4 de agosto de 2016

Caso Marco Feliciano: Quem o está acusando de violência sexual: a Esquerda ou uma militante do PSC mentirosa?


Caso Marco Feliciano: Quem o está acusando de violência sexual: a Esquerda ou uma militante do PSC mentirosa?

HuffPost Brasil
Comentário de Julio Severo: O HuffPost publicou a matéria mais completa e imparcial sobre um suposto escândalo do Pr. Marco Feliciano. Embora a alegada vítima, Patrícia Lélis, tenha dito nos dois últimos dias que as acusações são falsas e inventadas pela Esquerda para destruir a Direita, isso parece uma explicação muito estranha e evasiva, pois há rastros de meses atrás na internet, de pessoas ligadas ao PSC (Partido Social Cristão), já alertando que a Patrícia queria desabafar e denunciar um estupro cometido por um deputado. Portanto, a origem dessa confusão não começou na Esquerda, que só poderia tirar vantagem depois que o escândalo foi vazado. O HuffPost é esquerdista, mas teve a nobreza de postar na íntegra os dois vídeos da Patrícia desmentindo áudios de meses atrás onde uma voz igualzinha à dela admite que houve violência sexual contra ela. Se uma investigação policial examinar todo esse material livremente disponível ao público poderá comprovar em laudo que 1) Patrícia mentiu antes ao alegar que foi estuprada por Feliciano, 2) por algum motivo ou acordo ela está mentindo agora para abafar suas primeiras confissões, ou 3) essas confissões são falsas. Isso só a polícia pode confirmar, examinando o conteúdo dos áudios, que são escandalosos, do começo ao fim. Quanto à conduta moral pessoal de Feliciano, isso é entre ele e Deus. Eu apoio e sempre apoiarei as declarações pró-vida e pró-família dele e de outros. Se eu tivesse de boicotar excelentes posturas pró-vida por causa da conduta moral de seus autores, eu viraria um eremita mudo que não citaria ninguém. Feliciano está de parabéns por suas posturas pró-vida. Sobre o escândalo que se originou supostamente em áudios que a Patrícia fez meses atrás e supostamente divulgou ao público, cabe só à polícia dar o veredicto final se esses áudios são autênticos ou não. Se não forem autênticos, um crime foi cometido contra a Patrícia e o Feliciano, mas a polícia tem os meios e recursos para descobrir seus autores. Se forem autênticos, o caso é gravíssimo e isso confirmaria problemas muito sérios para um deputado que recentemente declarou no Congresso Nacional que Olavo de Carvalho é como um “profeta verdadeiro,” numa demonstração lamentável de decadência espiritual. Abaixo, transcrevo o texto do HuffPost, que tem a total responsabilidade legal de todas as afirmações. Para acessar os vídeos e áudios que o HuffPost fornece, vá ao link do HuffPost no final deste artigo:
A coluna Esplanada, do UOL, revelou na terça-feira (2) a denúncia de que uma estudante de 22 anos, ativista do Partido Social Cristão (PSC), foi vítima de violência e assédio sexual do deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP).
Após o jornalista Leandro Mazzini publicar a reportagem, recheada de prints de conversas entre a jovem e um celular atribuído a Feliciano, a jovem Patrícia Lélis, que havia sido identificada pelas iniciais PL, gravou dois vídeos para desmentir a coluna:
"Blogs e sites que não são confiáveis colocaram a nossa foto juntos... A todos esses jornalistas que me ameaçaram dizendo que eu tinha que contar a verdade, tô aqui falando a verdade. A verdade é que vocês estão mentindo, tá em época de eleição... O pastor Marco Feliciano é uma pessoa íntegra com a qual eu tenho um contato muito bom, sempre muito bom respeitoso, muito amigável. Então, não propaguem mentiras."
Entretanto, a coluna Esplanada divulgou no fim da tarde desta quarta-feira (3) um áudio que mostra que Patrícia tinha uma opinião diferente sobre Feliciano há pouco tempo.
Segundo a coluna, a gravação é de uma conversa entre ela e um homem que seria o chefe de gabinete de Feliciano, Talma Bauer.
No áudio, fica claro que Patrícia (o nome dela é citado no minuto 12:17 da gravação abaixo) diz ser vítima de violência cometida pelo pastor:
"Com todas as letras, ele deu em cima de mim mesmo de uma forma assim descarada. Me levou a fazer coisas à força, que eu tenho prova disso. Dentro da casa dele, falou que tava tendo reunião na UNE. Pra eu ir pra lá. Cheguei lá, e não tava tendo. Ele não me deixou sair, fez coisas à força. Eu tenho a mensagem para ele: 'Feliciano, a minha boca ficou roxa'. Ele ri e diz: 'Passa um batom por cima'. Eu tenho todas essas provas."
O suposto chefe de gabinete tenta contemporizar o assédio de Feliciano, mas Patrícia ameaça fazer a denúncia à Polícia Civil:
"Sabe por que eu não levei pra delegacia ainda? Não foi por conta do Feliciano. Ainda não levei pra delecia porque eu sou cristã. Amo minha igreja... Isso vai prejudicar não só a igreja, mas todos os evangélicos... Eu não posso sair prejudicada [do partido] porque, se eu ver (sic) que eu vou sair prejudicada, aí eu vou na delegacia."
"No partido, ele [Feliciano] já tem que pedir perdão. Tá com a pica no cu do partido. Tá pior pra ele do que pra você. Você é a vítima."
E ela finaliza: "Manda o Feliciano quietar o pintinho dele".
Em entrevista ao HuffPost Brasil, Talma Bauer diz que o áudio é falso.
"Fizeram falso. Nunca conversei com ela em lanchonete. O áudio é falso, nunca conversei com ele, ela já colocou no Face dela que é falso... Isso é uma coluna que fizeram para sei lá, sei lá o quê. Mas eu nunca conversei com ela, nunca me mandou um link, nunca tivemos essa conversa. Ela já disse que é falso."
Abaixo os prints das supostas conversas entre Patrícia e Feliciano, obtidos pela coluna Esplanada: (neste link HuffPost).
Fonte: HuffPost
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

6 comentários :

Jobson Coutinho disse...

Penso que este áudio é falso. Veja bem, caro Júlio, hoje nós temos possibilidade de gravar imagens, qualquer aparelho de celular faz isso, por que, então, nalgo tão sério assim, não foi gravado em forma de vídeo? Lembre-se que temos ótimos imitadores de vozes, Tom Cavalcante, por exemplo.
Nunca fui fã de Marco Feliciano, nem como pastor, nem como Deputado, mas não lhe sou contra - concordo com muitos posicionamentos políticos dele - mas tenho que dizer que há uma revolta muito grande contra ele, devido à sua luta contra o gayzismo. E essa gente gayzista é inescrupulosa. A questão não é que confie totalmente em Feliciano, mas desconfio totalmente nos gayzistas.

Jorge Santos disse...

Um pastor não abandona o ministério. É um dom de Deus e não uma profissão que pode ser deixada de lado. Se ele é culpado eu não sei. Mas também não sei se ele é pastor. Nisso o Malafaia com todos os defeitos merece aplausos. E falta o parlamenta esclarecer a história do cartão de crédito.

Glauco Oliveira disse...

O Estado não podia se aliar à igreja, nós somos pregrinos e estrangeiros, nossa luta política está mais na esfera da oração do que dos discursos encomendados.

Leony disse...

Cara, pelo amor de Deus, tomara que não seja verdade, porque se for, vai ser um escândalo muito grande pra Igreja. Uma vergonha.

Escola Bíblica Dominical disse...

Fico admirado como as pessoas não aguardam o resultado do assunto para comentar. Não sei por que tanta pressa para acusar ou absorver alguém sem antes ouvir as duas partes.

Unknown disse...

Caso se confirme a veracidade deste áudio, ou seja, que se trata realm
ente da moça Patricia e do assessor do deputado, então cai por terra a afirmação de que tudo foi inventado por adversários políticos. A partir daí a polícia deve investigar para saber a verdade e punir, ou ele por tentativa de estupro ou ela por falsa acusação e imputação inverídica de um crime gravíssimo. Ou um ou outro é culpado, a sociedade exige uma resposta pois estupro é um crime hediondo e a questão já passou da esfera do interesse individual.