5 de novembro de 2016

Novo prefeito evangélico do Rio irá celebrar vitória em Israel


Novo prefeito evangélico do Rio irá celebrar vitória em Israel

Marcelo Crivella se encontrará com primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e com o prefeito de Jerusalém Nir Barkat na próxima semana, informa a mídia brasileira

JTA
Comentário de Julio Severo: Crivella, que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), nunca conseguiu demonstrar uma postura sólida contra o antigo PLC 122 e era bem próximo de ex-presidente socialista Dilma Rousseff. E sua denominação é vergonhosamente conhecida por ser pró-aborto e, no que se refere a profecias e revelações, cessacionista. Espero que Crivella tenha mudado e seja agora uma “ovelha negra” na IURD. Mas, apesar das fraquezas, ele tem uma boa qualidade: Ele é pró-Israel. O conhecido site conservador americano Breitbart, de origem judaica, noticiou sobre a intenção de Crivella de celebrar sua vitória em Israel. Breitbart citou de reportagem do jornal israelense Times of Israel, que traduzi e reproduzo abaixo na íntegra:
Marcelo Crivella, em foto usada pelo site conservador judaico americano Breitbart
RIO DE JANEIRO — O prefeito-eleito do Rio de Janeiro, um proeminente líder evangélico, estará indo a Israel para celebrar sua vitória.
Marcelo Crivella, que foi eleito no domingo, se encontrará com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e com o prefeito de Jerusalém Nir Barkat na próxima semana, informaram vários meios de comunicação do Brasil, citando o próprio prefeito-eleito como a fonte. No entanto, a informação não foi confirmada por autoridades israelenses.
“Marcelo Crivella, que já esteve em Israel cerca de 35 vezes, é um grande amigo da comunidade judaica e do Estado de Israel,” Osias Wurman, cônsul honorário de Israel no Rio e ex-presidente da Federação Judaica do Rio, disse para JTA. “Espero que ele fortalecerá muito a cooperação entre o Rio e o Estado de Israel, principalmente nas áreas de segurança, cultura e tecnologia.”
Veja, a mais influente revista semanal do Brasil, informou na segunda-feira que o voto judaico de uma das zonas mais ricas do Rio foi fundamental para a eleição de Crivella. O apoio em massa pode ter sido uma reação aos membros do partido do oponente de Crivella. Recentemente, esses membros se referiram ao falecido presidente israelense Shimon Peres como um “ideólogo do terrorismo” e, um ano atrás, queimaram a bandeira de Israel em público.
Crivella derrotou facilmente seu oponente de extrema-esquerda Marcelo Freixo com 59 por cento dos votos no segundo turno da eleição municipal da segunda maior cidade do Brasil.
Em janeiro, quando o Brasil rejeitou um ex-líder de assentamentos, o qual Israel havia escolhido como embaixador, para Brasília, Crivella disse que tal atitude transmitia uma mensagem favorável a boicotes. Desde então, o cargo de embaixador continua vago.
“Rejeitar o embaixador pode transmitir uma mensagem de que o Brasil apoia o BDS,” Crivella escreveu num artigo publicado no influente jornal brasileiro Folha de S. Paulo, se referindo ao Movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções. “Deixar Israel sem embaixador não vai ajudar ninguém.”
Crivella chamou Dani Dayan de “um diplomata preparado selecionado legitimamente por um país amigo. O fato de que ele defende assentamentos na Margem Ocidental é um motivo fraco para tal descortesia e tanta incompetência política.”
Em seu artigo, Crivella comentou os laços profundos entre Brasil e Israel, recordando que o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha presidiu a sessão da ONU que criou o Estado de Israel em 1948.
Em novembro, o senador se juntou a uns 1.500 manifestantes num comício pró-Israel no Rio de Janeiro. Dias antes, durante um grande programa de TV, ele havia pedido que “todos os amigos de Israel” participassem do comício.
Crivella é sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus uns 40 anos atrás. Ele também desempenhou um papel importante na IURD ajuntando uns 5,2 milhões de seguidores em 13.000 templos no Brasil e no mundo inteiro. A IURD possui o segundo maior canal de TV do Brasil e um enorme conglomerado de jornais e estações de rádio.
Ao assumir o cargo de prefeito do Rio em 1 de janeiro, Crivella interromperá seu segundo mandato de senador.
O Brasil, que tem a maior população católica do mundo — uns 65% de sua população de 204 milhões — abriga uns 120.000 judeus.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do jornal israelense Times of Israel: Rio’s evangelical new mayor to celebrate victory in Israel
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :