13 de novembro de 2016

Por que condenar o Papa Francisco como “comunista”?


Por que condenar o Papa Francisco como “comunista”?

Julio Severo
Segundo a revista Exame, o Papa Francisco declarou que “são os comunistas os que pensam como os cristãos”, ao responder sobre se gostaria de uma sociedade de inspiração marxista, em entrevista publicada nesta sexta-feira no jornal italiano “La Repubblica.”
Quando o papa diz que são os comunistas que pensam como os cristãos, ele está apenas expressando um antigo pensamento católico oficial:
“As coisas que possuímos com superabundância são devidas, pelo direito natural, ao sustento dos pobres.”
Essa declaração, feita por São Tomás de Aquino (Summa Theologica, IIa-IIae, q.66, a.7), mostra que muitos séculos antes de Karl Marx, o catolicismo já entendia que todas as riquezas dos ricos já pertencem, por direito natural, aos pobres.
São Tomás de Aquino (1225-1274) foi o maior teólogo da Igreja Católica.
O Papa Francisco só cometeu um erro. Os comunistas não pensam como cristãos, mas como católicos, pois enquanto a Bíblia fala de uma responsabilidade moral de os cristãos ricos usarem, por amor, suas riquezas para caridade, São Tomás de Aquino fala em obrigação e lei. Isso é comunismo.
Cristianismo é doar pouco ou muito de suas riquezas por amor com quem você quiser se você quiser quando você quiser. Comunismo é distribuir suas riquezas por lei.
Pode-se questionar se São Tomás de Aquino e o Papa Francisco são comunistas enrustidos, ou se Marx era católico enrustido.
Mas uma coisa é certeza: muitos séculos antes de Marx, o catolicismo já pregava o “comunismo.”
Por que então condenar o Papa Francisco por seguir as ideias de São Tomás de Aquino?
Portanto, se o Papa Francisco está errado, o maior teólogo católico também estava. Não faz, pois, nenhum sentido condenar o Papa Francisco sem condenar também São Tomás de Aquino por ideias “comunistas.”
Leitura recomendada:

8 comentários :

helio bandeira disse...

Até o papa é um idiota útil???

"Política sem medo" disse...

Acontece Julio Severo, que o comunismo que Marx pregava e que os russos, Chineses e outros idiotas ou expertos seguiram e o comunismo da distribuicao da miseria e a retencao dos bens de todos para a cupula apenas. Claro que os seguidores dessa forma de governar dizem que o marxismo foi deturpado por maus governantes e que a ideia original era dar todo poder aos mais pobres, distribuindo tudo igualitariamente. Mas nenhum desses que apoiam o comunismo rejeitam Lenin, Stalin, Mao, Hitler, Fidel, Raul ou qualquer outro governo de excessao que extrapolou no seu "comunismo" e matou metade de suas polulacoes. Continuam idolatrando esses malfeitores. Pelo contrario a Igreja Catolica nao dizimou populacoes como o comunismo e sempre esteve pronta a proteger as vitimas desses genocidas e por isso nao se pode dizer que o papa falou o que devia. Sou catolica, cumpridora das minhas obrigacoes religiosas mas nao apoio que o papa va a Cuba ou a outros paises comunistas se nao for para conversar com o povo oprimido e escravizado ao inves de se curvar a um malfeitor da humanidade como Fidel, Evo Morales, Maduro, Dil-ma, e outros genocidas da atualidade, sem ao menos critica-los pelos presos politicos que mantem nos seus paises e sem uma so palavra em defesa deles...

Otto Heinrich Wehmann disse...

Prezado Júlio Severo,

Infelizmente o sr está dourando a pílula.

Lindberg Morais disse...

Acredito que a fonte de ambos os teólogos citados acima, oferece um bom recurso para dirimir as possíveis duvidas. Me refiro, por exemplo, a Atos 2.

helio bandeira disse...

Política sem medo,você nunca ouviu falar da "santa" inquisição católica????

Alex disse...

Quem sabe São Tomaz para ele ser mais católico que comunista deva não pregar o distributismo e pregar o capitalismo? Infelizmente Julho você está preso no seu ranço protestante, decidiu ser ante-católico.

Augusto Paiva disse...

No tocante à citação de Sto. Tomás de Aquino, que fala do direito natural, ela pode ser esclarecida contextualmente aqui:
http://permanencia.org.br/drupal/node/5108

Trata-se do furto famélico, como lemos em Provérbios 6,30: ''Não se despreza o ladrão que furta para satisfazer seu apetite, quando tem fome.'' Davi, por causa da fome, comeu os pães da proposição, o que não era lícito comer (cf. Mateus 12,3-4). Assim também não se deve prender quem rouba uma manteiga (é totalmente desproporcional aplicar tal pena de prisão).

São João Evangelista, inspirado pelo Espírito Santo, diz numa de suas cartas: ''Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade'' (1 Jo 3,17-18).

São Tiago diz: ''De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Acaso esta fé poderá salvá-lo? Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma.'' (Tg 2,14-17)

É um reducionismo ao menos insinuar que Sto. Tomás de Aquino era comunista valendo-se de algumas citações. É pensar de forma binária. Os comunistas e demais cristãos de esquerda (sejam da TL ou da TMI) também se valem de passagens do Evangelho para defenderem um comunismo ''cristão'', como por exemplo aquela típica de Atos 2,44 e outras inúmeras que condenam a avareza e os ricos - e o pior, dizem que Jesus foi (e continua a ser) comunista só porque censurava os ricos, o que, como sabemos, é uma deturpação.

Paz e Bem!

Augusto Paiva disse...

Quem chegou a defender (e lutar por!) um comunismo de fato foram os anabatistas. Também alguns puritanos tentaram a comuna.