25 de dezembro de 2016

Por que julgar Silas Malafaia?


Por que julgar Silas Malafaia?

Julio Severo
O nome de Silas Malafaia, famoso pastor que é o fundador e presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, foi envolvido dias atrás num suposto escândalo de “lavagem de dinheiro,” como se ele tivesse negócios com indivíduos corruptos com a intenção de obter deliberadamente dinheiro sujo.
Silas Malafaia
O escândalo chegou a ser “noticiado” na Charisma, a maior revista pentecostal do mundo. Infelizmente, a famosa revista americana ficou com a versão da mídia secular, que está convicta de que Malafaia está envolvido em corrupção.
Malafaia, que é tão conhecido que já foi entrevistado em 2011 pelo New York Times, um dos maiores jornais dos EUA, explicou que não houve nenhuma lavagem de dinheiro. O próprio jornalista Reinaldo Azevedo, de quem discordo fortemente em questões homossexuais, escreveu que o que a Polícia Federal fez com Malafaia foi ilegal ao incluir o nome dele só porque ele recebeu uma oferta de um indivíduo envolvido na investigação federal.
Mesmo assim, muitos evangélicos não querem dar o benefício da dúvida a Malafaia. Outros já o consideram culpado e condenado, porque ele recebeu uma oferta voluntária de uma fonte envolvida em corrupção.
Ora, isso significa que se eu receber uma grande oferta de um bruxo ou mafioso, que tenho culpabilidade em todos os seus crimes? Claro que não. O bruxo e o mafioso são livres para vir até mim, ouvir o Evangelho e dar uma oferta, e eu sou livre para aceitar ou não tal oferta.
Os pais de Jesus, José e Maria, eram pobres e aceitaram uma grande oferta de um grupo de bruxos e astrólogos que vieram porque estavam tentando entender os sinais de Deus. José e Maria eram livres para aceitar ou não tal oferta. Mas eles aceitaram, e essa grande oferta foi exatamente o que eles precisavam para cobrir elevadas despesas de uma viagem internacional para fugir para o Egito e permanecer ali algum tempo.
Deus poderia ter enviado ouro diretamente do céu para José e Maria. Mas Ele escolheu usar bruxos. Em vez de deixar que José e Maria tivessem o trabalho de fugir para o Egito com um bebê para escapar do rei Herodes, Deus poderia ter eliminado o rei sanguinário, que estava determinado a matar o bebê Jesus. Mas Deus não eliminou o rei assassino de bebês.
Ou, em vez de enviar bruxos, Ele poderia ter enviado profetas e sacerdotes judeus. Mas já não havia profetas em Israel e os sacerdotes eram corruptos. Eles eram corruptos conhecendo a Palavra de Deus. Os bruxos que ofertaram para Jesus demonstram uma abertura de coração que Deus usou. Eles não eram judeus. Eles eram corruptos, mas não conheciam a Palavra de Deus do jeito que os sacerdotes judeus conheciam.
O Dicionário Bíblico Ilustrado Zondervan, de J. D. Douglas, diz: “Os MAGOS do Oriente mencionados em Mateus 2:1 (magos G3407) eram sacerdotes persas de elevada categoria especialistas em ASTROLOGIA e outras práticas de ocultismo.”
O Dicionário Bíblico Ilustrado Holman, de Chad Brand, diz no verbete “magos,” em referência a Mateus 2:1: “Sábios orientais, sacerdotes e astrólogos especialistas na interpretação de sonhos e outras práticas ocultistas.”
Ganhar dinheiro à custa de práticas de astrologia e ocultismo é, na Bíblia, corrupção pura. No caso dos magos da Bíblia, eles ganharam muito dinheiro. Eles tinham ouro.
Não é comum ver bruxos ricos ofertando ouro e joias para uma família pobre que adora a Deus. Mas Deus faz maravilhas!
Os teólogos judeus não souberam reconhecer Deus enviando o bebê Jesus. Portanto, eles não poderiam ajudar seus pais necessitados. Deus precisou trazer bruxos e astrólogos de longe para prover os recursos necessários. Não é à toa que Ele se chame de Deus do impossível. De fato, Ele faz coisas impossíveis. O que os olhos não viram e o que as mentes humanas nunca imaginaram, é isso o que Deus faz.
Deus usou aqueles bruxos naquele determinado tempo, e depois nunca mais se ouviu deles.
Alguns teólogos hoje, que seguem uma heresia chamada cessacionismo, duvidariam dos sonhos e revelações de José e Maria, com suas visitações de anjos. E se José e Maria dissessem, “Deus confirmou os sonhos e revelações trazendo satanistas para nos ofertar ouro!” os teólogos cessacionistas diriam: “Está confirmado! Isso tudo é do diabo! Tudo: seus sonhos, revelações e visitações de anjos.”
Deus não tem parceria com o diabo, mas quando Deus manda, até o diabo obedece. Quando Deus instrui, até os servos do diabo obedecem.
Só Deus sabe como é que os bruxos ricos obtiveram seu ouro, mas uma coisa é certa: bruxaria e honestidade não andam de mãos dadas! Em contraste, bruxaria e corrupção sempre são parceiros.
Uma coisa é você, como homem ou mulher de Deus, se envolver nos negócios dos bruxos e participar de suas riquezas moralmente ilícitas. Outra é eles voluntariamente darem seu ouro como oferta para você.
Dá então para se acusar José e Maria de envolvimento com bruxaria, ocultismo, astrologia e satanismo só porque eles receberam ouro de bruxos?
Se ninguém, durante dois mil anos, nunca julgou José e Maria por receberem uma grande oferta de ouro de astrólogos e bruxos, por que julgar Silas Malafaia por receber uma grande oferta de um homem envolvido em corrupção?
José e Maria eram pobres e não eram corruptos. Não se pode dizer a mesma coisa dos bruxos e astrólogos que lhes deram a grande oferta.
Malafaia cometeu grandes erros no passado: ele apoiou a eleição e reeleição de Lula, apesar de todas as evidências inconfundíveis de que Lula era abortista e homossexualista. Mas hoje Malafaia tem sido uma voz extremamente importante contra a agenda homossexualista, esquerdista e abortista no Brasil.
Ninguém no meio cristão brasileiro tem sido tão forte e claro, em programas de TV, rádio e até sessões do Congresso Nacional, na defesa da vida e da família quanto ele. Ele se tornou um ícone do contra-ataque pró-família. Toda a Esquerda brasileira o odeia. Não é correto, pois, julgá-lo nem condená-lo precipitadamente, movido por inveja ou ódio religioso.
Não é prudente também julgar um casal cristão pobre que, como José e Maria, precisa receber uma oferta de ouro de bruxos e astrólogos para escapar da perseguição de um abortista Herodes e fugir para um Egito.
Ninguém nunca deu ouro para o casal pobre José e Maria. Os satanistas foram os únicos que Deus usou para tal assistência.
Deus é que sabe se é certo ou errado aceitar uma oferta de bruxos, astrólogos, satanistas e corruptos.
Só Ele é Juiz.
José e Maria aceitaram uma oferta de corruptos, e Deus não os julgou por isso. Jesus e seus apóstolos nunca disseram que os pais de Jesus estavam envolvidos em satanismo e astrologia só por aceitarem ouro de corruptos.
A diferença entre os pais de Jesus e Malafaia é que José e Maria eram pobres, e Malafaia é rico.
Mas quem somos nós para julgá-lo por causa de uma oferta?
Versão em inglês deste artigo: Why Judge Silas Malafaia?
Leitura recomendada:

21 comentários :

Flávio Da Vitória disse...

Crentes que os julgaram estão facilitando a vida da esquerda

Peter Paper disse...

Em alguns casos, como o meu, não se trata de julga-lo, mas o episódio serviu para mostrar a gana por dinheiro que esse indivíduos tal como Malafaia tem , serviu para expor mais uma vez até onde vai e quais fins existem em determinados ministérios, o fim monetário, agora se ele não deve, deixa a policia investigar e a própria dar a conclusão.

Leonardo Melanino disse...

Este caso requer uma investigação rigorosíssima e provas reais para comprovar o envolvimento do Pastor Silas Malafaia nos crimes de corrupções. Se ficar comprovado que ele realmente está envolvido nestes crimes ele terá de ser condenado num júri preferencialmente popular. Senão ele pode processar a União por calúnias (falsas acusações civil-criminais) e por difamações (falsas acusações morais), pedindo-lhe ressarcimentos.

Marcelo disse...

Acredito no Silas Malafaia. A Polícia Federal, por ordem de um juiz, constrangeu o pastor. Se cochilarmos, eles queimam nossos templos. Fiquemos alertas!

Jorge Santos disse...

Deus usou uma mula. Lembra de Baalão? Então por que não até seres humanos? Só Deus é o juiz supremo e Ele diz que nós podemos julgar. Onde? Jo 7:24.

rainyll1 disse...

Leonardo Melanino, júri popular só é constituído em casos de atentado contra a vida: crimes de homicídio.

Aprendiz disse...

Júlio.

De acordo com a lei, é crime receber um dinheiro que ele saiba especificamente que foi roubada.
A polícia Federal tem uma hipótese (que é razoável) a respeito da entrega do dinheiro a Malafaia. A PF julga não ter elementos para uma denúncia, mas acertadamente, julga ter elementos que justifiquem investigação. Se o meliante tivesse entregue 100 ou 1000 reais a Malafaia, a PF nada faria. Mas os investigadores não acreditam que um meliante entregaria R$1.000,00 asim, por nada a um pastor que ele mal conhecia. Segundo eles supõem, o meliante só faria isso visando algum benefício. E qual benefício seria mais desejado por uma pessoa que obteve muito dinheiro de forma ilegal? Regularizar esse dinheiro. Se eu fosse dá PF, investigaria cuidadosamente a hipótese de Malafaia estar ajudando o meliante a lavar grana suja.

Aprendiz disse...

Há um assunto paralelo: mesmo sendo razoável a investigação dá hipótese de lavagem de dinheiro, seria lícita a condução coercitiva? Sim, porque um tribunal de segunda instância de Porto Alegre julgou procedente a condução coercitiva em casos que fogem dos elencados na lei. Desde então, vários juízes de primeira instância tem concedido condução coercitiva baseados nessa jurisprudência, e continuarão ordenando assim até que o STF confirme a jurisprudência ou a negue, e a partir daí será proibida.

Aprendiz disse...

Uma terceira questão é, não a lei, mas a ética. Tenho visto a ação de Malafaia no levantamento de fundos, e não CV considero que age de forma adequada. Eu pessoalmente, não ofertarei a sua igreja por causa disso.

Aprendiz disse...

Correção: onde escrevi R$1.000,00 entende-las R$100.000,00.

Horácio Gomes disse...

Sou evangélico, Batista Independente e acredito na inocência de Silas Malafaia. O que acontece, é que as igrejas t~em isenção tributária, não imunidade tributária. Tudo que entra na igreja, dízimos, ofertas, seja lá que nome tenha, tem quer ter nome do doador e CPF ou CNPJ. Pronto. Resolvida a questão. Não tem essa de "não põe o meu nome lá". Nós cristãos sabemos que tem gente que dá muito mais que cem mil. A Receita não é Cristã e desconfia de tudo. Só pra encerrar. Levar Malafaia coercitivamente, é procedimento padrão. Se avisar antes pedindo que vá depor e por ventura sedo culpado ocultará as provas. Simples asim.

Massoterapeuta Renato M. Veras disse...

Acredito na inocência do pastor Silas Malafaia.

Estão tentando de tudo para barrar o avanço dos conservadores, estes saídos em sua maioria das igrejas.

Jorge Santos disse...

Devemos ter em mente que conservadorismo é uma coisa é cristianismo, outra. O cristão deve ser sempre conservador, embora haja crentes que votam inadvertidamente em candidatos socialistas. Assim como há conservadores não cristãos, como espíritas, astrólogos etc. e pseudo-cristãos, como católicos, mórmons etc.

Marcelo Victor disse...

Acho que todas as denominações religiosas, começando pelo império da idolatria romana, deveriam pagar IMPOSTOS como as demais empresas, pra acabar com essa PALHAÇADA em nome da fé.
Essa exploração da fé alheia não passa de uma covardia, pois a maioria dos fiéis vive na miséria e esses charlatões vivem uma vida de reis e rainhas!!!
Não vejo diferença entre esse tipo de exploração e a loteria esportiva, os cassinos, o jogo do bicho e outras formas de exploração da fé alheia!!!
Tá na hora de acabar com essa mamata!!! Quem me garante que esse pessoal não está realmente lavando dinheiro?

Fernando Besler disse...

O Pr Malafaia já deu explicações suficientes e incontestáveis demonstrando inclusive pelo seu extrato bancário para onde foi a oferta que recebeu. O resto é maldade e desejo de alguém do MP e do juiz que expediu o mandado de querer criar um fato inverossímil. Chegou a ser ridículo e de extrema incompetência pra não dizer um abuso o que fizeram com ele. Bastava simplesmente convoca-alô a dar explicações sobre essa oferta que ele recebeu de boa fé .

Aprendiz disse...

http://amigodeisrael.blogspot.com.br/2016/12/academico-pede-genocidio-branco-como.html?m=1
Impressionante!

Unknown disse...

Mais prova do q Malafaia deu da sua inocencia atraves do IR,recibos e cheques,qualquer pessoa sensata e com metade do cerebro consegue discernir isso,mas os invejosos,preconceituosos esse sim preferem se alimentar da calunia do que render aos fatos.
Gostaria q todo esse povo q o critica e pastores q seguem( Augustu Nicodemus,Ed Kivtz) fizessem algo pela familia brasileiro,nunca vi uma critica dessa cambada contra ativismo gay,esquerda,enfim mais facil criticar RR Soares,pastores da Teologia da prosperidade,afinal sao pacificos,concluindo malafaia estar mais pregador da Austeridade do que da prosperidade qdo combate aborto,casamento gay,disso advem toda sua prosperidade,enfim nem todas essas coragem,nao consegue combater isso nem no seu proprio terreiro,Universidade Mackenzie por exemplo,fica na paz.

Marcelo Victor disse...

Por mais que os filhos do diabo achem que fecharam todas as brechas, sempre restará uma, e, por essa, eles cairão diante de Deus, basta ver o caso de Ananias e Safira.
Pelo poder de Deus, o justo será cada dia mais justo. Mas o idolatra, o mentiroso, o enganador, o fornicário, o ganancioso e outros demônios se sujarão cada vez mais e suas apostasias ficarão cada vez mais transparentes.
Bom, nesta existência, somente Deus. Os homens são todos MAUS, repletos de misérias.

Marcelo Victor disse...

Isenções a igrejas podem ser revistas

Segundo informações divulgadas pela Folha de S.Paulo, os deputados federais pretendem aproveitar o gancho existente da discussão previdenciária e reanalisar algumas isenções tributárias existentes no país.
As isenções tributárias, que incluem entidades como igrejas, indústrias, pequenos empresários, produtores rurais e times de futebol, representam um terço do rombo previsto para o Instituto Nacional do Seguro Social, o INSS, no ano de 2017.
Assim, segundo o jornal, igrejas e times de futebol são os principais alvos de possível discussão. O presidente da câmara dos deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem incentivado outro deputado, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), para levar a pauta adiante.
Rodrigo, responsável pela argumentação de que a previdência quebrará em 2024 caso nada for feito, defendeu a discussão da pauta. “Recebi a incrível informação de que todos os clubes de futebol do Brasil, todos, Flamengo, Corinthians, Internacional, nenhum paga a Previdência Social”, afirmou.
O deputado João Campos (PRB-GO), presidente da bancada evangélica, discorda da proposta e acredita que seria um retrocesso. “A isenção não é um benefício, mas uma contrapartida por aquilo que as entidades filantrópicas realizam no lugar do Estado”.
Já Leonardo Rolim, que trabalha como consultor de Orçamento da Câmara, afirma que “tem muita instituição que cobra mensalidades caras e poderia se virar sem isso”, a respeito de universidades religiosas e instituições privadas.
As centrais sindicais, no geral, aprovam a proposta de rever as isenções propostas pelo governo Temer.

Marcelo Victor disse...

Esses são os nicolaítas dos dias de hoje!!!

ozelima silva disse...

Eu acredito que necessidade desse dinheiro ele não tinha, mas como ele tem muitos projetos esse dinheiro contribuiria pra isso, no entanto eu considero a defesa dele quando diz que declarou a receita. Se ele ganhou e declarou a receita não tem corrupção alguma. Essa polêmica é só pq é uma quantidade grande então eles querem quimar ele a todo custo.