5 de agosto de 2016

Israel acusa diretor da Visão Mundial em Gaza de financiar grupo terrorista islâmico Hamas


Israel acusa diretor da Visão Mundial em Gaza de financiar grupo terrorista islâmico Hamas

Tia Goldenberg e Daniella Cheslow
Comentário de Julio Severo: Durante toda a minha vida como evangélico, quando eu via o nome “Visão Mundial,” imediatamente vinha à mente cenas de crianças pobres sendo sustentadas e amparadas por essa grande entidade evangélica. O que nunca me veio à mente foi que o dinheiro que você envia ali para ajudar crianças estava indo para as mãos sanguinárias de terroristas cuja ocupação na vida é matar judeus. O que você imagina é seu dinheiro indo para essa grande instituição evangélica de caridade para dar leite e alimento para uma criança necessitada. Nunca que você vai imaginar seu dinheiro ajudando a comprar armas para matar judeus! Por isso, a Bíblia nos manda vigiar e orar. A Visão Mundial, cujo diretor no Brasil é o Pr. Ariovaldo Ramos, apóstolo da Teologia da Missão Integral, é a maior entidade evangélica de assistência do mundo. Se um escândalo como esse está acontecendo com a Visão Mundial, o que dizer de outras entidades evangélicas menores e com muito menos transparência? Quer ajudar uma criança necessitada? Deixe Deus lhe mostrar alguma criança pobre em seu bairro ou até mesmo em sua própria igreja. Sim, ao contrário do que você imagina, deve haver crianças necessitadas em sua igreja, a não ser que sua igreja seja rica e opulenta. Adote financeiramente uma criança da sua igreja ou bairro. Não use intermediários. Eis a reportagem:
JERUSALÉM (AP) — A agência de segurança interna de Israel disse na quinta-feira que prendeu um funcionário de elevada patente da organização internacional de assistência Visão Mundial na Faixa de Gaza, acusando-o de sugar milhões de dólares dos recursos beneficentes da entidade de caridade e transferindo-os para a organização militante islâmica Hamas.
Mohammed el-Halabi estabeleceu um “mecanismo sistemático e sofisticado” para desviar até 50 milhões de dólares durante anos para a entidade militante, que governa Gaza, criando projetos humanitários fictícios e falsificando recibos inflados a fim de obter o dinheiro para o Hamas, disse Shin Bet.
El-Halabi, cujas ações ajudaram o Hamas a construir túneis subterrâneos ilegais e comprar armas para ataques terroristas, foi acusado na quinta-feira, disse o Shin Bet.
A Visão Mundial, uma organização evangélica internacional de assistência com sede no Estado de Washington e Reino Unido, trabalha em aproximadamente 100 países. Essa organização disse numa declaração em seu site que estava “chocada” com as alegações e disse que não tem “nenhuma razão para acreditar” que sejam verdade, mas “examinará cuidadosamente qualquer evidência apresentada a nós” e “adotará medidas apropriadas com base nessa evidência.”
O governo da Austrália anunciou na noite de quinta-feira que estava suspendendo verbas para a Visão Mundial até que se complete a investigação.
“Qualquer desvio do apoio generoso da Austrália e da comunidade internacional para propósitos militares ou terroristas por parte do Hamas deve ser deplorado,” o governo australiano disse numa declaração.
Uma autoridade do Ministério do Exterior de Israel disse que Kent Hill, uma autoridade de elevada patente na Visão Mundial, estava tendo reuniões em Israel por causa das acusações. A autoridade israelense falou na condição de anonimato porque as reuniões eram secretas.
Hazem Qasem, porta-voz do Hamas, chamou as alegações de “mentiras que podem ser parte da justificativa do bloqueio imposto pela ocupação em Gaza.”
El-Halabi, que tem quase 30 anos e é de Jebaliya na Faixa de Gaza, foi preso em junho enquanto cruzava de Israel para Gaza. O Shin Bet disse que ele passou por treinamento militar e organizacional no Hamas no inicio do ano 2000 e foi “plantado” por esse grupo na Visão Mundial em 2005, onde ele subiu os cargos até se tornar diretor da filial em Gaza.
“Ele começou a conduzir operações de segurança para a ala militar do Hamas que estava essencialmente explorando o dinheiro da Visão Mundial para fortalecer o Hamas,” disse o Shin Bet.
Para desviar o dinheiro, o Shin Bet disse que el-Halabi iniciava projetos fictícios com a finalidade de ajudar fazendeiros, deficientes e pescadores.
Ele costumava falsamente colocar em suas listas agentes do Hamas como trabalhadores nesses projetos e aumentar os valores com recibos inflados, de acordo com o Shin Bet. Empresas contratadas para executar certos projetos eram “conscientizadas” de que 60 por cento do dinheiro do projeto eram destinados ao Hamas, disse a declaração do Shin Bet, acrescentando que parte do orçamento da Visão Mundial era usado para pagar os salários dos agentes do Hamas.
O Shin Bet também disse que el-Halabi costumava transferir para o Hamas materiais como aço, equipamento de escavação e tubos que haviam sido destinados para a assistência agrícola da Visão Mundial. Milhares de pacotes de comida e assistência médica recebidos mensalmente seriam desviados para agentes do Hamas e suas famílias em vez de alcançarem civis de Gaza.
Além das compras de armas e escavação de túneis, o dinheiro também ajudava a construir bases militares, inclusive uma base construída em 2015 inteiramente com dinheiro de assistência da Inglaterra, de acordo com o Shin Bet.
A agência de segurança também disse que desde sua prisão, el-Halabi revelou informações confidenciais sobre funcionários que trabalham para agências da ONU e outras entidades de assistência que também estavam ajudando o Hamas, sem entrar em maiores detalhes.
Um perfil de LinkedIn que parece ser de el-Halabi diz que ele tem trabalhado na Visão Mundial desde janeiro de 2006 e tem servido como diretor da zona de Gaza desde julho de 2014. O perfil diz que ele antes trabalhava na UNDP, a agência de desenvolvimento da ONU.
A Visão Mundial comentou em sua declaração que apoia a neutralidade e que seus programas em Gaza “têm sido sujeitos a auditorias regulares internas e independentes.” Essa organização vem trabalhando entre israelenses e palestinos por mais de 40 anos, disse a declaração.
O General-de-Divisão Yoav Mordechai, comandante do órgão de defesa israelense COGAT, disse num discurso de vídeo em árabe que el-Halabi confessou canalizar dinheiro da Visão Mundial para o Hamas.
“O Hamas roubou esse dinheiro e o repassou para sua ala militar para construir bases, fornecer bônus salariais e cavar túneis de morte que têm trazido destruição sobre você e a Faixa de Gaza,” disse Mordechai. “O Hamas está enterrando você e sua esperança de viver uma vida normal.”
Wafa Shurafa, escritor da Associated Press na Cidade de Gaza, na Faixa de Gaza, colaborou com esta reportagem.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da Associated Press: Israel accuses Gaza manager of World Vision of funding Hamas
Leitura recomendada sobre o Hamas:
Leitura recomendada sobre a Visão Mundial:

2 comentários :

Antonio disse...

Ta me parecendo que essa instituicao eh a casa da mae joana. Alias, se no Brasil um comunista eh o chefe, o que faz pensar diferente de que, tendo sido permitido um menino das arabias ficar livre e solto por tantos anos, o que faz penar que tudo era diferente de acordo de compadres?

Antonio

Cicero disse...

O lugar dos palestinos é junto a seus irmãos árabes. Por que os ricos países árabes do oriente médio não os recebem hein?!
Mas os árabes os usam como baioneta contra Israel.