13 de junho de 2017

Trump deportando cristãos para o Iraque para enfrentarem morticínio


Trump deportando cristãos para o Iraque para enfrentarem morticínio

Leo Hohmann
Os cristãos caldeus na cidade de Sterling Heights estão lutando, há mais de um ano, contra um projeto de construção de uma mega-mesquita numa área residencial em que eles vivem. Agora, até 200 membros de suas famílias estão para ser deportados pelo governo Trump.
Mais de 100 cristãos iraquianos foram cercados e capturados na noite de domingo em batidas da polícia federal em Michigan e logo serão deportados para o Iraque, onde enfrentam um destino incerto num país em que os cristãos estão marcados para morrer num genocídio realizado pelo ISIS e outros grupos islâmicos.
As batidas foram conduzidas pela Polícia de Imigração e Alfândega, ou ICE. Os agentes do ICE apareceram sem aviso nos lares dos cristãos caldeus em Sterling Heights, Michigan.
A maioria dos que foram detidos era residente legal nos EUA, alguns tendo passado a maior parte de suas vidas nos EUA.
Nathan Kalasho, presidente de uma escola independente de orientação caldeia em Madison Heights, disse que muitos dos caldeus visados para deportação para o Iraque estão tão americanizados que eles nem falam árabe. Ele disse que as mais de 100 pessoas cercadas e capturadas estão entre as idades de 25 a 70.
Ele disse que a maioria da comunidade caldeia de Michigan votou em Donald Trump na eleição presidencial do ano passado, achando que ele protegeria a eles e suas famílias que ficaram no Oriente Médio.
Numa entrevista de junho de 2015 com David Brody, correspondente da CBN News (Noticiário da Rede de Televisão Cristã), o candidato Trump se gabou: “Serei o maior representante dos cristãos que eles já tiveram num longo tempo.”
Ele disse para Brody que ele estava “indignado” que tantos cristãos estavam presos na Síria e Iraque ainda que eles queiram ir para os Estados Unidos.
Por esse motivo, Kalasho disse que muitos dos católicos caldeus em Michigan votaram em Trump, ainda que o Papa Francisco estivesse contra Trump.
“Depois da Guerra do Iraque, grande parte da comunidade cristã caldeia se desligou completamente da política ou pelo menos foi privada, pelo Partido Republicano, do direito de votar,” Kalasho disse, citando a derrubada de Saddam Hussein, que protegia a comunidade cristã no Iraque. Quando Saddam foi removido pelo ex-presidente George W. Bush, uma fúria infernal foi desencadeada contra os cristãos — seus padres foram sequestrados, suas igrejas destruídas a fogo e muitos de seus membros fugiram de seus lares, e eles eram degolados ou fuzilados se não se convertessem ao islamismo.
“Mas eles começaram a mostrar seu apoio a Trump quando ele adotou uma abordagem de linha dura contra o ISIS e a situação no Iraque,” Kalasho disse. “Muitos deles hoje se sentem desapontados e angustiados. Eu vejo isso como traição.”
Traduzido e condensado do original em inglês do WND (WorldNetDaily): U.S. sending Christians back to Iraq to face 'slaughter'
Leitura recomendada:

4 comentários :

Eliseu Antonio Gomes disse...

Você pode considerar que eu estou errado no meu modo de pensar e crer. E até pode declarar, publicamente, que considera meu ponto de vista equivocado.

Qual é meu pensamento a respeito desta situação, apresentada neste artigo? Acredito na soberania de Deus sobre todos e em todas as situações. Ele usa quem quer e da maneira que quiser. Desde o mais pobre do país menor e mais humilde deste planeta até a pessoa mais rica no país mais poderoso da Terra.

Em se tratando de Trump, por mais louco que pareça, apesar das atitudes drásticas que vem tomando e surpreendendo a todos, vejo-o como um Ciro do século 21 (o monarca pagão usado por Deus e denominado "pastor" numa profecia de Isaías).

Olhemos para esse povo que retorna contra a própria vontade para a terra natal como enviados por Deus. Sim, apesar dos problemas que encontrarão lá, acima deles existe a Mão Amiga do Pai celestial, que os usará para evangelizar seus concidadãos. Penso que por causa dessa volta forçada, a luz de Jesus que reflete através deles brilhará mais forte entre os radicais muçulmanos e muitos se converterão ao Senhor.

Com isso, eu não estou dando meu apoio aos mandos e desmandos de Trump, apenas digo que a soberania entra em ação segundo a direção e intensidade que apraz ao Criador.

É isso. Abraço.

Eliseu Antonio Gomes | https://belverede.blogspot.com.br

Jorge Santos disse...

Quando Paulo foi ligado ele sabia do seu triste fim. Mas foi e obedeceu a Deus.

Marcelo Victor disse...

O bom filho à casa torna.

Carlos Seino disse...

Júlio.

Compartilhei essa matéria no face e muitos questionam a autenticidade da fonte.

Além do que questionararm a possibilidade de alguém, mrsmo legalmente, poder ser deportado (a matéria diz quesão imigrantes legalizados e que nem falam mais árabe). Seria possível deportar alguém legalizado?