26 de março de 2017

Canadá aprova Lei contra Blasfêmia para silenciar críticos do islamismo


Canadá aprova Lei contra Blasfêmia para silenciar críticos do islamismo

(Zero Hedge) Apesar de pesquisas de opinião pública que mostram que 71% dos canadenses não teriam votado na lei, o Parlamento do Canadá, com o apoio forte do governo esquerdista de Justin Trudeau, aprovou medida nesta semana de 201 a 91 votos que os críticos estão dizendo que seleciona o islamismo para receber proteção especial. Apresentado pelo parlamentar muçulmano esquerdista Iqra Khalid, a medida M-103 exorta o governo federal a “condenar a islamofobia” e a “desenvolver uma abordagem do governo inteiro para reduzir ou eliminar racismo sistemático e discriminação religiosa, inclusive a islamofobia.” O termo “islamofobia” não é em parte alguma definido na medida.
Uma petição no CitizenGo que pede que os parlamentares parem a medida “‘anti-blasfêmia’ restritiva” foi assinada por 79.500 pessoas.
“Essa medida incentivará leis que vão criminalizar opiniões vistas como ‘islamofóbicas’ e colocará as bases para impor o que é essencialmente uma lei anti-blasfêmia, baseada na lei islâmica, em todo o Canadá,” declara a petição.
“Se isso acontecer, toda crítica ao islamismo será considerada crime de ódio no Canadá,” declara a petição, acrescentando que esse “tipo de censura discriminatória com base em conteúdo e opinião é inaceitável numa democracia liberal ocidental.”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Canada passes “blasphemy” bill to silence critics of Islam
Leitura recomendada sobre islamofobia:
Leitura recomendada sobre o Canadá:

2 comentários :

Marcelo Victor disse...

Isso acelerará a vinda da terceira guerra mundial contra o Islã, abrindo as portas para que se cumpra, então, o dito "há paz e segurança" (1 Ts 5:3).
Não há acordo com os muçulmanos, pois o islamismo não aceita convivência pacífica entre povos de crenças distintas. Para eles ou mata ou morre!!!
https://www.youtube.com/watch?v=4D9onzOlIDE

Massoterapeuta Renato Marreira Veras disse...

Um país altamente a favor da causa feminista e LGBT agora verá os frutos de mais uma decisão tola. A Sharia vai se instalar nesse país com toda força e mostrará toda sua verdadeira identidade.