5 de setembro de 2016

Imigração: Uma arma de destruição cultural em massa nas mãos de esquerdistas


Imigração: Uma arma de destruição cultural em massa nas mãos de esquerdistas

Julio Severo
É um fato que os conservadores nos Estados Unidos estão perdendo a guerra cultural por meio de uma imigração em massa facilitada por décadas de políticas esquerdistas. Os democratas, que são essencialmente socialistas, têm uma supremacia confortável na área de imigração.
A resposta típica dos conservadores americanos é restringir parte da imigração. Mas, nessa altura, os EUA já foram inundados por imigrantes que estão em grande parte contribuindo para o projeto esquerdista de hegemonia cultural nos EUA.
A esta altura, os conservadores americanos já deveriam ter notado e concluído que se os esquerdistas estão ganhando mediante a imigração, eles deveriam também usar os mesmos métodos. Fogo contra fogo.
Se os esquerdistas estão inundando os EUA com muçulmanos e outros que estão ajudando o projeto deles, os conservadores também deveriam trabalhar um plano para inundar os EUA com imigrantes. Não qualquer imigrante, mas imigrantes conservadores reais. Ann Coulter comentou que muitos imigrantes católicos latino-americanos, que são pró-vida, são facilmente enganados pelos democratas e suas esmolas socialistas. Geralmente, eles amam valores pró-vida. Mas eles votarão em qualquer candidato que lhes der esmolas, independente se ele é pró-aborto ou não. Isso não é conservadorismo verdadeiro.
Para se ajustar ao perfil populacional esquerdista, em constante mudança, induzido pela imigração em massa, os conservadores e os republicanos estão cada vez mais adotando ideias, métodos e políticas esquerdistas. A imigração está mudando o modo como os conservadores e republicanos pensam e se conduzem politicamente. Por causa do exército imenso de imigrantes que servem ao Partido Democrata, os republicanos e suas posturas, principalmente suas ações, estão cada vez menos conservadores, enquanto os democratas se conduzem de modo cada vez mais esquerdista.
Os conservadores que não adotam o modo relativista dos esquerdistas sofrem as consequências da imigração irresponsável que tem como alvo fortalecer a Esquerda, não os EUA.
Uma amiga americana judia me disse que ela vive num município muito conservador em Denver, que está recebendo numerosos imigrantes muçulmanos, que são politicamente rotulados de “refugiados” pela Esquerda. Ela disse que a Universidade do Norte do Colorado começou 2 anos atrás a fornecer Halal (comida islâmica) em todas as suas lanchonetes e que verbas federais estão atreladas à imigração e banheiros transgêneros. “Então, se as instituições educacionais de uma região querem verbas federais, são obrigadas a cumprir as leis,” ela disse.
O Dr. William J. Murray, um ex-marxista que hoje denuncia a ideologia marxista, leu meu artigo, concordou e disse: “Sim, a ideia de conservadores ajudando conservadores a imigrar para os EUA seria boa, mas… restaram muito poucas igrejas realmente conservadoras nos EUA. Resposta resumida: Ideia boa, mas a igreja americana não ajudará.”
Murray, que é o fundador e diretor da Coalizão de Liberdade Religiosa (uma organização cristã com sede em Washington DC que ajuda cristãos perseguidos), também disse: “Temos feito tudo o que podemos para trazer cristãos da Síria… este é o resultado: 99% dos sírios neste ano que Obama deixou entrar nos EUA são muçulmanos e 97% deles são muçulmanos sunitas. Tenha em mente que são os muçulmanos sunitas que são responsáveis pelo atentado terrorista contra os EUA em 11 de setembro de 2001. Eles são também responsáveis pelos atentados terroristas em Ft. Hood, San Bernardino, Orlando, Paris, Bruxelas e Nice, só para citar alguns exemplos.”
Murray foi destaque no meu blog em 2015 no artigo “Entrevista exclusiva com William J. Murray, defensor dos cristãos perseguidos.”
A resposta de Murray é fascinante. Para ele, as igrejas evangélicas conservadoras deveriam se envolver em ajudar os evangélicos conservadores a imigrar para os EUA. Mas elas não estão fazendo isso.
Entretanto, as igrejas liberais e esquerdistas estão fazendo isso — para seus irmãos liberais e esquerdistas. E até mesmo os grupos anticristãos estão também fazendo isso — só para seus irmãos anticristãos.
Recentemente, o candidato republicano Donald Trump foi criticado por seu comentário sobre proibir a imigração islâmica aos EUA. Essa imigração desnecessária e prejudicial tem recebido tratamento preferencial há décadas nas políticas dos EUA, enquanto os cristãos, que são vítimas preferenciais de opressores islâmicos, têm sido ignorados e esquecidos.
Para atacar Trump, a rival socialista democrata Hillary Clinton apresentou Khizr Khan como um palestrante muçulmano na Convenção Nacional Democrática.
