7 de janeiro de 2017

Prepare-se para um mundo sem trabalho


Prepare-se para um mundo sem trabalho

Cientistas sociais estão alertando que nossas carreiras podem terminar mais cedo que esperamos

(NEWS.COM.AU) — Enquanto iniciamos o ano cheios de boas intenções de prosperar no trabalho, os cientistas sociais estão alertando que nossas carreiras podem terminar mais cedo que esperamos.
O mundo está avançando velozmente para o que tem sido apelidado de “economia pós-trabalho,” à medida que a tecnologia vai substituindo os seres humanos num grau de velocidade sem precedentes.
Carros sem motorista estão prontos para tornar milhões de caminhoneiros e taxistas supérfluos e serviços automatizados de alimentação rápida estão prontos para fechar um setor essencial de empregos para jovens. À medida que a inteligência artificial está cada vez mais em condições de executar tarefas complexas que costumavam exigir seres humanos, um grande número de pessoas vai ficar desempregada, sem nenhuma perspectiva.
“Muitos empregos serão destruídos,” o futurista Ross Dawson disse para news.com.au. “Não mais podemos ter certeza de que teremos uma quantidade suficiente do tipo certo de trabalho para empregar pessoas.”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Prepare for a world without work
Leitura recomendada:

3 comentários :

Jorge Nogueira Rebolla disse...

Sem empregos como as pessoas consumirão? Sem consumidores o que será produzido pelas máquinas inteligentes? Sem produção e sem venda quem lucrará? Uma cadeia sem beneficiários.

A única explicação é um mundo sem pessoas...

fococristao disse...

A tecnologia vai tirar o trabalho de muita gente.
E a Inteligência Artificial será uma ameaça aos seres humanos. Parece ficção, mas não é. Computadores estão sendo usados para muitas atividades e quanto mais "autonomia" for dada, mas difícil será prevê e controlar as consquências.

Daniel Liu disse...

O que tira milhares de empregos de jovens é a mentira do salário mínimo. Não só jovens, como diversos trabalhadores que não tem como produzir riqueza suficiente para o empregador contratá-los e assim jogando eles para o trabalho informal.