7 de abril de 2017

Rússia é o primeiro país do mundo a reconhecer Jerusalém ocidental como capital de Israel


Rússia é o primeiro país do mundo a reconhecer Jerusalém ocidental como capital de Israel

Julio Severo
O Jerusalem Post, um dos jornais mais proeminentes de Israel, disse ontem que a Rússia anunciou que agora reconhece Jerusalém como a capital de Israel.
Nenhuma nação do mundo reconhece a Cidade Santa como a capital de Israel. Aliás, nenhuma nação do mundo reconhece parte alguma de Jerusalém como pertencente a Israel. Ainda que muitos presidentes dos EUA tenham prometido, em suas campanhas, fazer tal reconhecimento, nenhum deles pôde ou quis cumprir suas próprias promessas.
O mais recente prometedor, o presidente americano Donald Trump, estava antes de sua posse muito entusiasmado sobre mudar a embaixada americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Mas logo que foi empossado seu entusiasmo desapareceu. Hoje, ninguém no governo Trump fala sobre essa mudança, que poderia colocar em perigo a solução de dois estados, a qual de acordo com a analista histórica e política israelense Caroline Glick, tem sido o coração da política dos EUA para o Oriente Médio.
De acordo com o WND (WorldNetDaily), Glick disse:
“Ironicamente, a solução de dois Estados está entre as políticas mais irracionais e fracassadas que os Estados Unidos já adotaram. Nos noventa anos passados, tentou-se a solução de dois Estados mais de dez vezes, e fracassou de forma desastrosa em cada uma dessas vezes. Entre 1970 e 2013, os Estados Unidos apresentaram nove diferentes planos de paz para Israel e os palestinos, todos com base na solução de dois Estados — e nos vinte anos passados, a solução de dois Estados tem sido o coração da política dos EUA para o Oriente Médio.”
Presidentes americanos esquerdistas e direitistas têm seguido há décadas a solução fracassada de dois estados. Presidentes americanos conservadores e liberais têm há décadas prometido reconhecer Jerusalém como a capital de Israel…
E agora a Rússia sob o presidente Vladimir Putin foi a frente das muitas promessas americanas sobre Jerusalém sem, lamentavelmente, desrespeitar a tradicional solução fracassada de dois estados para Israel, fielmente seguida pelos EUA.
Até mesmo a promessa de Trump, se tivesse sido cumprida, de mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém constituiria reconhecer, de acordo com o Jerusalem Post, só Jerusalém ocidental, sem incluir Jerusalém oriental, como a capital de Israel.
A solução de dois estados para Israel e Jerusalém não é aceita por Deus e sua Palavra, a Bíblia. A solução de dois estados, como vista e planejada pelos EUA e Rússia, não é o que Deus quer.
É uma vergonha que os Estados Unidos, a nação mais protestante do mundo, não reconheça parte alguma de Jerusalém como a capital de Israel. A Rússia é a maior nação cristã ortodoxa do mundo e é compreensível que não tenha a visão evangélica sobre Israel e Jerusalém. O Brasil, a maior nação católica do mundo, não tem nenhum interesse em reconhecer parte alguma de Jerusalém como a capital de Israel. Mas os EUA, com seu belo legado evangélico, deveriam fazer mais do que a Rússia e o Brasil. Deveriam rejeitar totalmente a solução de dois estados e deveriam reconhecer Jerusalém inteira (ocidental e oriental) como a capital de Israel.
Lamentavelmente, a promessa não cumprida de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel era aplicável só a Jerusalém ocidental. Nesse aspecto, Putin o ultrapassou de forma grande.
A reportagem a seguir, escrita por Herb Keinon, é do Jerusalem Post:
A Rússia reconhece Jerusalém ocidental como capital de Israel, o Ministério das Relações Externas da Rússia declarou num anúncio surpreendente, obtido exclusivamente pelo The Jerusalem Post.
O anúncio chega num tempo em que o governo do presidente americano Donald Trump está se sentindo angustiado com a decisão de mudar ou não sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, uma mudança que equivaleria a reconhecer Jerusalém ocidental como a capital de Israel. Nenhum outro pais do mundo reconhece parte alguma de Jerusalém como capital de Israel.
A declaração emitida pelo Ministério das Relações Externas da Rússia diz: “Reafirmamos nosso compromisso para com os princípios aprovados pela ONU de um acordo palestino-israelense, que inclui a condição de Jerusalém oriental como a capital do futuro Estado palestino. Ao mesmo tempo, devemos declarar nesse contexto que vemos Jerusalém ocidental como a capital de Israel.”
Essa é uma mudança forte na política russa, que até agora sustentava formalmente que Jerusalém deveria eventualmente ficar sob regime internacional permanente. A declaração aparece em inglês no site russo do Ministério das Relações Externas da Rússia.
Embora autoridades em Jerusalém interpretassem a declaração como significando que o reconhecimento de Jerusalém ocidental como a capital de Israel só ocorrerá quando Jerusalém oriental se tornar a capital de um Estado palestino, o The Jerusalem Post foi informado de que o governo russo pretende que esse reconhecimento entre em vigor imediatamente.
O embaixador da Rússia em Israel vai se encontrar com autoridades do Ministério das Relações Exteriores para discutir a decisão do governo russo e suas implicações…
Leitura recomendada:

12 comentários :

Savio Luan disse...

Bom, Já é alguma coisa, agora vamos esperar que Trump seja homem para cumprir suas promessas, e mude a embaixada de Tel-aviv para Jerusalém.

Marcelo Victor disse...

Enquanto essas pobres almas lutam pela Jerusalém debaixo, o crente já tem o seu nome escrito no céu, a verdadeira Jerusalém:
"Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; à universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; e a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel" (Hebreus 12:22-24).

luciano betim disse...

O povo de Deus na nova aliança não possui mais uma capital terrestre...

Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus. (Romanos 2:28-29)


Todos vocês são filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus,
pois os que em Cristo foram batizados, de Cristo se revestiram.
Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus. Gálatas 3:26-28

Mas agora, em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo.
Pois ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um e destruiu a barreira, o muro de inimizade,
anulando em seu corpo a lei dos mandamentos expressa em ordenanças. O objetivo dele era criar em si mesmo, dos dois, um novo homem, fazendo a paz,
Efésios 2:13-15

Cicero disse...

Jerusalém nunca foi e nunca será divisível. O lugar dos palestinos é fora de Israel, junto a seus irmãos árabes de mesma religião, costumes e tradições.

O Sousa da Ponte - João Melo de Sousa disse...

Os dois grandes aliados dos EUA na região são Israel e a Arábia Saudita.no meio de países tribais dois países mais ou menos artificiais são os aliados estáveis dos EUA.
E da Europa.
Há uma velha e não escrita aliança entre Israel e os sauditas.
A Rússia, desde o tempo da União soviética procura aliados estáveis.
Sem grande sucesso. O único que lhes resta é o da Síria mas muito periclitante.

Putin bem pode namorar Israel mas o anti semitismo da igreja ortodoxa e do povo russo não vai colher grandes frutos em Israel.

Israel sabe que o aliado de confiança são os EUA com Trump ou Obama.

Trump já percebeu que tem de lidar com os sauditas e Israel se quer ter vitórias na região.

No fundo é realpolitick.

Naqueles regiões as alianças são improváveis.

Altair Costa disse...

Já é sem dúvida um grande avanço, mas Jerusalém é indivisível. Foi, É e sempre será a eterna capital de Israel.

Savio Luan disse...

Os ortodoxos russos são antissemitas?

Julio Severo disse...

Savio: Na questão judaica, os cristãos ortodoxos são muito semelhantes aos católicos. No final do artigo, há um link para o artigo “Questões judaicas: um esclarecimento aos cristãos sobre sua percepção dos judeus.” Clique nele e você terá informações sobre esse assunto.

Jorge Santos disse...

Correto. Mas a nossa é a Jerusalém celestial, a esposa de Cristo descrita em Apocalipse 21.

Enéas Oliveira disse...

Rússia será abençoada!

victor disse...

Graça e paz !! Gostaria de saber sua opinião sobre o ataque americano a base Síria? Quais serão os desdobramentos na relação Trump/Putin? Parecia que tudo se encaminhava p/uma aliança !! Abs

Jorge Santos disse...

Não necessariamente. Parece que estão perseguindo crentes e privilegiando a igreja ortodoxa.