31 de dezembro de 2017

Trump deseja Feliz… Kwanzaa, por amor à ideologia politicamente correta


Trump deseja Feliz… Kwanzaa, por amor à ideologia politicamente correta

Julio Severo
Em 26 de dezembro de 2017, o site da Casa Branca anunciou:
Declaração do Presidente Donald J. Trump sobre Kwanzaa
Hoje marca o primeiro dia do Kwanzaa, uma celebração de uma semana da herança e cultura dos negros americanos. Juntos, vamos celebrar durante esta época de alegria a riqueza do passado e olhar com esperança em direção a um futuro mais brilhante.
Enquanto as famílias e amigos se unem para acender a Kinara, Melania e eu estendemos nossos desejos mais calorosos para um feriado alegre e um próspero ano novo.
O que é o Kwanzaa? É um feriado dos negros americanos criado por Maulana Karenga em 1965 para ser uma alternativa ao Natal. Ele acreditava que Jesus era psicótico e que o Cristianismo era uma religião “branca” que os negros deveriam evitar. Mais tarde, quando o Kwanzaa ganhou mais adeptos, Karenga mudou sua posição de modo que cristãos não se sentissem alienados.
O nome original de Karenga era Ron Everett, nascido em 1941. O pai dele era um pastor batista. Ele escolheu um nome africano depois de se envolver com a ideologia socialista. Karenga fundou uma organização nacionalista violenta, que era uma versão negra do nazismo. Mas pelo fato de que bajular movimentos politicamente corretos é mais importante do que enfrentar a realidade, as ideias dele são celebradas por marxistas e conservadores — inclusive Bush e Trump — nos EUA.
O Kwanzaa é uma celebração que tem suas raízes no movimento nacionalista negro dos EUA na década de 1960 e foi estabelecido como meio de ajudar os negros americanos a se ligarem novamente com sua herança cultural e histórica africana. Para Karenga, uma personalidade importante no movimento Black Power nos EUA nas décadas de 1960 e 1970, a criação de tais feriados também enfatizava uma premissa essencial de que “precisamos de uma revolução cultural antes da revolução violenta. A revolução cultural dá identidade, propósito e direção.”
Por que Trump tem ajudado tal feriado de orientação revolucionária?
O esforço para “se ligar novamente com a herança cultural e histórica africana,” principalmente quando liderado por um negro marxista, leva à ilusão espiritual. Aliás, até mesmo quando tal esforço é liderado por um negro “conservador,” a ilusão não é menor.
Ela visitou mães-de-santo e terreiros de candomblé na Bahia — sem perceber, como presbiteriana, que essa religião afro-brasileira é semelhante ao vodu e Santeria. Isto é, não são apenas “cultura.” São bruxaria.
Se o Kwanzaa celebra tais raízes espirituais africanas, o que Trump vai ganhar para os EUA ao incentivar os EUA a celebrá-lo?
Aliás, Trump não tem nenhum motivo para incentivar os EUA a celebrar tal feriado nacionalista negro. Ele tem vários motivos para não fazer isso:
* Enquanto mais de 100 milhões de americanos celebram o Natal, só uns 2 milhões de pessoas participam do Kwanzaa. Por que dar importância a um feriado marxista insignificante? Os propagandistas mais proeminentes do Kwanzaa nos EUA são presidentes, inclusive Bush e Obama. Contudo, todos achavam que Trump quebraria essa propaganda desnecessária.
* Se os EUA tivessem um feriado criado pelos nazistas, haveria protestos generalizados para bani-lo. O Kwanzaa foi criado por um nacionalista negro marxista. Por que Trump não o baniu?
* Mesmo que Karenga não fosse marxista, seu histórico pessoal envolve condenações criminais e prisão por violência contra mulheres. Como é que Trump ou outro presidente americano pode honrar um feriado criado por um criminoso?
* Se o Kwanzaa foi criado como alternativa ao Natal, por que honrá-lo? Enquanto o Kwanzaa, que é insignificantemente celebrado, não tem nada a ver com os EUA e negros conservadores, o Natal tem tudo a ver com os EUA e sua história.
A escritora conservadora americana Ann Coulter disse: “O feriado inventado de Karenga é uma mistura doida de retórica sentimentalista da década de 1960, racismo negro e marxismo. Os sete princípios do Kwanzaa são os mesmos sete princípios do [grupo terrorista comunista] Exército Simbionês de Libertação… O Kwanzaa louva o coletivismo em todas as áreas possíveis da vida — economia, trabalho, personalidade… Quando pediram que Karenga distinguisse o Kawaida, a filosofia que é a base do Kwanzaa, do marxismo clássico,’ ele essencialmente disse que, sob o Kawaida, nós também odiamos os brancos.”
Como é que Trump pôde honrar tal lixo marxista?
Em seu artigo “Kwanzaa: Holiday brought to you by the FBI” (Kwanzaa: Feriado trazido até você pelo FBI), Coulter explica que Karenga era um fantoche negro radical do FBI. Ela disse: “Mais absurdamente, para os esquerdistas de qualquer forma, eles se esqueceram do incentivo tácito que o FBI deu para essa seita nacionalista negra assassina fundada pelo pai do Kwanzaa. O Kwanzaa não veio da África, mas do PROCOINTEL do FBI. É um feriado celebrado exclusivamente por esquerdistas brancos idiotas. Os negros celebram o Natal.”
Então Trump e outros presidentes americanos têm honrado um feriado marxista criado pelo PROCOINTEL (PROgrama de COntra-INTELigência) do FBI.
Não há dúvida de que o FBI criou uma criatura marxista bastante estúpida. Por que celebrá-la?
Alguns poderiam desculpar que pelo menos Trump honrou ao mesmo tempo o Natal e o Kwanzaa, diferentemente do que ele fez em 31 de outubro passado, quando o mundo celebrou os memoráveis 500 anos da Reforma protestante. Foi uma data histórica, mas Trump preferiu celebrar o Dia das Bruxas
Por amor à ideologia politicamente correta, Trump ignorou a Reforma e honrou o Dia das Bruxas, que tem ligações íntimas com o satanismo.
Por amor à ideologia politicamente correta, Trump celebrou o Natal e o Kwanzaa.
Se a presbiteriana republicana Condoleezza Rice tiver êxito em levar para os EUA as “tradições dos negros brasileiros” (bruxaria brasileira), Trump vai honrar os orixás do candomblé só para não ofender a Esquerda politicamente correta?
Com informações de Ann Coulter e Wikipedia.
Leitura recomendada:

29 de dezembro de 2017

O que a Bíblia diz sobre suicídio


O que a Bíblia diz sobre suicídio

Suicídio. Essa palavra tem um ar medonho de “fim de tudo.” Carregada de desesperança, desespero e tragédia, é uma palavra da qual todos querem se afastar. “Só gente confusa realmente pensa em suicídio,” você tem dito a você mesmo.
Mas então um dia essa palavra entrou nos seus pensamentos de um jeito diferente. Você se viu numa situação que não dava para aguentar. Você se sentiu numa armadilha e impotente. No final, “acabar com tudo” parecia ser a única resposta. Não é.
Há outra solução. Está na Bíblia, a mensagem de amor de Deus para você. Esta é sua chance de descobrir exatamente como você tem valor e como sua vida pode ser transformada. Continue lendo.

Onde Você Está Agora?

Provavelmente, você perguntou para você mesmo: “Como foi que cheguei a este ponto?” A resposta é… gradualmente. Todo mundo passa por períodos em suas vidas em que eles se sentem para baixo. Geralmente, a tristeza sai e a vida continua. Mas às vezes uma situação difícil, um relacionamento tenso ou algum problema leva à infelicidade que não vai embora.
Quando isso acontece, a vida pode se tornar uma luta diária com mal-estar, melancolia e vazio. No final, a depressão e a desesperança conseguem assumir o controle, criando um sentimento de descontentamento com a vida em geral.
A depressão tem muitas causas. Muitas vezes tem ligação com uma sensação de perda que pode ter como causa várias coisas — enfermidade, a morte de um amado, súbita perda de emprego, divórcio, e assim por diante. Uma doença crônica, ou deficiência permanente, pode roubar de você sua independência, fazendo você se sentir inútil, abandonado e irado. Perder, por meio de morte ou divórcio, alguém que você ama pode deixar um vazio imenso em sua vida.
A culpa é outro provocador de depressão. Talvez você esteja lutando para largar das drogas e álcool — ou algum outro hábito ou conduta, que faz você sentir vergonha. Um trauma na infância pode ter deixado você se sentindo estragado e indigno de felicidade. Talvez você simplesmente se sinta como um fracasso porque você não realizou tudo o que você queria na vida.
Qualquer que seja a causa, a depressão muitas vezes leva a uma sensação de desesperança. Você pode se sentir como se sua vida estivesse fora de controle. Você pode achar que acabar com sua vida é o único jeito de assumir controle. Não é.

O que Você Pode Fazer Agora?

Você pode continuar indo pelo caminho que você está indo, sabendo onde isso pode levar. Ou você pode dar para você uma chance real para uma vida melhor. O fato de que você está lendo este artigo mostra que você quer outra opção. Então, aqui está.
Existe só uma fonte real de esperança para uma vida que possui sentido, realização e alegria. Essa fonte é Jesus Cristo. Falando sobre Seus seguidores, Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham até a borda” (João 10:10). Por meio de um relacionamento pessoal com Jesus Cristo, você pode experimentar amor, perdão, paz e alegria transbordantes em sua vida. Essa é uma promessa de Deus que está na Bíblia.
Deus promete que você nunca terá outro problema? Não. Mas ele realmente promete lhe dar o poder para enfrentar as tribulações da vida com confiança, sabendo que Ele fará com que todas as coisas trabalhem para o seu bem. Ele promete lhe livrar das aflições ou lhe dar a força para aguentá-las, de acordo com Seu plano para você… um plano que começa quando você entrega sua vida a Ele.
Ao aceitar Jesus Cristo como seu Salvador e escolher segui-Lo você coloca Jesus no trono de sua vida. Espiritualmente, você se torna uma nova pessoa porque o Espírito Santo vem viver dentro de você. Jesus descreveu essa experiência como “novo nascimento.” E, melhor de tudo, com sua nova vida em Cristo vem o direito de passar a eternidade na presença de Deus. Por que não pegar uma Bíblia agora mesmo e ler para você mesmo estas promessas maravilhosas?
Consulte esses versículos da Bíblia: João 1:12; 2 Coríntios 5:17; 2 Coríntios 2:12; 1 João 5:11-13.
Se você nunca fez a decisão de aceitar Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, você pode fazer isso agora mesmo e dar o primeiro passo para uma nova vida. Simplesmente faça esta oração e seja sério em seu coração:
Senhor Jesus, peço-te que entre na minha vida. Quero deixar de viver minha vida sob meu próprio controle. Vem agora e vive tua vida em mim. Limpa-me dos meus pecados. Eu te recebo como meu Senhor e Salvador. Viverei para ti todos os dias da minha vida. Amém.
Jesus disse: “Estou aqui! Estou na porta e bato. Se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei e comerei com ele e ele comigo” (Apocalipse 3:20). Se você acabou de fazer essa oração e pediu que Ele entrasse na sua vida, Ele entrou. E Ele promete ter amizade íntima com você.

Agora você precisa fazer algumas coisas.

Primeiro, comece lendo a Bíblia diariamente. Comece com o Evangelho de João no Novo Testamento. Ache uma versão moderna e fácil de ler, como a Nova Versão Internacional ou a Bíblia Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
Em seguida, tente passar tempo em oração diária. Simplesmente converse com Deus como você conversaria com um bom amigo.
Finalmente, é importante que você ache uma igreja evangélica que acredita e ensina a Bíblia. Isso é vital para seu desenvolvimento como cristão.
Lembre-se disto: Deus não exige que você seja prefeito. Em vez disso, Ele deseja sua dedicação e disposição sincera para viver de acordo com Sua Palavra, a Bíblia.

E se Você Já é Cristão?

