22 de julho de 2016

Peter Thiel, fundador do PayPal, recebe aplausos de pé ao declarar seu orgulho da homossexualidade entre republicanos americanos


Peter Thiel, fundador do PayPal, recebe aplausos de pé ao declarar seu orgulho da homossexualidade entre republicanos americanos

Julio Severo
Peter Thiel, intimidador capitalista bilionário e fundador do PayPal, cumpriu sua palavra. Dias antes de seu discurso endossando Donald Trump para presidente na quinta-feira, ele informou a toda a imprensa de que ele iria declarar: “Sou um homem gay orgulhoso.”
Peter Thiel
Ele deu muito tempo para uma alegada oposição contestar suas palavras confirmando uma conduta de pecado na Convenção Nacional Republicana (CNR). Mas não apareceu nenhuma oposição republicana, e Thiel foi recompensado com uma salva forte de aplausos como se ele tivesse discursado para a Convenção Nacional Democrática, que é esquerdista.
Ele quebrou uma nova barreira para o ativismo homossexual dentro do Partido Republicano ao se tornar o primeiro palestrante assumidamente homossexual a tratar de sua homossexualidade numa convenção do Partido Republicano — numa época em que os conservadores querem que o Partido Republicano lute contra a agenda gay.
Quando ele disse que ele tinha orgulho de ser homossexual e republicano, ele recebeu aplausos de pé, depois de acrescentar: “Quem se importa qual banheiro as pessoas usam?”
As famílias se importam.
Os cristãos se importam.
Os conservadores se importam.
Republicanos de mentalidade esquerdista poderiam estar dizendo para si mesmos: “Quem se importa sobre o bilionário homossexual Thiel declarando seu orgulho da homossexualidade entre nós enquanto ele usa sua fortuna para nossa causa política?”
Republicanos de mentalidade conservadora fizeram outras perguntas. Peter LaBarbera, fundador e diretor da entidade Americanos em Defesa da Verdade sobre a Homossexualidade (www.AFTAH.org), perguntou em sua conta de Twitter: “Quantos adúlteros assumidos discursaram numa convenção do Partido Republicano? O homossexualismo é só um pecado sexual diferente.”
Como evangélico conservador, também faço perguntas. Será que Thiel, o fundador do PayPal, pode restaurar minha conta? Será que ele pode pedir desculpa e declarar que ele cedeu a ativistas homossexuais que estavam me importunando e perseguindo?
Em 2011, o PayPal fechou minha conta definitivamente, depois de uma campanha orquestrada pela organização homossexualista americana AllOut. Para mim, o PayPal explicou que estou desqualificado para receber doações de meus amigos e leitores porque “você não é uma organização registrada sem fins lucrativos”. Para AllOut, o PayPal explicou que fechou minha conta porque “Levamos muito a sério quaisquer casos em que um usuário incitou ódio, violência ou intolerância por causa da orientação sexual de uma pessoa.”
Numa classificação dos dez maiores ataques aos cristãos em 2011, a Comissão Anti-Difamação de Cristãos, com sede nos EUA, classificou a pressão gay sobre o PayPal como quarto maior ataque anticristão de 2011, conforme saiu na revista Charisma.
Thiel acredita no libertarianismo, cujos seguidores tradicionalmente acreditam na liberdade de expressão e liberdade da imprensa.
Um verdadeiro libertário jamais teria exterminado minha conta no PayPal quando fui vítima de bullying de AllOut. Mas o ato anticristão de Thiel contra mim e minha família (minha conta era usada para receber donativos de meus amigos para nos sustentar) se explica pelo que ele escreveu num artigo de 2009 para o Instituto Cato. Ele disse: “Não mais creio que a liberdade e a democracia sejam compatíveis.”
Do jeito difícil, entendi que ele pratica o que crê e diz.
O escritor conservador Don Hank comentou sobre o discurso de Thiel na CNR:
Quando ouvi Thiel dizer ontem de noite que ele estava muito aberto ao diálogo, pensei que ele poderia realmente estar sendo sério. Mas considerando que ele estava na direção do PayPal quando o PayPal negou serviço ao Julio simplesmente porque o Julio acredita na definição tradicional do casamento (isso NÃO é crime!), é difícil levar Thiel a sério. Pareceria que ele é só outro intimidador que quer forçar todo mundo a apoiar a agenda homossexual e silenciar os que não apoiam.
É claro que se Trump for eleito, caberá a ele decidir se dialogamos abertamente ou só permitimos que as pessoas religiosas e outros indivíduos de mente sã sejam escravizados a essa agenda.
Penso que Trump está tentando navegar entre pessoas de tradição e os revolucionários que querem que a tradição seja abolida. Mas ele tem a sabedoria para ter êxito?
Sugiro que todos os que tenham ligações com a campanha de Trump enviem este link “o PayPal fechou minha conta definitivamente” para a liderança e lhes perguntem para ver se Thiel está sendo sério sobre diálogo e tem disposição de reabrir a conta do Julio. Afinal, o Julio está na linha de frente cristã do diálogo e a organização de Thiel, a qual afirma querer diálogo, está do outro lado. Se Thiel se recusar a restabelecer a conta do Julio, ele é mentiroso e Trump deveria se distanciar dele e divulgar uma declaração com essa finalidade.
Afinal, Trump poderia ter escolhido qualquer gay influente para palestrar na convenção, mas ele escolheu um intimidador que sufoca o diálogo enquanto de forma hipócrita afirma estar aberto a ele. Agora ele tem de dar satisfação por essa escolha ou recuar. Isso não pode ficar assim.
Ao que tudo indica, o problema de Thiel, de 48 anos, e seu PayPal não é só minha postura cristã conservadora contra a agenda gay. Na CNR, ele expressou críticas ao Partido Republicano, onde há muitos oponentes socialmente conservadores do movimento homossexual.
“Quando Donald Trump nos pede para Fazer a América Grande de Novo, ele não está sugerindo uma volta ao passado. Ele está correndo para nos liderar de volta àquele futuro brilhante,” ele disse.
Aparentemente, ele estava se referindo ao fato de que no passado os Estados Unidos eram dominados por evangélicos conservadores que rejeitavam a homossexualidade. Em sua fundação, os EUA eram 98% protestantes, não 98% homossexuais. George Washington, o primeiro presidente dos EUA, rejeitava a conduta homossexual.
Thiel, que apoia o “casamento” homossexual, foi um dos investidores originais do Facebook (uma decisão que o tornou bilionário) e ele ainda faz parte de sua diretoria.
Ele é também co-fundador de Palantir, uma empresa há muito tempo associada à realização de análise de dados para agências americanas de espionagem e monitoração.
Ele apoia a legalização da maconha, algo a que o Partido Republicano se opõe há muito tempo.
A decisão de Thiel de endossar Trump, ainda que o democrata esquerdista John F Kennedy seja seu presidente favorito, mostra que ele parece um republicano tão imprevisível quanto Trump.
É evidente que há muito mais coisas nas motivações de Thiel. Pelo fato de que ele é um capitalista com uma fortuna de 3 bilhões de dólares, ele pode simplesmente crer que Trump administrará a economia melhor do que Hillary Clinton. Suas ambições capitalistas parecem estar um pouco acima de sua militância homossexual.
Contudo, definitivamente seu poder capitalista está a serviço da militância homossexual. O PayPay se comprometeu a parar a expansão de seus serviços na Carolina do Norte, EUA, depois que o governador desse estado sancionou uma lei para proteger mulheres e crianças contra predadores homossexuais não permitindo que homens biológicos usem os banheiros e vestiários femininos.
Em resposta ao boicote do PayPal, no Facebook Franklin Graham, filho do lendário evangelista Billy Graham, disse: “O PayPal merece o prêmio de hipócrita do ano!… O PayPal atua em países inclusive Arábia Saudita, Nigéria e Iêmen, pelo amor de Deus. Só no mês passado o PayPal anunciou que estava se expandindo em Cuba, um país em que indivíduos homossexuais e transgêneros são presos, torturados e executados.”
Na CNR, Peter Thiel explicitamente exortou as pessoas a votarem em Trump, num contraste forte com o senador Ted Cruz, que esquivou-se de dar apoio e tem criticado Trump por sua postura sobre indivíduos transgêneros usando banheiros e vestiários femininos. Durante sua campanha, Trump disse que que os indivíduos transgêneros deveriam ter liberdade de escolher qualquer banheiro que quiserem.
Embora Thiel tivesse jogado um osso para Trump, para os republicanos e para os militantes gays, Trump parece estar jogando um osso para os evangélicos e para os militantes gays. Depois do discurso de Thiel na CNR, o discurso de Trump prometeu eliminar uma lei que impede os líderes religiosos de falar sobre política e ao mesmo tempo ele promoveu vigorosamente o rótulo “nossa comunidade LGBT.”
O presbiteriano conservador Robert A. J. Gagnon, que é professor de teologia e autor do livro “The Bible and Homosexual Practice: Texts and Hermeneutics” (A Bíblia e a Prática Homossexual: Textos e Hermenêutica), disse:
Trump disse: “Desta vez, o terrorista mirou nossa comunidade LGBT. Como seu presidente, farei tudo o que eu puder para proteger nossos cidadãos LGBT contra a violência e opressão de uma ideologia estrangeira odiosa. Acreditem em mim. E tenho a dizer que como republicano é tão legal ouvir vocês gritando de alegria com o que acabei de dizer. Obrigado.” Só podemos ficar pensando até que ponto irá essa definição positiva de “nossa comunidade LGBT.” Até que ponto a promessa de proteção contra o ódio se estenderá para promover leis discriminatórias de “orientação sexual” no mercado de trabalho contra pessoas religiosas. Ele já declarou apoio a tais leis e expressou oposição direta a leis que proíbem homens de nascimento de entrarem em banheiros femininos.
Obviamente uma presidência de Hillary promoveria essa agenda com mais força do que uma presidência de Trump. Mas uma presidência de Trump implodiria os valores republicanos por dentro, exterminando talvez para sempre nossa conexão com um Partido Republicano que outrora apoiava nossos valores e ética sexual. É por isso que muitos de nós continuam a ter reservas sobre endossar Trump para presidente até mesmo em face do horror de uma presidência de Hillary.
A presença do intimidador homossexual bilionário Peter Thiel como palestrante na convenção do Partido Republicano parece ter sido planejada para implodir os valores conservadores dentro do Partido Republicano.
Se Trump continuar tratando valores cristãos e a agenda gay como um mero jogo empresarial, ele estará cooperando com tal implosão.
Com informações do DailyMail e The New York Times.
Leitura recomendada:

5 comentários :

Cicero disse...

Os fundamentalistas gays como sempre, mostrando toda sua discriminação, preconceito, intolerância, perseguição e ódio peculiares.
E Trump quer andar em dois cavalos ao mesmo tempo.. vai logo quebrar as pernas!

Helio Bandeira disse...

A grande vantagem que o movimento lgbt leva sobre os opositores, sobretudo os cristãos, é a União. creio que Nem presciso dizer mais nada.

Everaldo Oliveira disse...

Uma coisa é certa: dentro do meio 'conservador' haverá sim, os infiltrados defensores da causa gay, do islamismo e do controle estatal mirrando a liberdade individual. Isso é até óbvio quando analisamos as coisas de uma perspectiva das Escrituras. Seremos odiados de todas as gentes por causa do nome de Jesus.

Jorge Santos disse...

Nos Eua os conservadores de verdade (não Trump e seus eleitores) são minoria. Hoje a América é socialista, lgbt, pró aborto, pró muçulmanos e anti sionista. Nós cristãos somos minoria e devemos glorificar a Deus pelas profecias se cumprindo.

Vilander disse...

Julio, apenas uma retificação:
Peter Thiel acredita no libertarianismo, e não no libertarismo como você colocou.