18 de outubro de 2016

Trump se encontrará com Putin antes de sua posse


Trump se encontrará com Putin antes de sua posse

Julio Severo
Numa entrevista na segunda-feira com Michael Savage, apresentador de programa de rádio, o candidato presidencial republicano Donald Trump disse que se ele vencer em novembro, ele poderá se encontrar com o líder russo Vladimir Putin antes de sua posse em janeiro.
Michael Savage e Donald Trump
Ele disse: “Se eu ganhar em 8 de novembro, poderei me encontrar com Putin em reunião na Rússia antes do início do governo.”
Trump comentou que as relações com a Rússia são amplamente vistas como piores do que em qualquer época desde a Guerra Fria.
“Serei honesto com você: Temos uma situação aqui que é potencialmente muito catastrófica,” ele continuou.
“Dizem: ‘Oh, vejam, a Rússia ama Donald Trump e Putin ama Donald Trump,’” Trump disse para Savage. “Obama e Hillary insultam Putin constantemente, de modo que não é surpresa que Putin não aguente Obama e Hillary Clinton.”
Em seu último debate com Hillary, Trump disse: “Ela fala de modo agressivo com a Rússia. Ela não deveria falar de forma tão agressiva,” disse Trump. “Francamente, se estivéssemos de bem com a Rússia e eliminássemos o ISIS, isso seria uma coisa boa, não uma coisa ruim.”
Numa entrevista em agosto, Trump disse para Savage que as políticas do presidente Obama e Hillary Clinton para com a Rússia provocaram algo “pior do que a Guerra Fria.”
“Muitas de suas ideias vieram de meus livros anteriores. Todo mundo sabe disso,” Savage disse sobre Trump ao WND numa entrevista.
Trump tem estado em conflito com os interesses dos neocons. Não é de admirar que ele esteja lendo os livros de Savage, que vem desmascarando os neocons.
Veja o caso ucraniano. Enquanto Barack Obama, Hillary Clinton e George Soros estavam chamando a revolução ucraniana de revolução do povo, numa reportagem do WND Savage disse:
“A situação na Ucrânia tem sido pintada como um conflito entre a Rússia de Vladimir Putin, os supostos caras maus, e os rebeldes ucranianos, os supostos caras bons que buscam expulsar a Rússia de uma posição de influência na Ucrânia e instalar um novo governo que dará atenção ao povo ucraniano. Não acredite numa única palavra disso. Os nacionalistas ucranianos são fascistas. O propósito original do governo dos EUA ao encenar um golpe na Ucrânia era afastar a Ucrânia da Rússia e levar a Ucrânia à União Europeia. Em outras palavras, os neocons e os ‘moderados’ comprados do governo de Obama queriam tirar, à força, o controle da Ucrânia das mãos de Putin e ganhar controle econômico e energético sobre o país. Como o Dr. Stephen F. Cohen apontou, os países ocidentais, com os EUA liderando o caminho, estão há décadas provocando Putin. O Ocidente expandiu a OTAN para incluir ex-estados soviéticos — a Ucrânia parece ser o próximo alvo — e atacou aliados da Rússia, inclusive Líbia e Iraque. Os EUA — junto com outros países ocidentais — por meio de suas incursões na política, economia e segurança nacional da Rússia e vários de seus aliados, efetivamente provocaram a situação que agora está se revelando na Ucrânia. Cohen está certo.”
Savage aponta que Obama e seus neocons, não conservadores, criaram uma revolução na Ucrânia para afastá-la da Rússia e colocá-la, eventualmente, na órbita da OTAN.
Enquanto Trump tem elogiado a Rússia e os assessores de Trump estavam apoiando forças pró-Rússia na Ucrânia, os neocons têm abertamente louvado a revolução ucraniana como o melhor exemplo democrático contra uma ditadura. A revolução ucraniana foi a maior revolução de Soros, tendo sido financiada em massa por ele.
Obama e seus neocons querem a Ucrânia na OTAN e estão dispostos a fazer guerra para conseguir isso. Em contraste, Trump não tem mostrado, até agora, nenhuma disposição de seguir as paixões neocons para iniciar uma guerra na Ucrânia contra a Rússia.
No mês passado, o presidente ucraniano Petro Poroshenko convidou Trump para uma reunião, mas, de acordo com o DailyMail, “o governo ucraniano diz que o candidato republicano não deu a mínima bola para eles.”
Entretanto, Hillary Clinton se encontrou com Poroshenko e lhe prometeu que ficaria do lado da Ucrânia contra a “agressão russa.”
Enquanto Obama, Hillary e os neocons querem a Ucrânia na órbita da OTAN e estão usando a situação ucraniana para fortalecer a OTAN, Trump tem de novo estado em conflito com os interesses deles.
A melhor explicação sobre as intenções dos neocons foi dada por Savage, que disse:
“Os neocons… fazem muito dinheiro em cima de conflitos militares. Quando o mundo está em guerra, os neocons e a indústria bélica que trabalha com eles lucram enormes quantias de dinheiro. Os neocons não se importam de que lado você está, enquanto puderem trabalhar com você para criar uma situação política que eles consigam fazer crescer até virar guerra, e aí eles começam a tirar lucro.”
Savage está certo. E Trump concorda com ele. Mas indivíduos de mentalidade neocon não concordam. O blog de Trevor Loudon disse:
“Se Trump for eleito, veremos russos… na Casa Branca. Os assessores de Trump estão bastante conectados a Vladimir Putin e à Rússia. O próprio Trump tem muitas ligações também e é amigo de Putin. É por isso que Putin tentará sabotar Hillary com o vazamento de emails, etc.”
A atitude de Trump buscar se dar bem com a Rússia e se encontrar com Putin é correta, mas desprezada por neocons.
Ronald Reagan tentou a abordagem de Trump no passado, quando a Rússia era a União Soviética e era oficialmente ateística e comunista. Naquele tempo, os EUA sob Reagan oficialmente valorizavam a Bíblia e os valores cristãos. Hoje, o governo americano oficialmente despreza esses valores, enquanto a Rússia oficialmente abandonou o ateísmo e está abraçando sua Igreja Cristã Ortodoxa.
É impossível que os socialistas Hillary e Obama se deem bem com a Rússia moderna, principalmente depois que os russos aprovaram uma lei que proíbe propaganda homossexual para crianças.
Entretanto, se foi possível para o evangélico Reagan buscar se dar bem com os líderes ateus soviéticos, por que Trump não deveria ser elogiado por buscar se dar bem com uma Rússia não ateísta?
Com informações do WND (WorldNetDaily).
Versão em inglês deste artigo: Trump will meet with Putin before his inauguration
Leitura recomendada:

Um comentário :

Tito Zultanski Sobrinho disse...

Ainda mais agora que Trump, está dando total apoio para os cristãos e sendo eleito presidente quer revogar a lei de 1954 que Lyndon Jhonson ativou na década de 60 quando era presidente dos EUA. Proibindo líderes cristãos e de outras religiões de se manifestarem politicamente.
Então creio que ficará mais fácil para Trump se relacionar com a Russia de Putin que também é um líder cristão.