Cristãos também podem se sentir deprimidos e ter pensamentos de suicídio. Pode acontecer por todas as razões mencionadas acima. As tribulações da vida tocam todos, inclusive crentes.
Se a situação em que você está é algo que você não pode mudar, saiba que Deus pode intervir miraculosamente. Por mais que seja difícil fazer, continue orando pedindo o socorro de Deus. Não pare.
Deus realmente ouve nossas orações, mas Seu plano e nosso plano nem sempre são os mesmos. Confie nEle para responder de um jeito que será para seu melhor interesse. Isso inclui a possibilidade de que Ele lhe dará força e paz para aguentar sua tribulação em vez de livrar você dela. Algumas das maiores respostas de Deus a orações chegam na forma de paz e alegria no meio de grande dificuldade. Creia que Ele cuidará de você em todas as tempestades em sua vida.
Leia estes versículos da Bíblia e faça deles sua própria declaração de fé: Salmo 23; Salmo 28:7; Isaías 43:2; Romanos 8:28; Filipenses 4:13.
Peça que seu Pai celestial ajude você a viver no poder do Espírito Santo. A Bíblia está cheia de Suas promessas para amar, fortalecer, curar e guiar. Comece lendo a Palavra de Deus com um novo propósito — descobrir novos discernimentos do amor de Deus por você. Peça que o Espírito Santo guie sua jornada e revele verdades que você nunca viu antes. Aceite o fato do amor de Deus por você sem se apegar a seus sentimentos.
Leia estes versículos da Bíblia e receba-os como a mensagem de Deus para você: João 3:16; Romanos 5s:8; Isaías 40:31; Isaías 41:10; Lamentações 3:22-23
Esteja também preparado para reconhecer pecados que podem estar interferindo em seu relacionamento com seu Pai celestial. Peça que Deus sonde seu coração e aponte problemas específicos. Então, confesse e se arrependa de sua desobediência e receba o perdão de Deus.
Leia estes versículos da Bíblia para entender mais como lidar como pecado: 1 João 1:9; Salmo 139:23-24; Gálatas 5:16-25.

Faça Algo para Ajudar a Você Mesmo

Assistência professional na forma de um conselheiro evangélico qualificado é uma das melhores maneiras de combater a depressão e pensamentos de suicídio. Peça por recomendações. Um bom conselheiro pode ajudar você a obter uma nova perspectiva de seus problemas. Faça um check-up médico. Às vezes a depressão pode ter como causa desequilibro químico ou outro fator biológico.
Procure um grupo de apoio (começando em sua igreja) que ministra para a área de dificuldade de sua vida. Interagir com outros que estão enfrentando desafios semelhantes em suas vidas ajudará você a se sentir menos isolado.
Force-se a fazer algo na próxima vez que você se sentir para baixo. A inatividade piora a depressão. Eis algumas coisas para tentar:
* Converse com alguém. Chame um amigo e fale sobre seus sentimentos.
* Faça uma caminhada. O exercício faz com que seu sangue e oxigênio circulem mais rápido, que faz você se sentir revigorado. Seu cérebro produz químicas chamadas endorfinas que combatem a depressão.
* Faça algo para ajudar outra pessoa. Quando você foca nas necessidades dos outros, suas próprias preocupações ficarão menos pesadas.
* Escute hinos. Escolha seus hinos favoritos e cante.
Traduzido e editado por Julio Severo do original em inglês da Rede de Televisão Cristã dos EUA: What the Bible Says About Suicide
Leitura recomendada:

28 de dezembro de 2017

Rússia: EUA treinando ex-militantes do ISIS na Síria


Rússia: EUA treinando ex-militantes do ISIS na Síria

“Um buraco negro” em que militantes operam livres

(REUTERS) — MOSCOW  — O chefe do Estado Maior da Rússia acusou os Estados Unidos de estarem treinando ex-combatentes do Estado Islâmico na Síria para tentarem desestabilizar o país.
As alegações do General Valery Gerasimov, feitas numa entrevista de jornal, focam numa base militar americana em Tanf, um cruzamento de fronteira estratégico sírio, com rodovia, com o Iraque no sul do país.
A Rússia diz que a base dos EUA é ilegal e que a base e a área em torno dela se tornaram “um buraco negro” onde militantes operam livres.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Russia: U.S. training ex-ISIS fighters in Syria
Leitura recomendada:

26 de dezembro de 2017

Depois de Trump, Guatemala é o primeiro país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel


Depois de Trump, Guatemala é o primeiro país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Julio Severo
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu na segunda-feira aclamou a decisão da Guatemala de transferir sua embaixada para Jerusalém, dizendo que outros países logo imitarão.
Presidente Jimmy Morales, da Guatemala, e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu
“Deus abençoe você, meu amigo, Presidente Jimmy Morales. Deus abençoe nossos dois países, Israel e Guatemala,” disse Netanyahu na reunião semanal do seu partido Likud no Knesset, o parlamento israelense.
Com a mudança de sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, a Guatemala se tornará a primeira nação no mundo a seguir o exemplo do Presidente Donald Trump em ordenar a mudança.
Todos os grandes jornais principais dos EUA publicaram manchetes sobre a Guatemala reconhecendo que Jerusalém pertence a Israel. Este é um evento histórico para a América Latina e o mundo.
Embora a República Checa tivesse por curto tempo sugerido que poderia seguir o exemplo de Trump, rapidamente reverteu sua posição, e na semana passada se contentou em mera abstenção numa votação da Assembleia Geral da ONU que em maioria esmagadora criticou a medida de Trump. A República Checa recusou apoiar Trump diretamente.
O presidente guatemalteco Morales disse em sua conta oficial de Facebook no domingo que depois de conversas com Netanyahu, ele decidiu instruir seu ministério das relações exteriores a mudar a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém.
Na segunda-feira, o presidente israelense Reuven Rivlin, o presidente do Knesset Yuli Edelstein e o vice-ministro de diplomacia Michael Oren aplaudiram o anúncio da Guatemala.
“Viva a Guatemala! É preciso coragem para uma superpotência assumir uma postura em prol da justiça e reconhecer Jerusalém como a capital eterna de Israel. Mas é preciso mais ainda — coragem imensa — para uma nação pequena fazer isso,” Oren disse no Twitter. “Povo da Guatemala, o povo de Israel jamais vai esquecer seu apoio e bravura.”
“A Guatemala tem mostrado que eles sabem muito bem que Jerusalém é a capital de Israel! Dou boas-vindas à decisão deles de trazer sua embaixada para Jerusalém e agradeço-lhes sua profunda amizade,” disse Rivlin. “Aguardamos lhes dar as boas-vindas em Jerusalém!”
A Guatemala tem uma população de 1.000 judeus no meio de uma população de 15 milhões de habitantes.
A Guatemala foi uma das nove nações que votaram na semana passada em apoio dos Estados Unidos quando a Assembleia Geral da ONU adotou por maioria esmagadora uma resolução não oficial denunciando o reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital de Israel. A votação na ONU, de 128 contra 9, foi vista como vitória para os invasores palestinos.
O presidente Donald Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel em 6 de dezembro, revertendo décadas de promessas não cumpridas de presidentes democratas e republicanos americanos que falavam sobre reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel, mas mantinham suas conversas eternamente numa esfera não oficial.
Vários aliados importantes dos EUA se abstiveram de apoiar Trump na ONU, entre eles Austrália, Canadá, México e Polônia. Fortes aliados dos EUA, como Inglaterra, França, Alemanha e Arábia Saudita, votaram contra Trump denunciando sua decisão sobre Jerusalém.
A Guatemala foi uma das primeiras nações a reconhecer o Estado de Israel em seu estabelecimento em 1948.
Em 29 de novembro de 1947, quando a ONU votou para dividir o mandato britânico da Palestina em Estados judaico e árabe separados, os países não votaram em ordem alfabética começando com “A.”
Em vez disso, a ONU colocou os nomes de todos os países membros num chapéu — então pegou um, começando com esse país e continuou em ordem alfabética daí.
Por puro acaso, o país escolhido do chapéu, e daí o primeiro país a votar pela criação do moderno Estado de Israel, foi a Guatemala.
Antes de 1980, a Guatemala mantinha uma embaixada em Jerusalém. Mas depois que uma lei israelense de junho de 1980 proclamou Jerusalém como sua “capital indivisível e eterna,” a ONU apelou para a Guatemala mudar sua embaixada para Tel Aviv. A Guatemala obedeceu.
Ainda que a Guatemala tenha há muito tempo cooperação estreita de segurança com Israel, inclusive comprando armas israelenses, relações mais estreitas só foram possíveis com o Presidente Jimmy Morales, que é evangélico.
Não é coincidência que, de acordo com analistas, a Guatemala será a primeira nação de maioria evangélica da América Latina.
Nenhuma outra religião é mais próxima de Israel do que o evangelicalismo. Qualquer nação ou presidente que for um evangélico praticante é mais próximo de Israel.
Então é completamente natural que a primeira nação que está se tornando evangélica na América Latina seja também a primeira nação na América Latina a reconhecer a realidade óbvia de que Jerusalém pertence exclusivamente a Israel. O evangelicalismo e o apoio a Israel andam de mãos dadas.
Trump é mais próximo de Israel porque ele é mais próximo dos evangélicos. Aliás, ele próprio é evangélico, embora não muito praticante.
Jimmy Morales é mais próximo de Israel porque ele é evangélico e porque ele é mais próximo dos evangélicos na Guatemala, que abriga uma crescente população pentecostal e neopentecostal que adora Israel.
Com sua decisão de retornar sua embaixada a Jerusalém, a Guatemala abandona a velha diplomacia covarde, que tirou sua embaixada de Jerusalém em 1980.
Ainda que o Brasil seja a maior nação da América Latina, sua diplomacia é em grande parte. O Brasil, que é a maior nação católica do mundo, tem sistematicamente adotado, mesmo durante o regime militar, posturas contra Israel há décadas em sua diplomacia para Israel, principalmente na ONU.
A crescente população pentecostal e neopentecostal brasileira é fervorosamente pró-Israel, mas é uma minoria na população e no governo brasileiro. Ainda que eles tenham protestado que o Brasil votou contra Trump na ONU e ainda que eles reconheçam Jerusalém como a capital de Israel, o governo brasileiro não tem dado nenhuma atenção a eles.
Exatamente como a Guatemala precisou de um presidente evangélico para corrigir injustiças governamentais contra Israel, o Brasil vai precisar de um presidente evangélico.
Ao fazer a Guatemala reconhecer de novo Jerusalém como a capital de Israel, o evangélico Morales tomou um passo gigantesco pela Guatemala, um passo que certamente prosperará a Guatemala e envergonhará o ato anão do Brasil “gigante” de seguir os aliados americanos Inglaterra e Arábia Saudita que votaram contra Trump.
“Portanto, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos. Pois muitos serão chamados, mas poucos escolhidos.” (Mateus 20:16 KJA) Como essas palavras de Jesus são certas com relação à América Latina! A pequena Guatemala está no primeiro lugar ao apoiar Israel. O Brasil está no último lugar ao se opor a Israel.
Apesar disso, Trump e Morales não marcaram nenhuma data específica para mudar suas embaixadas de Tel Aviv para Jerusalém.
Com informações do Times of Israel, Fox News, The Guardian, Reuters, Associated Press e New York Times.
Leitura recomendada:

