22 de abril de 2017

Trump virou marionete dos neocons?


Trump virou marionete dos neocons?

Scott Lively
A falsa bandeira síria foi o preço do presidente Trump para obter a confirmação do juiz Gorsuch no Supremo Tribunal dos EUA? E se foi, o Estado dentro do Estado transformou o novo presidente em sua marionete?
Scott Lively
Como mandam os pretextos para agressão ilegal contra outros países, o ataque de Trump na Síria é tão fraco e transparente quanto os pretextos — e suspeito que seja intencional. A coalizão McCain/Ryan/Obama/Bush conseguiu finalmente fazer Donald Trump segui-los, e eles querem que o mundo inteiro saiba disso. Minha suposição é que eles convenceram o presidente de que eles tinha a vontade e a capacidade de atrasar, sabotar ou derrotar todos os aspectos da agenda dele que dependiam de cooperação do Congresso, e a realidade é que a maior parte da agenda dele tinha essa dependência. A última dificuldade, parece, foi a confirmação de Gorsuch, e estou imaginando que colocar os EUA à beira do precipício da guerra nuclear foi o preço deles para passar por cima das dificuldades no processo de confirmar Gorsuch no Senado.
Posso estar errado sobre o que foi negociado, mas estou convencido de houve uma compensação e que foi de qualquer forma um mau negócio por causa das suas implicações.
Os meios de comunicação neocons estão repetindo o tema, como um raio de consolo, sobre como o ataque à Síria prova que Trump não está em comum acordo com a Rússia (maliciosamente reforçando a falsa suposição deles de que estar em acordo comum com a Rússia é uma coisa ruim enquanto parecem sinceramente defender Trump), e como esse ataque é um aviso para a Coreia do Norte de que os EUA falam sério com relação a confrontar o presidente vilão da Coreia do Norte (como se não houvesse muitos outros jeitos melhores de deixar isso claro).
Mas a realidade é que não há nenhum consolo no fato de que Trump abandonou sua promessa de buscar parceria global com a Rússia social e fiscalmente conservadora, porque sugere que as elites esquerdistas alcançaram a vitória e agora usarão sua máquina de guerra para criar tal clima de crise no mundo inteiro que o movimento populista e nacionalista permanecerá à margem na mente de uma população mundial cheia de preocupações. Não há nada como uma guerra mundial para justificar repressões de um Estado policial, e nada como propaganda de tempo de guerra para produzir pensamento conformista de grupo em grande escala numa população alvo.
Contudo, Trump poderia fazer o feitiço virar contra os feiticeiros, isto é, contra os neocons que controlam marionetes, e usam as crises para seus próprios objetivos, pedindo uma reunião de cúpula com a Rússia para evitar a guerra e finalmente ter um contexto no qual achar um denominador comum que favoreça as soluções conservadoras que os populistas e nacionalistas americanos o elegeram para seguir.
Para mim essa é uma encruzilhada em meu apoio ao presidente Trump, e presumo que seja o mesmo caso para um grande número dos eleitores que o elegeram. Se ele vai se sujeitar às políticas de guerra dos globalistas, os EUA caminharão em direção a um desastre de proporções potencialmente bíblicas. Permanecerei entre os apoiadores de Trump somente o tempo suficiente para ver se ele pode guiar tudo de volta para a estrada do conservadorismo, e estou orando fervorosamente para que ele crie a vontade e a determinação de fazer isso rapidamente, antes que tudo caia rapidamente no precipício.
Posso viver com o fracasso de cumprir a agenda de Trump enquanto ele continuar lutando arduamente por ela e mostrar ao público que a culpa é dos republicanos nominais que obstruem tudo. Os eleitores americanos conservadores podem derrotá-los nas próximas eleições. Não posso viver com concessões dos princípios básicos e visão que foram a parte principal de seu discurso de campanha.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Are those puppet strings I’m seeing on Trump?
Leitura recomendada:

Um comentário :

Savio Luan disse...

Trump é marionete não só dos neocons, mas como também dos Globalistas e dos Iluminattis.