26 de setembro de 2016

Benjamin Netanyahu se encontra com Donald Trump, que promete que se eleito reconhecerá Jerusalém como capital de Israel


Benjamin Netanyahu se encontra com Donald Trump, que promete que se eleito reconhecerá Jerusalém como capital de Israel

Associated Press
Comentário de Julio Severo: Netanyahu é direitista. Embora ele prefira Trump, ele não pode manifestar apoio público, pois na última vez que ele se envolveu na eleição presidencial americana, o candidato que ele não apoiou (Obama) ganhou, e desde então o governo de Obama só faz cara feia para Netanyahu. (Se você achava que Obama só faz cara feia para Putin, você se enganou.) Infelizmente, Israel não é uma potência grande o suficiente para fazer frente a isso. Essa é a razão por que Netanyahu se encontrará também com a esquerdista Hillary Clinton. Quanto à promessa de Trump reconhecer Jerusalém como capital de Israel, tais promessas são tradição entre candidatos do Partido Republicano e também do Partido Democrático. Mas nenhum deles nunca cumpriu. Existe uma tradição política americana de não cumprir essa promessa que é tão importante para Israel. Portanto, se Trump não cumprir essa promessa depois de eleito, ele só estará fazendo o que o evangélico conservador Bush e outros fizeram. Leia agora a reportagem, conforme saiu no WND (WorldNetDaily):
Donald Trump e Benjamin Netanyahu
No domingo, Donald Trump obteve algumas dicas do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu sobre como construir muros de fronteira.
Trump se encontrou com Netanyahu por 90 minutos em sua residência na Torre Trump em Manhattan, onde eles conversaram sobre “assistência militar, segurança e estabilidade regional,” de acordo com oficiais de Israel e da campanha de Trump.
Os dois discutiram profundamente o uso que Israel faz de um muro de segurança para ajudar a proteger suas fronteiras.
Trump propôs construir um muro ao longo da fronteira sul para impedir a entrada de pessoas e drogas ilegais e muitas vezes ele aponta para Israel como exemplo de como tais barreiras podem ter êxito.
A imprensa foi barrada de cobrir a reunião entre Netanyahu e Trump, mas a campanha de Trump disse numa declaração que os dois homens, que se conhecem há anos, discutiram “muitos assuntos importantes para ambos os países,” inclusive “o relacionamento especial entre os EUA e Israel e a ligação inquebrável entre os dois países.”
Trump também repetiu sua promessa de mudar a Embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém se eleito presidente.
“O Sr. Trump reconheceu que Jerusalém tem sido a capital eterna do povo judeu há mais de 3 mil anos, e que os Estados Unidos, sob um governo Trump, finalmente aceitarão o antigo mandato do Congresso dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital unificada do Estado de Israel,” a campanha disse.
Essa promessa tem sido feita de várias formas desde pelo menos 1992. O Congresso dos EUA três anos mais tarde aprovou uma lei que mandava que a Embaixada dos EUA se mudasse para Jerusalém até 1999, mas presidentes de ambos os partidos [direitistas e esquerdistas] sempre evitaram implementar essa ordem.
George W. Bush prometeu no ano 2000 iniciar a mudança “logo que eu for eleito presidente,” mas não cumpriu.
Hillary Clinton também está para se encontrar com Netanyahu em Nova Iorque, às vésperas do primeiro debate entre os candidatos.
O líder israelense vem buscando projetar neutralidade desta vez depois de percepções de que ele favorecera Mitt Romney sobre o presidente Barack Obama em 2012.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Netanyahu talks ‘wall’ with Trump in NYC
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :