3 de julho de 2016

Profecias precisam ser examinadas


Profecias precisam ser examinadas

Julio Severo
Recentemente, o site da revista Impacto publicou um artigo intitulado “Profecia de uma senhora de 90 anos de idade em 1968 sobre o fim dos tempos!” Embora a profecia tenha alguns pontos aparentemente aproveitáveis, muitos interpretaram que já que foi “Deus quem falou,” então um trecho altamente polêmico não é o que estamos vendo — algo trágico. É algo bom, pois se a profecia falou, então, foi Deus quem falou, certo? Antes de darmos um “amém” precipitado, como outros já fizeram, consultemos a Palavra de Deus, que diz:
“Tratando-se de profetas, falem dois ou três, e os outros julguem cuidadosamente o que foi dito.” (1 Coríntios 14:29 NVI)
Nas congregações cristãs, por orientação do Apóstolo Paulo, os pastores precisam dar liberdade para profetas falarem. E igual liberdade para pessoas experientes julgarem cuidadosamente o conteúdo das profecias.
Julgar não é condenar, mas avaliar e examinar. Se a profecia tem elementos esquisitos, tomemos cuidado e aguardemos a próxima profecia!
Eu creio em profecias. As profecias sempre envolvem subjetivismo, em maior ou menor grau. A revista Impacto citou determinado trecho da idosa: “As pessoas dos países pobres irão caminhar para a Europa. Eles também virão para a Escandinávia e a Noruega. Haverá tantos deles que as pessoas vão começar a não gostar deles e tornar-se-ão duros com eles. Eles serão tratados como os judeus antes da Segunda Guerra Mundial.”
A imigração que está havendo para o país dela, a Noruega, é de “pobres” muçulmanos. Não, esses imigrantes não estão sendo tratados como os judeus. Pelo contrário, se os escandinavos tentarem criticar a imigração em massa de muçulmanos na Noruega e na Escandinávia, eles são tratados como judeus. Aliás, eles são tratados como nazistas, como racistas.
Os “pobres” muçulmanos estão cometendo uma infinidade de crimes na Europa, inclusive estupros em massa e ataques terroristas, não muito diferente de seu comportamento em seus países islâmicos de origem, onde os cristãos sofriam deles os mesmos abusos e crimes. Se a profecia da idosa estivesse correta, a única atitude que os cristãos na Escandinávia deveriam ter para com esses invasores seria tratá-los bondosamente como se fossem coitadinhos.
Não! Os coitadinhos são suas vítimas, tanto meninas e moças estupradas na Escandinávia quanto cristãos sofredores em seus países de origem. Aliás, esses muçulmanos perseguidores estão perseguindo até uma minoria de cristãos que consegue fugir do Oriente Médio e emigrar para a Europa.
Esse trecho da profecia da idosa está não está coerente. Acredito que se fosse uma profecia mais séria, teria dito: “Muçulmanos irão caminhar pela Europa. Eles também virão para a Escandinávia e a Noruega. Haverá tantos deles que haverá ataques terroristas. Haverá estupros em massa de meninas e moças. E quem ousar criticar os crimes deles será tratado e perseguido como os judeus foram no passado.”
Mas como eu disse, profecias envolvem subjetivismo. Alguns sonhos proféticos acertam mais, outros muito menos.
De fato, dizer que a massa de “pobres” muçulmanos que invadiu a Noruega e a Escandinávia será tratada como os judeus não tem cabimento. Esses “pobres” muçulmanos já estão até perseguindo os judeus na Escandinávia!
Portanto, em nenhum sentido eles são como os judeus, pois eles estão perseguindo os judeus!
A profecia da idosa norueguesa falhou, mas a liberdade de profetizar deve ser mantida, e igualmente a liberdade de examinar cuidadosamente as profecias, pois ambas as liberdades são bíblicas e igualmente necessárias.
Leitura recomendada:

8 comentários :

Jorge Santos disse...

O problema sãos vídeos do Feliciano pedindo certas coisas. Sou batista calvinista e abomino os calvinistas lgbt e pró aborto. Seja mais coerente e critique também as heresias pentecostais. Aliás fale dos pentecostais lgbt e pró aborto como Ricardo Gondim.

Jorge Santos disse...

A propósito Edir Macedo é pró aborto.

Esa disse...

Boa tarde! Julio eu não creio em profecias isso uma confusão porque o que a gente vê por aí tem na realidade a maioria muita "profetadas" por aí não tá no gibi a pessoa diz que Deus falou isso ou aquilo para vc na realidade não veio de Deus a pessoa falou na carne(por ela mesma dizendo que Deus falou aff) ou a pessoa foi inspirada pelo demônio mesmo então isso perigoso tem passagem na bíblia que cai como uma luva nesse tema que "Deus não é Deus de confusão ele é um Deus de ordem na casa de Deus".
A visão da igreja que eu frequento uma "neopetencostal" que tão perseguida e caluniada não tem esse sistema de visões, profecias, sonhos etc... Lá a verdadeira profecia está somente dentro da palavra de Deus isso mesmo nas escrituras sagradas.

Julio Severo disse...


Jorge, a maior denominação presbiteriana do mundo, a PCUSA, que é americana, apoia oficialmente a agenda homossexual e tem pastores homossexuais. Em comparação, a maior denominação pentecostal do Brasil, a Assembleia de Deus, não apoia oficialmente nem informalmente isso. Se existe algum pastor “pentecostal” que faça isso, o faz por conta própria e por pecado próprio. Quanto ao Ricardo Gondim, se você lesse mais o meu blog teria visto que eu o critico. Ele é pastor assembleiano e se perdeu DEPOIS DE ESTUDAR TEOLOGIA na Universidade Metodista de São Paulo. Veja meu artigo: Evangélicos progressistas, evangelicais ou encaPeTados?

Quanto ao Edir Macedo, já publiquei várias críticas a ele. Se você lesse meu blog, não estaria ignorante sobre isso. Veja:

Bispo Macedo e homossexualismo

Bispo Macedo: a favor do aborto e contra profecia

Izabel disse...

É desse tipo de equilíbrio e sabedoria que precisamos. Ponderação. Alegar que profecias precisam e devem ser analisadas, não significa dizer que devemos extirpa-las do meio da igreja.

Francis disse...

Amados, Tenho acompanhado na medida do possível quase diariamente, este blog. Apoio os comentários que tem me feito muito bem, e tem me dado uma nova postura quanto aos acontecimentos gerais entre nós cristãos.
Sou a favor de profecia como dom presente aos nossos dias. Não creio no cessacionismo, sou professor de teologia e sempre cito isso em minhas aulas. Quanto ao citado artigo feito em 1968, vejo como muito atual. Não posso em minha consciência querer acrescentar algumas palavras que acho que deveria ser assim assado, como Julio citou, "Esse trecho da profecia da idosa está não está coerente. Acredito que se fosse uma profecia mais séria, teria dito: “Muçulmanos irão caminhar pela Europa. Eles também virão para a Escandinávia e a Noruega. Haverá tantos deles que haverá ataques terroristas. Haverá estupros em massa de meninas e moças. E quem ousar criticar os crimes deles será tratado e perseguido como os judeus foram no passado.” Querido, você está vendo pela visão presente. Não deveria ser da sua forma. Não acrescente nada além.
Ela diz na profecia que são pessoas pobres. Precisaria ser muçulmano pobre? Eles perderam tudo. Nem todos praticam violência na Europa.
Esses são alguns pontos que desejei comentar.

Mateus disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mateus disse...

Não vi nenhuma incoerência na profecia. Os dados coincidem. Na parte colocada com frágil, acho fácil entender: ela diz que os refugiados serão tratados como os judeus ANTES da guerra. Pois antes da guerra, os judeus inicialmente foram rejeitados, depois agredidos com palavras, em seguida agredidos fisicamente e , numa crescente foram tendo seus direitos de cidadãos restringidos. Isso demorou um bom tempo. Tanto, que ao sentirem a ameaça, muitos deles foram embora da Europa com seu bens. Durante a guerra, o tratamento evoluiu para confisco de bens, prisões, morte e campos de concentração etc. A senhora se refere claramente ao tratamento dado a eles "antes" da guerra e não durante.

Pois bem, em relação à rejeição aos muçulmanos por essas nações que os receberam, é só questão de tempo. Os muçulmanos que estão praticando tais atos, estão construindo uma imagem do seu povo. Essa imagem tende a se generalizar. A solidariedade dos anfitriões tende a dar lugar ao repúdio e discriminação, para sua própria defesa, como sempre ocorreu com qualquer povo, pois todo mundo tem seu limite de tolerância.
Basta surgir um líder entre eles, que compre essa briga, e denuncie fortemente os crimes dos refugiados e ,em quê essas pessoas estão transformando seu país.

Tudo bem, essas possibilidades não aconteceram ainda, mas é ilógico pensar que escandinavos e noruegueses são eternos passivos. Todo mundo tende a se defender, é um instinto.

Mas, concordo com o autor da matéria, devemos ser prudentes em relação às profecias.