Khan tem ligações profundas com o governo da Arábia Saudita e com programas polêmicos de imigração usados por ele para ajudar muçulmanos estrangeiros a comprar sua entrada nos Estados Unidos. Em resumo, ele está fazendo tudo o que pode para ajudar seus irmãos islâmicos. Mas onde é que os cristãos conservadores americanos estão ajudando seus irmãos?
De acordo com o artigo “Igreja Católica recebe milhões de dólares para facilitar invasão de imigrantes nos EUA,” uma fonte católica diz que a Conferência Nacional dos Bispos Católicos dos Estados Unidos recebe milhões em verbas do governo americano para fornecer benefícios aos “refugiados” muçulmanos. Então a Igreja Católica está ajudando a revolução de imigração islâmica. Nessa perspectiva, não é de admirar que nos EUA a maioria dos imigrantes católicos, que são conservadores, tenha um histórico de votação sistematicamente esquerdista. A conduta esquerdista deles não combina com suas convicções supostamente conservadoras.
A invasão de “refugiados” islâmicos está também beneficiando o bilionário esquerdista George Soros, que, por meio de sua Fundação Sociedade Aberta (FSA), está influenciado o Supremo Tribunal dos EUA e a grande mídia a apoiar a invasão de imigrantes para promover suas causas esquerdistas. Essa revelação foi feita por uma entidade hacker russa que liberou milhares de documentos das autoridades da FSA. (Leia: Bilionário esquerdista George Soros e seu plano de caos mundial.)
Essa invasão não é nova. Pouco se fala de um programa de “refugiados” que vem enviando milhares de muçulmanos somalis anualmente às cidades americanas por 33 anos. Aliás, foi iniciado por Ronald Reagan.
A Somália é um foco de terrorismo jihadista sunita — o mesmo tipo do ISIS. A Somália é a sede da notória al-Shabab, que é filial da al-Qaeda.
Al-Shabab lançou massacres contra cristãos no Quênia no ano passado num shopping center e numa universidade. Dezenas de “refugiados” somali-americanos e filhos de refugiados têm sido formalmente acusados pela justiça americana durante os anos de dar apoio material a al-Shabab, ISIS e outros grupos terroristas estrangeiros. Mais de 40 deixaram os EUA desde 2007 para se unir a al-Shabab ou ao Estado Islâmico na Síria.
O presidente esquerdista Obama tem, durante seus mais de sete anos de governo, aprovado o reassentamento de 47.500 “refugiados” somalis islâmicos em comunidades dos EUA.
O governo supostamente direitista de George W. Bush trouxe 49.613 somalis islâmicos aos EUA durante oito anos, de acordo com o banco de dados do Departamento de Estado dos EUA. Eles foram reassentados por entidades beneficentes tais como Caridades Católicas, Serviços Sociais Luteranos, Serviços Mundiais da Igreja, Sociedade Hebraica de Assistência ao Imigrante e Sociedade de Assistência Mundial da Associação Nacional de Evangélicos.
Em grande parte organizações católicas, protestantes e judaicas são colaboradoras nessa invasão. De acordo com o WND (WorldNetDaily), desde Reagan em 1983, os EUA receberam um total de 132.224 somalis, 99 por cento dos quais são muçulmanos sunitas que obedecem à xariá (lei islâmica). Essas organizações judaico-católicas-evangélicas, com governos democráticos socialistas e republicanos conservadores, geralmente seguem a agenda socialista sobre a imigração islâmica aos EUA.
Então até mesmo presidentes republicanos e conservadores (inclusive Reagan e ambos os Bushes) ajudaram a trama esquerdista de invasão em massa de imigrantes islâmicos nos EUA. Em contraste, os democratas e seus aliados socialistas ajudariam um plano conservador que incluísse a imigração em massa de evangélicos conservadores aos EUA?
Uma política de imigração para trazer evangélicos conservadores pró-Israel aos EUA seria discriminatória, na visão da mídia americana, que não vê nada de errado em trazer aos EUA muçulmanos radicais anti-Israel.
Evangélicos conservadores pró-Israel trazem bênção a uma nação e muçulmanos anti-Israel trazem maldições, pois Deus disse sobre os judeus: “Abençoarei os que abençoarem vocês e amaldiçoarei os que amaldiçoarem vocês.” Por causa de suas estúpidas políticas de imigração, agora os EUA têm enormes comícios, em grandes cidades como Chicago, apoiando grupos terroristas e protestando contra Israel.
Os americanos evangélicos originais eram pró-Israel e duvido que eles apoiariam a imigração em massa de antissemitas que os EUA estão permitindo hoje. Por que os EUA estão importando milhares e milhares de imigrantes pró-terrorismo e anti-Israel? Por que os presidentes evangélicos estão ajudando tais imigrantes?
Se as igrejas evangélicas conservadoras nos EUA não ajudarem os evangélicos conservadores em outras nações, quem o fará? O governo dos EUA? Ele está ocupado demais, sob presidentes republicanos conservadores e democratas socialistas, ajudando muçulmanos — realmente milhares deles. Aliás, de acordo com o WND, Reagan (a quem admiro como o presidente mais conservador da história recente dos EUA), foi o primeiro presidente americano a inundar os EUA com imigrantes muçulmanos! É um pesadelo ficar sabendo que seu presidente mais admirado fez tal coisa impensável.
Como é que os conservadores podem condenar o cripto-islâmico Obama por suas políticas de imigração que favorecem os muçulmanos quando até mesmo o mega-conservador Reagan errou nesse assunto? Pelo menos, Obama é coerente com seus valores cripto-islâmicos. Reagan e os Bushes não eram coerentes com seus valores evangélicos. Se fossem, eles teriam políticas de imigração favorecendo os evangélicos.
Um amigo brasileiro, que é um pastor da Assembleia de Deus, me disse que queria viver nos EUA para ajudar os evangélicos conservadores. Ele é completamente conservador. Ele tem vários amigos evangélicos conservadores nos EUA… que não estão dispostos a ajudá-lo a imigrar aos EUA. Ele sente sua indisposição, mas não a entende.
Por outro lado, você vê esquerdistas nos EUA ajudando esquerdistas no mundo inteiro a imigrar para os EUA.
Você vê muçulmanos nos EUA ajudando muçulmanos no mundo inteiro a imigrar para os EUA.
Você vê marxistas secularistas nos EUA ajudando marxistas secularistas no mundo inteiro a imigrar para os EUA.
Você vê marxistas cristãos nos EUA ajudando marxistas cristãos no mundo inteiro a imigrar para os EUA.
Mas você não vê cristãos conservadores nos EUA ajudando cristãos conservadores no mundo inteiro a imigrar para os EUA.
Quem ganhará esta guerra? Aqueles que têm uma resposta ineficaz de restrições de imigração ou os que estão trabalhando há décadas para inundar os EUA com imigrantes famintos de esmolas socialistas?
Lamentavelmente, os socialistas já estão ganhando e em poucas décadas os EUA serão recriados de acordo com sua imagem e semelhança esquerdista.
A melhor maneira de analisar a força de um povo é por seu poder religioso. Os EUA, cuja república foi fundada por um povo moral de 98% protestantes (e seu protestantismo era forte em números, virtude e a Bíblia), tem hoje menos de 50% de protestantes, e eles estão perdendo em números e qualidade espiritual.
Os protestantes americanos originais eram conservadores.
No passado, os EUA eram uma superpotência nas mãos de evangélicos que criam na Bíblia. Hoje, os EUA não estão nas mãos de evangélicos conservadores e a vaga evangélica no governo americano tem sido ocupada por um homem cripto-islâmico na Casa Branca e por numerosos ativistas opostos ao evangelicalismo conservador. Mais vagas serão preenchidas por muçulmanos com o tempo. De superpotência evangélica para superpotência muçulmana, socialista e homossexualista. Tenho certeza de que os fundadores dos EUA nunca anteviram tal tragédia para os EUA.
É óbvio que os esquerdistas americanos estão inundando os EUA com imigrantes que não são protestantes e definitivamente não são conservadores. Eles estão ajudando seus amigos e aliados.
Por que os conservadores americanos não ajudam seus amigos e aliados?
Por que só os esquerdistas sabem usar a imigração como arma? Nas mãos deles, a imigração é uma arma de destruição cultural em massa para destruir uma cultura conservadora.
Por que os conservadores não podem usar a imigração como arma de destruição cultural em massa para neutralizar a arma esquerdista de destruição cultural em massa e salvar os EUA e restaurá-los ao seu evangelicalismo original centrado na Bíblia?
É claro que os evangélicos conservadores podem se opor ao ataque violento das políticas esquerdistas de imigração levando o Evangelho para milhares de imigrantes muçulmanos que já foram trazidos por Obama, Bush, Clinton, Bush e Reagan. Mas tais políticas são insanas e presidentes conservadores não mostraram sanidade ao implementá-las.
Acima de tudo, por que as igrejas evangélicas conservadoras não usam a imigração como canal de bênção para seus irmãos e irmãs conservadores no mundo inteiro? Não é isso o que a Bíblia nos ensina?
“Portanto, agarrem toda oportunidade que o Senhor lhes der para fazer coisas boas e ser uma bênção a todos, principalmente os que estão dentro de nossa família da fé.” (Gálatas 6:10 The Voice)
“Sendo assim, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, principalmente aos da família da fé.” (Gálatas 6:10 King James Atualizada)
Cada vez que tivermos chance, trabalhemos para o benefício de todos, a começar pelos mais próximos de nós na comunidade de fé.” (Gálatas 6:10 A Mensagem)
Com informações do WND e DailyMail.
Leitura recomendada:

3 comentários :

Flávio Da Vitória disse...

A maioria dos Católicos votam na esquerda, não ligam para a bíblia, isso é o fruto de fazer ídolos cegos. Um abismo chama o outro.

Tito Zultanski Sobrinho disse...

Excelente os seus comentários Julho, na verdade estamos caminhando para um caos cultural e espiritual, chegou a hora da igreja agir através da fé e protestar firmemente junto as lideranças políticas e seculares não só nos EUA, mas também no Brasil e em todos os países de tradições cristãs.Chega de divisões no corpo de Cristo, é ora de unir nossa fé e lurarmos juntos contra as ostes das trevas.

Ari Zanella disse...

Muito boa, meu caro Julio, esta parte para interatividade. Não para falar mal (e já falando) do profeta Marcos Efraim Paulo Goes, do site Libertar.In que, aliás, reproduz muitos de seus artigos. Lá não temos INTERATIVIDADE, parece que ele não quer ouvir ou ler o CONTRADITÓRIO.
Uma palavrinha ao Flávio da Vitória (1º comentário) para dizer que nós católicos lemos sim a Bíblia, em toda missa há 3 leituras (Uma do AT, uma do NT e o Evangelho). Cristo disse: "Pregai o Evangelho a toda a criatura..." Damos ênfase ao Evangelho pois é nele que o Pai nos fala através do próprio Filho. Isto é o mais importante.
Forte abraço, quero ser seu amigo em Cristo.
(A huge hug, I wanna be your friend in Christ)