19 de março de 2017

Jesus, os fariseus e os cessacionistas


Jesus, os fariseus e os cessacionistas

Julio Severo
O maior confronto que Jesus tinha em seu ministério de pregar o Evangelho, curar os enfermos e expulsar os demônios (tudo isso era sempre junto) não era com o povo, mas com teólogos incrédulos. Eram teólogos que diziam amar e crer na Bíblia que tinham, mas não aceitavam Jesus e seus discípulos pregando o Evangelho, curando os enfermos e expulsando demônios.
Afinal, na mentalidade teológica deles, se Abraão, José, Davi, Elias, Isaías e Jeremias não saíam no meio do povo curando enfermos e expulsando demônios, então o que Jesus fazia não tinha base bíblica. Aliás, eles diziam que o poder de Jesus era satânico.
Eles achavam que tinham mais autoridade bíblica e teológica do que Jesus.
O nome desses teólogos era “fariseus,” termo que hoje também significa “santarrão” e “hipócrita.” Isto é, os ataques teológicos deles contra Jesus acabaram marcando-os, com o tempo, como religiosos tão vazios de Deus que não sabiam reconhecer a visitação do Dono da Bíblia e seus milagres entre eles.
Pergunto-me como serão conhecidos os calvinistas cessacionistas com o tempo. Mas é certo que diante de Deus e na eternidade, eles não passam de incrédulos. São os parentes mais próximos dos deístas. Creem num Deus distante que só faz o que eles determinam teologicamente. O que sai de fora de suas determinações teológicas é “demoníaco,” “antibíblico” e “herético.”
Para os fariseus, Jesus era apenas um enganador. Para Jesus, os fariseus eram líderes religiosos, teólogos famosos, que estavam indo para o inferno. A esta altura, já chegaram lá 2.000 anos atrás!
Os teólogos fariseus se consideravam donos exclusivos da Bíblia e sua interpretação e condenavam Jesus, suas curas e expulsões de demônios.
Os teólogos fariseus modernos se consideram donos exclusivos da Bíblia e sua interpretação e condenam como “hereges” todos os cristãos que pregam o Evangelho com curas e expulsões de demônios… Enfim, depois de 2.000 anos, NADA MUDOU: Os fariseus continuam, como sempre, entre nós, fazendo a única coisa que sabem fazer: condenar as obras de Jesus.
A tentativa de se achar dono da Bíblia e sua interpretação exclusiva tem trazido destruição e morte, desde os fariseus. A Bíblia é de Deus, não dos homens. Esquecer-se disso é desastroso. A instituição romana que se achava dona ou inventora da Bíblia criou a Inquisição, não diferente da instituição que se achava dona da Bíblia 2 mil anos atrás e matou, com ajuda dos romanos, Jesus por entender que ele contrariava a Bíblia.
Eles achavam que tinham mais autoridade bíblica e teológica do que Jesus.
Embora não tenham ainda a autoridade de matar ninguém — uma autoridade que João Calvino tinha e usou e abusou contra o médico Miguel Serverto por discordâncias teológicas —, os calvinistas cessacionistas usam todo o seu vasto conhecimento teológico farisaico moderno para “matar” todas as possibilidades, expectativas e anseios em suas congregações de que o Jesus que pregava o Evangelho, curava os enfermos e expulsava demônios continua vivo e atuante, fazendo obras e milagres maiores.
Sua especialidade teológica farisaica é obstruir, atrapalhar, matar, cessar e exterminar. Eles são os cessacionistas, que, assim como os fariseus, querem e exigem a cessação das obras de Jesus no meio do povo. E usam como autoridade sua pretensa posse da Bíblia através de um conhecimento teológico superior a todos os demais mortais. Tais fariseus, tais cessacionistas.
Eles acham que têm mais autoridade bíblica e teológica do que Jesus.
Eles bem que poderiam gastar suas energias teológicas e hábitos incorrigíveis de criticar para resolver pragas teológicas que empesteiam as igrejas calvinistas.
Se os calvinistas cessacionistas classificassem os adeptos da Teologia da Missão Integral (TMI) de hereges do jeito que eles costumam xingar pentecostais e neopentecostais, suas igrejas estariam limpas do liberalismo teológico há décadas.
Cessacionismo é a doutrina, predominante entre calvinistas, que diz que depois da morte de Jesus e seus apóstolos, o Espírito Santo parou de conceder profecia, línguas, revelações e outros dons. Na visão teológica deles, que é rejeitada até por muitos teólogos calvinistas respeitados, as manifestações de profecia, línguas, revelações e outros dons hoje são demoníacas. Daí, os calvinistas cessacionistas crerem que tanto o pentecostalismo quanto o neopentecostalismo são “heréticos.”
Contudo, nem todo calvinista é cessacionista. Enquanto alguns calvinistas radicais fazem tudo para cessar nas suas vidas e na vida dos outros as obras e milagres de Jesus e se mostram discípulos dedicados dos fariseus, calvinistas sérios agem como verdadeiros seguidores de Jesus, dando liberdade ao Espírito Santo.
As práticas e teologias dos calvinistas John Wimber, Jack Deere e Wayne Grudem, que creem que o Espírito Santo continua ativo, estão em conflito com as opiniões dos calvinistas cessacionistas, inclusive John MacArthur, que recusam aceitar que o Espírito Santo esteja atuante em nossos dias.
Para justificarem suas antipatias e frescuras pessoais contra a atuação do Espírito Santo, os cessacionistas fazem uso de uma série de malabarismos e truques teológicos.
Assim como os fariseus do passado criticavam tudo o que Jesus fazia de milagres e curas, especialmente expulsão de demônios, os cessacionistas criticam tudo o que Jesus faz hoje através de homens e mulheres abertos ao mesmo Espírito que usava os apóstolos e seguidores de Jesus.
A TMI assola há décadas os calvinistas do Brasil, mas os cessacionistas não conseguem lidar com esse grave problema de liberalismo teológico em suas igrejas reformadas empinadas, pois eles estão ocupados demais atacando como “demoníaco” o que o Espírito Santo faz através de homens e mulheres que amam Jesus e Sua Palavra.
Mas, graças a Deus, o poder de Jesus, por meio do seu Santo Espírito, continua entre nós, pela fé, para libertar os cativos e oprimidos e curar os enfermos quando homens e mulheres cheios do Espírito pregam o Evangelho.
Leitura recomendada:

3 comentários :

Flávio da Vitória disse...

Graças a Deus há os teologos calvinistas continuistas, eles podem abrir os olhos dessa geração de jovens calvinistas.

Pr. Edilson Siqueira disse...

Parabéns pelo excelente texto. Muito oportuno 👏👏👏

annttonny disse...

Aqui em minha igreja cremos que os dons extraordinários como línguas, curas e revelação cessaram, mas os demais continuam ativos. Cremos que aqueles dons tiveram um propósito que hoje não tem mais. Hoje o dom de língua é ensinado como sendo evidencia do batismo com Espírito Santo e aqui está o problema, e não se sustenta no contexto do NT. Sou leitor assiduo do blog e admiro o trabalho do Julio, mas neste ponto discordo dele.