25 de dezembro de 2017

O nascimento de Jesus Cristo


O nascimento de Jesus Cristo

O nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, a sua mãe, ia casar com José. Mas antes do casamento ela ficou grávida pelo Espírito Santo.
José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber.
Enquanto José estava pensando nisso, um anjo do Senhor apareceu a ele num sonho e disse: — José, descendente de Davi, não tenha medo de receber Maria como sua esposa, pois ela está grávida pelo Espírito Santo. Ela terá um menino, e você porá nele o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos pecados deles.
Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta: “A virgem ficará grávida e terá um filho que receberá o nome de Emanuel.” (Emanuel quer dizer “Deus está conosco”.)
Quando José acordou, fez o que o anjo do Senhor havia mandado e casou com Maria. Porém não teve relações com ela até que a criança nasceu. E José pôs no menino o nome de Jesus.
Fonte: Mateus 1:18-25 NTLH
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

24 de dezembro de 2017

Promessa quebrada: Trump vai enviar armas letais para a Ucrânia em luta contra a Rússia


Promessa quebrada: Trump vai enviar armas letais para a Ucrânia em luta contra a Rússia

Julio Severo
O governo de Trump aprovou um plano para fornecer armas letais para a Ucrânia, uma medida que aprofunda o envolvimento dos Estados Unidos no conflito militar e pode prejudicar ainda mais as relações com a Rússia, de acordo com uma reportagem da Associated Press de 23 de dezembro de 2017. O governo russo não respondeu num tom positivo.
John McCain e líder neo-nazista na Ucrânia
Ainda que seja muito importante, a decisão de Trump chega enquanto as pessoas estão com a mente ocupada com a estação de Natal e Ano Novo. É uma surpresa muito desagradável à qual ninguém está prestando atenção por causa do distrativo Natal.
Por que Trump quer armar a Ucrânia contra a Rússia?
O governo de Obama, com a assistência dos neocons, provocou o conflito na Ucrânia, e a promessa de Trump em sua campanha de 2016 era não apoiar a Ucrânia, mas a Rússia, principalmente considerando que, tecnicamente, a Rússia está bem preparada para reagir ao agravamento da crise ucraniana com uma resposta forte.
Enquanto Trump havia elogiado a Rússia em 2016 e os assessores do candidato Trump estavam apoiando forças pró-Rússia na Ucrânia, os neocons têm abertamente louvado a revolução ucraniana como o melhor exemplo democrático contra uma ditadura. A revolução ucraniana foi a maior revolução de Soros, tendo sido financiada em massa por ele.
John McCain e outros neocons querem a Ucrânia na OTAN e estão dispostos a fazer guerra para conseguir isso. Em contraste, Trump não havia mostrado nenhuma disposição de seguir as paixões neocons para iniciar uma guerra na Ucrânia contra a Rússia.
Em setembro de 2016, o presidente ucraniano Petro Poroshenko convidou Trump para uma reunião, mas, de acordo com o DailyMail, “o governo ucraniano diz que o candidato republicano não deu a mínima bola para eles.”
Entretanto, Hillary Clinton se encontrou com Poroshenko e lhe prometeu que ficaria do lado da Ucrânia contra a “agressão russa.”
Enquanto os neocons querem a Ucrânia na órbita da OTAN e estão usando a situação ucraniana para fortalecer a OTAN, Trump havia de novo estado em conflito com os interesses deles. No entanto, agora como presidente Trump abandonou suas promessas anti-neocon e está seguindo o mau exemplo de Hillary.
Enviar armas letais para a Ucrânia era a proposta original de Hillary. McCain e outros neocons também querem armar a Ucrânia. Aliás, Kurt Volker, o representante especial dos EUA para negociações na Ucrânia, é um “ex-funcionário do Senador McCain… e diretor-executivo do Instituto McCain, que é uma instituição neocon.” Volker é o arquiteto dos novos carregamentos de armas de Trump para a Ucrânia.
McCain é um dos neocons mais radicais do Congresso dos EUA.
Volker visualiza um aprofundamento do envolvimento dos EUA numa guerra civil ucraniana que foi iniciada por Obama, Soros e os neocons.
Enviar armas letais para a Ucrânia cria a possibilidade preocupante de que armas americanas poderiam matar soldados russos, uma situação que pode atirar as duas nações nucleares num confronto direto.
É um agravamento militar desnecessário e estúpido, sob Trump, de um conflito iniciado por Obama, McCain e os neocons. Além disso, a Ucrânia não tem nada a ver com uma América muito distante. E se a Rússia se envolvesse no México e armasse os mexicanos contra os EUA? Os EUA aceitariam isso num tom positivo?
O conservador católico Patrick J. Buchanan fez uma pergunta importante: Trump capitulou diante dos neocons? Essa capitulação parece ter ficado mais fácil depois da queda de seus assessores anti-neocon. A queda deles impediu Trump de seguir foco de parceria com a Rússia contra o terrorismo islâmico.
Nos últimos anos, a Europa tem sido invadida por hordas barbaras islâmicas, e Obama e a OTAN não fizeram nada, em termos militares e outros, para proteger a Europa contra a invasão. A necessidade mais urgente para os EUA é ajudar a Europa contra as hordas islâmicas. Contudo, a OTAN, que foi criada pelos EUA para proteger a Europa, não tem feito absolutamente nada para proteger a Europa contra as hordas islâmicas. Os EUA sob Obama não fizeram nada. E os EUA sob Trump não têm feito nada.
Em 2016, Trump prometeu uma aliança com a Rússia contra o terrorismo islâmico, mas como presidente seu governo superou todos os governos democratas e republicanos passados em apoiar e armar a Arábia Saudita, o principal patrocinador do terrorismo islâmico no mundo inteiro.
Trump fez uma venda de 110 bilhões de dólares em equipamento militar para a Arábia Saudita — que a Casa Branca disse que foi a “maior acordo de armas da história dos EUA.”
E jamais deve-se esquecer que a maioria dos terroristas islâmicos por trás do atentado de 11 de setembro de 2001 contra Nova Iorque eram sauditas. Mesmo assim, os EUA, sob Bush, Obama e Trump, têm bajulado e armado os sauditas.
Em contraste, os EUA, sob Bush, Obama e Trump, têm provocado incessantemente a Rússia, que é muito mais conservadora hoje. É uma provocação exclusivamente para agradar aos neocons.
Como evangélico conservador (os evangélicos conservadores foram a principal base eleitoral de Trump), apoio Trump em suas decisões pró-Israel e em suas posturas pró-família e pró-vida. Mas não posso apoiá-lo por quebrar suas promessas de 2016 sobre a Rússia e a Ucrânia. Não posso apoiá-lo por ampliar a constante agressão neocon contra a Rússia. Sou leal ao modelo anti-neocon que Trump mostrou em 2016.
Leitura recomendada: