29 de dezembro de 2016

O Suicídio da Alemanha


O Suicídio da Alemanha

Guy Millière
O ataque em Berlim de 19 de dezembro de 2016 era uma tragédia anunciada. A chanceler alemã Angela Merkel criou as condições que o tornaram factível. Cabe a ela uma enorme responsabilidade. Geert Wilders, membro do Parlamento da Holanda e um dos únicos líderes políticos com clara visão da Europa, a acusou de estar com as mãos sujas de sangue. Ele está certo.
Quando Merkel decidiu abrir as portas da Alemanha para centenas de milhares de muçulmanos do Oriente Médio e de países mais distantes ainda, ela deveria estar ciente que havia jihadistas escondidos nas multidões que inundaram o país. Ela também deveria saber que a polícia alemã não tinha condições de controlar o turbilhão de pessoas que entraram no país e que seria rapidamente sobrecarregada pelo número de pessoas que teria que controlar. Mesmo assim ela abriu as portas.
Quando ocorreram centenas de estupros e ataques sexuais em Colônia e outras cidades da Alemanha na véspera de Ano Novo do ano passado, ela assinalou que os responsáveis devem ser punidos", independentemente da sua origem", mas ela não mudou sua política. Quando os ataques ocorreram em Hanover, Essen, Wurzburg e Munique, ela demorou a verbalizar alguma coisa e na sequência pronunciou frases com palavras cuidadosamente calculadas no tocante à "necessidade" de combater o crime e o terror. Ainda assim ela não mudou a política.
Ela só mudou seu posicionamento recentemente, ao que tudo indica, porque quer se candidatar novamente em 2017 e viu sua popularidade em declínio.
Os comentários que ela fez imediatamente após os ataques de 19 de dezembro foram entorpecedores. Ela realçou que "se o criminoso for um refugiado" será "muito difícil de suportar" e será "particularmente repugnante para todos os alemães que ajudam os refugiados diariamente".
Comentários dessa natureza poderiam simplesmente ser considerados ingênuos se tivessem sido proferidos por alguém não informado, mas Angela Merkel não tem essa justificativa. Ela não podia ignorar os alertas dos serviços secretos alemães e norte-americanos dizendo que terroristas do Estado Islâmico estavam escondidos entre os refugiados e que estavam planejando usar caminhões em ataques relacionados ao Natal. A situação que os alemães estão suportando por mais de um ano tem sido extremamente complicada. A criminalidade "disparou", doenças extintas há décadas foram trazidas ao país e não há vacinas — por terem sido descontinuadas há tanto tempo — segundas moradias estão sendo desapropriadas pelo governo para abrigar migrantes sem nenhum tipo de compensação e assim por diante. Não demorou muito para se descobrir que o principal suspeito do ataque em Berlim era um requerente a asilo que morava em um abrigo para refugiados.
Em outro país Merkel estaria envergonhada e inclinada a renunciar, na Alemanha ela está concorrendo à reeleição.
A população alemã envelheceu e a taxa de natalidade é perigosamente baixa: 1,38 filhos por mulher. Os imigrantes estão substituindo a população alemã que está desaparecendo pouco a pouco. Os alemães que estão morrendo são cristãos ou mais frequentemente secularistas não religiosos. Como acontece em toda a Europa o cristianismo está desaparecendo, os imigrantes que estão substituindo os alemães são muçulmanos.
A economia alemã ainda é forte, mas está perdendo força. Retornos sobre o capital investido estão em declínio. Justamente numa época em que o capital humano é a principal fonte de lucros, o capital humano alemão está em colapso: indivíduos de países subdesenvolvidos não têm condições de substituir com facilidade os alemães altamente qualificados. A maioria não tem qualificação para ingressar no mercado de trabalho, recém-chegados permanecem por muito tempo desempregados e dependentes do Estado. Dos 1,2 milhões de migrantes que chegaram à Alemanha em 2014 e 2015 apenas 34.000 encontraram trabalho. A taxa de desemprego é baixa porque há uma crescente falta de emprego: hoje 61% dos alemães estão na faixa entre 20 e 64 anos de idade. Estima-se que em meados deste século esse número cairá para 41%.
Discursos de propaganda politicamente correta, que são inesgotavelmente transmitidos na Alemanha - assim como no resto da Europa — nunca falam da demografia. Em vez disso, eles refutam qualquer evidência de que a economia alemã não está indo bem. Eles também dizem que o Islã e o cristianismo são equivalentes, eles estão obstinadamente cegos diante do fato do Islã ser mais do que uma religião: é um sistema político, econômico e moral que engloba todos os aspectos da vida e nunca coexistiu por um período razoável ou de maneira pacífica em uma cultura diferente da sua. Esses discursos ignoram quase por completo a ascensão do Islã radical e do terrorismo jihadista. Em seu lugar argumentam que o Islã radical é uma seita marginal e que o terrorismo jihadista recruta unicamente lobos solitários ou doentes mentais. Acima de tudo, repetem constantemente que qualquer crítica à migração ou ao Islã é humilhante e racista.
A população alemã está intimidada pelo medo, tanto pelo comportamento antissocial de muitos migrantes como pelo patrulhamento ideológico policial de seu próprio governo. Muitos alemães sequer se atrevem a falar. Aqueles que usam o transporte público resignam-se aos insultos. Eles abaixam a cabeça e fogem para o refúgio de suas casas. Idas a restaurantes e teatros despencaram drasticamente. As mulheres se resignaram a usar roupas "discretas" e têm o cuidado de não saírem sozinhas. Protestos organizados pelo PEGIDA (Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente) nunca atraíram um grande número de indivíduos depois que uma fotografia de seu fundador foi divulgada na qual ele aparecia estilizado como Hitler.
O partido Alternativa para a Alemanha (AFD), que exige a suspensão da imigração muçulmana para a Alemanha e continua angariando votos, no entanto, segue sendo um partido minoritário. A lei que condena o incitamento ao ódio (Volksverhetzung), que supostamente se destina a impedir o retorno às ideias nazistas, é usada como uma espada contra qualquer um que se manifeste de forma mais dura em relação à crescente islamização do país.
Em 20 de dezembro Angela Merkel foi depositar rosas brancas na cena do ataque ao mercado de Natal. Milhares de alemães fizeram o mesmo. Muitos trouxeram velas e choraram. Mas a raiva e a vontade de combater a ameaça continua praticamente ausente. Depois de algumas semanas, a página será virada - até que aconteça de novo.
Nada melhor descreve o estado atual da Alemanha do que o triste destino de Maria Landenburger, uma adolescente de dezenove anos de idade, assassinada no início de dezembro. Maria Landenburger, membro de uma organização de ajuda aos refugiados, estava entre aqueles que acolheram migrantes em 2015. Ela foi estuprada e assassinada por um dos indivíduos que estava ajudando. A família dela pediu a qualquer um que quisesse prestar uma homenagem à sua filha que doasse dinheiro para as associações de refugiados, para que mais refugiados pudessem vir para a Alemanha.
A grande maioria dos alemães não quer enxergar que a Alemanha está em guerra porque um inimigo implacável declarou guerra contra eles. Eles não querem enxergar que foi declarada guerra contra a civilização ocidental.
Eles aceitam a derrota e docilmente fazem o que os jihadistas lhes dizem para fazer, eles se curvam.
Ao analisar o ataque de 19 de dezembro na feira natalina, o jornalista alemão Josef Joffe, editor do Die Zeit, explicou a decisão de Angela Merkel de acolher os refugiados como "um ato de expiação" e uma maneira de acolher uma população ameaçada sete décadas depois do Holocausto. Ele também explicou a passividade de muitos alemães movidos por um sentimento de culpa coletiva.
Se Joffe estiver certo, se Angela Merkel não vê a diferença entre judeus sendo exterminados pelos nazistas e muçulmanos que ameaçam exterminar cristãos, judeus e outros muçulmanos, ela é ainda mais ignorante do que parece.
Se muitos alemães estão repletos de culpa coletiva a ponto de quererem compensar o que a Alemanha fez aos judeus acolhendo centenas de milhares de muçulmanos, muitos dos quais declaram abertamente que desejam substituir a cultura judaico-cristã da Alemanha pela do Islã e que estão substituindo a população cristã pela muçulmana — que incluirá assassinos cruéis em suas fileiras — mostra que os alemães de hoje se odeiam tanto que desejam a sua própria destruição ou então que simplesmente perderam a determinação de defender o lhes é precioso — ato este conhecido como rendição.
Dr. Guy Millière, professor da Universidade de Paris, é autor de 27 livros sobre a França e a Europa.
Traduzido por Joseph Skilnik do original em inglês: The Suicide of Germany
Leitura recomendada:

10 comentários :

fococristao disse...

ONGs fazem a maior guerra contra a maternidade.
A tendência é a população envelhecer e sumir mesmo.

2ª GERENCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO-GRE disse...

Porque os alemães não depõem de vez essa vagabunda?

Savio Luan disse...

Porque os Alemães estão todos se borrando de medo e rendidos ao Politicamente Correto.

Marcelo Victor disse...

Seria um juízo de Deus contra a apostasia ou a preparação para o aparecimento do "salvador da pátria"!!!

Cicero disse...

A Alemanha bem que poderia bombardear Meca em represália!

Marcelo Victor disse...

Um pouco fora de contexto, mas há uma passagem bíblica que parece se encaixar muito bem à situação que presenciamos na Alemanha: "ASSIM OS INIMIGOS DO HOMEM SERÃO OS DA SUA PRÓPRIA FAMÍLIA" (Mt 10:36).
Coisa semelhante parece sugerir o Chicão das Couves quando, numa atitude covarde e hipócrita, criticou Trump por querer erguer um muro entre EUA e o México, donde parecem vir, para o solo norte-americano, centenas e mais centenas de bandidos e traficantes.
O hipócrita-mor da idolatria romana esqueceu-se de olhar pro próprio rabo, pois vive numa fortaleza, cercado de muros bem altos e guardado por homens bem armados, assim como deve ocorrer com a presidente alemã.
Por isso, pimenta nos olhos dos outros é refresco!!!

Marcelo Victor disse...

Notícia:
São os ateus e muçulmanos fazendo bully, destruindo a herança cristã:
CRIANÇAS NA ITÁLIA NÃO CANTARAM “NOITE FELIZ” PARA NÃO CONTRARIAR MUÇULMANOS E ATEUS

Hoje leio que na Itália, sede do catolicismo, as crianças de uma escola na cidade de Flero não cantaram Noite Feliz, com receio de sofrerem represálias de muçulmanos e ateus.
O jornal The Express ainda conta que em outra cidade da Itália as crianças foram proibidas de falar o nome de Jesus nas canções de Natal.
E relata ainda outros casos de proibição do cristianismo nas escolas e publicamente.
É o multiculturalismo fazendo o que mais gosta de fazer: destruir o cristianismo
São os ateus e muçulmanos fazendo bully, destruindo a herança cristã. Coisa relatada no livro Bullies de Ben Shapiro.

Renan Prats disse...

Recebam os "refugiados" muçulmanos, cuidem dessas serpentes que odeiam mortalmente os cristãos e depois não reclamem de serem escravizados, convertido á força pelo Islã, desterrados ou decapitados!
Merkel não passa de uma piranha a serviço dos muçulmanos!

Marcelo Victor disse...

O mais interessante disso tudo é ver que nem mesmo Hitler, com toda a sua máquina de guerra e nacionalismo alemão, conseguiu a façanha de subjugar a Inglaterra.
No entanto, os muçulmanos, sem pegar em armas, só com a diplomacia, invadiram o Reno Unido e estão tomando conta de tudo, apoiados pelas autoridades e com direito a tapete vermelho.
Acho que chegou a hora dos ingleses pagarem a conta por todos os séculos de desgraça e exploração que espalharam ao redor do mundo, e, pelo jeito, vão pagar em alto estilo.
Não duvido que, em breve, a rainha tenha que sair fugida pela porta dos fundos, com carruagem e tudo, acompanhada de todos os lordes ingleses kkkkkkkkkkkkkkkk

Marcelo Victor disse...

Parece-me que finalmente os italianos estão anunciando ao mundo que o amor que os apóstolos e os primeiros cristãos tiveram por Cristo (ao ponto de não negá-Lo até a morte) não parece ser o mesmo que a idolatria romana os ensinou ao longo dos séculos.

Convenhamos, se os católicos vivessem, de fato, a fé dos verdadeiros cristãos do primeiro século, jamais permitiriam o que está se passando em solo italiano, cujas novidades têm sido amplamente noticiadas pela imprensa, tais como as anunciadas nesta matéria, quais sejam:
(1) Em julho passado, pela primeira vez durante uma missa na Itália, um verso do Corão foi recitado do altar.
(2) Um padre no sul da Itália enfureceu os paroquianos vestindo a Virgem Maria em uma burca muçulmana para o Natal de sua igreja. Estas iniciativas inter-religiosas baseiam-se na gradual eliminação da herança ocidental-cristã a favor do islamismo.
(3) O clero católico provavelmente está desorientado pelo próprio papa Francisco; Ele foi o primeiro a permitir a leitura de orações islâmicas e leituras do Alcorão no Vaticano.
(4) O Papa abraçou o relativismo religioso quando se trata do Islã. Ele repetiu que a violência islâmica é obra de “um pequeno grupo de fundamentalistas” que, segundo ele, não têm nada a ver com o Islã.

Fica comprovado que, como um pode menor naturalmente acaba sucumbindo diante de um poder maior, esses fatos parecem ser a prova cabal de que o catolicismo romano não tem nada a ver com o cristianismo, pois os verdadeiros cristãos prefeririam morrer, mas não negariam o maravilhoso Nome de JESUS CRISTO, o unigênito Filho de Deus.

A Império Britânico e o Norte-americano, por sua vez, também parecem caminhar nessa mesma direção, provando que o Cristo que diziam crer não foi suficiente pra criar raízes tão profundas assim:
(1) O bispo Harries da Igreja da Inglaterra sugeriu que o serviço de coroação do príncipe Charles deveria ser aberto com uma leitura do Corão.
(2) Nos EUA, mais de 50 igrejas, incluindo a Catedral Nacional de Washington, mantêm leituras do Alcorão.

Contra fatos não há argumentos!!!