4 de maio de 2017

Presidente palestino Mahmoud Abbas na Casa Branca, a convite de Trump


Presidente palestino Mahmoud Abbas na Casa Branca, a convite de Trump

Julio Severo
O presidente palestino Mahmoud Abbas se encontrou com o presidente americano Donald Trump na Casa Branca na quarta-feira. Ele está em Washington numa visita de três dias a convite de Trump.
Falando na Casa Branca, Trump disse que espera que Abbas volte a Washington para assinar um acordo de paz.
Numa coletiva de imprensa conjunta com Trump, Abbas disse que “se deus quiser, estamos avançando para uma nova oportunidade para a paz,” acrescentando que é hora de os judeus desocuparem terras de Israel que os palestinos reivindicam para si.
O esforço de Trump visa alcançar uma solução de dois Estados entre israelenses e palestinos. Mas como apontou em seu livro “The Israeli Solution: A One-State Plan for Peace in the Middle East” (A Solução Israelense: Um Plano de Um Estado para a Paz no Oriente Médio) a escritora israelense Caroline Glick:
“Ironicamente, a solução de dois Estados está entre as políticas mais irracionais e fracassadas que os Estados Unidos já adotaram. Nos noventa anos passados, tentou-se a solução de dois Estados mais de dez vezes, e fracassou de forma desastrosa em cada uma dessas vezes. Entre 1970 e 2013, os Estados Unidos apresentaram nove diferentes planos de paz para Israel e os palestinos, todos com base na solução de dois Estados — e nos vinte anos passados, a solução de dois Estados tem sido o coração da política dos EUA para o Oriente Médio.”
Convidar um líder palestino na Casa Branca é uma atitude que os evangélicos, que apoiam Israel e apoiaram majoritariamente Trump, esperariam de Obama e outros presidentes esquerdistas. Essa atitude é esperada do Vaticano, que segue a Teologia da Substituição e é tradicionalmente hostil a Israel. É também esperada do governo russo, influenciado pela Igreja Ortodoxa, que igualmente segue a Teologia da Substituição e é tradicionalmente hostil a Israel.
O presidente conservador americano Ronald Reagan nunca teria convidado Abbas para a Casa Branca. Aliás, Reagan nunca convidou o líder dos palestinos para nada e ameaçou boicotar sua presença até mesmo na ONU.
Além de ter convidado Abbas para a Casa Branca, Trump deu outro grande brinde para os palestinos. Embora o Departamento de Estado tenha anunciado um corte de assistência para vários países no mundo inteiro, para a Autoridade Palestina o governo de Trump prometeu aumentar os investimentos.
O choque não é maior porque Trump não tem histórico conservador. Mas considerando que ele tem vários assessores evangélicos, é de esperar que em algum momento ele consiga ouvir um deles e mudar o curso de seu governo.
Não dá para se ter paz negociando com terroristas. Isso Reagan sabia. Trump também precisa entender isso.
Com informações do jornal israelense Haaretz.
Leitura recomendada:

5 comentários :

O Sousa da Ponte - João Melo de Sousa disse...

Isto chama-se realpolik.

Hoje Trump anunciou que vai visitar Israel e a Arábia Saudita. Os velhos e fiáveis aliados dos EUA.
Vai também ao Vaticano.

Já não é o candidato mas o presidente da maior potência do mundo.

Tenho alguma fé que com o espírito pragmático que tem a livre de ideologias até consiga uma Boa solução para o conflito Israel árabe.

Uma solução de três Estados : Israel, uma palestina do hezbollah e outra do Hamas até teria pernas para andar.

A ver vamos.

Jorge Santos disse...

Impossível. Todos querem Jerusalém.

Leony disse...

Essa "paz" não tem condições de ocorrer...biblicamente (ou seja, historicamente falando) esse povo sempre foi inimigo de Israel, sempre conspirando, ameaçando e atacando. Israel vai ser pisada pelos gentios somente até quando Deus permitir, depois:

"Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o restante do povo não será extirpado da cidade.
3 E o Senhor sairá, e pelejará contra estas nações, como pelejou, sim, no dia da batalha.
4 E naquele dia estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele para o sul.

Matheus Severo disse...

Bom dia Júlio Severo! Deus te abençoe e proteja!

Desculpa a critica, mas acho que você se preocupa muitos mais com os conflitos existentes pelo mundo, de que com a possível ditadura comunista que em nosso país está a um passo de acontecer.
Eu mesmo já perdi toda e qualquer esperança do Brasil melhorar. A podridão está nos três poderes, não temos a quem apelar. Nem nas Forças Armadas, eu confio!
Só tem um homem lutando - Sérgio Moro - contra uma Organização Criminosa dividida em três facções: Legislativo, Executivo e Judiciário.
Você deveria ficar de olho na podridão que se tornou o Brasil. Pedi a Deus em suas orações para nos orientarmos. Pedi que Jesus Cristo não nos abandone. Porque comunismo é coisa do demônio - e temos um papa comunista, embora para mim o verdadeiro Papa seja Bento XVI.

Lúcio Amorim

Paulo Vitor Lima Bonifácio disse...

Quando que você vai aceitar que o atual Estado de Israel secularista, que apoia aborto e casamento gay e fundado com o apoio da União Soviética nada tem a ver com o Reino de Israel do Antigo Testamento, do Rei Davi e o Rei Salomão?