gritando: “São servos do Deus Altíssimo estes homens que vos anunciam um caminho de salvação” (Atos 16:17b King James Atualizada). Ela manteve isso por muitos dias até São Paulo ficar tão irritado que ele ordenou que o espírito saísse dela “no nome de Jesus Cristo” (Atos 16:18b). Saiu, e esse foi o fim do negócio dos donos dela.
O que é interessante é que ela realmente disse a verdade. Mas o diabo também sabe quem é Jesus. O problema era que ela não estava servindo a Deus, mas ao diabo. Ela estava escravizada pelo maligno e a liberdade dela trouxe problemas — e cadeia — para Paulo e seu companheiro, Silas, porque uma profissão mentirosa lucrativa baseada numa atividade proibida havia sido parada. As autoridades ficaram do lado dos donos das práticas ocultas, exatamente como muitas vezes acontece hoje. Será que a razão disso é que ao que tudo indica está havendo pouco esforço para impedir os festivais de sexo pervertido que ocorrem na cidade de Kent, apesar dos protestos dos vizinhos? Um desses festivais, na floresta perto de Tunbridge Wells, foi anunciado como uma chance para os hedonistas “cumprirem fantasias num local místico onde encontros de bruxas ocorrem há séculos.”
A promiscuidade sexual e o ocultismo andam de mãos dadas. O ocultismo em todas as suas formas — e isso inclui horóscopos — pode ser agrupado sob o tópico geral de bruxaria. É demoníaco, enganoso e desastroso.
De acordo com o jornal Derby Telegraph, a visita de Diana à médium Rita Rogers na cidade de Lower Pilsley não foi a única, pois ela mantinha contato regular com a médium. Ao que tudo indica, Rita avisou Dodi para evitar a França por medo de um acidente num túnel e havia antes predito Diana se encontrando com um homem com a inicial D na água (elas haviam se encontrado no iate dele).
Então possivelmente havia elementos de verdade que atraíram Diana e seu amante numa armadilha mortal. É nisso que o envolvimento no ocultismo leva, e por que ingleses inocentes precisam se precaver para evitar isso e em vez disso seguir a verdade bela personificada em Jesus, que disse: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6 King James Atualizada).
Adivinhação escraviza você porque amarra você ao curso ditado por qualquer “revelação” que tenha supostamente sido dada, em vez de lhe dar a liberdade de fazer suas próprias decisões e confiar em Deus para dirigir você em suas “veredas de justiça” (Salmo 23:3).
É claro que não posso dizer com certeza se Diana chegou a ler as passagens que citei ou se ela estava ciente delas. Mas a Bíblia é a Palavra de Deus para nós. Não é só um livro de história. Contém uma vasta amplitude de conselhos e sabedoria sobre como viver nossas vidas. Ignorância no dia em que tivermos de dar contas de nossas vidas não será desculpa (2 Coríntios 5.10).
O cumprimento de muitas profecias antigas, principalmente as profecias com relação à vinda do Messias Jesus bem como o reagrupamento extraordinário mais recente dos judeus em sua terra prometida de todos os cantos do globo é certamente prova suficiente de que dá para se confiar na Bíblia totalmente.
A profecia — a proclamação da vontade, caminhos e propósito de Deus — é uma coisa. Consultar médiuns é bem diferente, uma atividade estritamente proibida pelo Senhor. É sobre buscar conhecimento secreto a fim de se sentir em controle aprofundando-se num futuro que Deus escolheu não revelar. Ele quer que vivamos pela fé — isto é, confiando nele acerca de nossas necessidades diárias. “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11:6). Não cabe a nós saber precisamente o que está a frente (veja Deuteronômio 29:29).
Envolvimento com as trevas convidará todos os tipos de problemas a entrar em nossas vidas. Deus quer que vivamos na luz, e Ele nos mostrou o caminho perfeito enviando Jesus, Seu Filho, “a luz do mundo” (João 8:12).
Uma das passagens mais famosas da Bíblia é precedida alguns versículos antes por esta pergunta: “Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? Acaso a favor dos vivos consultará os mortos?” (Isaías 8.19). Esse tipo de consulta leva só à angústia, trevas e melancolia medonha (veja Isaías 8:22).
Apesar disso… “O povo que andava em trevas viu uma grande luz… Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu… e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz.” (Isaías 9.1-6)
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da revista Charisma: The Dark Truth About Princess Diana’s Dabbling in the Occult
Leitura recomendada sobre astrologia e ocultismo:

Um comentário :

ISAAC PINHO disse...

SHALOM, UM CASO MUITO FAMOSO NA BÍBLIA DE UM REI(SAUL) QUE ENTROU POR ESSES CAMINHOS CUMINOU COM SEU SUÍCIDIO. DEVEMOS TER MUITO CUIDADO COM AS FORMAS DE OCULTISMO QUE ENCOBERTAMENTE TEM SIDO INTRODUZIDAS NAS IGREJAS.