19 de maio de 2017

Nova Lei de Migração abre fronteiras do Brasil para a invasão islâmica e tráfico de drogas?


Nova Lei de Migração abre fronteiras do Brasil para a invasão islâmica e tráfico de drogas?

Julio Severo
Os conservadores brasileiros estão expressando preocupação que o Brasil esteja enfrentando a ameaça da islamização com sua Nova Lei de Migração, aprovada pelo Senado e enviada para sanção presidencial. Essa lei segue a deterioração do panorama político do Brasil com sua corrupção endêmica.
Durante uma conferência islâmica em Chicago nos EUA em 2008, um imam muçulmano descreveu como o Brasil se tornaria uma nação islâmica dentro de 50 anos. Ainda que os EUA e principalmente a Europa estejam enfrentando um influxo em massa de muçulmanos e sua religião destrutiva, por que o Brasil seria de interesse para os muçulmanos?
Em 2014 a Turquia realizou uma cúpula islâmica com o comparecimento de 76 líderes islâmicos de 40 países. A América Latina foi representada pelo Brasil, Venezuela, Argentina, Chile, México, Suriname, Uruguai, Paraguai, Nicarágua, Panamá, Colômbia, Bolívia, República Dominicana, Guiana, Equador, Jamaica e Haiti. A Turquia é a única nação islâmica na OTAN e um aliado dos EUA que é, conforme noticiado pelo site conservador WND (WorldNetDaily), “talvez a maior base da al-Qaeda no mundo.”
Na cúpula, Recep Tayyip Erdogan disse que marinheiros islâmicos descobriram o Novo Mundo em 1178. Ele disse: “Os muçulmanos descobriram a América em 1178, não Cristóvão Colombo.”
Ele e outros líderes islâmicos querem a América Latina.
O Brasil tem sido de interesse porque é maior do que os EUA sem o Alaska e é uma usina de força da América do Sul não só devido ao seu tamanho, mas também devido ao tamanho de sua economia e influência. Diz-se que a América do Sul segue o Brasil. De fato.
O contato do Brasil com o radicalismo islâmico não é novo.
Durante o governo militar, o Brasil abriu o primeiro escritório diplomático da OLP, a Organização para a Libertação da Palestina, uma organização terrorista islâmica, em 1979. Além disso, o governo militar era um proeminente vendedor de armas para nações islâmicas no Oriente Médio.
Na década passada, o governo socialista de Lula ajudou a financiar a Autoridade Palestina.
Mais recentemente, o prefeito de São Paulo, João Doria, social democrata, vendeu ações municipais com a desculpa de querer melhorar os serviços. Aonde foi que ele foi anunciá-las? Nos países do Golfo Pérsico. Ele é um forte candidato presidencial para as eleições do próximo ano.
As expectativas não são boas, mas o mau exemplo brasileiro não tem sido pior do que o mau exemplo americano. Sob o presidente Donald Trump, o governo dos EUA aumentou seu financiamento à Autoridade Palestina e a CIA premiou Arábia Saudita, que é o principal patrocinador do terrorismo islâmico mundial, por combater o “terrorismo islâmico.”
Se a América do Sul imita o Brasil, o Brasil imita os EUA.
A maior parte da Esquerda no Brasil é antissemita, anti-Israel e pró-palestinos. Adicione a essa equação o fato de que a Esquerda brasileira ama a paixão cega da Esquerda americana pelo islamismo. Pelo fato de que o Brasil é a maior nação católica do mundo, adicione também a animosidade inerente e histórica das tradições e costumes católicos contra os judeus e Israel, e o resultado é uma receita perfeita para os esquerdistas abrirem as portas brasileiras para os muçulmanos.
Desde o final da década de 1990 Arábia Saudita vem apoiando a construção de mesquitas e madrassas no Brasil, ainda que o número de muçulmanos permaneça pequeno (registros oficiais mencionam menos de 100.000 enquanto líderes islâmicos mencionam dois milhões).
A Arábia Saudita é o principal aliado islâmico dos Estados Unidos no Oriente Médio, e essa aliança tem facilitado a expansão saudita de uma forma radical de islamismo, inclusive no Brasil.
Tem havido um aumento no número de visitas de líderes islâmicos para autoridades governamentais em nível municipal, estadual e federal no Brasil. Tem havido também uma atividade crescente envolvendo a segurança pública, inclusive a prisão de vários muçulmanos acusados de conspirações terroristas.
Mas o islamismo não tem feito um impacto na população local como seus líderes gostariam. O único jeito de haver um crescimento mais rápido é fomentando a imigração muçulmana ao Brasil. Tem havido um esforço concentrado unindo autoridades governamentais, ONGs (inclusive organizações americanas como a Fundação Ford, a Fundação Sociedade Aberta de George Soros, etc.), grupos cristãos e líderes islâmicos para abrir as portas para mais imigrantes e refugiados. Todos eles têm apoiado a Nova Lei de Migração, que tem sido criticada pelos conservadores brasileiros.
Por que grupos cristãos teriam interesse na imigração islâmica?
O escritor católico Cliff Kincaid disse: “De acordo com seu relatório financeiro para o ano de 2014, o ano mais recente com estatísticas disponíveis, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos recebeu mais de 79 milhões de dólares em verbas governamentais para fornecer benefícios para os refugiados.”
Ele acrescentou que o governo dos EUA deu mais de 1,5 bilhão de dólares para organizações católicas durante os dois anos passados.
Então grupos cristãos, principalmente a Igreja Católica, recebem milhões de dólares para facilitar invasão de imigrantes islâmicos nos EUA
Grupos cristãos no Brasil teriam interesses e lucros diferentes?
No Brasil, entre católicos, a instituição mais proeminente defendendo a Nova Lei de Migração é a poderosa tradicionalmente esquerdista Conferência Nacional dos Bispos Católicos do Brasil. Entre protestantes, a ANAJURE divulgou uma nota pública defendendo a nova lei.
A nota da ANAJURE não faz menção de cristãos ou Cristianismo e, considerando que seu diretor, Uziel Santana, visitou uma mesquita para uma reunião com líderes islâmicos e uma parceria com grupos muçulmanos, qual o interesse em sua defesa da Nova Lei de Migração?
Entretanto, a VINACC, que foi instrumental na fundação da ANAJURE, tem criticado fortemente a nova lei.
O senador Aloysio Nunes, que era um guerrilheiro comunista, hoje ministro das Relações Exteriores, é o autor da Nova Lei de Migração que, entre outras coisas, abre as fronteiras do Brasil.
Essa lei, em termos práticos, deixa a política migratória do Brasil nas mãos de organizações internacionais, principalmente a ONU, sem limitar o número de imigrantes que entram no Brasil. Como o ministro da Justiça disse: Pode haver mil, dez mil, cem mil, todos são bem-vindos. Acontece que o Brasil não tem condições de suprir as necessidades de seu povo, com dezenas de milhões vivendo na pobreza. Como conseguirá suprir as necessidades de “cem mil refugiados por ano”?
O Brasil está enfrentando confrontos do pior tipo. Uma crise de confiança, uma crise moral, uma crise econômica, desemprego com dezenas de milhões de pessoas desempregadas, a sobrecarga da previdência social, uma crise séria em seu sistema de saúde pública e uma carga pesada de impostos que impede a prosperidade econômica. Há 60.000 assassinatos por ano, 38.000 estupros e 7,6 milhões de armas ilegais cruzando as fronteiras brasileiras e um nível incontestável de crime organizado e traficantes de drogas.
Considerando que a União Europeia já expressou seu interesse de transferir os refugiados muçulmanos para fora da Europa, será que o Brasil está em perigo de se tornar o esgoto islâmico da União Europeia?
A Nova Lei de Migração facilitará as ambições islâmicas da Arábia Saudita e Turquia?
Com informações do site Israel, Islam and End Times.
Leitura recomendada:

12 comentários :

Savio Luan disse...

Agora sim, temos um motivo alarmante para se preocupar, se essa raça vier fazer morada aqui neste País, vamos estar fritos.

Marcelo disse...

Estou otimista. Em vez de mandarmos missionários aos países muçulmanos, Deus nos manda eles a nós. Aqui é Brasil - há liberdade de culto. O que acontecerá? Eles se converterão, muitos deles, 80% deles. Serão pentecostais.

Cicero disse...

Vamos fazer a nossa parte irmãos cristãos, apoiem e divulguem ao máximo o link abaixo pra que se torne lei no Senado a exclusão das leis islâmicas aqui!
http://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=69587

Flávio da Vitória disse...

Mas vão uma bagunça, matança, terrorismo. É isso que fazem na Europa.

Jorge Santos disse...

A experiência europeia mostra que alguns tem se convertido. Lá não se fala em números mas não citam conversões em massa. O Brasil é um país católico por isso acho difícil uma conversão em massa.

Luiz Junior disse...

Concordo com você Marcelo, o poder Islâmico nunca enfrentou o poder pentecostal. Vai haver um choque de poder no Brasil. O Espírito Santo é mais poderoso

Savio Luan disse...

Jorge, Mas o Cristianismo na Europa tem sido drasticamente diminuido.
Então, partindo desse pressuposto, como muitos poderiam está se convertendo na Europa?

Jorge Santos disse...

São poucos. Leia o que eu escrevi.

Savio Luan disse...

Ah sim, desculpe Jorge.
Existe alguma noticia falando sobre o assunto?

Flávio da Vitória disse...

https://m.oglobo.globo.com/sociedade/religiao/imigrantes-muculmanos-se-convertem-ao-cristianismo-na-alemanha-20616440

Mas é menoria, receber um monte de imigrantes aqui no Brasil vai gerar terror, não é a maioria que se converte, já é difícil converter brasileiros imagina árabes.

Jorge Santos disse...

Li em um site faz algum tempo. Se achar posto aqui.

Jorge Santos disse...

É essa a reportagem Sávio.